domingo, 22 de maio de 2011

Um Cardo...

Acabara de se colocar a uns quinze metros adiante de mim, quando dei por ela. Postara-se em sentido, de costas para a rua, voltada para a praceta mas sem a olhar. Foi a sua atitude rígida e, de certo modo, despropositada, que me chamou a atenção. Continuei a dirigir-me para a praceta, gozando o dia cheio de sol e a paisagem, ao mesmo tempo que a observava de soslaio.
Teria uns 8 anitos espigados ou 12 magrinhos a avaliar pelo perfil em tábua fininha. Das pernas, em palito, destacavam-se uns joelhos feiosos deixados completamente a descoberto pelo vestido, a competir com a mais curta mini-saia. Os braços, muito compridos, arqueavam ligeiramente para diante, em jeito de quem está habituada a carregar fardos – talvez irmãos mais novos – ou a pedir… Já estava quase a chegar ao pé dela. Via-lhe agora as feições escuritas, sem graça, à volta das quais se desalinhava uma coroa de cabelos encarapinhados por uma permanente barata. Mais um passo estaria a passar-lhe à frente…
“ Dê-me uma moedinha” - pediu sem convicção.
Eu não respondi mas abanei a cabeça com o ar convencido de quem está a dar o seu contributo para a mentalização das massas. Para ensinar às gentes que não é com esmolas que se resolvem os problemas sociais. A promoção é que é necessária!
Pareceu entender a mensagem e apreciá-la! Não insistiu e seguiu caminho, cabriolando à minha frente, quase colada a mim. Dir-se-ia que naquela agitação se desforrava do tempo todo que estivera perfilada à minha espera. No entanto, havia em tudo isto algo de insólito que não me convencia. Não fazia sentido que depois daquela longa espera, abandonasse tão alegre e prontamente o campo de batalha, mesmo que em consequência do meu elegante abanar de cabeça. Comecei a admitir que a explicação estaria no meu ar de lutadora.
Mas então, porque é que em vez de se afastar, se pespegara ali aos saltos, em cima de mim?
Perdi a paciência:
-Menina! Olhe que está mesmo em cima de mim… mal posso andar! - Saiu-me num tom meio doce, meio irritado. Estacou, hesitante…
-É por causa dos cães – e apontava um par de lobos de Alsácia de aspecto inofensivo que brincavam em conjunto, espoliando-se na relva. – Tenho medo deles, eles mordem!
Senti-me morrer de vergonha. Vergonha de, enfeitada com todas as minhas teorias de promoção social, continuar a pertencer ao número dos que só entendem do pobre a linguagem de pedir moedas. A quem o pobre só sabe dirigir-se de mão estendida mesmo que mais não queira que dois minutos de companhia.
-Não mordem, não! – E a minha voz dizia mais do que aquelas três palavras, Dizia: “ Não tenhas medo, eu estou aqui. Sabes? Apetecia-me dar-te a mão e fazer-te uma festa… Mas sou talvez, mais tímida do que tu. Desculpa ter sido bruta mas não entendi…”
Desta vez tenho a certeza que me entendeu e descontraiu.
Seguia agora uns quatro passos adiante de mim. Foi nesta formatura que passámos o primeiro dos pilares de um prédio em construção e pude assim observar detalhadamente o meu “pajem”. As meias de lã amarelas estavam puxadas, ou encolhidas, acima do joelho e deixavam por cobrir uma mão-travessa da coxa que o vestido não alcançava. Este era de algodão, aos quadrados amarelos também mas de outro tom e quadrados brancos. Destoava francamente do conjunto um casaquito de malha de cor indefinível - seria talvez rosa noutros tempos – com mangas que os anos e muitas lavagens tinham reduzido a três quartos. Os sapatos só os vi de trás. Reparei que eram pretos e sem calcanhar. Não pareciam estar apertados mas, chinelavam….”Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és”… Via-se bem que não estava habituada a aulas de ginástica ou de qualquer outro desporto. Metia as pontas dos pés e os joelhos para dentro, enquanto os braços saídos de uns ombros encurvados, se badalavam adiante do corpo, para um e outro lado, sem qualquer elasticidade.
Tudo fazia dó nela!
Os cães já haviam ficado para trás e o medo dissipara-se. Já perto do segundo pilar começou a afastar-se de mim: tencionava, parecia, atravessar a praceta e mudar de rua.
Vi-a apressar o passo e eu segui caminho a direito um pouco amarfanhada e já com saudades daquela companhia. Olhei ainda uma vez para trás a dizer-lhe adeus com os olhos e foi a última vez que a vi. Tinha trepado um muro e em cima dele, armara-se em estátua abraçada a si mesma.
Sombriamente continuei o meu caminho e descobri que, por entre a flor da madressilva, há hoje um perfume diferente, agreste e raro no meio da paisagem onde, um cardo, modificou para sempre o meu sentido de Amor!




78 comentários:

  1. Minha querida

    Por vezes é a vida que nos deixa não olhar para o lado...os nossos próprios pensamentos, mas o amor está no nosso peito, basta apenas um clic, como sempre fiquei emocionada, quantas meninas dessas existem.

    Deixo o meu beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  2. Senhora,
    Transbordam-me as lágrimas. Poucas vezes lí algo com tamanha honestidade d'alma!

    ResponderEliminar
  3. Olá Graça, é sempre um prazer ler-te amiga, mas deixaste-me comovida. Quantas meninas dessas não haverá...São as meninas/os de ninguém...sem nome, sem casa e sem amor. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  4. Captado o momento, ficou-me a tristeza por tanta mão estendida, por tantos braços sem abraços e por esta solidão anunciada.

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Que post, Graça! Tocou-me muito! Muitos beijinhos, minha querida amiga (ainda que virtual)*

    ResponderEliminar
  6. É Graça...quantas vezes não nos precipitamos nos julgamentos? A todos acontece isso. Adorei a história, como sempre. Mas, hoje vou-te contar uma coisa que te vai surpreender: eu tenho uma grande amiga que há uns dias me telefonou dizendo que através do facebook, chegou ao teu blog e desse chegou ao meu; ficou espantada, pois ela viveu em Quelimane e a Graça foi professoara dela de Religião e Moral; ela chama-se Ana Maria Azevedo; já se encontrou com a Graça num encontro de pessoas de Quelimane e parece que se vai encontrar de novo brevemente. Foi durante muitos anos minha vizinha e agora mudou-se para outro prédio, mas continuamos grandes amigas. Foi uma grande surpresa para as duas. Como o mundo é pequeno!!! Um beijinho e uma boa semana, amiga.
    Emília

    ResponderEliminar
  7. A vida as vezes nos esfrega na cara as lições de humanidade que vamos perdendo nesse mundo tão sofrido tentando esquecer suas dores.
    Lindo texto querida.
    beijos

    ResponderEliminar
  8. Temos tendência a ser muito rápidos a julgar as situações, mesmo se julgamos não estar a julgar pessoas :) E sai-nos tudo ao contrário. Nem sempre quando nos estendem a mão, estão a pedir esmola... por vezes, podem estar simplesmente a estender a mão :)São uns cardos aqui e ali, que nos ajudam a colocar tudo em perspectiva...
    Já publiquei a "tua" história... espero que gostes! Beijinhos!

    ResponderEliminar
  9. Que lindo escrito, Graça. Tanta sensibilidade!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  10. Olá, Graça!
    Que belo fim de noite me estava reservado! Fiquei, também eu, qual estátua de sua história, abraçada à figura frágil necessitada, de companhia mais que de esmola, meditando quantas vezes também já me terei perdido em julgamentos precipitados sobre "o outro"...
    Bem haja pela história, pela qualidade da sua escrita, pela profundidade da mensagem!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Vejo escorrer entre meus dedos
    as areias do tempo
    as águas do mar
    e até a luz das estrelas
    o sonho....o sonho passa inexorável
    pelas frestas da eternidade...
    e nada nos pertence de fato
    a não ser as nossas ilusões...

    £una

    Feliz Semana e beijos meus! M@ria

    ResponderEliminar
  12. Graça querida, que lindo texto, que bela mensagem!

    "Sombriamente continuei o meu caminho e descobri que, por entre a flor da madressilva, há hoje um perfume diferente, agreste e raro no meio da paisagem onde, um cardo, modificou para sempre o meu sentido de Amor!"

    Perfeito!
    Beijos na alma,

    ResponderEliminar
  13. Olá Graça bom dia:

    Quantas vezes nós sem querer-mos damos conta que não estamos em nós perante muitas situações quase semelhantes a esta?

    O tempo tudo diz e tudo trás em nossas vistas, assim como o silêncio de nossas almas quando por vezes nos abstraímos de certas realidades.

    Uma coisa que nos faz aprender muito na vida é todos os comentários deixados por quem nos visita.

    Sejam eles de que forma for, todos juntos formam grandes ideias daquilo que por vezes descuramos.

    Aqui neste teu post mais um momento de grande sentimento realista que nos deixa a pensar muito daquilo que vai pelo mundo e que também está à nossa frente, pois tudo isto é parte integrante do mundo em que vivemos.

    -------------------------------------------
    “ Dê-me uma moedinha” - pediu sem convicção.
    -------------------------------------------

    É aqui que se retrata neste gesto aquilo de que o mundo sem coração faz chegar esta voz com estas palavras.

    Belo post amiga.

    Bjos, tudo bom te desejo e uma semana muito feliz.

    ResponderEliminar
  14. Querida amiga, no mundo atual em que vivemos, não nos sobra tempo, ou muitas vezes fingimos não ter esse tempo, para olhar ao lado. Veja como essa menina modificou sua opinião e mexeu com seu coração. Quem sabe todos nós deveríamos olhar mais o que está acontencendo ao nosso lado.Parabéns pelo texto. Tenha uma linda semana. Beijocas

    ResponderEliminar
  15. Quantas histórias parecidas acontecem por este mundo... Mas quantas são sentidas, entendidas, vividas e contadas? E contada como se fosse eu o cardo em algum momento e no outro a madressilva em perfume.

    beijinhos querida Graça

    ResponderEliminar
  16. Olá, querida Graça

    Quedei-me aqui a ler este belo texto. Faz-nos pensar e ensina-nos a dar importância a coisas que no nosso dia-a-dia nos passam despercebidas, com a armadura de alguns preconceitos de que a nossa sociedade é pródiga.

    Um bom momento de crítica social e de humanidade.

    Beijos

    olinda

    ResponderEliminar
  17. Graça,minha querida.
    Um pouco afastada(VC SOUBE O MOTIVO)e só hoje vim visitar os amigos, não só para agradecer o carinho e a força,mas desejar uma ótima semana.
    Que história bonita,como as que sempre leio por aqui.Precisamos estar atentas,pois as pessoas andam precisando de atenção, carinho e como na maioria das vezes andamos fechadas em nosso mundinho,não percebemos.Amei o texto!!!
    Um abraço..
    Emilinha

    ResponderEliminar
  18. A sua sensibilidade me comove, Graça!... Como pode ao simples cruzar com um pequena menina, transformá-la em marcante cardo que vai modificando o valor das flores que enfeitam a vida?...
    Linda forma de escrever... Impecável descrever de sentimentos...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  19. Querida amiga Graça.

    A tua sensibilidade não deixaria passar uma situação assim. Como se comprova.
    Mais que uma moeda, que poderia resolver uma questão momentânea, algumas palavras, uma mão que se apresenta com carinho, pode fazer a diferença.
    O mesmo acontece com os animais abandonados, que por vezes uma festa os faz mais felizes que matar-lhes a fome.
    Temos defesas inculcadas que nos fazem automaticamente dar um retorno para nos manter-mos à defesa no nosso mundinho. Mas um olhar mais atento faz despertar sentimentos e abandonar os filtros.

    Beijo e kandandos meus.

    ResponderEliminar
  20. Ola minha querida, sempre escreve muito bem, mas esse texto emociona qualquer um. Um grande abraço

    ResponderEliminar
  21. Olá Graça
    Seu texto foi comovente. Uma história contada com sensibilidade e amor.
    Bjux

    ResponderEliminar
  22. Ola Graça. Desculpe não estar por aqui antes. Adorei sua visita no blog e adorei ainda mais seu comentário. Como pude me esquecer dos nossos patrícios? Obrigada pelo "puxão de orelha" e pelas dicas valiosas que vc deixou. Estou me recuperando e quando estiver melhor já estou programando explorar melhor suas dicas e dedicar-lhe um post especial. Muito obrigada e também estarei sempre por aqui. Grande beijo.

    Marcia
    www.luzcameradiversao.com

    ResponderEliminar
  23. QUERIDA GRAÇA
    O Mundo está podre, pois cada vez mais há a tendência de julgar as pessoas e os seus actos, sem nada saberem dessa pessoa; Já fui vítima desse mau julgamento e sofri, dói muito quando o fazem...friamente.

    Mais uma história tua que adorei.

    Por aqui, nos meus 2 blogues estou a fazer uma experiência, ou seja, comecei a história num blog e continuo a mesma história no outro blog...para ver se as pessoas mostram interesse em fazer o seguimento da história...mas sabes uma coisa? Ninguém liga a nada disso...

    UM DIA DIFERENTE E BEM PASSADO
    Ando a dizer há umas semanas que o mês de MAIO está a ser muito intenso, de saídas em grupo e ao mesmo tempo cansativo.
    Logo no dia 1 de Maio passei o dia numa Quinta em que o "azulejo" é Rei. O dono da Quinta faz pintura em azulejo entre outros hobbys e eu mostro tudo isso e o que mais se passou na tal "Quinta"...ficaste curiosa?
    Então vem espreitar...
    e, garanto-te que te vai crescer água na boca.

    Outra notícia: acabei de montar outra exposição de fotografia que vai ser inaugurada na próxima 6ª feira.
    Uffff...que alívio...agora já sei que correu tudo bem e está bonita.
    Pena não viveres aqui mais perto, vinhas ver.
    Boa semana para ti.
    Beijokas.

    ResponderEliminar
  24. Olá Graça

    Emocionei-me com tão real texto.

    Há um Portugal de crianças "cardos"...

    Bjs.

    ResponderEliminar
  25. o amor é imperfeito

    são os cardos, que depois de queimados teimam em florir, Graça!

    a menina com medo é igual a todas as meninas, difere a aparência e os olhares que a sabem, ou não, ver.

    ...volta lá, amanhã, à praceta...


    um beijo

    manuela

    ResponderEliminar
  26. ...asi
    GRACA
    nos
    carda
    con sus
    cardos
    hoy si
    mañana
    tal vez
    la vida...



    una rosaroja para ti, tu amigo :





    j.r.s.

    ResponderEliminar
  27. Graça,

    Quantos de nós passamos por esse tipo de experiência, quando vemos crianças famintas, andando de uma lado para outro em busca de uma moeda. E como você disse muito bem, não chegamos a perceber que estão carentes não apenas de meios para a sua sobrevivência, mas também de carinho - às vezes um simples gesto nosso, que possa demonstrar nossa atenção para com ela, para que possa sentir-se parte do mundo em que vivemos, e, com isso. podermos demonstrar a essas crianças que elas são gente como nós, embora em situação tão desfavorável. Parabéns, Graça.

    Abraços,
    Pedro.

    ResponderEliminar
  28. oi amiga,

    infelizmente no mundo há muitas crianças assim, carentes de tudo, teu texto me emocionou bastante.

    uma linda noite!

    beijos...Mariz

    ResponderEliminar
  29. Graça,
    A cena já nos é muito conhecida e nos deixa sempre com um aperto no coração. A maneira como descreves, nos leva a refletir intensamente num misto de tristeza e ternura.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  30. Olá Graça!
    Teu texto é muito comovente! Aqui, também há tanta miséria e tantas mãos estendidas!
    Cada vez que passo pelo centro da cidade, acabo deprimida!

    ***
    Beijinhos e feliz semana, amiga****

    ResponderEliminar
  31. Uau, Graça
    Passei rápido pra te dar um alô depois de um fim de semana prolongado, quando me peguei ja lendo o seu post. Caramba, quanta emoção, amei! Beijos com muito carinho e uma linda semana!

    ResponderEliminar
  32. Pois, Graça, toda a ternura que desperta em ti/ nós uma criança está aqui, nestas linhas cheias de vida e de movimento. Todas as teorias caem por terra perante a inocência absoluta, não é Graça. Ela deve ter gostado de ti. Talvez goste um dia de ler este texto! Quem sabe? Beijinhos muitos

    ResponderEliminar
  33. Desculpa o anonimato... Madalena. Não consigo inserir a minha conta google...

    ResponderEliminar
  34. Sei que me vou repetir, mas tenho que o fazer, Graça, amiga, é um imenso prazer ler-te.És maravilhosa.

    Este encontro com esta menina marcou-te para toda a vida. Eu sei como te sentes.
    Permite-me que te conte que eu também conheci uma menina assim, embora diferente.
    Foi em Coimbra e tenho duas fotos dela e da mãe e irmão.
    Quando a vi, sozinha, sorri-lhe imediatamente. Como levava a câmara ao pescoço e tirava fotos a tudo e a todos ela assustou-se e escondeu-se atrás dum pilar da Igreja.
    Aproximei-me dela e tentei falar-lhe mas ela não me percebia, era Romena (soube depois). Ousei acariciar-lhe o rosto e obtive um sorriso, Depois levou-me pela mão até à mãe. Com a mãe já me entendia, mesmo que muito pouco.
    Tenho todos estes momentos fotografados. Gostava que os visses, mando-te as fotos por e-mail.
    Desta vez dei todas as moedas que tinha comigo e ainda hoje guardo o sabor doce do momento em que a fiz sorrir.

    Desculpa se me alonguei, mas ao ler o teu texto lembrei-me logo da minha menina também.

    Beijinhos querida.
    Bem hajas por teres esse coração de oiro.

    ResponderEliminar
  35. Graça,
    A vida está sempre a nos presentear com ensinamentos múltiplos.
    O fato nos chama atenção para que possamos olhar o nosso próximo com os olhos de quem sabe ver além das aparências.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  36. Olá Graça, que tudo esteja bem contigo, sempre!
    Assim é a vida Graça, em certos momentos ela nos mostra que estamos um pouco afastados de nossa humanidade, não que eu seja a favor de esmolas, mas é que nestes momentos chegamos a esquecer que a nossa frente é outro ser humano feito nós, e que ao avistá-los já nos armamos de um tanto de repulsa, ou má vontade de até dialogar com eles, quando na maior parte das vezes querem ao menos uma palavra de carinho, um simples consolo para aquele péssimo momento em que está vivendo!
    Gosto de ler e viajar nos textos que posta por teu canto pois são repletos de sentimentos e de muita reflexão!
    Parabéns pelo belo texto e pelas imagens postadas!
    Assim desejo a você e todos ao redor intensa felicidade, e agradecido pelas visitas e amizade, deixo um grande abraço e até mais!

    ResponderEliminar
  37. Olá, Graça
    Aos poucos vou retribuindo as visitas recebidas, de modo a não cansar demasiado o meu olho e não prejudicar eventuais (e pouco prováveis...) melhoras.
    Muito o brigada pelo teu carinho.

    Quanto ao teu post:
    Quando vejo um pedinte a minha reacção é igualzinha à tua - abanar a cabeça em sinal negativo. Por norma não dou esmolas, não porque não lamente quem necessita, mas porque acho que ninguém deve viver da caridade alheia. Tem que haver organismos governamentais para suprir as necessidades dos mais pobres; ao darmos esmola estamos a camuflar um problema grave, que não se resolve à custa de eventuais (e acredito que muito raras) ajudas.
    Apesar de tudo isto, o teu texto é extremamente comovente, e deixa-nos uma sensação de mal estar quando pensamos que, também nós, já abanámos a cabeça...

    Boa semana. Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  38. Voltei para dar uma informação.
    Não consigo fazer login no meu blog, e muitas vezes não consigo fazer comentário personalizado, sai com Anónimo.
    Mas tu sabes quem eu sou...
    Mariazita

    ResponderEliminar
  39. Gracinha: tu és uma grande narradora! consegues, com poesia, fazer-nos "ver" os "cardos" , as rosas, as madressilvas...Ao começar a ler esta narrativa, veio-me à cabeça, o poema de Cesário Verde, "NUM BAIRRO MODERNO"...Vê, se puderes e deixa que te beije com carinho e admiração!
    BEIJO
    Mª ELISA

    ResponderEliminar
  40. MAIO - 25 - DIA DE ÁFRICA

    ÁFRICA

    Vim ver-te.
    E trazia em mim uma saudade imensa
    e a memória do teu cheiro inesquecível.

    Vim ver-te.
    Com os olhos cheios de ânsias de infinito
    e as mãos tremendo na sede de abraçar-te

    Recebeste-me,
    na calma parada dos teus dias sem tempo,
    igual a ti mesma, decadente e livre.

    Ris-te das minhas pressas de deveres inexistentes,
    do meu ar perdido de sonhos do passado.

    Sinto dentro de mim paredes que não eram
    e os meus horizontes tem hoje grades decoradas.

    Mas sou eu, Mãe.
    Já com olhar de distância e longe das planícies,
    que não te pertenço mas acabo sempre por voltar.

    José de Almeida

    À "MINGHA ÁFRICA"

    ResponderEliminar
  41. Olá, Graça!

    Ver gente de aspecto pobre, e mesmo miserável, tornou-se tão comum e frequente ,
    que tendemos apenas a ver o pobre,
    esquecendo que dentro dele existe gente;
    talvez como estratégia de defesa,
    tornámo-nos "indiferentes"...!

    Gostei de ler; puseste, muito bem, o dedo na ferida.

    E não trates mal essa tendinite, senão a bicha ainda fica mais assanhada...

    Eu,vou desenrascando escrevendo com a canhota - e estou quase artista...!
    Melhoras, beijinhos.
    Vitor

    ResponderEliminar
  42. Graça, amiga amada!
    Voltei carregadinha de saudade...
    Eu assisti um filme que mostrava bem essa forma dura e triste como os colonizadores tratam os africanos. É perverso, é chocante. Quando isso terá fim? Quando?
    Estão te desejando "melhoras", estás doentinha?
    Fica boa logo, viu?
    Te adoro, de coração!
    Beijos!!!

    ResponderEliminar
  43. Este comentador às vezes não funciona...
    Vamos lá ver agora com outra opção.

    É tudo muito complicado... há princípios, mas as crianças são vítimas de um conjunto de situações às quais são completamente alheias.
    Eu penso como tu, mas quase sempre ajudo...
    Belo texto, querida amiga. Gostei, como sempre.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  44. Um relato que comove, instiga; chacoalha a casa interior... Muito do que surge em nosso caminho cotidiano é olhado, mas não com a profundidade necessária. Olhos de ver... Raramente.

    Um beijo, querida Graça, e inté!

    ResponderEliminar
  45. Uma história e tanto, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  46. Grande beijo do cantinhodacurva para você!

    ResponderEliminar
  47. Bom dia amiga Graça :)

    Vim ver a minha menina ...
    Sabes? Já há muito que pensava escrever sobre ela, mas falta-me o tempo e sobretudo a tua Arte...
    Talvez um dia, quem sabe!!!

    Beijinhos
    N@

    ResponderEliminar
  48. Very touched by your story!
    There is great suffering in the world ...
    You write wonderful!
    Many greetings

    ResponderEliminar
  49. Um texto extremamente comovente e tocante!!! :) Muitos parabéns!!! Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  50. DESCULPEM NÃO VOS VISITAR NESTES DIAS MAIS PRÓXIMOS...O MEU CORAÇÂO CHORA A PARTIDA INESPERADA DA MINHA AMIGA VIRTUAL, MAS VERDADEIRA - RENATA FARIAS -DO BLOG "POR TODA A VIDA" ( E TÃO CURTA, MINHA QUERIDA...) QUE ME TRATAVA CARINHOSAMENTE POR "GRACITA" E VINHA TODAS AS NOITES TOMAR CAFÉ COMIGO...A MEIO DO OCEANO!!!
    NUNCA TE ESQUECEREI E A DEUS PEÇO POR TI!
    ATÉ SEMPRE, RENATINHA!

    ResponderEliminar
  51. Que belo conto aqui me estava reservado!emocionante e tão real!Como sempre adorei este belo texto, querida amiga.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  52. Graça,
    Depois dê um pulinho lá no Amadeirado para pegar o selo "500 corações em 1 ano". Você faz parte da minha felicidade. Obrigada por me seguir e contribuir com seus excelentes, inteligentes e gentis comentários!
    Bjkas com muito carinho.

    ResponderEliminar
  53. Graça, Minha Boa e Sensível Amiga,
    As suas histórias têm autenticidade e são de uma sensibilidade extrema! Por vezes somos precipitados nos julgamentos e depois é difícil corrigi-los. Neste caso ficou-lhe marcado para todo o sempre aquele CARDO que ainda hoje a pica apesar da flor ser bem bonita!
    Um beijinho muito amigo e solidário.

    ResponderEliminar
  54. Graça,um texto de solidariedade e lição para que não sejamos precipitados nos julgamentos.
    Adorei.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  55. Olá Graça, lindo e emocionante seu texto. São muitas dessas meninas nesse mundo cruel que não dá vez a todos. E há muitos também que olham pra elas e não as enxergam, infelizmente, não é?

    Meus sentimentos em relação à perda da sua amiga.Que descanse em paz.

    Um beijo e fique bem.

    ResponderEliminar
  56. Minha Amiga muito boa noite.
    Que lindo e tocante texto.
    Me tocou porque um dia eu fui uma menina que ninguém me notava, eu viva de cabeça e o olhar baixo, por conta da minha timidez, eu viva falando com os pensamos, mas só eles, então eu pensava eu estou aqui olhem para mim, mas ninguem nem ligava.
    Mas o Amor é mais forte que tudo e hoje sei que alguem, sou uma pessoa que ama a vida.
    Tenha um lindo dia coberto de muita paz e alegria
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  57. Boa noite Graça,
    Um pouco atrasada mas ainda a tempo de ler esta linda história, gostei mesmo muito!

    Tenho andado arredada da net, espero voltar com o ritmo anterior brevemente.

    Beijinho,
    Ana martins

    ResponderEliminar
  58. Olá Miss :)

    Olha, o teu comentário (enorme) que publicaste sobre o a tua estadia no Hotel Estoril-Sol, encontra-se lá, sempre esteve lá, mas na plataforma ao lado (ECHO), pena que na altura não inseriste o teu link e nem desconfiava quem era.

    Agora que comentaste na plataforma da BLOGGER, tive a certeza que eras tu e tive o cuidado de copiar o teu comentário. Se quiseres fazer um copy e um past com o teu login aberto, eu depois apago o que inseri lá, aproveitando o teu link. ok? Fica ao teu critério.

    Beijinho e bom fim-de-semana.

    Agora

    ResponderEliminar
  59. .
    .
    . lê.la é sempre um prazer e um prazer para sempre . e eu venho sempre ... .
    .
    . g.r.a.ç.a. .
    .
    . modificadora de todos os sentidos . idos e por ora aqui reunidos .
    .
    . um beijinho .
    .
    . paulo .
    .
    .

    ResponderEliminar
  60. Olá amigo(a)!

    Tem um recadinho pra vc lá no DRAMA.
    Por favor, não deixe de ler!

    Grata.
    Bia Franco

    ResponderEliminar
  61. Quantas histórias como esta que tão bem descrevestes aqui, Gracita, acontecem pelo mundo! Tantas pessoas a povoarem a TERRA e tanta solidão...
    É de marejar os olhos e apertar o coração...
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  62. O que fica para dar a eles, se eles chegam primeiro e tanto nos dar.
    Mal sabemos o valor que tem uma moeda voltada para baixo...
    Ao que vemos da janela, nos alimentamos, o viver de teorias, julgando casos serem todos iguais e quanto não nos enganamos...

    O texto florido pelas tuas palavras e colocações, sempre nos trazer aos encantos como o despertar de uma realidade, que das vezes optamos por não ver...
    Lindo e comovente texto...

    Excelente fim de semana pra ti

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  63. Nunca vi um cardo, mas posso lhe afirmar que textos como esse mudam minha visão sobre o amor.

    Esse é o grande encanto da net: encontrar o que falta no quebra-cabeça que é nossa vida.

    Beijo.Estava saudosa de vir aqui.

    ResponderEliminar
  64. Oi
    Depois eu volto pra ler com mais calma.
    Mais a tristeza desse olhar perdido,
    me deu vontade de mostrar que existe um
    mundo novo, que as coisas tem jeito.
    Beijos...
    Lúcia

    ResponderEliminar
  65. ENCANTADOR SEU BLOG! ESTOU TE SEGUINDO E ESTOU DE BLOG NOVO. AINDA ESTOU ESQUENTANDO O FOGÃO... FAÇA UMA VISITA E SE QUISER SIGA PARA AVALIAR O MEU TRABALHO. BJOS. http://francesjames.blogspot.com
    MEU BLOG NOVO: http://cantinhodaleitoa.blogspot.com

    ResponderEliminar
  66. Que belo relato, amiga.
    Constatar que em todo ser vivo há algo a nos acrescentar, principalmente o ser humano é maravilhoso. Lindo!
    Beijinhos e obrigada por tua carinhosa visita.

    ResponderEliminar
  67. Graça, ontem o blogger não me deixou postar um comentário e então postei lá no meu blog. Dá um pulinho lá.

    bj
    Anne

    ResponderEliminar
  68. E hoje só como 'anónimo'!!!!!

    ResponderEliminar
  69. ...colores
    son la
    viña miel
    de tu
    urdimbre
    aquí ya
    vida vid
    querida GRACA
    en tu panal...



    buena semana y una rosaroja
    con afecto ,tu amigo :


    j.r.s.

    ResponderEliminar
  70. AMIGOS

    TIVE DE PARAR UM POUCO...ÁS VEZES, HÁ OUTROS "CARDOS" QUE TAMBÈM CAIEM NA NOSSA VIDA!!!
    HÁ QUE FAZER SILÊNCIO E , NESSA QUIETUDE, QUE È UM BÁLSAMO, REUNIR FORÇAS PARA CONTINUAR...SE NÃO HOUVESSE EM NÓS (EMBORA ESCONDIDO) UM HINO ALEGRE DE ESPERANÇA E A CERTEZA DE QUE DEUS NOS HABITA, A VIDA, DECERTO, SERIA UM IMENSO DESERTO...HABITADO!
    EM JUNHO PROCURAREI SER MAIS ASSÍDUA AOS VOSSOS ESPAÇOS!
    BEIJOS PARA TODOS!
    GRAÇA

    ResponderEliminar
  71. É assim, Graça, que muitas vezes não prestamos a devida atenção a coisas "menores" e, afinal, elas depois despertam em nós sentimentos tão "sentidos"!
    Quantas vezes já vi nas ruas de Setúbal ou aquí no Brasil, "miúdas" como aquelas que, impressionantemente, descreveste!
    Como vês não me "esqueci" de TI.
    Obrigado por, nos entretantos, me teres visitado no alone.
    Amigo que é Amigo não é só... "seguidor"!...
    Beijo, Amiga, com ternura.
    Antonio Rui

    Nota: este Blogger já me fez repetir isto 2 vezes... rsrs
    Tchau.

    ResponderEliminar
  72. Venho agradecer todo o teu carinho ,mas a verdade é que ando um pouco de pernas para o ar não chegou o susto com a minha gata ;depois foi o meusogro que lhe deu qualquer coisa e não diz coisa com coisa,depois a morte de uma prima com cancer em 10 meses e agora as minhas costas voltaram a começar a doer-me e não acaba aqui,o meu marido anda com um problema na cara de pel que os medicos não sabem o que é ,e cada vez está pior,amanhã vamos a outro medico
    Por isso a vontade tem sido pouca para vos visitar,mas agradesso as vossas visita
    um beijinho e desejos de uma boa semana
    GRAÇA

    ResponderEliminar
  73. Interessante como as vezes passamos olhamos e não vemos pessoas ao nosso lado... Depois de ler este teu artigo, lembrei-me de um outro sobre uma tese de Mestrado onde o estudante/professor se veste de gari dentro da própria universidade e ninguém repara nele.
    Boa semana e sorte!!!

    ResponderEliminar
  74. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  75. lINDA ESTA HISTÓRIA QUE NOS DÁ QUE PENSAR. o FINAL É PRÓPRIO DO TEU CORAÇÃO.
    bEIJO
    tERESA )qUELIMANE)

    ResponderEliminar
  76. Estimada Amiga de Excelência:
    Um texto fabuloso numa pessoa literariamente perfeita.
    É notável e de um valor imenso.
    Parabéns sinceros pelo que cria de fascínio, ternura, encanto e pureza.
    É uma arte que lhe sai das mãos que seguram a pena. Já nasceu com beleza em si desde sempre.
    Sublime e arrebatador. Perfeito.
    Abraço amigo ao seu gigantesco e enorme poder de maravilhar e encantar.
    Com respeito.
    Sempre a admirá-la muito

    pena

    É prodigiosa, amiga de sonho.
    Adorei.
    Bem-Haja, pela escrita fantástica que concebe.
    Adorei.

    ResponderEliminar
  77. Sim, modificou-se. Tenho isso por certo. Por ter passado por situações equivalente, e perder-me em considerações, hoje extravagantes, muitas vezes, não me deixei levar pela compaixão, aquele sentido mais complexo e talvez completo do amor. Foi um velhinho que mo ensinou de cabo a rabo. E você exemplarmente o dignificou e completo, hoje, com seu texto. Peço-te desculpas pela ausência. Muitas obrigações, poucas emoçoes e tanta saudade.

    ResponderEliminar
  78. dói-me ser a Flor do Cardo
    não ter a mão de ninguém
    hei-de ser Cravo Encarnado
    que vive em pé separado
    e acaba na mão de alguém
    (João Monge).
    Beijo

    ResponderEliminar