quarta-feira, 5 de maio de 2010

A Sombra das Recordações


Hoje, o sol voltou a fugir. Tem feito no céu, por estes dias, um ballet de Primavera. O verde do meu quintal está molhado e as árvores da minha rua despejam grossas lágrimas pelo asfalto. Nada convidativo para sair. Resolvi continuar as minhas arrumações do passado. Alguma vez estarão arrumadas? Não creio. Peguei numa caixa grande de cartão onde há tempos enfiei tudo o que um dia me interessaria ver: cartas, bilhetinhos, postais, recortes de tudo e mais alguma coisa e fotos ainda não organizadas. É que o tempo não dá para tudo! Chamo-lhe a caixa da ternura. Tem dentro sorrisos, fios de sol, venturas, lágrimas, beijos e saudades. Não é uma caixa qualquer. Tem margaridas pintadas por fora que colheram noutro tempo todo o ouro do sol. Pego primeiro nas cartas. Há gente que já partiu mas continua a falar-me de tanta coisa que, ainda hoje, preciso dessas palavras para caminhar. Não é uma questão de insegurança ou de solidão. O que dizem é tudo tão actual que pareceria um conselho para cada dia da minha vida de hoje. A amizade não tem um tempo, não cheira a bafio e não fica nunca fora de moda. Eis a primeira carta: “Numa palavra amiga se encontra, tantas vezes, o tal atalho na busca do ideal…” Sempre guardei as tuas cartas por mil razões. A nossa amizade já vem da geração dos nossos pais, somos mulheres fortes, de fé, mas tantas vezes aos pés de uma cruz… Embrulhamos a nossa dor num papel chamado alegria e dos nossos trapos ainda conseguimos fazer mantas para tapar o frio dos outros. Ainda bem que continuas no meu caminho. E esta? Não é uma letra familiar. Uma folha de bom papel, num tom cinzento claro: ”Nós assustamo-nos com as dificuldades mas, depois, verificamos que as coisas se resolveram melhor do que temíamos. Claro que em nós tudo se interliga: a fé com a saúde, a disposição com a meteorologia e a sensibilidade com a inteligência”. Tem vinte anos esta carta e não me lembro nada da pessoa que a escreveu. Contudo, sei que nessa altura passava por uma depressão pela morte da minha mãe. Outra: “A felicidade está dentro de nós. Somos muito mais importantes do que aquilo que nos acontece”. Esta é muito, mas mesmo muito mais antiga. De alguém que me conhece desde a minha juventude e que me viu crescer por dentro e por fora. E o que é isto? Papel grosseiro, quase de embrulho… São umas quantas! ”Comadra: Aqui estamos a passar bons, não há nada do mal. Sua afilhada continua com a 4ª classe. Este ano era para passar para a 5ª mas não passou. Peço à comadra para comprar um livro pequeno, dicionário, para ela. Chuva aqui não pára desde o dia 24 de Dezembro até hoje, não tem um dia de não chuver. No ano passado passei todo de miséria visto andei a receber sempre falecimentos das famílias… Cumprimentos senhora grande. Um forte abraço sua afilhada e outro sempre seu compadre, Zacarias”. Penso no meu compadre negro, tão educado, sempre tão honesto… Recordo o dia em que ele me foi convidar para ser madrinha da pequena Esperança. Estava numa aflição e eu não entendia o motivo da tanta atrapalhação:
- Vá Zacarias, há algum problema?
- É que padrinho vai ser Zé Manel.
Entendi logo o dilema. O Zé Manuel era também negro e motorista dos serviços.
- E daí? Acho muito bem a escolha. Ele é seu amigo, seu vizinho e bom homem, não podia ter escolhido melhor.
Respirou fundo como se um peso tivesse saído de cima dele e voltasse à vida. Mas… ainda havia um mas:
- É que, como o baptizado é na Igreja da Sagrada família o almoço vai ser na minha palhota.
- Ah, na sua casa, tudo bem.
Não, ainda não estava tudo bem. O Zacarias torcia as mãos e pensava que a menina não percebia nada da vida nos arredores mais necessitados da cidade. Como se enganava! Foram cinco anos intensivos a trabalhar em grupos nos aldeamentos indígenas. Decidi abrir o jogo:
- Zacarias, vamos fazer assim. O vestido da minha afilhada, as despesas do baptizado e o Bolo mais o champanhe, pago eu. Amanhã vou a sua casa para vermos como organizar a festa; e diga ao Zé Manel para aparecer também.
Nem por nada queria deixar o padrinho de fora de toda esta movimentação. O suspiro foi mais forte ainda, finalmente a menina entendera tudo. Ainda que por caminhos diferentes, procuramos todos o mesmo: sermos felizes. E havia felicidade no rosto do Zacarias. Quando o visitei no dia seguinte vi logo a exiguidade da pequena palhota e as fracas condições. Ele olhava-me de soslaio a estudar as minhas reacções. Disse-lhe:
- Vai ser muito bom!
Espanto, espanto, espanto na cara dele e do padrinho. A menina devia estar louca…
- Vamos fazer assim, como está muito calor e bom tempo pomos a mesa aqui fora debaixo destas sombras bem boas. Eu trago as toalhas que têm de ser branquinhas e o Zé Manuel vai ao Refeba alugar a loiça e os talheres, é a sua prenda.
E o padrinho acrescentava:
- Também posso trazer o vinho e as laranjadas.
Mas o Zacarias ainda tinha uma última questão a pôr:
- E o que faço de almoço?
- Isso é que não custa mesmo nada. Tem tudo à volta da sua casa.
E olhava a pequena horta, farta e bem cuidada e os galináceos que andavam por ali à solta debicando tudo o que encontravam:
- Galinha assada à cafreal, arroz de coco e salada de alface com tomate, quer melhor?
Sorriu, num sorriso que tocava a sinos de catedrais submersas nas suas necessidades.
- Então, posso convidar o senhor padre? - perguntou a medo.
- Pode e deve!
Explosão total. Ia ter uma festa em grande na sua casa, como toda a gente.
Foi um dia lindo Zacarias! Estava tudo tão bonito… A pequena Esperança dormiu a sesta no meu colo, embalada pela aragem que passava pelas velhas árvores onde ela cresceria e se faria mulher.


Não pude acompanhar todo o seu crescimento, você sabe Zacarias… a história, os tempos, a distância… mas não deixei de ser a sua “comadra” e muito menos a madrinha da pequena Esperança. E quando as notícias me chegaram assim de chofre uma atrás da outra, eu pensei que a vida tinha sido injusta consigo, Zacarias: ”Não sei se sabes, morreu o Zacarias e também a tua afilhada ao dar à luz um filho”. Parei diante desta memória. Já passaram uns anos sobre esta notícia mas é sempre como se a tivesse recebido hoje. Num minuto descubro que passou uma vida e na lucidez deste momento penso que algumas vezes vivi a correr. Queria ser apenas a água de um rio que corre lentamente por entre lírios e ser, de vez em quando, uma ave que abre asas e num instante encontra o sabor dos dias que passaram. Para tudo é preciso tempo. Mas às vezes descobrimos, se calhar demasiado tarde, que houve um tempo em que esquecemos as causas que nos confiaram. Zacarias, não é chuva que cai nesta sua última carta… são lágrimas de quem podia ter feito mais e não fez! Um dia, Zacarias, havemo-nos de encontrar, sem preocupações do sítio onde vai ser a festa e qual a ementa que havemos de escolher. Certamente nesse dia descobriremos que afinal fomos fiéis à amizade, à alegria daquele dia em que a Esperança se baptizou, ao abraço da despedida e acredito então que haverá outro tempo para nós no qual colheremos todos os sonhos semeados, como as margaridas da caixa que fecho neste momento.

101 comentários:

  1. Boa tarde Graça
    Cartas, recordações mil, que nos encantam e nos fazem voltar a esses tempos tão distantes e tão presentes nas nossas lembranças.
    Como foi diferente essa festa, a colaboração de todos e até a sesta da Esperança no colo da madrinha.
    Parece-me que hoje as pessoas não vivem nem vibram com uma festa de baptizado ou outras.
    Parece sentirmos ainda aquele cheirinho de comida acabada de fazer e de recontar os dias que faltavam para aquela festa.
    Os tempos são diferentes e hoje todos tem tudo e são muito egoístas - não precisam de ninguém.
    As crianças eram as que mais felizes ficavam.

    ResponderEliminar
  2. Bom tarde amiga!

    "Num minuto descubro que passou uma vida e na lucidez deste momento penso que algumas vezes vivi a correr."

    Acontece-nos a todos, creio...
    Gostei do texto, mas isso voce ja sabe :-)

    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. Já tinha saudades de visitar aqui o cantinho, e ler as suas histórias:D Quando há um tempinho, não perco oportunidade! Beijinhooo*

    ResponderEliminar
  4. Olá Graça!

    Me encanta a tua forma de escrever..., pois quase consegui visualizar a cena...
    Fez-me até recordar uns baptizados na família há pouco tempo...

    Sergio.

    ResponderEliminar
  5. hola Gracia, muchas gracias por tu visita..... mi jardin tiene encanto y desencantos jaja malezas que debo sacar y sacar...

    saludos cordiales.

    ResponderEliminar
  6. Olá Graça!

    Será que retrospectivamente achamos sempre que podiriamos ter feito mais pelos seres que fizeram um pouco ou bastante caminho ao nosso lado?

    ***
    Beijinhos e obrigada pela partilha de teu belo texto*******

    ResponderEliminar
  7. Graça,

    O seu conto "A sombra das recordações", que conta a história do Zacarias, é muito bom; destaco nele, este trecho, por ser especial:


    "Num minuto descubro que passou uma vida e na lucidez deste momento penso que algumas vezes vivi a correr. Queria ser apenas a água de um rio que corre lentamente por entre lírios e ser, de vez em quando, uma ave que abre asas e num instante encontra o sabor dos dias que passaram. Para tudo é preciso tempo. Mas às vezes descobrimos, se calhar demasiado tarde, que houve um tempo em que esquecemos as causas que nos confiaram."


    Abraços,
    Pedro.

    ResponderEliminar
  8. Graça, sempre um prazer ler os seus textos.
    Ao longo de x anos, escrevia diriamente pelo
    menos 1 carta para x pessoa, e todos os dias
    vivia na ansiedade da chegada da resposta...Foram
    anos(ainda não havia os emailes) de ansiedade por
    um envelope, abri-lo, pegar nas folhas e ansiosamente ler o seu conteúdo...E reler...e
    reler...e sentir o cheiro de quem escreveu
    aquelas palavras...É inexpressável esse sentir.
    Se tivesse todas essas cartas seriam milhares...
    não tenho nenhuma, com muita pena minha, porque
    gostava de as reler, para ver como tudo nelas
    dito, "se foi, como uma rabanada de vento"...
    Mas isto é um aparte, queria apenas que soubesse
    que estive aqui "neste seu maravilhoso espaço
    e silenciosamente leio o que escreve, que é
    sempre muito bom".
    Beijinho/Irene

    ResponderEliminar
  9. Graça, muita emoção ao ler seu conto.

    "Para tudo é preciso tempo. Mas às vezes descobrimos, se calhar demasiado tarde, que houve um tempo em que esquecemos as causas que nos confiaram."

    Bjos, abraço apertado, e inté!

    ResponderEliminar
  10. Já vim hoje pela manhã e retorno para fazer chover também sobre o portátil, linda história para mim até hoje a mais bela (não que as outras não sejam)esta fala de tudo e de um pouco mais, só reintera o que escrevi pela manhã, orgulho imenso em ter aportado aqui.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Minha querida amiga Graça,

    Não deu para segurar as lágrimas que correm o meu rosto tornando difícil a escrita.
    Esse teu rosto lindo esconde um sorriso triste, de quem faz tudo para ser feliz...sempre o soube, mesmo quando nada sabia.

    Admiro muito a tua forma de escrita, mas o que mais admiro é a tua força e coragem para enfrentares a vida com tanto amor por todos, quando o teu te foi roubado.

    Beijos e um abraço enorme da tua amiga que ainda te há-de escrever, pelo menos uma carta, para juntares a todas essas nessa caixinha com margaridas.

    ResponderEliminar
  12. um dia, Zacarias

    em que o tempo
    for o nosso tempo

    quero almoçar à sombra das tuas árvores! Galinha assada à cafreal, arroz de coco e salada de alface com tomate.

    depois brindar pela tua Esperança

    e com a senhora grande tua comadre, aprender uma outra Esperança

    aquela que torna as pessoas maiores, mais belas e mais puras

    ou, tão somente magníficas!

    À Senhora Grande, que tão Grande sabe ser

    por este magnífico e comovente texto!

    um beijo

    Manuela

    ResponderEliminar
  13. Olá Graça, lindo seu blog!!

    Sobre o meu blog, estou bem intrigada também rrsrs, as pesquisas que estou fazendo me leva a crer que houve um grande sequestro...impressionante não? Parece coisa de filme...mas lembra de MJ? A história não é muito diferente...tem aqui mais alguns posts que te ajudarão a entender as minhas idéias, é só ter pasciência para ler e ver os vídeos. Uma boa opção é o canal do youtube que tenho, lá coloco os vídeos que acho importante para nós, nos dão uma noção dos fatos que aconteceram,os fatos que estão acontecendo e os que ainda há por vir....Abraço, fique com Deus!

    ResponderEliminar
  14. Olá querida amiga.
    Não cheguei a conhecer África. Deve ser uma terra de encanto. E quanta poesia daria para fazer, ao longo das paisagens, das gentes, dos bichos. E histórias para contar, como as tuas, que só agora comecei a ler, mas que para começar são muito encantadoras. Vou continuar a ler todas as que tiver tempo. E agora acho que tempo não me vai faltar.
    Amiga, quanto ao selo de Abril, podes tirar à vontade. Afinal ele é para todos os amantes da liberdade. É livre como o vento e o pensamento.
    Um beijo Graça.
    Victor Gil

    ResponderEliminar
  15. Estimada Amiga Inigualável de Talento:
    É preciosa amiga.
    O que escreve é sublime de fazer maravilhar e encantar.
    "...Chamo-lhe a caixa da ternura. Tem dentro sorrisos, fios de sol, venturas, lágrimas, beijos e saudades. Não é uma caixa qualquer. Tem margaridas pintadas por fora que colheram noutro tempo todo o ouro do sol..."

    Lindo. Lindo. Lindo.
    Olhe, ainda nem estou em mim, pela preciosidade literária e humana que é.
    Beijinhos amigos de um respeito gigante.
    Com admiração constante e sempre.
    Bem-Haja, pela sua amizade de ouro que prezo imenso.
    MUITO OBRIGADO, doce amiga.

    pena

    ResponderEliminar
  16. Amiga Graça.Ler este magnífico texto cheio de lembranças que tocam cada um que lê. Hoje já nem se recorda batizados,e até as festas pouco restam delas,para não falar nas cartas.Tantas escrevi,para o marido,amigos e familiares,ficam sempre as lembranças e tanta saudade.Porque quem não tem saudades,não tem identidade...e aqui demostra a saudade das terras quentes de África.
    Beijinho de amizade Lisa

    ResponderEliminar
  17. Dói para sempre, não é Graça? Também tenho memórias assim. Parece ser impossível guardar o tempo todo e o espaço todo no nosso coração activo. Há sempre algum pedaço de vida que se escapa. Mil beijinhos, querida Graça!

    ResponderEliminar
  18. "Chamo-lhe a caixa da ternura."

    Cheiinha,cheiinha de amor.

    Beijo,

    ResponderEliminar
  19. Quando vemos os postais e as palavras e sentimos vontade de nos sentar no chão e apelar ao Tempo que nos traga tanto de bom de volta, são as lágrimas o nosso passaporte para outra dimensão e, a dor, o preço para continuar nesta. Conhecedor da dor, que de tao violenta como que se neutraliza como alguem que tivesse deixado de sentir, resta continuar o fado da nossa criação fiéis aos valores, aos princípios e à verticalidade, sem cedermos a novos interesses que sejam comesinhos, nem nunca nos atraiçoarmos para algo que julgavamos ser.

    Um bj

    ResponderEliminar
  20. Olá amiga Graça,
    Já li este texto duas vezes, e todas duas não me contive, ao estar a ler parece que estava vendo as imagens, e vivendo aqueles momentos e na parte final é mesmo triste.
    Termino com palavras tuas. A amizade não tem um tempo,não cheira a bafio e não fica nunca fora de moda, e eu acrescentaria nem tem prazo de validade

    um beijinho grande,
    José.

    ResponderEliminar
  21. Daniel
    Que bom teres vindo aqui...queria deixar-te uma palavra mas ainda náo "abriste" o teu espaço...mas tu sabes que eu estou contigo!
    Não nos podemos atraiçoar nunca porque tão (in)finita e tão breve é a vida do homem! Apesar da cruz, nós temos as manhãs forradas de esperança... Cada dia nasce com a alegria habitual do começo das coisas...
    A nossa casa é uma tenda (como eu gosto de lhe chamar) e somos peregrinos conhecedores da grande solidão da morte..ainda assim, acreditamos no Amor...
    E que, como eles (os nossos Pais) cheguemos ao fim da viagem, livres, despojados, ricos apenas do muito que foi nosso pelo caminho...
    Fica bem e tranquilo porque é melhor homenagem de amor que lhes podes oferecer...
    Beijo amigo
    Graça

    ResponderEliminar
  22. Lindíssima a históris...bela a tua caixa de lembranças...maravilhosos os corações do Zacarias, da menina que lhe proporcionou a grande felicidade de fazer da sua palhta um belíssimo salão de festas. Todos nós temos a nossa caixinha que de vez em quando abrimos e nos deliciamos com as lembranças que delas tiramos; eu já tive uma dessas...era de sapatos que aproveitei para guardar pequenas coisas da minha adolescência no colégio de freiras; dela resta um pequeno caderno onde amigas escreveram algo na hora da despedida; perdi o rasto à maioria; não gosto de ler o caderninho, pois não sei onde procurar por elas. Tenho sim muitas outras caixas guardadas na minha memória; de vez em quando vou lá...desembrulho uma...e fico vendo tudo; outras há que estão até empoeiradas, pois não quero pegar nelas..É assim a vida, feita de pedaços que vão sendo arrumados em caixinhas que um dia quereremos ou não abrir. Um beijinho amiga e até breve.
    Emília

    ResponderEliminar
  23. QUERIDA GRAÇA, MARAVILHOSO TEXTO... BELA CAIXA DE LEMBRANÇAS AMIGA, UMA NOITE FELIZ... ABRAÇOS DE CARINHO,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar
  24. Olá Graça
    Um lindo conto, mas sempre que olharmos para trás,vamos achar que ficou algo que poderíamos ter feito de forma diferente. Hoje já não há espaço para tanto carinho e atenção.
    Beijos

    ResponderEliminar
  25. Graça, eu simplesmente amei o seu conto. Consegui passear pela narrativa e me senti como se fizesse parte dela.
    Parabéns!
    Um garnde beijo

    ResponderEliminar
  26. Minha querida Graça
    Lindo texto, cheio de recordações de vida.
    Gostei muito.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  27. Olá Graça

    Foste ao Baú das Recordações!
    Sabe tão bem recordar!

    Aprecio a forma "límpida" como escreves.
    Consegues que viva os momentos que descreves.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  28. olá graça,
    obrigada pelas gentis palavras no meu blog.
    "A sombra das recordações"
    é um texto lindissimo e nos traz lindas recordaões
    do nossos baus.
    fico maravilhada com seus post e ja o reli por tres vezes e me sinto dentro dele.
    parabéns escreves divinamente.
    deus te abençoe.
    beijos com carinho.

    ResponderEliminar
  29. Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar essa pessoa de nossos sonhos e abraçá-la.

    Clarice Lispector

    Forte abraço prá voce.....Boa Noite!

    ResponderEliminar
  30. Somos memória. Quanto mais forte, mesmo que com dor, é porque vivemos mais intensamente, e mais valeu a pena viver.

    Graça, a Sônia me apresentou o seu blog. Valeu a pena, gostei.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  31. Olá minha amiga! Muito obrigado pela visita e principalmente pelas belas palavras de conforto. Confesso que estava mesmo precisando.

    Abraços e fique com DEUS.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  32. Você falou tão bonito da sua caixa de lembranças! Eu também tenho uma , também com margaridas e ... como você eu também gosto de estar sempre arrumando.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  33. Querida Graça,
    Um texto comovente nas recordações de uma vida.
    A sua caixa de lembranças, deve ser um tesouro bem guardado.

    A minha, só no baú do pensamento. Tudo foi destruído. Ahhh.. como gostaria de sentar-me e reler uma vez mais, as minhas cartas de amor.

    Obrigada amiga, por este momento deliciosos.

    Beijo.

    Maria

    ResponderEliminar
  34. As lembranças aprofundam e prolongam a vida. Carregamos o mundo conosco, o mundo que criamos.

    Graça, gosto muito do vejo aqui.

    bjs

    ResponderEliminar
  35. As recordações da vida sempre são necessarias,,,muitas vezes uma retrospectiva nos faz melhorar e sentir que o caminho a seguir é possivel....um beijo de linda quinta pra ti.

    ResponderEliminar
  36. Texto lindo e muito bem escrito!...
    E que mensagens importantes aqui estão.
    Babette

    ResponderEliminar
  37. Graça,quantas lembranças nessa tua caixa!Um texto maravilhoso e com uma grande msg de amizade!Bjs,

    ResponderEliminar
  38. Mês de Maio, mês das Rosas
    Foi em Maio que eu nasci
    Aquelas rosas cheirosas
    Que eu comprava para ti

    Que eu comprava para ti
    Até ficava vaidosa
    No mês de Maio eu nasci
    E não tenho nome de rosa

    E não tenho nome de rosa
    Nem de qualquer outra flor
    Se o meu nome fosse Rosa
    Era a rosa do meu amor

    Era a rosa do meu amor
    Queria-o sempre ao pé de mim
    Se eu fosse uma flor
    A minha casa era um jardim

    D.A

    Beijos perfumados neste dia! M@ria

    ResponderEliminar
  39. "recordar é viver"...ainda mais assim com recordações tão cheias de emoção!
    As palavras se fundem em memórias repletas de sentimento, amor e amizade!!

    bjo!

    ResponderEliminar
  40. Olá Graça, nada mais prazeroso do que retirar dos nossos baús lembranças que são guardadas como um tesouro. Sempre vamos juntando os pedacinhos e muitas vezes chegamos até a formar uma nova história, quem sabe, menos dolorida.

    Beijos e muitas memórias felizes.

    ResponderEliminar
  41. Oi, amiga!
    Amei o texto. Muito bem escrito.
    Beijinhos e fica feliz
    Ceiça

    ResponderEliminar
  42. Olá Graça!
    Diz que recordar é viver...eu concordo ,quando se tem boas recordações, voltamos a ter as mesmas sessações....
    Beijinhos
    Graça

    ResponderEliminar
  43. GRAÇA ESCRITORA COM "DOM",
    Nao só a magia Africana está presente neste texto sublime, que só um espírito profundamente atento ao comportamento humano poderia conceber e realizar, mas também a grandeza de pensamento e de sentimentos dum coração tão grande e tão fraterno como o teu.
    Um abraço solidário e amigo.
    Jorge

    ResponderEliminar
  44. Também não é chuva que cai neste teclado, Graça,...mesmo à distâncoa sempre acompanhei histórias de África muito idênticas a esta e não resisto à vida difícil e tão autêntica e por vezes tão injusta que se me depara aí ou noutras partes do mundo, ou mesmo por aqui.
    No entanto reconheço que em África a pobreza que existe é mesmo pobre e que não temos noção nenhuma de como se pode ser feliz com pouco.
    Desavergonhadamente não temos a dimensão dos contrastes, nem a noção do que esbanjamos e preferimos esquecer e nada fazer para mudar a face do mundo.
    Obrigada por nos trazer estas realidades.
    Beijinhos
    Branca

    ResponderEliminar
  45. Graça o seu dom d escrever é divino, belo conto este seu, nos permite com facilidade visualizá-lo, qnd vc publicará o livro? rs, sério heim? sua caixa de lembranças é um tesouro valioso, bjos querida, uma ótima noite pra vc!

    ResponderEliminar
  46. Boas lembranças trazem paz ao coração, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  47. oi Graça, querida amiga.
    as lembranças fazem parte do nosso coração, sejam elas boas ou nem tanto.
    e tenha certeza que os amigos que já partiram, os encontraremos, em outros sitios, em outros tempos, pois o espirito é imortal, e as almas amigas e afins sempre ão de se encontrarem para festejar a vida sempre a vida.

    beijo de luz

    Rosan

    ResponderEliminar
  48. ...olá querida!

    que delícia de post!

    quantos sentimentos ficam guardados
    em velhas caixas a espera de que
    um dia sejam revividos com emoção?

    e você o fez aqui com tanta sensibilidade!

    que lindo é isso!

    deixo beijos...

    ResponderEliminar
  49. Olá querida.
    Pois ,por aqui também choveu um bocadinho.
    Todos temos as nossas lembranças.
    Umas que nos fazem rir outras que nos fazem chorar.
    Faz parte do nosso crescimento como pessoas.
    Essa tua caixinha vai permanecer por toda a vida.
    Como eu costumo dizer,o nosso cerebro está dividido por gavetas.
    Esta é a gaveta da saudade.
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  50. Emocionei-me! Lindo como só tu sabes escrever!
    Beijos
    Lidia

    ResponderEliminar
  51. Hola gracias por tu comentario tan cariñoso.UN SALUDO

    ResponderEliminar
  52. Olá minha linda :))
    Eu já enviei a encomenda na terça-feira, ainda n recebes-te? :(

    Sera que me enganei na morada....
    Tenho de ver...

    Beijinhos grandes**

    ResponderEliminar
  53. Olá Graça
    Obrigado pela visita e das lindas palavras que escreveu a respeito da tela!
    Já pintei uma tela que mostra uma paisagem Africana,mas irei colocá-la novamente no blogue em sua homenagem e todos o que adoram a África que é dos continentes mais lindos que existe na Terra.
    Muitos beijos Zé Al

    ResponderEliminar
  54. Oi Graça! Como tu escreves bem amiga. Eu queria saber escrever coisas bonitas...
    Vim convidar pra ver meu vídeo novo, no Blog: SENTIMENTOS.
    http://sentimentosjacque.blogspot.com/

    Beijo

    ResponderEliminar
  55. Olá Graça.
    Emocionei-me ao ler este conto, que podia ser exactamente sentido e escrito por mim...
    Muito belo!
    Este "Denominador Comum" que nos une, traz sempre inesquecíveis recordações.
    Gosto muito da tua escrita e quando publicares um livro, quero também um exemplar.
    Um abraço forte Adélia

    ResponderEliminar
  56. Querida Graça, obrigada por partilhar tão doces e especiais recordações com os seus seguidores.
    Quanta ternura! Pude senti-la através da sua maravilhosa escrita.
    Beijinhos
    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  57. Ó Graça, amiga, essa "caixa da ternura" tem sempre coisas tão encantadoras para nos contar, com esse seu dom inestimável que nos "planta" no meio da história!
    Obrigado por partilhar essas recordações connosco!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  58. Querida amiga é sempre um prazer enorme vir visitá-la. Também eu por vezes, gosto de parar a minha rotina e recordar, e os meus filhos adoram quando eu conto situações passadas na minha infância.
    Obrigado por partilhar as suas memórias com todos nós.

    Aproveito para desejar um excelente fim-de-semana.
    Obrigado pelas doces e ternas palavras que deixa no meu humilde cantinho. Adoro as suas visitas.

    “A glória da amizade não é a mão estendida, nem o sorriso carinhoso, nem mesmo a delícia da companhia. É a inspiração espiritual que vem quando você descobre que alguém acredita e confia em você.” (Ralph Waldo Emerson)

    Bjs do tamanho do infinito
    Maria


    Gosto

    ResponderEliminar
  59. Encanta-me a tua forma de escrever, senti-me ao teu lado mexendo na tua caixinha de lembranças! e que doces lembranças. Obrigada por este bocadinho lindo que aqui passei.
    Bjs

    ResponderEliminar
  60. Gostei da sua escrita...
    Passe no meu blog e seja seguidora. Dê ainda a sua opinião pf.

    beijo

    ResponderEliminar
  61. Querida Graça,
    Quando acabei de ler o seu post os meus olhos estavam marejados de lágrimas. Que ternura, que amor demonstrou nestas suas belas e sentidas palavras! E ainda há quem diga que éramos colonos nessas terras além. Não, éramos irmãos e estavamos sempre vivendo e convivendo com os seus problemas. Posso entender que alguns assim não procederiam mas eram a minoria, não tenho dúvidas. E tanto era assim que aqui o desmonstrou cabalmente. Também tenho uma caixa de ternuras que quando a abro me dá nostalgia só que não tem margaridas na tampa, pois não passa de uma caixa de sapatos! Mas ternura tem aos montes. Tenha a certeza!
    Muitos beijinhos amigos.
    Luís

    ResponderEliminar
  62. Bonito... gostei muito desta postagem, parabéns. Continua a Consultar os meus, deixe um comentário daquilo quel ler.
    www.congulolundo.blogspot.com
    www.queriaserselvagem.blogspot.com
    Fique bem, bom fim de semana.
    Um abração

    ResponderEliminar
  63. Querida Graça
    quantas vidas, quantas histórias nas nossas caixas de recordações....
    Realmente cada uma delas dá um conto.
    Minha querida, agora, aqui nesta terra chamada Brasil, temos o nosso dia das mães. Sei que a tua comemoração já passou, mas venho aqui trazer o meu carinho e desejar que todos os teus dias sejam dias especiais junto ao teu filho, grande riqueza.
    Bençãos para ti e para ele, todos os dias de vossas vidas.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  64. Graça,eu sou um pouco como vc;" vivo sempre cheia de recordações",mas não sinto tristeza com isso.É uma forma de trazer para perto de mim,os bons momentos que passei.Gosto de recordar!!
    Hoje,vim trazer-lhe "margaridas",e junto um cartãozinho escrito assim: "toda a minha ternura, meu carinho pelo Dia das Mães".Que Deus continue nos abençoando".
    A amiga de sempre e de longe...
    Emilinha

    ResponderEliminar
  65. olá,bom dia:
    como sempre é com agrado que visito este espaço tão rico em histórias de vida.um beijinho afilhada

    ResponderEliminar
  66. Querida Graça, tu sabes, já te disse muitas vezes, não gosto de olhar para trás, nunca abro o meu baú de recordações - penso que deitei a chave fora - e no entanto, contigo, retrocedo nos teus passos, revisito o teu passado e sinto-me bem na tua companhia. Tens uma maneira doce, um sentimento sentido da palavra saúdade, que vivo como se fosse a minha saúdade. Gosto de estar aqui sentado a ler-te, a sentir o pulsar do teu coração, das recordações de ti, das tuas vivências... Não sei se sonhei, se me disseste, finalmente, ias escrever um livro, inserindo estes textos maravilhosos que aqui nos trazes, espero com ansiedade esse dia, para estar a teu lado, ficar contigo bebendo a seiva da poesia das tuas palavras...
    Um beijo de muito carinho, querida Graça, no gostar de ti, no sentir da tua amizade.
    Carlos

    ResponderEliminar
  67. MEUS MIMOS http://sandraandrade7.blogspot.com/
    TEM CARINHO PARA TODAS AS MÃES...
    TEM NA INTERAÇÃO DE AMIGOS UM PRESENTE PARA VC.
    FELIZ DIA DAS MÃES.
    CARINHOSAMENTE.
    SANDRA

    DESCULPE MINHA AUSENCIA.MAS NÃO FOI POSSIVEL VIR ANTES. ESTAVA TAMBÉM COM SAUDADES DE VC.
    TENHO QUE DIVIDIR MEU TEMPO EM MIL.
    MAS OS AMIGOS MORAM DENTRO DO MEU CORAÇÃO E PENSAMENTO. POR ISSO JAMAIS SERAM ESQUECIDOS. PASSE O TEMPO, PASSA AS HORAS. MAS VC ESTARÁ COMIGO..MINHAS LEMBRANÇAS SEMPRE ME REPORTAM ATÉ VC. OS HORIZONTES SÃO GRANDES, MAS O AMOR ENCURTA ESTA DISTANCIA.
    UM GRANDE ABRAÇO.
    SANDRA

    ResponderEliminar
  68. Graça, sou filho da Vanuza e vim aqui em nome dela e em meu próprio nome lhe desejar, um bom dia das mães!
    Guilherme

    ResponderEliminar
  69. Guilerme, meu Querido
    Parabens pela Mãe fabulosa que tens...amanhã, enche-a de mimos que ela merece!
    Para ti, uma beijoca grande.
    Graça

    ResponderEliminar
  70. Querida Graça,

    senhora grande,

    que por ser tão grande conseguiu fazer do Zacarias um homem feliz e sinto que igual a todos os outros no dia do baptizado da sua filha.

    E nessas cartas, tão actuais e tão cheias de sabedoria encontra tantas vivências que hoje vê com olhos mais vividos e também mais sábios.
    A vida faz-se de momentos como esses...de sofrimento e de alegria e precisamos de ser como um rio que corre lentamente sem pressa de chagar ao seu destino.

    A sua riqueza interior é linda ...mais parece esse mar imenso de África onde a cor e a magia enche o coração.

    ResponderEliminar
  71. esqueci o meu abraço apertadinho e cheio de carinho

    canduxa

    ResponderEliminar
  72. Graça,
    que comovente e poético texto. Você abre a sua preciosa caixa da memória com a ternura de seu coração generoso.

    Um feliz dia das mães.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  73. Olá Graça, é sempre bom recordar mas por vezes essas recordações levantam a poeira que deixámos assentar. Quando são boas dá para recordar, mas depois no meio aparecem as amargas, que nos deixam sempre a pensar, se não poderia ter sido diferente. Beijos amiga

    ResponderEliminar
  74. Um feliz dia das mães para ti, que o domingo seja especial.
    beijos

    ResponderEliminar
  75. Olá Graça, como está?

    Essa caixa fez-me lembrar "a arca que tinha uma voz dentro" num dos romances de José Luís Peixoto. A sua tem várias vozes, mas todas elas são também uma só: a voz sublime e enternecedora da AMIZADE que não tem prazo de validade.
    É bom recordar momentos idos que nos fizeram e fazem bem.

    L.B.

    ResponderEliminar
  76. Boa noite amiga.
    Quero deixar meu abraço, e com certeza, recordar é viver.
    Então longa vida a ti, com as sublimes recordações.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  77. Reviver momentos prazenteiros é sempre bom.
    Palavras que dão vida, que ajudam a decidir, são aquele pequeno empurrão que faz falta, desejava-o: intui.
    Quanta humanidade e ternura encontrei aqui. Que bom!

    Um grande abraço de agradecimento

    ResponderEliminar
  78. Querida amiga Graça,

    Vim desejar-te uma boa noite e desejar um bom Domingo.
    O tempo está miserável, vê lá se tiras mais uma linda história da caixinha com margaridas.

    Bejinhos

    ResponderEliminar
  79. GRAÇA

    Obrigada pelo carinho demonstrado no aniversário do meu marido.. Juntos caminhamos
    juntos sofremos
    juntos amamos.
    A vida é assim...
    Com amor vamos caminhando...

    Obrigada pelo carinho demonstrado

    ResponderEliminar
  80. Graça,
    Me emocionastes como sempre...eu tb tenho uma caixa assim cheia de recordações...qdo preciso renovar as forças fico ali horas lendo os cartões vendo a letra dos amigos...sinto como se fosse hoje é muito confortante saber que temos e tivemos muitos bons momentos p/ se guardar dentro do peito.
    Aí que saudade que estava de vir aqui.
    Desculpa esse velho coração que ultimamente anda meio que assoberbado de trabalho.
    Aproveitando a oportunidade que estou aqui quero lhe deseja um Feliz Dia das Mães...hoje toda mulher mãe ou não merece um abraço por que por si só ser mulher já é dádiva de DEUS.

    Mãe... São três letras apenas

    As desse nome bendito:
    Também o Céu tem três letras...
    E nelas cabe o infinito.

    Para louvar nossa mãe,
    Todo o bem que se disse
    Nunca há de ser tão grande
    Como o bem que ela nos quer...

    Palavra tão pequenina,
    Bem sabem os lábios meus
    Que és do tamanho do Céu
    E apenas menor que Deus!

    Mãe (Mário Quintana)

    Beijos no coração (*_*) Jú

    ResponderEliminar
  81. Quando se diz (como o velho ditado) a sabedoria não ocupa lugar na vida de uma pessoa, ela aqui é deixada a todos quantos visitam este belo Blogue.

    Recordações, momentos felizes de vida seja ela passada ou presente, é sempre um tesouro que guardamos no nosso Guarda Jóias com muito amor e carinho.

    Belo texto que de ouro é coberto pela cor do Blogue.

    Bjos, bom Domingo de paz e alegria.

    ResponderEliminar
  82. No dia de hoje...
    Escreva uma página
    dourada
    com tudo que sonhas
    na vida...
    Não deixe uma só linha
    em branco
    Agradeça pelo dia de ontem
    e peça paz ao teu dia
    de hoje....
    Escreva um verso
    de felicidade
    não dobre a página
    por nada...
    Não esqueça
    Você é o autor
    da sua jornada.

    D A

    Feliz Domingo com amor no coração!


    Obs:Venha conhecer meu novo blog......te espero
    http://caminhospoetico.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  83. Oi Graça. Obrigada pelo comentário no meu Blog: SENTIMENTOS.

    Beijo

    ResponderEliminar
  84. graça, desejo um
    domingo muito feliz, com amor e paz no coração
    Bjo carinhoso.feliz dia das mães!!

    Palavra tão pequenina,
    Bem sabem os lábios meus
    Que és do tamanho do CÉU
    E apenas menor que Deus.
    (Mário Quintana)
    vc é muito especial

    ResponderEliminar
  85. Graça

    Linda a forma como apresentas tuas recordações.

    Lindas e absolutas tuas palavras. Adoro tua
    prosa-poética e te espero sempre, ao fundo do caminho, ao voltar aquela esquina.

    Vem e sê minha amiga,

    Beijos

    Mª. Luísa

    ResponderEliminar
  86. Querida Graça, que belo texto!
    Quando esta lendo cheguei a ficar emocionada>
    Estou te desejando um feliz dia das mães do Brasil pra vc.

    Um grande beijos.

    Lucimar

    ResponderEliminar
  87. Caixa sua de ternura,me envolvi,entre cores e flores,recodar é viver!

    bzu mãos suas!

    viva la vida

    ResponderEliminar
  88. No fundo o que é mais importante se não a amizade, e a simplicidade, deve ser muito grato para ti mexer na caixinha de recordações e encontrar sentimentos que despontam e soubeste fazer florescer
    beijinhos

    ResponderEliminar
  89. Como sempre,uma escrita sem tirar nem pôr.
    Texto magnífico!

    ResponderEliminar
  90. Hola Graça...
    Hermoso texto, los recuerdos nos van la pasibilidad de volver a vivirlos, cada vez que vuelven a nuestra mente¡ Buen escrito,AMIGA¡¡
    Gracias por tus palabras, siempre es un gusto leerte¡¡
    Un abrazo enorme

    ResponderEliminar
  91. Querida amiga, gosto muito de te ler, tens o poder da palavra forte cheia de sentimentalidade por tudo que tem sido a tua vida. Essa África, essas recordações estão tão vivas em ti, ao escreveres transmites tão bem a verdade dos factos com uma sensibilidade tão grande que me deixa muito comovida.
    Muitos beijinhos,
    Manuela

    ResponderEliminar
  92. Boa noite amada.
    Posso te falar uma coisa?
    Seus textos são delíciosos de ler,no momento em q me afino com o desenrolar da história me sinto nela em alguns momentos.
    Parabéns minha querida.
    Desculpe o meu atraso.
    Beijokas

    ResponderEliminar
  93. Olá Graça,
    Obrigada pela visita gentil como sempre!
    Gostei muito da sua caixa de ternuras... também tenho uma com recortes da minha vida e dos que eu amo.
    beijos e parabens!

    ResponderEliminar
  94. Tão bonito! tantas recordações! belo texto!
    Bom dia!
    Rosa

    ResponderEliminar
  95. Olá :)
    Ainda bem que estava na tua caixa do correio, fico mais descansada!
    Ohh, fico muito feliz por teres gostado de tudo :)))

    Beijinhos grandes**

    ResponderEliminar
  96. Transportaste-me para Quelimane e....quanta saudade!!!!
    Beijo
    Teresa(Quelimane)

    ResponderEliminar
  97. Querida Teresa
    E não é tão bom recordar?? Nós temos a felicidade de ter muitas caixas com margaridas colhidas em anos em que a vida foi a 100%!! Sorte a nossa...Beijos
    Graça

    ResponderEliminar
  98. Quando tenho saudades do Chuabo, venho aqui. Obrigado.
    Monhé

    ResponderEliminar
  99. Querida Graca, deseo que hayas tenido un lindo dìa de la madre junto a tus seres queridos.
    Cariños,
    Maria Cecilia

    ResponderEliminar
  100. Hoje ofereci as cores da minha paleta
    A uma amiga na sua dor
    Ouvi seu choro ao meu ouvido
    No fatalismo do desamor

    Hoje o sono acordou-me
    A nostalgia agitou suas asas cinzentas
    Esqueci no acordar o ultimo abraço
    E contei as nuvens que eram tantas


    Doce beijo

    ResponderEliminar