sexta-feira, 27 de agosto de 2010

As Minhas Rosas

Ao chegar a casa, ao fim da tarde,
Encontrei podadas as roseiras
Do meu pequeno jardim…

Dentro, deparei com uma pequena jarra
Com quatro botões de rosa.
E fiquei triste,
Porque eram as últimas
De tantas que o Senhor me dera…

Aquela jarra florida
Era o pôr-do-sol das minhas rosas…
Mas outras iriam voltar, a seu tempo,
Como o sol em cada manhã…

Pensei que a minha vida,
Para dar rosas, para florir,
Numa realização de serviço,
Para enriquecer e embelezar o mundo,
Tem de ser podada,
Uma e muitas vezes…



Há ramagens a cortar,
Há excrescências a eliminar,
Há ramificações supérfluas
-Que dispersam,
-Que enfraquecem,
-Que não deixam render talentos,
-Que não deixam servir e florir…

Reconheci, então, a necessidade
Destes cortes revigorantes,
Dolorosos,
Entristecedores…

Por detrás da tesoura cruel do podador
Está a esperança de mais rosas e mais belas,
Que o amor de Deus vai oferecer…

- Mário Salgueirinho


77 comentários:

  1. Querida GRAÇA!
    Como apanhei agora mesmo o teu post pensei que me atendias o telefone,desculpa incomodar mas apetecia-me ouvir a tua voz e falar um bocadinho.
    O poema das rosas é muito bonito.De facto às vezes é preciso cortar para revigorar,mas isso é só com as plantas,não com os sentimentos-SE CORTA MORRE.
    Bom fim de semana.
    Beijinhos.HELENA

    ResponderEliminar
  2. Olá Graça
    Bela analogia fez o autor. Realmente as vezes precisamos podar-nos para renascermos mais fortes.
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. As coisas não são lineares, muito menos a vida...
    Há, no poema, uma ingenuidade que cativa.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  4. olá Graça.
    as rosas renascem de pois de serem quase que destruidas, assim como nós, depois dos reveses da vida nos tornamos mais fortes e revigorados, para seguir em frente.
    belos poema.

    beijo de luz

    ResponderEliminar
  5. Belas as rosas!...

    Do perfume das pétalas e da sabedoria do podador à sensibilidade do poeta, à raiz do poema.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  6. Graça!

    Belo,muito belo e profundo o poema!!!

    Os cortes são dolorosos mas necessários para que as forças se renovem e floresçamos mais belas na próxima estação!!!

    Gostei muito!

    Meu beijo!

    Sonia Regina.

    ResponderEliminar
  7. Querida Graça! Num belo poema onde a rosa trás até nós o encanto da natureza e toda a forma de renovar a vida.
    Beijinho de amizade bfs
    Lisa

    ResponderEliminar
  8. Lindo!!!
    sem palavras...apenas bom fim de semana a todos

    ResponderEliminar
  9. Graça!
    Voce sabe bem como achar tantos escritos lindos...

    Quanto amor deve ter as mãos de quem nos poda. Nâo é essa também a função dos pais? A poda por amor é a maior prova de amor!

    [ando relapsa mesmo na escrita. mss a cabeça anda tonta com tantos afazeres. beijo grande pra ti :) ]

    ResponderEliminar
  10. Querida amiga, perfeita analogia entre as rosas e a vida, muitas vezes temos que podar determinadas atitudes, para que amanhã sejamos mais felizes...nem sempre é fácil...Tenha um lindo final de semana...Beijocas

    ResponderEliminar
  11. Graça

    O podar faz com que a vida se reforce com forças novas. Belo poema!

    Beijos
    Anne

    ResponderEliminar
  12. Graça, minha amiga, as rosas talvez tenham sido podadas para que possa renascer com mais força e mais viçosas.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  13. A poda sempre se faz necessária, pois assim, eliminamos as partes improdutivas do jardim.

    Beijos e ótimo final de semana pra ti e para os que te cercam.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  14. Lindo poema!!Plantar,regar,colher sempre é muito bom, mas o ritual da poda é gratificante,pois é a partir daí que novas rosas nascerão mais fortes e belas.
    Como não sou poeta,recorri ao Vander Lee, compositor mineiro,com uma estrofe de uma das suas músicas que adoro:Meu Jardim.

    "Tô regando minhas folhas,minhas faces,minhas flores
    Estou podando meu jardim
    Estou cuidando bem de mim"
    Novas rosas aparecerão em seu jardim, tenho certeza...
    Um abraço
    Emilinha

    ResponderEliminar
  15. Lindo Graça,
    não conhecia este poema ás rosas, é verdadeiramente lindo!

    Beijinhos,
    Ana Martins
    Ave Sem Asas

    ResponderEliminar
  16. Graça,

    Você sempre arrasa nas postagens viu...amei.

    abraços

    ResponderEliminar
  17. Lindo!..Lindo!...Lindo! Graça, um maravilhoso final de semana para você! Mil beijos, Virginia.

    ResponderEliminar
  18. Li e reli...Maravilhoso!
    Obrigada Graça.
    Bjnhss
    alice

    ResponderEliminar
  19. Graça, amada!
    Me lembrei da música de Cartola, "As rosas não falam", conhece?

    Bate outra vez
    Com esperanças o meu coração
    Pois já vai terminando o verão
    Enfim

    Volto ao jardim
    Com a certeza de que devo chorar
    Pois bem sei que não queres voltar
    Para mim

    Queixo-me às rosas, mas que bobagem
    As rosas não falam
    Simplesmente as rosas exalam
    O perfume que roubam de ti

    Devias vir
    Para ver os meus olhos tristonhos
    E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
    Por fim
    Beijuuss perfumados n.c.e ótimo fds

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderEliminar
  20. Graça;
    Bela composição poética em que as rosas ficam mais belas.
    Gostei imenso da pintura que acompanha o poema e eu como ardente amador de pintura não saberia qual dos dois tem mais beleza, se o poema se o quadro, mas que ambos formam a simbiose perfeita, disso não tenho a menor dúvida.

    bjs, Graça
    Osvaldo

    ResponderEliminar
  21. Depois das roseiras cortadas
    dão rosas mais perfumadas
    para aquela jarra florida
    e nesse pequeno jardim
    tudo se renova enfim
    também é assim na vida,

    Um bom fim de semana,
    um beijinho grande,
    José.

    ResponderEliminar
  22. A vida é feita de cortes.

    Até a das rosas...

    Beijo

    ResponderEliminar
  23. ai vc me
    inspirou poesia

    vou tentar compor

    bjs querida

    ResponderEliminar
  24. Olá Graça

    Belo poema.
    De rosas e espinhos é feita a nossa vida...

    Não conhecia.Obrigada pela partilha.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  25. o podador

    é um contador de histórias
    das que cortam e fazem crescer

    na aparente contradição da vida

    em que para termos, perdemos
    em que para viver, morremos

    e Graça

    obrigada por andares à minha procura e por pensares que o meu blogue fascina as pessoas!

    bonito!

    um beijo

    Manuela

    ResponderEliminar
  26. Na rosa há uma gota de efêmero
    que no fundo
    torna lírica
    a esperança.

    Ensinou-me o tempo
    a aguardar o tempo
    e o ciclo da ressurreição.

    ensinou-me as rosas
    que o tempo,
    todo o tempo,
    é um advento.

    Tácito

    ResponderEliminar
  27. Graça, querida amiga!
    Do belo poema nem tudo pode, ou deva ser comparado com a vida. Mas concordo plenamente que há atitudes dolorosas que por vezes muito nos custam, mas têm de ser tomadas. Não me parece que fiquemos menos sensíveis por isso. Temos o poder de reconstruir com o que vamos aprendendo com a experiência que vida nos dá.

    Óptimo fim de semana.
    Kandandos

    ResponderEliminar
  28. Graça já antes me dizias:
    Corta,esqueçe olha em frente segue o teu caminho tranquilo.
    Sem dúvida que assim fiz e foi também uma poda para mim,em boa hora foi feita,que começo como as roseiras a florir de novo para a vida.
    Um bem haja para ti AMIGA.
    Um beijo grande.

    ResponderEliminar
  29. Tudo o que esta a mais não faz falta, só tira a força a vitalidade, muito podemos aprender com a natureza
    Bj

    ResponderEliminar
  30. Amiga querida, Graça!

    Assim é ...mesmo!

    Com as roseiras e com tudo na vida.
    Por mais que nos custe, é preciso podar e tirar do nosso caminho o que nos impede de crescer fortes e sadios.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  31. GRACINHA: a poda corta certos sangues maus ...para poderem nascer os bons, revigorantes e cheios de VIDA para nos encantarem...O HOMEM poda...porque ama...
    BEIJOS DE
    Mª ELISA

    ResponderEliminar
  32. querida graça, lindo...lindo... imagem perfeita.
    a vida é feita de podas....
    porque não as rosas....

    Beijos na alma e abençoado fim de semana!

    ResponderEliminar
  33. Só, sou ilha plantada no Oceano
    Açoitada por ventos de paixão
    De manto verde me deito em seu colo
    Esperando descobrir na bruma o rosto da contradição

    Descobri uma singela e simples coisa
    No meio daquilo que pensei ser mágoa
    Que depois de separar o sal de uma lágrima
    Ficou este ser feito de...Agua...


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  34. Amei! a poesia diz tudo...temos sempre que regar de amor nosso coração...
    Beijos
    te sigo com carinho
    Preciosa Maria

    ResponderEliminar
  35. Lindo poema, Graça!
    Sublime e delicado como as rosas.
    A poda, assim como a capina, serve para retirar o que já cumpriu sua função e dar lugar ao novo. Renovar sempre é preciso, não é Graça?
    Parabéns pela escolha do poema.

    Um beijo e bom domingo.

    E.T. Graça, tenho tido, ultimamente, muita dificuldade ao acessar sua página de comentários. Leva um tempão para carregar.

    ResponderEliminar
  36. GRAÇA
    QUE LINDO!!!
    Poema cheio de inspiração e com cheiro a rosas.

    HOJE - o meu neto faz 4 aninhos.

    HOJE - O Tejo vai encher-se de faluas, canoas, catraios e também de embarcações de passeio da Marinha do Tejo, na Regata do Centenário da República, a realizar no dia 29 de Agosto, entre a marina do Parque das Nações e o Cais da Moita.
    Ainda antes da partida, que será pelas 16h00, a concentração de barcos da Marinha do Tejo - instituição que reúne várias associações detentoras de 57 embarcações entre catraios e canoas - far-se-á logo pelas 06h00 da manhã, num local emblemático: o cais da Moita, município onde a 4 de Outubro se implantou a República.
    É na margem sul, num local pleno de tradição em matéria de preservação do património náutico do Tejo, que se inicia o desfile. Ele vai encher o Tejo de cor e de velas, num passeio que rumará até à marina do Parque das Nações.

    ResponderEliminar
  37. Querida Graça!

    Sabes que me fizeste muito feliz com o teu cometário, sempre tão genuíno.

    Obrigada amiga.
    Beijos

    ResponderEliminar
  38. Graça,
    aqui estou...
    Arredada que andei de casa. cheguei à tua e adorei a mudança que fizeste. E, com prazer, verifico que a mudança é só na forma, pois o conteúdo continua rico, saboroso de ler, saboroso de imaginar e de reencontrar. Estive afastada da Terra, pois senti-me a mais no meu próprio cantinho...pude perceber que o mundo se reproduz aqui, em todas as suas nuances, com estranhas atitudes e aconteciemntos. Estive para fechar a Terra de recomeçar. Mas depois...pensei que não deveria ser eu a abandonar este canto onde me sinto bem. E cá estou. Perdoa as ausências, os silêncios. Foi preciso. Agradeço-te a sempre amiga presença. E retomo em força! Um beijo para ti...e já agora...para quando uma página no Facebbok? Pensa nisso...

    ResponderEliminar
  39. Oi Graça,
    Já tinha vindo aqui e até fiz um comentário, mas na hora de dar o OK, a página paralizou (coisas desse universo bloguístico)e pelo que vejo, não entrou.
    Mas eu repito o comentário:
    Esta sua poesia está linda e delicada como você e as rosas.
    Deixo aqui um verso de Cecília Meireles:
    "Aprendi com as primaveras a me deixar cortar e voltar sempre inteira".

    Fui lá no blog da Cris, e adorei o seu oferecimento a todas nós, suas amigas brasileiras.
    Essa música é muito tocada e apreciada por aqui.
    Obrigada pela sua gentileza.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  40. Não fiques em terreno plano.
    Não subas muito alto.
    O mais belo olhar sobre o mundo
    Está a meia encosta.


    Friedrich Nietzsche

    Um Domingo de amor & Paz...Beijos!

    ResponderEliminar
  41. Olá Graça, confesso que não conhecia. Muito bonito o poema. O objecto cortante por vezes é necessário para devolver a vida.
    Beijinhos
    Boa semana

    ResponderEliminar
  42. Graça...

    Na vida tudo renasce e se renova, desde que haja o cuidado de não esquecer a ternura, o carinho e a origem das coisas!

    BjO´ss
    AL

    ResponderEliminar
  43. Exterminar o feio, o que esteja tortuoso, como as unhas que se cortam porque arranham.
    As flores se fortalecem, como a vida enrubrece, no mesmo perfume de flor.

    Lindo poema minha querida

    Feliz semana pra ti

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  44. Oi Graça,

    Descobri este canto no blog aventuriando. Gostei muito e virei seguidor. Venha me visitar nos meus dois blogs, http://dan-poucodetudo.blogspot.com/ e http://dan-obi-wan-vadher-dan.blogspot.com/, acredito que gostarás.

    Abraços e bom final de Domingo.

    ResponderEliminar
  45. .

    . graça,,, .

    . o intuito é sempre uma acção que no futuro se des.enrolará .

    .

    . bel.íssimo .

    .

    . uma boa semana .

    .

    . um beijo meu .

    .

    . paulo .

    .

    ResponderEliminar
  46. talvez seja como virar a página, paz.
    Beijo Lisette

    ResponderEliminar
  47. A natureza renova-se mas uma ajudinha (poda) no Inverno faz verdadeiros milagres.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  48. Certamente que não são as últimas rosas, não existem últimas.
    Não se sinta só, eu estarei aqui para a seguir em tudo na vida, ofereço-lhe uma rosa como a primeira e nunca a última.
    Abraço

    ResponderEliminar
  49. Minha querida
    Maravilhoso e terno poema...mas que diz tanto, não são só as rosas, é a vida.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  50. È preciso cortar para revigorar mas só quando falamos de plantas, com as pessoas é um pouco diferente e ainda bem.
    Beijos

    ResponderEliminar
  51. Graça,
    Um belo poema sobre as rosas do jardim, em uma linda comparação com nossa vida. As rosas precisam de poda para se renovarem...e as pessoas no corte do que é inútil ou sem sentidos em suas vidas também se revigoram e se tornam melhores.

    Um grande abaço.

    ResponderEliminar
  52. Querida Graça!

    Então tu passas por aqui e não me visitas???
    Só há uma Vila Nova de Cerveira no país...
    Amiga! Paravas na vila, no centro havia muita animação com a Feira Medieval. Tudo absolutamente divinal, vê aqui - paixaofotos, Blog do José + Garrido. O José é o meu marido, sabes???!!! acho que sim!
    Vou-te mandar o meu contacto do telemóvel, se tiveres no perfil o e-mail, se não vê o meu.
    Eu moro a 4 kms do centro da vila.

    Promete-me que voltas!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  53. O SILÊNCIO

    da rosa.
    Abismo.

    Dedico-lhe este poema que fiz há tempos e entusiasmei-me tanto por ele que cheguei a declará-lo o meu melhor poema.

    A roseira é podada, a rosa morre e renasce. Um abismo de beleza à beira do efêmero e da eternidade.

    Um abraço amigo.

    ResponderEliminar
  54. Preciosa e Linda Amiga:
    Tudo deve ser tratado cuidadosamente para dar frutos e vida.
    Até as pessoas.
    Um poema magistral feito pelo seu encanto que não é novidade para todos nós.
    VOCÊ é uma escritora de talento e sublime de beleza no que faz maravilhosamente.
    Adorei. Fabuloso.
    Parabéns.
    MUITO OBRIGADO pela visita linda que me fez e eu adorei.
    Beijinhos imensos ao seu talento.
    Com admiração e estima gigantes.
    Sempre a respeitá-la

    pena

    Excelente!
    Bem-Haja, amiga de ouro.
    Fiquei maravilhado.

    ResponderEliminar
  55. Querida Graça
    Lendo este poema, foi me doendo o coração.
    Me dói muito quando me ponho a podar alguma planta em casa.
    É incrível como me transporto para dentro dela e sinto como se fosse a minha vida sendo cortada, ali, sem piedade.
    A cada galho, peço perdão, mesmo na certeza de que é o melhor, pois a planta vai se fortalecer, ficar mais viçosa, mas ainda assim.. me dói, pois sei que a qualquer momento vou sentir essa dor.
    Mas, assim é a vida... então sigo...

    Beijinhos e uma semana de muita paz para ti.

    ResponderEliminar
  56. Querida Graça!

    Só hoje li o teu comentário!
    Ontem fui ver o nosso Vitorino de Almeida em concerto e não só.
    Fabuloso!

    Amiga, vê se vens antes do fim do Verão, é mais bonito...
    Claro que a minha casa estará sempre aberta para ti, e o Inverno também tem os seus encantos... mesmo no campo! Sabes disso!

    Mas vem...vem mesmo!
    nafer1951@gmail.com
    Basta dizer quando, qualquer dia, qualquer hora.
    Gostava muito que viesses cá almoçar.
    Combina com o teu filho e diz-me algo.

    Beijinhos
    Ná - Na casa do Rau

    ResponderEliminar
  57. Poema lindissimo! Na nossa vida também há cortes a fazer para que possamos sobreviver.
    Beijo
    Ligia

    ResponderEliminar
  58. Minha amiga querida, primeiramente muito obrigada por tuas carinhosas visitas a meu cantinho. Gosto muito de te receber por lá.
    Adorei este poema... Cheio de verdades ditas de forma simples e aplicáveis em nossas vidas.
    Beijinhos e fica feliz
    Ceiça e Luciano

    ResponderEliminar
  59. Graçamiga

    Continuo, quase desesperado, à tua espera... A Travessa está lá, no mesmo sítio e estou a publicar uns textículos que irão fazer parte de um novo livreco...

    Qjs

    ResponderEliminar
  60. Oi Amiguinha Graça, que lindo este poema, saudades de suas ternas palavras, adorei rever seu blog bjs Mônica

    ResponderEliminar
  61. Graça. Lindo texto. É preciso morrer para renascer. É preciso eliminar o velho para dar espaço ao novo. Esse é o ciclo da vida. Beijos, querida amiga.

    ResponderEliminar
  62. Querida Mônica
    Que saudade...Como é que tu desapareceste assim?Está tudo bem contigo? Não consigo comentar no blog da Giulia...Continuas com o teu?
    Quero saber de ti...Reponde logo que possas...
    Mil beijos
    Graça

    ResponderEliminar
  63. Graça,

    obrigado pelos votos de felicidade deixados em meu blog.

    abraços
    de luz e paz

    Hugo

    ResponderEliminar
  64. Hoje podei as minhas roseiras para que na próxima Primavera possa ter rosas ainda nais belas.
    Beijo
    Teresa(Quelimane)

    ResponderEliminar
  65. Olá amiga! Amei essa analogia com as rosas e a poda.Estamos todos integrados a natureza,ela nos ensina a viver. Obrigada pela visita e as palavras tão carinhosas,para mim é um prazer vir aqui,tem sempre uma história bonita pra nos dar. Montão de bjs e abraços

    ResponderEliminar
  66. Belissimas rosas de um jardim interior de paz e muito amor,,,beijos de bom dia pra ti querida.

    ResponderEliminar
  67. Obrigada querida amiga, por sua deliciosa visita, volte sempre!
    Eu adoro seus textos, sempre lindos!
    Bjsssssssss
    Gena

    ResponderEliminar
  68. Lindo poema, Graça! Somos como as roseiras...só depois dos erros conseguimos melhorar, se aprendermos com eles, claro; a cada dia que passa descobrimos que em nós há coisas nefastas, pensamentos menos bons, atitudes incorrectas; há necessidade de fazer uma pode bem feita...cortar as folhas secas, trocar a terra, regar com carinho; só assim nos vamos tornando seres humanos cada vez melhores, cada vez mais bonitos, mais perfeitos....exactamente como as rosas.... Um beijinho e cuida bem do teu jardim!
    Emília

    ResponderEliminar
  69. Graça, amiga querida!

    Rosa dos nossos jardins
    Tu não tens espinhos
    Nem mereces ser podada
    Nos teus versos
    Nos teus sonhos
    Nasceste linda e perfumada
    E assim seguirás
    Por tua longa vida
    Cedendo-nos tuas pétalas acetinadas...

    Deus te abençoe e te guarde!!!Bjssss

    ResponderEliminar
  70. Na natureza encontra-se as melhores lições da vida__ a impermanência como motriz da vivência.
    Lindo poema.Lindo blog.
    Abraços,
    Calu

    ResponderEliminar
  71. Graça

    O belo poema faz sentido pois o exercício da poda, é a grantia que teremos, sempre poesia, na preparação da natureza para melhor florir.
    Beijos

    ResponderEliminar
  72. As imagens e as metáforas que o poeta fez são lindas, tanto quanto a sua escolha. Faço apenas a ressalva de que uma simples rosa tem um mistério que uma vez desvendado, poderá nos esclarecer a natureza do Universo. E é disso que tenciono falar, ou melhor não falar, apenas sentir. Deixando a tesoura de lado, as letras, as palavras, as frases e as sequências.
    Mas, estando aqui, sempre grato pela partilha e pelo gosto apurado, que sempre me demonstra. Além da amizade certeira. Beijos e haja bem, sempre.

    ResponderEliminar
  73. Graça
    Muito lindo poema.
    Qual a rosa que não precisa ser cuidada, cultivada, podada para poder dar seus frutos.

    Beijos

    ResponderEliminar
  74. O encanto e o perfume que emanam as rosas: inspiração de poetas!

    Um grande abraço

    ResponderEliminar