sexta-feira, 14 de maio de 2010

No Meu Tempo...



Hoje em dia é difícil ser-se filho em Portugal! No meu tempo os pais andavam atrás de nós para cortarmos o cabelo. Hoje os pais modernos vão á escola buscar os miúdos de rabo – de - cavalo! No meu tempo tínhamos de fumar ás escondidas. Hoje, os miúdos têm de tossir antes de entrar na sala para dar tempo aos pais para esconder o charro.
Sejam compreensivos para com os vossos pobres pais! Estão a atravessar uma fase difícil. Todas as fases da vida são difíceis. A idade do armário não é só aos 11 anos – regressa de 10 em 10 anos, aos 21, 31, 41, 51. O armário pode ir mudando, mas as pessoas fecham-se lá dentro da mesma maneira.
Rapazes e raparigas deste país: não tenham vergonha do rabo-de-cavalo do vosso pobre pai nem da ultramini - saia da vossa pobre mãe. O rabo-de-cavalo é apenas uma retirada estratégica do cabelo pelo pescoço abaixo. Quanto mais careca se fica mais cresce o rabo-de-cavalo. A ultramini -saia é apenas um acto de compensação. Quanto menos giras se sentem as mães, maior superfície têm de mostrar. Há uma relação perversa de qualidade e quantidade.
O pai pensa “Estou careca mas tenho o cabelo comprido”. A mãe pensa “Como estou menos gira, tenho de mostrar mais a giraça que eu ainda sou.”


No meu tempo todas as crianças sonhavam ser como os pais quando crescessem. Hoje, todos os pais querem ser como os filhos. Antigamente nós crescíamos. Hoje, eles decrescem.
As crianças já são adultas aos 9 anos – fanáticas, censuradoras, antitabagistas, ralhadoras – enquanto os adultos readquirem comportamentos infantis. O fenómeno de decrescimento , que ataca a partir dos trinta e tais, é um processo que vós filhos perplexos e embaraçados, tendes de perceber. Até há pouco tempo as pessoas faziam tudo para não envelhecerem. Hoje, esse absurdo desejo já não lhes chega. Nem sequer querem rejuvenescer – querem ser jovens mesmo.
Há qualquer coisa de irritante num pai que se veste igual ao filho – jeans, T-shirts, blusão de cabedal – que anda de mota, que manda postais de James Dean, que “ compreende” sempre o ponto de vista dos putos, que se pode tratar por tu ou até pelo próprio nome. Esse pai, ao reduzir a zero as hipóteses de rebelião dos filhos está a ser mais castrador que o mais autoritário dos velhos pais do antigamente. Hoje, é quase impossível ter um conflito geracional minimamente decente.
Os filhos dos antigos hippies têm poucas alternativas. Alguns ficam iguais aos pais ( há toda uma nova geração de friquezinhos nos liceus.) A maioria torna-se num rebanho de superbetos, de camisa ás riscas e olho na bolsa, para reagir aos calções ou às jardineiras do pai.
Há outros que preferem tornar-se em nazizinhos. O autoritarismo e militarismo dos skinheads de extrema direita são o produto de uma educação hippy, super-tolerante, de pais “tudo bem”, que estão sempre a descartar-se com o “ tu é que sabes”.
Os valores são dados às crianças para lhes dar algo que pensar, contra os quais se possam erguer, que possam rejeitar e um dia substituir ou até reencontrar. Se se diz a uma criança “ tu é que sabes” a criança fica sem saber o que pensar. Ou por outra: fica a pensar que os pais não sabem nada, ou que se estão a borrifar.
As crianças precisam de regras que possam quebrar, ordens às quais possam desobedecer , figuras com as quais possam medir forças. É preciso ralhar com as crianças para elas criarem um saudável sentido de injustiça. É capaz de ser melhor assentar uma chapada numa criança do que mostrar-se independente.
Um pai com um rabo-de-cavalo não consegue dar uma descasca convincente a ninguém. O rabo-de-cavalo abana no ar ou de repente rebenta-se o elástico e o efeito prepotência paternal, que é essencial, não se pode produzir.
Os miúdos portugueses de hoje – vá lá, os que têm entre 8 e 14 anos – são autênticos mártires. Educam-se praticamente sozinhos. Controlam os vícios dos pais, “Ó mãe, não fumes tanto”. “Ó pai, já bebeste sete imperiais!” Desaprovam. Tentam debalde emendar. Dão conselhos acerca do vestuário. “Ó pai, fica mais giro de fato do que essa t-shirt dos Inspiral Carpets”. Julgam. Sentenciam. Só falta emprestarem dinheiro. Na verdade, os miúdos portugueses de hoje são espécies de padrinhos dos próprios pais. Vamos lá: os encarregados de educação.
Do que a mocidade precisa é de algumas indicações básicas acerca do modo de lidar com os pais, quando eles estão a atravessar um período difícil. O pior que se pode fazer é tentar “perceber” ou “ajudar”. O melhor é simplesmente desatinar. Péssimo comportamento é o mais indicado. Pensem. Porque não roubar a quem não tem, destruir só por destruir qualquer objecto de família com “valor sentimental” ou mandar a avó para aquela parte durante um ataque de asma?
O comportamento animalesco é o melhor estimulo que há para desbananar parentes. Filhos de pais bananas, revoltai-vos. Ponham cocó de gato no sítio onde está a pedra de hash. Rapem a cabeça. Peçam asilo político ao Iraque. Peçam dinheiro para comprar uma galinha e expliquem amavelmente que é para uma missa negra. Travem amizades profundas com junkies de meia idade.
Crianças deste país: não desanimem. A coisa está torta mas ainda há esperança. Isto é, por enquanto. Se não agirem já, correm o risco de crescerem demasiado direitinhos, todos bem vestidos e disciplinados, cheios de saúde e de dinheiro. O que não tem mal nenhum. O pior é que depois casam, têm filhinhos e, ao querer-lhes dar uma educação firme e regrada, vão ter o grande desgosto de criar uma nova geração de hippiezinhos. Ainda mais macrobiótica e macrochata do que a dos vossos pais. Como se essa não bastasse já.
E quanto ao rabo-de-cavalo do pai, a única arma eficaz é dizer-lhe, assim como quem não quer a coisa, que é “giro” apesar de fazê-lo parecer mais velho. E um bocadinho mais gordo. E bastante mais careca. Aproveite para lhe implorar que não apareça mais na escola, porque os seus colegas “nunca iriam compreender”. Comprem-lhe uma rede para o cabelo no dia dos anos. Daquelas que também dão para ir ás compras. Ou um laço de veludo preto para poder aparecer na “Olá”. Ou um lenço de senhora, daqueles enormes, com desenhos de hortênsias e abelhas em delírio. Melhor ainda: uma boa bandelette em tartaruga.
Mocidade de Portugal, filhos de Alex, crianças a quem trocaram o berço por uma mochila, deixo-vos com uma última palavrinha, passada por quem tem consciência do problema ,a quem pode ainda resolvê-lo: SOCORRO!

- Miguel Esteves Cardoso

98 comentários:

  1. Olá minha amiga. Espectacular adorei. Estamos mesmo a atravessar uma enorme crise de valores, peço desculpa de andar ausente. Uma grande constipação, complicações várias de saúde. E aqui estou! Muito obrigada pelo carinho. Bjs e bfsemana.

    ResponderEliminar
  2. Minha querida graça
    Por aqui é o mesmo. Sem tirar nem por. Igualzinho
    Agradeço os teus comentários no Bloguinho da Zizi, és sempre muito bem vinda.
    Desejo-te um final de semana de paz.

    ResponderEliminar
  3. ..tempos modernos,
    minha linda!

    tempos modernos tanto aí
    como cá...

    bj, querida!

    ResponderEliminar
  4. A criançada está cada vez mais ocupada com o que não devia de estar,e alguns pais têm a sua dose de culpa.

    ResponderEliminar
  5. Graça, encontro aqui um texto que considero excelente,no que concerne à análise da subversão de valores e competências a que vamos assistindo.
    As crianças precisam de referências sólidas, de indicativos comportamentais que as ajudem a crescer com harmonia e segurança, mas de facto, nesta sociedade pós-modernista, não se sabe quem imita quem, quem obedece a quem...

    "As crianças já são adultas aos 9 anos – fanáticas, censuradoras, antitabagistas, ralhadoras – enquanto os adultos readquirem comportamentos infantis"

    Absolutamente irresponsáveis - diria eu!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  6. Oi Graça
    Adorei o texto. Dentro disso, podemos afirmar que o medo que os pais têm de envelhecerem, acabam criando os filhos sem limites de sem normas de comportamento. São na maioria das vezes jovens rebeldes em casa e na escola. Esses pais não viveram tudo que tinham pra viver na idade jovem e agora querem recuperar o tempo perdido.
    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Amiga Grace, precioso blog amiga, y muy verdad los tiempos han cambiado yo creo que practicamente por todo el mundo, aqui en España pasa igual que en Potugal, los jovenes piensan diferentes a como hace 30 años,
    gracias amiga.
    Besos y abrazos de una amiga Lola.

    ResponderEliminar
  8. Socorro...!
    Nem todos são desse jeito embora conheça assim muitos casos. Se os pais estão mal os filhos na maioria das situações também não são famosos.
    Socorro ...! Quando quis dizer não e me chamaram "bota de elástico"
    A situação está muito complicada mas o pior de tudo será a falta de dialogo entre pais e filhos e que os pais saibam ser pais com responsabilidade e bons exemplos.

    ResponderEliminar
  9. Sabe Graça
    penso que ...bem pere vou refletir
    e volto mais tarde
    pra comentar certa.
    Otimo post.

    Bjins entre sonhos e delírios

    Despudorada-Mente Eu
    Hoje
    na verdade
    queria despir-me.(...)Reflexo d'Alma

    ResponderEliminar
  10. Os jovens adoram desobedecer. Mas, actualmente, não há mais ninguém para lhes dar ordens ...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Amiga........Tempos modernos é isso meswmo.
    É uma pena que nossos jovens estão hoje em dia nesse estado.

    BOM FDS E BEIJOS MEUS!

    ResponderEliminar
  12. Querida amiga, simplesmente fabuloso.

    "A juventude é a embriaguez sem vinho." Johann Goethe

    Tenha um excelente fim-de-semana
    bjs do tamanho do infinito
    Maria

    ResponderEliminar
  13. Tem piada, alinho pelo mesmo diapasão, por vezes meto-me a olhar para o meu filho (19 anos), e a pensar... porque não sou (não fui) como ele, ainda bem, é sinal que os consideramos modernos e nos revemos na maneira de eles se vestirem nos tempos que correm.

    Quanto à entrevista espero que tenhas gostado, mas juroooo que não sou famoso, nem quero ser... isso assusta-me.

    Bjo(TE) Graça e um óptimo f-d-s !!

    ResponderEliminar
  14. Olá Graça!
    Mais um lindíssimo texto, abordando temas muito interessantes, cada um vai tentando disfarçar,os sinais da velhice à sua maneira, mas não é fácil não.
    O que eu mais condeno é esta malta nova não terem respeito por as pessoas de mais idade.

    um homem bem vivido
    ele nota a diferença
    embora careca e velho
    quando se olha ao espelho
    ele vê que tem mais cabelo
    enrolado na sua trança
    tem menos mas é mais comprida

    um bom fim de semana,
    um beijinho,
    José

    ResponderEliminar
  15. Oi Graça. O seu Blog Está Lindooooooooo.
    Vim convidar pra ver meu vídeo novo, no Blog que tu segues........ BLOG: SENTIMENTOS.
    http://sentimentos-jacque.blogspot.com/

    Bom Fim de Semana

    ResponderEliminar
  16. Olá Graça! Belo texto! Podes crer que não é só aí em Portugal que esse tipo de coisa acontece. Aqui no Brasil as coisas andam do mesmo jeito. Eu conheço alguns pais que fazem questão de ser mais moderninhos que os filhos, pois acham que nunca envelhecem e, o resultado é a vergonha que os mesmos têm dois pais.

    Beijos e ótimo final de semana pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  17. Oi Graça.
    excelente texto...
    acho que em todos os paises as coisas são iguais no que tange a educação de nossas crianças. Os pais párecem não entender que não importa a quantidade e sim a qualidade dos valores e ideais transmitidos aos filhos em crescimeento.
    bjs

    ResponderEliminar
  18. Minha querida Graça
    Um belo texto muito actual e tocando nas feridas da nossa sociedade.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  20. Boa noite Graça!

    Tudo muito bem dito, a chamar os bois pelos nomes, como eu gosto.

    Apaguei o comentário de cima porque tinha lá um pequeno pontapé na gramática. As pressas dão nisso :-)

    Beijos

    ResponderEliminar
  21. Graça, amada!
    Quanto tempo hein? Venho visitá-la e me deparo com um post dessa importância. Tema atualíssimo, controverso e quando chegam ao meu divã...é trabalho que não acaba maissss.
    Beijuuss n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderEliminar
  22. Graço
    Peço desculpa, mas cheguei aqui de blog em blog.
    Li esta linda postagem e acredite que deu para pensar um pouquinho.
    Parabéns e muito obrigada
    Utilia

    ResponderEliminar
  23. Aqui está tudo dito e bem dito sobre o que se passa nas famílias, resultando daí toda esta inversão. Quando o pai diz ao filho que ele é quem sabe, está a fazê-lo decidir algo que ele de facto não sabe. Na família o filho tem que ser filho e os pais têm que ser os pais e não amigos; tem que se saber quem orienta e quem manda, isto claro com o necessário equilibrio. Um dia esse filho sem orientação e sem regras não vai saber a função que terá quando for pai. Muito bom, Graça. Beijinhos
    Emília

    ResponderEliminar
  24. Querida Graça,

    À medida que ia lendo este texto, passei por vários estados, desde o sério ao divertido, não fosse o problema tão sério mesmo e sentiria aqui a minha geração retratada, muito mais ainda uma geração de pais mais recentes. Temos sido demasiado permissivos e presentemente mais que permissivos temos dado às crianças todo este poder e demasiadas responsabilidades desde o berço. As crianças já quase não brincam, no sentido inventivo e criativo que a brincadeira tinha, as crianças vivem espartilhadas entre horários e actividades constantes e os pais demitem-se da responsabilidade de lhes criar o espaço que precisam, porque lhes dá muito trabalho...
    Miguel Esteves Cardoso, que não lia há muito, sempre tão lúcido...

    Obrigada por este momento.
    Beijos
    Branca

    ResponderEliminar
  25. Graça, é bem por aí mesmo! Antigamente tínhamos que nos esconder de nossos pais... hoje, temos que fazer escondido de nossos filhos.
    Uma ótima crônica para iniciar um final de semana divertido e reconfortante!
    Grande beijo brasileiro!

    ResponderEliminar
  26. Querida Graça, gosto da escrita de MEC, mas gosto muito mais da tua! Gostos...
    Comecei a ler o 'no meu tempo' e logo nas primeiras palavras tive a percepção de não estar a ler-te. Gosto da humanidade que sempre revelas, da tua sensibilidade [única] de abordar os temas, do teu sentir...
    De qualquer modo é uma crónica muito actual, na análise duma sociedade em permanente mudança e nem sempre no melhor sentido.
    Beijo meigo, minha querida Graça, sabes o quanto gosto de ti, das tuas palavras.
    Carlos

    ResponderEliminar
  27. Olá Graça

    Concordo totalmente co Miguel Esteves Cardoso.
    Aliás já publiquei crónicas dele e tenho alguns excertos de livros, dele, agendados.

    Vivemos numa sociedade qua atravessa uma crise de valores!

    Bjs.

    ResponderEliminar
  28. Texto impressionante... Tal e qual a realidades actual! Estamos em crise... e não é financeira!! é de sentimentos, valores... Coisas que não se resolvem com uma nota de 500 euros... Um grande beijinho e óptimo fim-de-semana Gracinha! ;)

    ResponderEliminar
  29. Graça, adorei este texto. Aliás tenho pena que o MEC não apareça mais vezes, sempre tão oportuno e critico.

    Tem um bom fim de semana

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  30. São os sinais dos tempos! Tempos modernos (rsss).
    Bjs.

    ResponderEliminar
  31. Minha amiga Gracita,

    Um texto magnífico a retaratar tão bem as perdas de referências e as inversões de valores que só poderia sair aí, de dentro de ti, como disse bem o Francisco, dando nome aos bois, porém ser perder o refinamento.

    Grande beijo em teu coração

    ResponderEliminar
  32. Um texto à MEC, só podia ser... É incontornável a forma como, cheio de saudável ironia, alerta para a inversão de valores a que se assiste hoje em dia! porém valha a verdade, também não está fácil ser pai e mãe: perante tanta confusão e face ao manancial de solicitações a que as crianças e os jovens estão expostos, só mesmo com muito diálogo é que se pode "levar o barco a bom porto" - parece que o Miguel Esteves Cardoso focou apenas uma parte do problema, pelo menos por agora...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  33. Um texto à MEC, só pode!!!

    Miguel Esteves Cardoso sempre actual!
    Obrigado pela partilha.

    Espectacular... adorei.

    Tenho aparecido muito pouco, mas a saúde não tem ajudado.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  34. A volta na reviravolta do tempo. Gostei de te reler, Graça
    Um beijinho
    Chris

    ResponderEliminar
  35. Graça...bestial...simplesmente perfeito. E vale não só para Portugal, mas também para o Brasil. Parabéns por tua sensibilidade.
    beijo

    ResponderEliminar
  36. Graça Erudita,
    Um tema surpreendente de ironia e actualidade.
    Evoco, como exemplo, este pensamento dum filho em relação ai PAI: "Pai, sinto falta do teu falar, do teu sorriso e do teu olhar, cheio de sabedoria e de vida, lamento o que não aprendi por ter tido tempo".
    Bj
    Jorge

    ResponderEliminar
  37. Adorei este convite a meditar, à reflexão. O modo como tratas o tema é um encanto, como desfrutei.
    É certo! Não se soube fazer uma boa adaptação aos tempos que correm: uns querem ser os outros e vice-versa.
    Mas por estas latitudes acontece o mesmo.

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  38. Querida Graça
    É lamentável que a humanidade segue por um caminho onde as identidades, as referências vão se perdendo de geração em geração.
    Essa inversão de facto não acontece, os filhos, enquanto jovens, conforme eu constato na clínica ficam sem "chão", ou sem referências, pois não há nada que tenha uma estabilidade, e sentem vergonha dos pais, baixa auto-estima e daí na adolescência e vida adulta vão reproduzir com mais eficiência comportamentos, concepções que só destroem.
    Uma boa crônica, e pelo aspecto globalização que vivemos, aqui, lá e pelo planeta afora, o que difere é apenas a condição econômica, no mais, tudo igual.
    Beijos, um bom final de semana, e que possamos fazer aquilo que está em nosso alcance. Inclusive escrever para manter o tema como pauta.
    Salete

    ResponderEliminar
  39. Querida Graça,

    um texto que dá para uma grande reflexão....como é possível estar a acontecer esta inversão de valores.
    Acredito que muitos filhos tenham mesmo vontade de proibir a ida dos pais à escola.

    É caso para pedir aos professores para educarem estas crianças e deixarem que elas sejam crianças.

    um grande abraço

    ResponderEliminar
  40. Graça

    Texto muito bom, como costume.
    Na realidade, se passou de um extremo ao outro extremo.

    Os pais dispunham dos filhos com alguma crueldade, por vezes (era a forma de amar).

    Os filhos tinham medo desses pais!

    Neste momento, os pais têm medo dos filhos e
    deixaram de comandar suas vidas - passaram eles (pais) a serem comandados e a terem medos e a se comportarem, como acham que os filhos gostam mais.

    Ambos errados! Os pais do outro tempo, os pais deste tempo. Apetece pedir "Socorro".

    Bem analisado, bem escrito e uma grande verdade

    E o "meio-termo" ainda não chegou ao Mundo em que vivemos.

    Com amizade,

    Mª. luísa

    ResponderEliminar
  41. Que «olho clínico» que tu tens!...
    As situações realmente inverteram-se e aqueles valores foram-se, outros precisam de ser criados, mas esta vida não dá para parar e pensar e, tudo vai andando à desfilada!...Por acaso não sabes, quem foi o «javardo» que começou a dizer que velho não presta e já se é velho aos 40? Claro que isso faz «mofa»!...
    Beijinhos,
    Manuela

    ResponderEliminar
  42. olá Querida Graça.
    é incrivel como as cisas são semelhantes mesmo estando nós do outro lado do Atlantico.
    sempre tem pais a deixar tudo pra lá, e só pensar neles que querem ser adolecentes a vida toda....cheios de rugas, cabelos brancos tingidos, reumatismo...mas se vestindo e agindo igual ou pior que os filhos...
    e estes sofrem enm todos se educam sós, e aí vem todos os tipos de vicios, fisicos e morais...
    me uno a ti, e digo SOCORRO!!!!


    BEIJO DE LUZ

    Rosan

    ResponderEliminar
  43. Sempre gostei de ler o Miguel Esteves Cardoso
    (saudades do tempo do Independente) e como
    hoje faria falta um jornal desse tipo.Ainda
    hoje conversava com o meu marido, a respeito
    do comportamento das crianças e de como os
    adultos se deveriam comportar com eles, para
    melhor os educar.Temos na família uma Luana
    a caminho dos 3 anos...de uma personalidade muito
    forte e que já quer ser muito individualista.
    Na creche consideram que ela é a mais activa
    e independente de todas as crianças.O meu
    marido é um bocado rigído, tento fazer-lhe ver
    que nos temos que adaptar aos tempos actuais,
    mas ser interventivos.É difícil hoje educar
    uma criança seja em que idade for.Mas obviamente
    a demissão, nunca!
    Vim para lhe dar um beijo e desejar um bom
    domingo. E concordo com o comentário que deixou
    sobre o saber estar só...(salvo erro no blogue
    da Fernanda, no quintadorau.
    Beijinho/Irene

    ResponderEliminar
  44. Estou totalmente de acordo com o MEC.
    Cada vez se percebe mais que a geração a seguir à nossa, de tanto querer ser liberal, acabou por não saber como educar os próprios filhos.
    Pior vai ser estes filhos virem a educar os seus (nossos netos).
    Ando seriamente preocupada.

    Beijosssss

    ResponderEliminar
  45. Graça
    Passei para lhe dizer que tem um prémio no meu ÓculosdoMundo. Passe lá, se apetecer :)
    (Excelente texto, muito pertinente)
    Bjs

    ResponderEliminar
  46. Graça

    muito bonito, dar voz às nossas vozes!

    Miguel Esteves Cardoso tem um humor ácido e irónico que eu muito aprecio.

    Há tantos pais, quantos são os filhos...e quem disse que seria fácil ser filho?

    existem tantas crianças que são obrigadas a "paternalizar" e a "maternalizar" os adultos, que por incapacidade própria ou adquirida dependem afectivamente das crianças e às vezes materialmente e não estou a falar apenas de mendicidade.

    Crianças e adolescentes que fazem tudo sozinhos, desde ir às compras, tomar conta dos irmãos mais pequenos em vez de ir à escola...

    Este país não é para velhos e muitas vezes também não é para crianças!

    obrigada pelo sentido de humor!

    beijinhos

    Manuela

    ResponderEliminar
  47. Um assunto interessante e bem complicado, as crianças precisam de referencias e onde andam elas? os pais cada vez mais têm dificuldade em educar, estão pouco tempo com os filhos e de repente percebem que eles cresceram.
    Como professora vivo intensamente este desenrolar...muitas vezes sou confidente destes jovens, e verifico que não têm nenhum respeito nem admiração pelos pais, e o futuro como vai ser? o assunto dá pano para mangas...
    Um grande beijo

    ResponderEliminar
  48. Querida Graça,

    Li todo o texto deliciada a pensar que era teu, e bem podia ser, afinal tu escreves lindamente...mas havia um tom irónico/caustico que eu conhecia...
    O meu querido Miguel Esteves Cardoso...
    Leio tudo dele, desfaço-me a rir, sempre!!!

    Curiosamente não conhecia ainda esta crónica dele e não posso estar mais de acordo com tudo, tudinho que ele diz.

    Amei.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  49. Um excelente texto, mas as vezes me pergunto se esta obediência de outrora era mesmo respeito ou era medo?
    beijão, linda semana

    ResponderEliminar
  50. " Gosto e preciso de ti
    mas quero logo explicar...
    Não gosto porque preciso,
    preciso sim por gostar."

    (Mário Lago)

    Feliz semana com amor e poesia!


    OBS: Tem selinho aqui prá voce...Beijos!

    ResponderEliminar
  51. Bom dia, Graça.

    Obrigada por ir ao meu bloguinho. Adorei o texto, acho que muitas coisas mudaram, muito complexo este assunto e cada um tem sua visão. Certa vez assistindo a um filme a frase final me fez pensar, "A mão que balança o berço é a mão que governa o mundo".

    Renata
    Beijos e ótima semana.

    ResponderEliminar
  52. Graça, querida amiga:
    Já tanto e tão bem por aqui foi dito.
    De uma forma ou de outra o que me parece é haver uma riqueza enorme neste texto pela constatação de uma pluralidade, experimentação que faz ciclo de tempos em tempos. Na minha profissão deparo diariamente com jovens muito adultos e adultos que sabem valer-se do jovem que há dentro deles.
    Parabéns pela publicação, muito oportuna.
    Beijo e kandando com amizade. Uma óptima semana para ti e os teus

    ResponderEliminar
  53. Graça querida,
    Esse 'fenômeno' não é só em Portugal. No Brasil - e no mundo inteiro - parece que está havendo 'uma troca' de idades...
    Vou me juntar a você e também pedir SOCORRO!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  54. :) compreendo o teu ponto de vista.. sabes, as modas (quer roupa, costumes, filosofias de vida, etc..) sempre mudaram desde q o Homem existe porém penso q nunca a um ritmo tão acelerado.. o q faz c q seja mto complicado certas pessoas saberem o q fazer, o q seguir, pensar, pra onde ir, etc.. Acho mm q tudo está a caminhar para uma "Mudança".. entretanto há q tentar ir vivendo feliz.. :) um beijinho

    ResponderEliminar
  55. Graça, obrigada pelas suas palavras no seu
    comentário. Obrigada mesmo.
    Beijinho/iRENE

    ResponderEliminar
  56. Graça,que texto perfeito de teu convidado!Os valores realmente estão de pernas para o ar!Texto divertido com um assunto muito sério!Gostei demais!Bjs,

    ResponderEliminar
  57. querida graça,
    que texto espetacular!!!
    mas eu penso que os pais são os maiores culpados.
    vão em busca de carreiras blilhantes e os filhos ficam a merce de quem??
    eu sempre me dediquei aos meus.
    hoje eles tem suas carreiras e muito bem sucedidas mas temos laços eternos
    ainda continuo a orienta-los.
    linda semana com bjos.

    ResponderEliminar
  58. Olá Graça!
    Aqui em França os pais também contam muito com os professores para educar os seus filhos!
    Para fazer aula hoje é preciso bastante coragem e paciência!
    E há vários casos de professores que foram levados a tribunal e condamnados por terem dado um estalo a um garoto que muito o merecia!
    Eu não aconselhei meus filhos, e não aconselho ninguém, pelo menos neste país, a dirigir-se para a profissão de docente!
    Também já se fala em passar uma lei para proibir açoitar os miúdos!

    Aqui diz-se a modo de brincadeira: " les jeunes d'aujourd'hui ne valent pas les vieux de demain!" = " os jovens de hoje não valem os velhos de amanhã!"

    ***
    Beijinhos grandes e uma excelente semana,amiga*******

    ResponderEliminar
  59. Os meus filhos já me deram netos que estarão nessa faixa de idade, e como eles (os dois mais velhos), tiveram um apoio do pai rigoroso, de que tantos me criticaram, agora estão bem atentos aos meus netos e desejosos em acompanhar o seu crescimento.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  60. GRAÇA
    Adorei passar por aqui e mostrar Esperança...
    Um beijo

    CORAÇÃO VERDE


    Peguei no meu coração
    E tentei que se fechasse...
    Peguei numa chave brilhante...
    E tentei que ele não sofresse...


    Mas o meu coração é mole...
    O meu coração é Verde
    E está cheio de Esperança...
    E também de boa fé...


    E acredita... que aqui...
    Não precisa de chave
    E vai continuar a ser Verde...
    Porque o verde da esperança...
    Mistura-se com o
    Vermelho do sangue

    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  61. Muita coisa mudou mas a essência a família é a base de tudo isso não pode mudar os pais temd e educar seus filhos para um mundo melhor, paz.
    Beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  62. Oi Graça!
    Parabéns!
    Todos os pontos estão nos iiiiiiiiiii!
    Todo o comentário que possa fazer vai dar a isto: NÃO hÀ CURA POSSIVEL PARA ESTE MUNDO DESATINADO"!
    Pobre dos filhos ,quando fazem tanta asneira e os pais ,todos vaidosos por isso.
    Conta o meu marido que havia um senhor cá na terra chamado "TOCA" e tinha uns filhos muito desobedientes e malcreados, mas ele coitado claro que se envergonhava,então quando se referia aos filhos ainda miudos dizia"os meus filhos têm uma PERSONALIDADE MUITO VINCADA ,quer ver?
    -Ó António anda cá !
    -NÃO VOU!
    -Ele disse que não vinha ,e não vem mesmo !
    -Tá ver , são assim personalidade não lhes falta!
    E esta história pegou de tal forma, quando vemos um miudo malcreado, lá dizemos :
    -è como o filho do "TOCA", tem personalidade vincada!
    Até breve
    Herminia

    ResponderEliminar
  63. Oi Querida Amiga!
    Passando para agradecer sua visitinha que me faz tão feliz! Grata por existir.
    Beijos, fica com Deus e com a Virgem Maria!
    Mariii

    ResponderEliminar
  64. Querida amiga Graça,
    este é um texto pertinente e que convida à reflexão. Esta inversão de valores é de facto assustadora e as crianças acabam por não respeitar os pais e sentirem-se até incomodadas com a presença deles.

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  65. Bom dia Graça:

    Nesta panóplia desenfreada de um mundo moderno em que muitos levam os costumes para o lado de (mais vale parecê-lo que sê-lo), está também incutido na mente de muita gente o imitar para se dar nas vistas.

    Em cada ano que passa, nova moda aparece em vários conceitos da vida, e é aí que muita coisa muda.

    Até os usos e costumes banais se alteram.

    Será que um dia veremos pelas ruas o estilo representativo do (homem das cavernas ou extraterrestres?).

    É o avançar de um mundo moderno em que põe ao dispor de qualquer um toda uma panóplia de mudança de estilos.

    Bjos, boa semana.

    ResponderEliminar
  66. Olá! Obrigada pelo carinho e realmente se morasse aqui iríamos nos encontrar e rirmos bastante.As crianças de hoje são hiperativas e os pais colocam cada vez mais obrigações para queimarem tanta energia,em contra-partida não dão limites,estão sempre correndo atras da grana para pagar tudo isso e também atrás da eterna juventude. Nem todos são assim,mas, na maioria sim. Uma loucura! Montão de bjs e abraços

    ResponderEliminar
  67. Os tempos são outros em todas as partes do mundo!

    Educação recebe-se com exemplos e isto parece que não existe mais...é a lei do cada um por si e se for possível nos encontamos uma vez por semana!!!

    Um beijo ,escritora brilhante!!!

    Sonia Regina.

    ResponderEliminar
  68. Tua ausência cala o mundo, o mar, os ventos.
    Tua ausência desaba silenciosamente sobre os
    meus dias, soterrando meu outono...
    Ela magoa demais o meu sossego.
    (Tua ausência é essa substância densa)
    Tua ausência é tão presente que é pessoa...
    E me abraça.

    (Marla de Queiroz)


    Boa Noite com poesia...M@ria

    ResponderEliminar
  69. Querida Amiga Graça,
    Miguel Esteves Cardoso, sempre ele com muito espírito e um humor muito britânico! Tem graça e é muito oportuno e vem na linha de um post que coloquei na Tulha sobre a Educação na Familia.
    Um beijinho muito amigo.

    ResponderEliminar
  70. TRazendo um beijo carinhoso pra desejar a amiga uma belissima semana.

    ResponderEliminar
  71. Observo que vivo uma época em que todos queremos ser jovens. Eternamente um deles.
    Nisso podemos incluir nossos filhos, que identificam de longe um velho. Seja qual for a idade deles. Nós esquecemos que uma criança precisa ser contrariada mesmo, ela ainda não sabe decidir, apesar de pensar o contrário.
    Mas é sinal dos tempos. Nascemos jovens e viveremos assim por toda a vida. Grande parte dos nossos problemas pode residir neste ponto. Não?
    Ótima crônica. Como sempre oportuna. Beijos.

    ResponderEliminar
  72. Oi Graça de fato um texto maravilhoso e que nos faz pensar. Gostei de como a fase do armário retorna.
    O mundo muda de forma rápida e continua e é difícil acompanharmos a tudo isso. os valores que carregamos conosco são os que passamos para nossos filhos, ainda que com alguma adaptação e leve mudança e é certo que eles quando adultos farão o mesmo e terão as mesmas dificuldades.
    Um grande beijo e obrigada sempre por todo o seu carinho

    ResponderEliminar
  73. É verdade, Graça. Quisemos tanta liberdade, que perdemos a noção dos valores. Pedir socorro? Ainda é possível educar os pais? Somos um caso perdido? Às vezes é mesmo de desanimar, mas se os jovens têm vontade de educar... È possível que não cresçam com os nossos erros.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  74. Olá Graça

    Obrigada por votar amiga. Você é uma pessoa muito especial. Já disse que amo seu país?
    No próximo ano estarei aí. Até já compramos as passagens.

    Bjo

    ResponderEliminar
  75. oieee!

    vim ver as novis!


    FRAQUEZAS HUMANAS

    ﻼﻍﭿﭿﻼﻍ«
     Tєηнα µмa

        »ﻼﻍﭿﭿﻼﻍ«
         ξx¢εlεηtε

          »ﻼﻍﭿﭿﻼﻍ«
              semaninha!

                »ﻼﻍﭿﭿﻼﻍ«


    "DEFICIENTE"

    é aquele que não consegue modificar sua vida,
    aceitando as imposições de outras pessoas
    ou da sociedade em que vive,
    sem ter consciência de que é dono do seu destino.

    "LOUCO"

    é quem não procura ser feliz com o que possui.

    "CEGO"

    é aquele que não vê seu próximo morrer de frio,
    de fome, de miséria.
    E só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

    "SURDO"

    é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo,
    ou o apelo de um irmão.
    Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir
    seus tostões no fim do mês.

    "MUDO”

    é aquele que não consegue falar o que sente
    e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

    "PARALÍTICO"

    é quem não consegue andar na direção
    daqueles que precisam de sua ajuda.

    "DIABÉTICO"

    é quem não consegue ser doce.

    "ANÃO"

    é quem não sabe deixar o amor crescer.

    E, finalmente,
    a pior das deficiências
    é ser miserável, pois

    "MISERÁVEIS"

    são todos que não conseguem falar com Deus.

    (autor desconhecido)

                »ﻼﻍﭿﭿﻼﻍ«
                  вєιjσкαѕ

                    »ﻼﻍﭿﭿﻼﻍ«
                        ησ ♥

                       »ﻼﻍﭿﭿﻼﻍ«

    ResponderEliminar
  76. Graça querida. "o vento que venta aí, venta aqui", sempre digo essas palavras ao nosso amigo em comum, o poeta satírico, o querido José.
    O problema,na minha opinião, está nos pais que querem ser modernos além da conta e ficam perdidos na hora de fazer valer a autoridade paterna.Coitadinha da cabeça dos filhos...


    E.T.:
    Adorei seu comentário no meu post sobre o Amor, você falou da minha mãe.
    Beijo, amiga, e obrigada. Ando com saudade dela. Muita.

    ResponderEliminar
  77. Muito obrigado por entrar em contato. Vamos ser amigos culturais? poderemos trocar idéias, experiências e divulgar nossos trabalhos. Sou poeta, escritor e editor do FANZINE EPISÓDIO CULTURAL (virtual e impresso). Conheces o Brasil?

    bjos poéticos

    machadocultural@gmail.com

    ResponderEliminar
  78. Adorei! tem razão em tudo! os miúdos de hoje crescem com um "emprego" pior que o dos pais, pois só saem dele depois dos pais saírem do deles! por essas e por outras é que deixei de trabalhar para cuidar do meu filho, quando este nasceu! coisa rara no portugal dos dias de hoje! por incrível que pareça ainda sou olhada como dondoca!
    jocas e bigada pela visitinha!
    Rosa

    ResponderEliminar
  79. muitas verdades, sem dúvida!
    em relação à tua pergunta...não muito bem.
    Beijinho grande!

    ResponderEliminar
  80. o MEC é perito na arte de bem escrever!
    :)

    ResponderEliminar
  81. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  82. Querida Graça!

    Ainda hoje estive tentada a publicar um texto hilariante do MEC.
    Fica para outra vez, mas acho-o mesmo completamente delicioso.

    Deixo um beijinho e um abraço ao teu doce maninho, que sei estar com dois quadros em exposição aí no Porto, eu adoraria ver...mas não creio que vá dar.
    Ele, como a mana, muito querido, mandou-me um presentinho, mais um.
    Sou uma privilegiada, ganhei um pacote especial, um dois amigos fantásticos em um/a :))

    Beijinhos e abraços aos dois,


    PS. Desculpa Graça, erro gramatical.

    ResponderEliminar
  83. O que dá valor à minha poesia
    Não é a página que ela enfeita,
    Mas é a paz que propicia
    Quando enche de alegria
    O peito de quem dela aproveita.

    Eduardo De Paula Barreto


    Feliz Noite...Beijos na alma!!

    ResponderEliminar
  84. Muito boa essa postagem.
    Infelizmente essa inversão de valores está presente em todos os lugares. Ou fazemos algo para mudar essa situação ou só o que nos restará é pedir socorro.

    bjs

    ResponderEliminar
  85. Um Feliz dia prá voce!!

    "Eu canto porque o instante existe e a minha vida
    está completa.
    Não sou alegre nem sou triste: Sou poeta."

    Cecília Meireles

    Beijos........M@ria

    ResponderEliminar
  86. Querida Graça, guardei as tuas palavras que tanto me tocaram no meu coração, acredita trouxeram-me paz e recorrei a elas nestes dias e sempre que necessitar...
    ...
    beijinho muito amigo!
    Andy

    ResponderEliminar
  87. Maravilhosa Amiga:
    Um visão fabulosa dos dias de hoje, onde cabem todos pela aceitação, entrega ou não à vida, de filhos e pais numa análise sensata e importante.
    Concordo com o seu pensamento completamente.
    Uma visão avançada da educação. Só podia sair de si.
    Tudo mudou. Progenitores ousados, filhos rebeldes.
    Perfeito.
    Adorei.
    Tem uma escrita extraordinária. De excelência que adoro.
    O seu talento é imenso.
    Beijinhos agradecidos pela sua amizade de sonho.
    Sempre a considerá-la imenso.

    pena

    Bem-Haja, pela ternura fantástica no meu blogue.
    Escreve de forma divinal.
    MUITO OBRIGADO sincero, amiguinha de pasmar.

    ResponderEliminar
  88. Graça:
    Vinha agradecer-lhe o comentário que me deixou na minha fotografia das escadinhas de S. Francisco e deparei-me com este belo texto, que demonstra um conhecimento e um espírito de observação, que falta a muita gente que já está completamente baralhada, sobre o que é ser pai... o que é ser filho... assunto terrível e cada vez mais difícil e complexo precisamente porque é difícil a muitos pais, saber o lugar que lhes compete e não conseguem "domar" o pequeno selvagem que a sorte, ou a pouca sorte, lhes entregou, muitas vezes sem esperarem, para educar.
    O medo de que esse pequeno selvagem um dia se volte contra eles fá-los abdicar da autoridade que deviam exercer. Autoridade que não quer dizer "violência" mas carinho, pois essa autoridade se não for exercida pelos pais ... um dia será exircida por outros que sem dó nem piedade lhes ensinarão o que é o respeito, e será um ensino duro e que eles não esperam.
    A verdade é que podem dizer que o que nós tinhamos era medo dos nossos pais, mas não era verdade.
    Obrigada Graça e voltarei.
    Bom fim de semana
    Maria

    ResponderEliminar
  89. Graça, minha querida amiga. Nós brasileiros somos exatamente iguais. Estou passando aqui para dizer-lhe o quanto sou grata por sua presença sempre ativa no Arca. Tenho dado pouca atenção ao seu blog por pura falta de tempo. Perdoe-me. Voltarei a organizar meu tempo. Obrigada pelo carinho e amizade. Beijos e fique com Deus.

    ResponderEliminar
  90. Ai Graça, estou aqui a rir tanto...essa estória está demais! Muito "gira" como dizem aí...aqui é a mesmíssima coisa...osa carecas a deixarem os cabelos cresceram e pegam os do lado para taparem a careca...ridículos!
    Tudo bem que hoje em dia os pais não tenham aquela cara de velhos que tinham antigamente, mas daí a usar as mesmas roupas que os filhos...basta ver a nossas atrizes de novelas...velhas, plastificadas, embotoxicadas, de minissaia...ai maigodi...não aguento...muito, mas muito bem escrita essa crônica...amei! Viu? Voltei para um café contigo! beijos

    ResponderEliminar
  91. Um retrato fiel do que acontece não apenas em Portugal ou no Brasil. É um "fenômeno" que avassala o mundo.

    Que infância tão diferente
    a de hoje…
    Mais estranha que ela,…
    há sim: os muitos pais
    que parecem jamais
    ter sido crianças!

    Adorei o texto que você nos trouxe.

    Bjs, Graça, e inté!

    ResponderEliminar
  92. oi amiga...
    ótimo texto!
    Tem um enfoque bem preciso de como anda a sociedade atualmente!

    bjo!!

    ResponderEliminar
  93. Cara amiga! Desde já agradeço a sua visita ao meu blog,faço votos de um bom fim de semana em companhia do seus. Um grande abraço deste amigo.António Costa

    ResponderEliminar
  94. Amiga Graça.
    Depois de ler o texto que dá para reflectir alguns,direi a palavra(nem tudo ao mar nem tudo a terra),vejo pais bem modernos e os filhos tem regras,outros são baldas" porque levam a lição de casa,e vai andando como uma bola de neve,o estalo do pai ou da mãe na hora certa,nunca fez mal a ninguém.Tenho dois filhos,graças a Deus,responsaveis,amigos e respeitadores,e na rua parecia eu a irmã mais velha,nunca fumei nem bebi,para que eles me chamassem atenção,mas sei que hoje em dia é prato do dia.Porque muitos gostam de os deixar entregues a si próprios, e depois a casa vem abaixo.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  95. Olá, sou brasileiro e não entendo as palavras: "giras", "friquezinho", "superbetos", "a borrifar", "assentar uma chapada", "dar uma descasca", "beber imperiais" desbananar", "pedra de hash", "dia dos anos"

    Alguem poderia explicar? Obrigado.

    ResponderEliminar