terça-feira, 13 de maio de 2014

Viver de Novo



Da janela do seu quarto, Marta aspirava com deleite os primeiros perfumes da manhã que vinham do seu jardim tão florido naquela primavera. Amadurecia, como os frutos, separando tudo de uma forma nítida, para ligar depois de uma forma mais íntima.
Marta gostava de vestir a sua alma na intimidade do seu jardim… que lhe dizia tanto. Os amigos interrogavam-na sobre a razão de necessitar tanto daquele espaço. Ela sorria e afirmava que a intimidade com alguém ou alguma coisa é amassada todos os dias como o bom pão. Dizia:
- Tenho pássaros dentro de mim que nunca aprenderam a voar e tento apontar-lhes caminhos…
Não. Eles nunca a entenderiam…
Marta correu completamente as cortinas e abriu as janelas do seu quarto de par em par. Adorava as manhãs em que o sol se escondia por de trás de um fino nevoeiro e coava uma luz amarela que transformava tudo numa poalha de oiro. Lembravam-lhe outras manhãs distantes na sua longínqua terra natal.


O verão chegaria em breve e, por isso, os odores eram mais fartos e sensuais. Não tão sensuais como os que guardava na sua memória, mas, ainda assim, tão sentimentais e perfumados que a faziam esquecer horas mais dolorosas cheias de ecos distantes e de emoções nunca esquecidas. Nas suas mãos, a cada manhã, pesava a alegria destes momentos e procurava estar inteira no mundo.
Era uma mulher de Fé, Fé também esta que os amigos não entendiam mas que admiravam quase como uma certa inveja.
Os pássaros entoavam uma sinfonia magistral e Marta sentia-se apaziguada com a vida e com as saudades. Era como começar o dia com uma “Acção de Graças”. E havia tanto para agradecer, apesar de tudo. Celebrava a vida no lavar do rosto daquela manhã.
As amigas confidenciavam-lhe:
- Gostava de ser como tu…
- Em quê? Não tenho nada de especial…
- Tens Fé, constróis sonhos sobre sonhos, mesmo quando eles se desmoronam… Para ti, amanhã, tudo vai ser melhor... Como consegues isso num tempo em que ninguém já segura as rédeas? Vejo-te sempre de pé, maior que todas as tuas lutas, acreditando na promessa de outros dias felizes.
- Sabes que não é bem assim… Mas sim, tenho Fé porque tive a felicidade de ter tido uma infância e juventude rodeada de amor. Pais, familiares e amigos atentos ao meu crescer. Nasci num país fabuloso de sol onde a vida cheia de simplicidade nos dava tempo para desenvolver o espiritual. Arquivava na minha memória todo o bem que ouvia e via e a minha alma foi-se enchendo como um vaso: pouco a pouco! A Fé não aparece de um dia para outro… É uma longa construção que dura anos, ou antes toda a vida, e que tem de ser cuidada diariamente.
- É preciso ter a tua paciência…
- Não! Apenas pautar a vida pelo que se acredita e dar-lhe um sentido.
- Tens uma alma fantasista que te faz ver sempre horizontes largos…
- Nasci neles, física e sentimentalmente. Não há vida mais triste do que ter uma mentalidade mesquinha e tacanhez de coração.
- Talvez tenhas razão… Aqui viviam-se outros tempos e possivelmente não tivemos tempo, nem oportunidade, de crescermos por dentro, como costumas dizer.
- Mas ainda estás a tempo de o fazer…
- Agora? Pensava que havia um tempo para crescermos…
- Fisicamente é claro! Noutra dimensão há sempre novas sementeiras nas nossas vidas e condições de colheitas também…
Marta sorriu ao recordar esta conversa. Gostaria que os seus amigos entendessem que a vida é tão diferente daquilo que eles pensavam. 


Inclinando-se no parapeito da janela vislumbrou ao fundo, no jardim, uma grande mancha vermelha… Rosas, as rosas vermelhas que adorava. Tinham florido nessa noite. Vestiu depressa o roupão azul de verão e correu feliz ao seu encontro. Não podia prolongar a vida nem por um minuto apenas mas podia torna-la maior e mais bonita. Marta aspirou devagar o perfume das rosas como se bebesse pequenos tragos de um vinho saboroso. Era assim que ela amava a vida: sentir-se rainha por alguns momentos e pensar que morrer era o que menos importava quando se viveu intensamente.
- Está-se bem aqui no teu jardim. Entendo agora porque gostas tanto dele…
Voltou-se rápida.
- Oh Carlos, estavas aí…
- A Maria deixou-me entrar e disse-me que estavas no lugar do costume.
- Já tomaste o pequeno -almoço?
- Não, mas não te preocupes…


- Não há que ver! A Maria faz umas torradas deliciosas com manteiga e mel. Enquanto me visto ajuda-a a colocar a mesa pequena do pátio aqui, bem no meio do jardim. Repara na moldura que nos cerca: gladíolos, rosas, jarros e as lendárias hortenses…
- É e será um pequeno-almoço cheio de poesia e…
- Eu não me demoro… - Atalhou Marta rapidamente sem deixar que Carlos concluísse o seu pensamento.
Quando saiu do seu quarto passou pelos quartos dos filhos. Ana, uma executiva responsável e um pouco o seu retrato, já tinha saído para o trabalho. Marta olhou com carinho aquele espaço tão feminino, onde cada objecto fora escolhido com cuidado e disposto com elegância e arte.
Em cima do cadeirão, junto à janela, estava um livro com um marcador dentro. As delícias de Ana: os livros, tais como as suas. Há ligações que não se consegue explicar.
Pegou no retrato que estava na mesinha de cabeceira e olhou com amor um Zé Manuel saudável e sorridente. Ana gostara sempre daquela imagem do pai. É contra nós que corre o tempo mas Marta acreditava que só se morre quando mortos na memória daqueles que nos amaram. Ana era a menina bonita do pai. Bebia-lhe as palavras e os ensinamentos mas ele partira sem saber que a filha tinha concretizado os seus sonhos profissionais e era uma jovem encantadora.

Marta fechou devagarinho a porta do quarto, deixando atrás de si um espaço mergulhado numa doce penumbra cor-de-rosa onde pairava uma fragrância fresca de mulher.
Marta pensava numa frase que lera há muito tempo, não sabia mesmo onde: ”Nós somos todos feitos de amor e para amar.” Nesse momento esbarrou com o filho que saía do quarto como um furacão.
- Mãe, depressa, um beijo, já estou atrasado! – E como um meteorito correu pelas escadas deixando atrás de si um rasto de confusão e desordem.
- Ó Alex, e o pequeno- almoço?
- Tomo na faculdade. Não tenho tempo a perder.
E todos os dias repetia-se esta cena. Marta sorriu compreensiva…
Tentou abrir a porta do quarto do filho e foi com dificuldade que o conseguiu. Um campo de batalha não estaria pior… Montanhas de roupa suja; a cama, desfeita, já não tinha lençóis; e, por todo o lado, havia loiça suja. Um copo com resto de sumo aqui, uma chávena ainda com chá noutro lugar e junto ao computador um prato com sobras de comida.
Não havia dúvida que Alexandre fazia incursões nocturnas à cozinha e transportava para o quarto tudo o que encontrasse no frigorífico. Era o desespero da velha Maria.
Marta deliciava-se com este filho tão parecido com o Zé Manuel. E não era só fisicamente. Até na voz. Há poucos dias ele falara-lhe do quarto e ela, na sala, um pouco alheada, pensou: “É o Zé Manuel que chegou” Que disparate! Quando arrumaria o coração e as saudades?


(continua)




94 comentários:

  1. Que bem se está nesse jardim, Graça! Quando dei por mim, não parava de cheirar as rosas acabadas de florescer e, extasiado, apreciar as outras flores, dádiva bendita nas manhãs de Primavera!
    Todo o ambiente da história, afinal - o jardim, as pessoas, ausentes, presentes a correr contra o tempo, as que o tempo se encarregou de eternizar na memória dos que amam... - exala um perfume terno, acolhedor, pleno de vida! Anseio pela continuação, amiga!
    Um beijinho
    Joaquim do Carmo

    ResponderEliminar
  2. Lendo fui me envolvendo pela narrativa e senti-me participante da história, estando neste lindo jardim.
    Bweijos, Élys.

    ResponderEliminar
  3. Olá Graça! Que bom minha amiga aqui vir,ler esta narrativa e toda a beleza das flores.As memórias sempre ficarão na alma.Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Li, como sempre, saboreando cada palavra, ansiosa por saber o final. A tua escrita flui e prende.
    Tive a sensação que o teu conto é a tua autobiografia.

    Obrigada por este momento mágico, soberbamente ilustrado.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. Cada palavra é uma flor com muito aroma, Graça !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Muito bem descrito, Graça.
    Um conto que estimula a imaginação e é um verdadeiro passeio pelas cores, sabores, aromas, enfim, pela vida em todas suas notas divinas.

    Beijos e ótimos dias!

    ResponderEliminar
  7. Além do conto ser lindíssimo, as imagens maravilhosas me fizeram ter vontade de aí estar! beijos,chica

    ResponderEliminar
  8. Mais um belo conto muito bem descrito que nos cativa! gostei também muito das imagens.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Que maravilha Graça estar neste jardim, dá para sentir o aroma, li e reli, fiquei presa ao teu conto.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  10. Minha Querida
    É um conto que...CONTINUA!!
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Também tenho um jardim. Pequeno no tamanho mas grande no que me dá. As flores são silenciosas mas nunca deixam ninguém indiferente ao seu encanto e aos seu perfume.
    Precisamos crescer diariamente criando novos pássaros e depois ensiná-los a partir e a voa. A vida ensina-nos que cada dia é um presente que recebemos Que a partilha é um dom de abraçar e comunicar com Fé e muita Esperança

    ResponderEliminar
  12. Olá minha cara Amiga Graça. Eu ontem li este conto, estava à espera da 2ª parte, mas ao que disseste vai ser mais que 2 partes... E logo eu que sou curiosa, gosto de saber o final, ehehe
    Obrigada pela tuas sempre tão belas palavras.
    Quanto ao conto... hummm... desconfio que é a "tua história".
    Mas aguardemos.
    beijinhos doces Amiga

    ResponderEliminar
  13. Graça Amiga,
    A vida não é um mar de rosas, mas, o colorido das rosas e as suas fragâncias, dão cor, inspiração, Fé e Esperança à vida de Marta, palavras que significam o crescimento da vida.
    Fé de que melhores dias virão e Esperança no regresso do seu Zé Manel, arrumando assim as saudades no seu coração.
    Um beijo,
    Jorge

    ResponderEliminar
  14. Jorge:
    Adianto: o Zé Manuel...não regressará...partiu de vez!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamento muito . O Alexandre transporta consigo o testemunho do Zé Manuel.
      Abr
      J

      Eliminar
  15. O início de um delicioso Conto, onde me senti empolgado e participante, pela descrição que fazes neste texto enriquecido por belas imagens.
    Esperemos a continuação.


    Beijos



    SOL

    ResponderEliminar
  16. Querida Graça,

    Que delicioso texto de vivências tão reais.
    A certeza de que alguém ficou para continuar a vida, só terrena, de alguém que muito amou, e sempre amará noutra dimensão, e que muito foi amado.
    Tudo é perfeito, tal como a perfeição e beleza desse jardim cheio de rosas perfumadas que embalam a vida que ainda tem de ser vivida.
    Lindo, minha amiga. Adorei...espero pela continuação.

    Mil beijinhos
    Canduxa

    ResponderEliminar
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  18. Olá, Graça!

    Está uma delícia de texto este teu solilóquio mudo que aqui partilhas connosco em forma de conto. Feito de presente com raízes dum passado que tu consegues manter tão vivo - como se vivesses um sonho que recusasses deixar morrer.
    É tocante a forma como falas de sentimentos e forma de encarar a vida, neste teu bonito jardim.

    Beijinho amigo e bom fim de semana.
    Vitor

    ResponderEliminar
  19. Graça,quanto capricho nessa postagem! Uma história muito bem escrita,vc é uma romancista de mão cheia! bjs,

    ResponderEliminar
  20. Graça querida, você é uma roteirista intensa, bom, sempre bom sorver o que sopras em texto forma.
    Quanto a Renata, ai que dôr que em peito meu sinto, da saudade através!

    Bzu no cuore

    viva la vida,sniffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffff

    ResponderEliminar
  21. Uma história perfumada que promete muita emoção...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  22. Gostei muito e estou ansiosa à espera da continuação. Quando é?
    Monhé

    ResponderEliminar
  23. !Hola,Graça!

    La vida y el amor es así,un jardín que espera florecer para ofrecer su belleza,aroma y frescura.Un relato precioso,deseando estoy saber que pasara.Muchos besitos.

    ResponderEliminar
  24. Olá Graça!

    É com uma baita cara-de-pau e na torcida se ser compreendido, que passo por aqui hoje para lhe convidar a conhecer o meu novo livro: Tempos Verbais! Assim como os demais, ele também está disponível gratuitamente em formato eletrônico:

    Desce Mais Uma! - Lançamento Tempos Verbais

    Muito obrigado,

    Rafael

    ResponderEliminar
  25. Fazes o retrato perfeito duma mulher que consegue ser feliz apesar de a vida não lhe ter sorrido sempre.
    A partida do Zé Manuel foi, com certeza, dolorosa, mas "Marta", fortalecida pela sua fé, conseguiu superar e seguir em frente.
    Ficou, felizmente, com um continuador do Zé - o Alexandre - que foi, de certeza, um grande lenitivo... nos momentos mais difíceis.

    Gostei, é claro, até porque tenho cá uma certa desconfiança...
    E virei ler a continuação.

    Um beijinho, querida amiga, e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  26. Um dia um certo dia, talvez já não se possa,
    nesta vida, recomeçar.
    Não deixemos que o tempo passe e,
    com ele, a ocasião de recomeçar
    um dia que podemos encher de felicidade.
    Recomeçar de um ponto de um lugar.
    Recomeçar com um gesto, com uma palavra,
    com um abraço
    O sucesso nessa vida depende de nós ,
    mais acima de tudo de Deus.
    A você um abençoado final de semana.
    Beijos e meu eterno carinho.
    Evanir..

    ResponderEliminar
  27. Mas que lindo, Graça! Uma história que promete, amiga e cá estarei com certeza para segui-la. A cada dia que a vida nos dá devemos acreditar que será um começar de novo e só depende de nós que ele seja cada vez melhor. Ter Fé, em nós , primeiro e depois na vida é fundamental para que nos sintamos bem. É claro que pelo caminho há sempre dores como Marta as teve, mas há que ter a capacidade de aceitação daquilo que não depende de nós e seguir em frente procurando tirar o melhor proveito do outro lado bom que a vida também nos dá. Não é fácil, mas é o melhor caminho. Todos nós temos um jardim e uma janela que podemos abrir de par em par para que o sol entre e ilumine os nossos corações. A paisagem pode não ser a mesma de outros tempos... os cheiros serão diferentes, com certeza que algumas das pessoas amadas estarão vivas só no significado que em nós deixaram, mas, há agora novos cheiros, novo chão, novos amores, lindas e diferentes flores que podem preencher esses vazios e a vida será também bela, É só acreditar e procurar no nosso interior aquela força que lá está pronta a sair para nos ajudar a crescer a cada dia que passa. Já vivi noutro chão, com outros perfumes, sabores e também amores; comigo vieram as recordações...as saudades...grandes amores para aqui tentar " viver de novo " Claro que consegui aqui um belo jardim, mas....foi difícil tratar a terra...semear...plantar...e cuidadosamente regar todos os dias as belas flores que foram nascendo. Mas, as saudades, amiga? São muitas!!!!
    Obrigada pelo belo jardim e pela partilha deste teu " Viver de Novo "
    Beijinhos e um bom fim de semana
    Emília
    ( Marta é o nome de uma das florzinhas que comigo vieram; a outra também começa por A, mas não é Alexandre, é André. Se não fossem estes amores a tarefa de embelezar o meu jardim teria sido muito mais árdua. )
    Bjo.e desculpa esta intromissão nos teus personagens

    ResponderEliminar
  28. Emilia, gosto quando abres o teu coração e tanta coisa boa que tens lá dentro...
    Bjs e bom fim de semana
    Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que miminho bom Graça! Obrigada, querida amiga pela simpatia. Beijinhos carinhosos.
      Emília

      Eliminar
  29. Realmente Graça, concordo perfeitamente, só se morre quando mortos na memória daqueles que nos amaram. Lindo e bem coordenado o teu conto. Resta-nos aguardar para ler o restante.

    Beijos e um ótimo final de semana para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  30. Graça ..lembra-me o bairro onde nasci e vivi . Os retalhos de uma vida expresos neste conto ... fazem-me pensar que a autora tem já estruturada a sua continuidade e o epílogo... estou gostanto ,,, como sempre, quando visito este espaço de LETRAS.
    E já agora, que a Dona ESPERANÇA nunca morra , nem definhe em nós.
    Um kissamigo
    ARFER...

    ResponderEliminar
  31. quem precisa de corações arrumados?

    tão bom, torradas com manteiga e mel!


    um beijo

    ResponderEliminar
  32. Um texto muito envolvente. Quase me apeteceu fazer-me convidada das palavras e das imagens...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  33. estou profundamente emocionada com este conto...imagens lindas...
    aguardo o final ansiosa...
    um grd bjo!!!
    Zil

    ResponderEliminar
  34. Belíssimos jardins espirituais! Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  35. Olá querida Garca!
    Belos jardins introduzindo-nos!
    Um belo domingo minha querida abraço!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  36. Como escreveu Machado de Assis...a vida tem a cor de nossos óculos! A maneira como encaramos a vida pode nos fazer sofrer ou não. Os problemas ocorrem para todos, e é admirável como sua personagem os trata.
    Aguardamos pelo desenrolar deste belo conto, amiga querida.
    Um belo domingo pra você!

    Bíndi e Ghost

    ResponderEliminar
  37. Aguardarei a continuação entre flores e paz...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  38. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  39. Carinhosamente venho desejar
    um feliz final de semana.
    Perdoe minha ausência por mais ,
    que nos esforcemos nem sempre conseguimos
    nossas metas.
    Logo Deus haverá de permitir que volte
    com mais forma e mais garra.
    Um feliz final de semana.
    Um Domingo abençoado também.
    Beijos ..Evanir.

    ResponderEliminar
  40. Oi Graça!
    Já estou aqui para conhecer também o seu blog. Adorei o conto, e fiquei muito curiosa pela continuação, sem falar que as imagens são um colírio para os olhos.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  41. Lindas flores com belas palavras, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  42. Olá , Boa noite!
    Estou iniciando meu blog, estou apaixonada pela blogsfera, já estou seguindo seu blog que é maravilhoso e convido você a conhecer o meu, se gostar participe.
    Genilda

    ResponderEliminar
  43. Bom ter vindo aqui.
    Encontro tantas lindas flores!...
    Beijinho para si!

    ResponderEliminar
  44. Olá Graça

    Conto e imagens lindas!!!! Adorei ler.
    Ótima semana para vc...

    AMIGA DA MODA by Kinha

    ResponderEliminar
  45. Obrigado pelas palavras, Graça :)
    um beijinho, volte sempre!

    ResponderEliminar
  46. Temos que alimentar sempre nossos sonhos,
    e nossa esperança.
    A cada dia deixar escrito um pouco da nossa
    história vivida.
    Deixar com Deus nosso futuro ,
    e a nossa possibilidade de ser feliz.
    Uma linda e abençoada semana .
    Beijos paz e luz..
    Evanir
    Amigos é para Sempre.

    ResponderEliminar
  47. Oi,Graça! Vim agradecer a linda interação por lá! Adorei! beijos,tudo de bom,chica e uma semana bem legal!!

    ResponderEliminar
  48. "Arrumar o coração e as saudades"

    pode levar uma vida
    e pode essa vida ser tão curta
    que tudo fique por arrumar!

    Linda essa tua forma de apresentar em prosa
    aquelas coisas que ouvimos ou fizeram parte do nosso tempo passado...

    A imagem acompanha o texto
    da história contada com tanto acerto e dignidade!

    Agradeço tuas palavras nos "7degraus"

    Beijo, Maria luísa

    ResponderEliminar
  49. Oi, Graça!
    A vida é mesmo muito mais que o palpável e corriqueiro. A fé é um edifício em constante construção, numa obra interminável e que nos traz muito alento. Tudo o que é belo, principalmente a natureza, serve para alimentar a nossa alma, mas o que nos satisfaz vai muito além do que podemos ver.
    Beijus,

    ResponderEliminar
  50. Que graça de texto e de blog! Adorei tudo por aqui, parabéns!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  51. Esta escrita é tão cheia de encanto que um blogue pode não ser o lugar ideal para ela habitar. Um livro!... Estaria melhor num livro de contos.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  52. Que belíssima forma de contar! Tão poética e com grande mestria nos diálogos.
    Fiquei ansiosa pela continuação, para ver se será possível arrumar de vez um coração.
    As fotos também ajudam a criar esta maravilhosa envolvência de uma excelente narrativa.
    Gostei muito, Graça!
    xx

    ResponderEliminar
  53. Por alguns momentos, estava eu naquela janela a recordar histórias idênticas.
    Obrigado, bj

    ResponderEliminar
  54. Ter um local de refúgio é sempre bom...

    Fico esperando a continuação.

    Saudações cordiais

    ResponderEliminar
  55. A minha foto foi tirada no Porto, perto da estação de S.Bento.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  56. Oi graça...Em primeiro lugar passando para agradecer a sua visita lá no meu cantinho, e em segundo, é claro, para comentar esta belíssima obra que nos faz pensar que o gosto, o colorido e perfume da vida depende muito do que plantamos, de como cuidamos e quando efetuamos a colheita. Toda observação é sempre pouca, toda lembrança nunca é demais e a fé para nos manter firme e forte. Adorei...

    ResponderEliminar
  57. Agradecida pela visita e encantada o belo texto, amei! Deixo aqui o meu carinho... Um beijo de paz e amor!!

    ResponderEliminar
  58. Olá Graça, adorei a sua visita!
    Que post lindo cheio de flores!
    Beijos, Pedrinho

    ResponderEliminar
  59. Olá Graça, e que tudo esteja bem contigo!

    Assim é prezada Graça, fazemos nossas escolhas e vivemos todas as consequências que delas resultam, nem sempre acertadas e felizes, mas, ainda assim buscamos ser felizes a nossa maneira!

    Obrigado por compartilhar mais este belo pensamento, e também lhe fico deveras grato por tuas sempre tão gentis visitas e comentários sempre que por lá passa!

    Assim eu agradecido desejo que seja sempre deveras feliz e intenso o teu viver, um grande abraço e, até mais!

    ResponderEliminar
  60. Oi Graça
    Gostei demais do seu conto e fiquei querendo ler mais! Voltarei para a continuação.
    Agradeço a visita que você fez ao "Escritos de Zui". Fique feliz por ter gostado do meu conto, "Iolanda" e pelo carinho de suas palavras!
    Abraços.

    ResponderEliminar
  61. Olá Graça
    que tudo esteja bem contigo!

    Assim é ...ao fim de tantos meses
    cá estou
    a Graça também regressou à blogosfera

    ADORO estes contos

    Obrigada por partilhar connosco!
    beijinho e um abraço com carinho

    MUITO OBRIGADO
    pela visita ao meu blog
    ...
    é por mim
    ...
    mas é também por vós
    que continuo na blogosfera
    mostrando fotos e lugares
    que para mim são novos.
    Assim,
    vou sendo feliz por breves MOMENTOS.

    Tulipa/Kalinka

    ResponderEliminar
  62. Um abraço bem forte, bem verdadeiro,
    abraço longo, cheio de sentimento.
    Venho deixar meu abraço pelo dia do abraço
    com muito carinho.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  63. Hoje Dia do Abraço, deixo um apertado e amigo a todos que por aqui passarem.
    Graça

    ResponderEliminar
  64. Maravilloso, así la vida se hace más bella.

    Abrazos.

    ResponderEliminar
  65. OI GRAÇA!
    GOSTEI MUITO DE TEU CONTO E QUANDO POSTARES A CONTINUAÇÃO, QUERO LÊ-LA.
    UM "ABRAÇO" BEM FORTE PELO DIA DELE.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  66. Que lindo, uma prosa poética intensa, cheia de saudades e significados dentro das entrelinhas...você é tão delicada que ainda nos recebe com flores!
    Meu carinho.

    ResponderEliminar
  67. .

    .

    . qualquer conto . e não um conto qualquer . não precisa de permanecer aprisionado nas páginas de um livro . para que possa fluir .

    .

    . a grande questão reside em certos "autores" . que se sobrevalorizam . como cães famintos . por um fio de luz .

    .

    .

    . um bom fim.de.semana . e um beijo meu .

    .

    .

    ResponderEliminar
  68. Querida amiga
    Esteja eu onde estiver... (ver meu último post...) não posso perder a continuação...

    Bom fim de semana.
    Um beijo
    Miguel

    ResponderEliminar
  69. Lindo conto e fotos...adoro as flores elas trazem alegria a nossa vida.
    Um ótimo fim de semana. Bjs

    ResponderEliminar
  70. Me encantam os teus textos tão cheios de poesia. Espero ler o final.

    bjs

    ResponderEliminar
  71. Olá Graça
    Em primeiro lugar quero agradecer-te a visita à minha Casa.:-))
    Em segundo, quero dar-te os parabéns por este belíssimo conto, que irei seguir para ler o seu final..:-)))
    A vida por vezes é madraste, mas nunca devemos deixar de sonhar, que eles sejam sempre maiores do que nós, para nunca os perdermos de vista...:-))
    Quantas vezes é no silêncio do meu quintal, vendo cada flor ou folhinha nova que nasce, que eu me encontro com a Paz interior e a "tua" Marta sabe que a natureza é um balsamo...
    Um beijinho grande e é claro que vou-te seguir..:-)))
    Teresa

    ResponderEliminar
  72. Essa vontade de recomeçar, de ressurgir das intempéries com uma face mais lívida faz parte daqueles que acreditam na VIDA, minha querida!
    Um beijinho para si!

    ResponderEliminar
  73. Minha querida Gracinha

    Ler-te é um prazer imenso do princípio ao fim. escreves com muita emoção e emocionas quem te lê.
    Espero a continuação.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  74. Num ambiente assim a vida adquire outro sentido, gosto de sentir-me rodeado de natureza e introduzir-me nela, ali tudo é pureza!
    Ao abrir uma janela e deparar com algo assim é sentir-se vivo, esse ar é saúde, dá vida. Mais ainda quando essa sinfonia de vida invade o nosso ser.
    Um bom livro e as contrariedades do entorno...
    Uma narração de belos matizes que quero seguir, deixas-me bom sabor de boca.
    Abraços de vida, querida amiga.

    ResponderEliminar
  75. Uma abençoada tarde de Domingo.
    Uma semana de benção para
    você.
    Beijos no coração afagos na sua
    Alma linda.
    Evanir..

    ResponderEliminar
  76. Olá Graça, vim agradecer sua visita e comentário que deixou, obrigada, vole sempre aquele cantinho é nosso.
    Quanto a sua postagem, magnífica, lindo texto poético e as imagens perfeitas.
    Amiga, se todos os seres humanos refletissem bem o poder de ressurgir, de renascer das piores tormentas, o mundo seria melhor, teria menos infelizes e pessoas felizes lutando por dias melhores.
    Abraços, uma linda noite.

    ResponderEliminar
  77. Graça, texto bem escrito e as fotos muito belas!
    Obrigada pela visita...
    Muita paz e uma boa semana... Abraços

    ResponderEliminar
  78. Oieee , vim convida-la para o sorteio na minha página , hoje é o último dia, beijosss

    http://cantinhodaselminha.blogspot.com/2014/04/sorteio-aniversario-do-blog.html

    ResponderEliminar
  79. Bom dia Graça:

    Dentro de tudo aquilo que nos rodeia, existem coisas
    que é impossível esquecer.

    A natureza, a família, os amigos, os bons e os maus momentos
    enfim, um manancial de recordações onde a nossa mente nos
    reactiva um poder fantástico para nos levar ao mundo daquilo
    que é grandes vivências de nossa existência.

    É o que eu deduzo (em parte) deste teu belo post que tem continuação
    onde prevejo umas memórias que virão aparecer de um certo amor
    existente no passado.

    Lindas imagens associadas a um texto tão profundo é mais uma estrela
    que se junta as muitas que já aqui tens em teu belo Blog.

    Tudo bom te desejo com muita saúde e muita paz.
    Bjos até sempre amiga.

    ResponderEliminar
  80. Voltei,e já tinha saudades de ler os magníficos textos que escreves. Espero visita no meu blog.
    Bjs

    ResponderEliminar

  81. Emocionou-me este início do conto. Sabes o motivo, Graça.

    Das terras distantes, apesar de já não as ter, deixo-te não rosas, mas acácias. Um ramo.

    Beijinho cheio de carinho.

    ResponderEliminar
  82. Linda história, que você conhece ilustrar, com flores de grande beleza.

    Beijos

    http://ventanadefoto.blogspot.com.es/

    ResponderEliminar
  83. A Graça cultiva as palavras como o mais delicado dos jardineiros cuida das suas flores...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  84. Olá, Graça, bom dia.

    Belo conto, me apaixonei pelas imagens. Lindo e belo.

    Abraços, do Brasil.

    ResponderEliminar
  85. Bonitos arranjos florais ... e quanto ao mistério da lenda da flor da lótus, já dei o meu entendimento lá no meu cantinho.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  86. Eu disse que viria para ler, mais que ler, vim aqui para captar o perfume desse imenso jardim que, generosamente, grandiosamente, trazes até nós. Fico aqui, literalmente, sem palavras...
    Beijos, querida Graça! Tudo de bom e belo para ti e tua família!

    ResponderEliminar
  87. OI GRAÇA!
    ESTOU LENDO E GOSTANDO. ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  88. Oi Graça vim agradecer , o seu interesse sobre a minha saúde, graças a Deus estou quase boa, aproveitei lí esta história linda que estais esrevendo , vá em frente minha amiga vc leva jeito. Um abraço de sua amiga, Celina

    ResponderEliminar
  89. Olá Graça,
    Saiba que meu coração se encheu de alegria com a sua visita, e cá estou para retribuir, agradecer e conhecer você e seu encantado recanto. Comecei por aqui porque vi a história no seu último post e não poderia sair sem lê-la desde o começo...Já me encantei com as delicadezas que li, gosto disso...Agora vou continuar a ler o próximo capitulo.
    Beijos com carinho.
    Marilene
    http://marilene-folhasfloresesutilezas.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar