terça-feira, 13 de março de 2018

De Tempos a Tempos o Tempo

É pela calada da noite que as minhas lembranças tocam mais depressa o meu coração. No momento em que escrevo não sei que horas são mas sei que passa muito, mas mesmo muito, da meia noite. No silêncio que me envolve sinto as ondas da vida na minha consciência, falando, contando coisas. E quem consegue fugir a esta confissão? Há tantos monólogos guardados dentro de mim que, agora, como uma bolha, assumem ao terraço da minha alma.
Os meus amigos dizem-me que na minha mente não há espaço para mais nada, está repleta de lembranças, histórias e nomes. E é verdade! Eu lembro-me da mãe da Lurdes; a padeira de aljubarrota como lhe chamávamos pelo seu físico estrondosamente redondodo e voz cavernosa com que chamava pelas crianças que brincavam no pátio.
- Crianças, vocês não têm casa?
E era ver quem se escapulia primeiro...
 

E a Dona Irene, uma velhota de quase oitenta anos que não perdia uma única sessão de cinema da noite. O vizinho, dono de um cinema, oferecia-lhe essa “gulodice”.
- Dona Irene, de qual filme gostou mais esta semana?
- Ah, de todos, de todos. E a criançada ria.
As recordações chegam às catadupas, como se estivessem apontadas em inúmeros cadernos numa projecção incansável.
- Os tempos não passam para ti...
Passam, passam... Tu é que passas pelos tempos sem reparar neles.
- Lembras-te dos dias sublimes e longínquos da tua infância? O que de ti ficará quando tudo passar?
No tricot da vida ficam os pontos perfeitos em que buscamos a liberdade de nos descobrirmos como éramos. Caso contrário, será dificil descobrir-mo-nos plenamente, livres autênticos como dantes.



Sei que esta noite mais memórias chegarão, algumas com armadilhas inevitáveis e outras com uma ementa que não saberei por onde começar.

12 comentários:

  1. Inevitáveis as lembranças, a volta ao passado, à infância, aos bons tempos de passear, encontrar pessoas! Fazia tempo que não aparecias aqui nesse teu blog! Adorei! beijos, chica

    ResponderEliminar
  2. Querida Chica dos Blogues coloridos a lembrar a primavera...e agora que aqui, ainda é inverno.....sabe tão Bem! Obrigada Amiga

    ResponderEliminar
  3. Olá Graça, bom dia !!!

    Obg pela tua mensagem, imponderáveis fizeram-me fazer uma pausa nos blogs virando a atenção para outras redes sociais que me dão mais pica (ex. Twitter e Instagram). Contudo reparei que tiveste parada cerca de 3 anos (!). Espero que esteja tudo bem contigo.

    Nós vamos nos vendo por aí. Beijinho!

    ResponderEliminar
  4. De vez em quando páro por que faço outras coisas: como a publicação de dois livros
    Vai dando notícias e diz-me onde páras. Beijinho.

    ResponderEliminar
  5. Ah, Graça, que saudades eu tinha destes seus lindos textos. Bom demais ter um lugar para encanto e boa leitura. Bem vinda, amiga.

    ResponderEliminar
  6. Olá Graça bom dia:
    Bem-vinda amiga, esta ausência de todo este tempo deixa sempre uma saudade de quem cá deste lado acostumado a vir aqui e ver os teus belos posts terem parado é sempre uma falta de algo que nos dá muito prazer ler em tudo aquilo que aqui nos acostumaste a ver e a deliciar no bom escolher de cada tema.
    Aqui de novo neste post nos dás mais um belo desígnio do que são os tempos a seu tempo visto que, cada tempo no seu tempo nos marca de tudo o que por nós passou e aquilo que o futuro nos trará.
    Destaco aqui neste teu post este belo momento:
    No tricot da vida ficam os pontos perfeitos em que buscamos a liberdade de nos descobrirmos como éramos. Caso contrário, será dificil descobrir-mo-nos plenamente, livres autênticos como dantes.
    Uma pequena mas muito correcta resenha daquilo que comanda a nossa vida, tudo muito simples mas muito perfeito e verídico.
    Parabéns pelo bom post e a foto que marca o não deixar andar o relógio que tudo comanda minuto a minuto.
    Tudo de bom te desejo e que desta vez possas estar por aqui a dar-nos os teus posts por muitos e bons anos.
    Bjos

    ResponderEliminar
  7. Graça, como fiquei contente de ler esse seu texto.
    Pois vieram a minha memória muitas lembranças boas, adormecidas, mas guardadas como um tesouro.
    Como podem palavras agrupadas, despertarem tantos sentimentos.
    Claro, não são apenas palavras, mas pensamentos, de uma vida, que vive intensamente.
    É uma pena que estejamos separados por um oceano, és alguém que com certeza não cansaria de conversar.
    Vou deixar um link, só para você rir um pouco!

    Um abração!

    ResponderEliminar
  8. A isto é ao que se lhe deve chamar uma boa notícia.
    Passei por aqui algumas vezes, mas notei tudo muito parado. Este recobrar vida deu-me uma grande alegria, pois é um deleite seguir aquilo que tão bem escreves. Não deixes de o fazer, mas não só nos teus livros, aqui também.
    Abraços de vida, querida amiga

    ResponderEliminar
  9. Olá querida amiga, como estás? Passei por aqui algumas vezes, mas estavas ausente. Também estive ausente muito tempo, mas talvez, agora aos poucos eu vá voltando. Sabes que adoro ler-te e adorei mais estas lembranças mais esta história. Graça, uma Páscoa muito feliz e beijos com muito carinho

    ResponderEliminar
  10. Amiga Graça Pereira,
    No teu texto há a poesia
    Mais pura que poderia
    Haver - é canção, se queira

    Ou não! A maneira
    Como escreves o que eu lia
    É um poema, por via
    Do belo na sua esteira!

    Parabéns, prezada Graça!
    Que tua prosa se faça
    Luz de beleza e alento

    Às almas em solidão,
    Sentindo o teu coração
    Fazer-se o seu sentimento.

    Tudo de bom, amiga! Amei teu texto! Senti-me contigo! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  11. Que surpresa boa, Graça! Pensei que não voltarias mais ao teu Zambeziana, mas, felizmente, vieste e espero que agora apareças, pelo menos de vez em quando. Um beijinho e tudo de bom, querida amiga
    Emilia

    ResponderEliminar
  12. Graça,
    que se nos aparece
    depois arrefece
    mas sempre nos dar o ar de sua graça.

    ResponderEliminar