quarta-feira, 1 de setembro de 2010

A Vizinha do Princípio da Rua


No primeiro cruzamento antes da nossa casa ficavam duas casas gémeas dentro do estilo colonial, edificadas no século XIX e que tinham umas escadinhas redondas que assentavam mesmo na nossa rua. De um lado morava um médico veterinário muito conceituado na época e do outro, uma velhota, a “viúva do senhor General”, como anunciavam os empregados negros a todos os serviçais da rua… Aliás, eles eram os melhores conhecedores dos patrões e ventilavam todas as novidades.
Mais tarde, as casas foram abaixo para dar lugar a um prédio moderno de andares, onde se instalou a nova Casa Bulha.
Mas voltemos ainda ao tempo da viúva do senhor General. Num terreno pegado com o lado dela haviam imensas amoreiras que a garotada, ao sair da escola, assaltava empanzinando-se de amoras. Bocas vermelhas, mãos e bibes pintalgados de roxos e vermelhos e nos bolsos mais amoras para tormento das nossas mães. Os rapazes gritavam para nos assustarem: “Gostas de amoras? Vou dizer ao teu Pai que já namoras”. Aquela cantilena enfurecia-nos e abandonávamos mais cedo o campo de batalha.
Ao passarmos pela janela da velhota ouvíamos a primeira reprimenda: “ Vejam meninos em que estado vão para casa. Coitadas das vossas mães!” - Nós encolhíamos os ombros e mal lhe ligávamos…
O tempo passou e esquecemo-nos das amoras para nos dedicarmos a outras coisas. Os livros foram sempre a minha grande paixão e eles passeavam de mão em mão, alimentando os nossos sonhos. Havia uma revista mensal sobre cultura que nós devorávamos com ansiedade. Procurávamos avidamente a página assinada por “ Maria Fernanda”.
“ Se eu escrevesse, escreveria exactamente como ela”. Tanta afinidade…
Às vezes, reunidas na minha varanda, pensávamos: “E se lhe escrevêssemos uma carta?”
A sugestão aplaudida por todas nós manteve-se, porém, em projecto.
Quando passávamos pela casa da vizinha do princípio da rua ela estava quase sempre á janela.
Nós riamo-nos (a juventude é, por vezes, irreverente...)
- Deve ter um banquinho para chegar à janela…
- Pensará ela que é a carochinha, à espera do seu João Ratão?
As gargalhadas não paravam…
Por vezes, encontrávamo-la na rua. Tudo nela era velho e ridículo, desde a bolsinha pendurada no braço ao chapéu-de-chuva, seu eterno companheiro em dias de calor ou de chuva. Tinha uma voz esganiçada e rouca, principalmente quando se zangava com o gato, o que acontecia muitas vezes. Gato, aliás, gordo e sedoso que ela amava sem ver correspondido o seu amor. O gato fugia para a nossa casa. E ela, debruçada da sua janela, impaciente, congestionada e instável, chamava sem parar pelo gato. Uma de nós ia levá-lo e ela aproveitava para estabelecer relações, convidando -nos a entrar e fazendo-nos até perguntas que apelidávamos de indiscretas.
A minha mãe desculpava-a: “Coitada, vive só. Nunca se sabe a que tempo se chega…”
Os seus empregados diziam aos nossos que ela passava a vida a espiar-nos e queria saber tudo o que nos acontecia. O facto criou-nos um certo mal-estar. Por isso, ouvíamos com certo alívio a notícia que corria pela rua: falecera a viúva do General!
Para nós, com o desrespeito próprio da juventude, a notícia tinha um certo ar de limpeza.
Mas a minha mãe, submissa a preconceitos, vestiu-se de preto e reservou uma hora para velar o cadáver. Nós retorquíamos: “ Se nunca lhe fizemos companhia em vida, que significado tem irmos lá agora depois de morta?”
A minha mãe foi inabalável perante qualquer argumento. Nós brincávamos: “ Vais ser herdeira do gato?”. Tudo nos servia de gáudio sem vislumbrar que, momentos depois, nos custaria aceitar o desaparecimento da velhota de esquina.
A mãe chegou emocionada:
- E não sabiam vocês quem era ela…
Mas quem poderia ser a velhota do gato, de voz roufenha, dos beijos imundos, da curiosidade doentia?
- Que pena não a ter conhecido melhor. Agora já não tem remédio. A viver tão perto de nós e ao mesmo tempo tão longe. Olhávamo-nos confusas. A minha mãe estaria a falar da mesma pessoa que nós pensávamos…


- Casa tão linda, cheia de livros, piano, recordações de todo o mundo. Viajou muito, era muito inteligente. Teria sido interessante conversar com ela. Pensar que nunca aceitámos os seus convites…
Parecia-nos exagero aquele súbito remorso.
- Seria admissível uma segunda personalidade em figura tão absurda?
- Sim é sempre admissível uma segunda personalidade. E eu já tinha idade para o saber. Não me perdoo a mim própria. “Quem vê caras não vê corações”, é bem certo o ditado.
Pois a viúva do General era nem mais nem menos do que a Maria Fernanda.
-Qual Maria Fernanda? - Perguntámos num grito.
- A Maria Fernanda, a jovem da vossa idade ou com filhas também jovens como diziam… Andamos tão enganados quando nos deitamos a adivinhar pessoas. Maria Fernanda, cujos contos vos apaixonavam e que agora não voltarão mais a ler…
Sufocávamos em lágrimas, agora era tarde para a podermos amar.


84 comentários:

  1. Que linda história Graça!. A vida as vezes nos pega cada peça, que nem acreditamos. Mas também eram muito jovens para pensar em consequências.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Esta história de outros tempos leva-me a pensar nos de agora em que não conhecemos sequer, nem de vista, os vizinhos do mesmo andar.

    Beijo

    ResponderEliminar
  3. minha querida graça
    É sempre com muito prazer que leio as tuas histórias, que são vida...reais.
    Realmente ainda hoje por vezes não conhacemos as pessoas que vivem no prédio que habitamos.
    gostei muito.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  4. Esta leitura também fez-me lembrar de quando eu morava com meus pais e irmãos e todos os fins de semana nos reuníamos na praça, com os outros vizinhos e era sempre uma festa. Uma delícia!
    Hoje, de verdade, nem sei o nome dos meus vizinhos mais próximos...
    Amiga Graça, estarei em Lisboa na segunda quinzena de outubro e gostaria muito de ter contato contigo. Podes mandar-me teu telefone para o meu e-mail? violet732@gmail.com.
    Beijinhos e fica feliz
    Ceiça

    ResponderEliminar
  5. Graça que história surpreendente. Quem iria imaginar que essa senhora, à janela, prestando atenção as brincadeiras juvenis era a Maria Fernanda. E pensar que ela estava tão pertinho! Coisas da vida mesmo, né?
    Um beijo

    ResponderEliminar
  6. Olá,

    passo para dizer-te que não saberia viver sem os meus amigos.
    Para ti, que fazes parte deles, vai o meu carinho e o meu agradecimento em forma de palavras escritas no meu blog. A acompanhá-las há um presente feito especialmente para ti...
    Visita o meu Estados de Alma e verás...

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Graça, amada!
    UAU que história... Viajei no tempo... Tempos que havia tempo de prosear, de quando vizinhos eram amigos... E como a "Acácia Rubra" fiquei aqui pensando, nesses tempos mais que modernos que dos vizinhos só damos o bom-dia quando calha de encontrar!
    Beijuuss n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Assim é a vida, querida Graça.
    Se soubessemos de tudo e de todos talvez não seriamos quem somos.
    Tudo isso faz parte da vida.
    Vê lá, que hoje, tens uma linda história pra contar e consegues fazer com que cada um de nós vivencie intensamente o que viveste.
    Beijinhos e grata

    ResponderEliminar
  9. O tempo desfia
    as eras
    as horas
    e a história.
    E passa,
    e foge
    ou conduz.

    Tácito

    ResponderEliminar
  10. pois é...

    "só se vê bem com o coração, o essencial é invisível para os olhos"

    amanhã vou estar mais atenta às janelas, aos gatos e às crónicas dos jornais!

    podemos ser tão cruéis, quando avaliamos e julgamos os outros

    beijinhos, Graça

    manuela

    ResponderEliminar
  11. Belíssimo texto minha querida.
    Paresse até "coisa" de mineiro(quem nasce aqui em Minas Gerais).
    Bjs.

    ResponderEliminar
  12. Olá Graça

    Mais um "vasculhar" de memórias.

    Como sempre um texto soberbo, límpido que nos prende desde o início.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  13. Surpreendente! Como nos enganamos a respeito das pessoas, às vezes apenas porque, conforme diz, não nos damos ao "trabalho" de as conhecer.

    Mais uma lição de vida, numa narrativa cuidada e absorvente.

    beijo meu

    ResponderEliminar
  14. Uma lição e tanto. Ainda bem que aprendeu cedo tem gente que não aprende nunca.
    Adorei a estória.
    beijos

    ResponderEliminar
  15. Graça,sua história é linda,mas é isso mesmo:"as aparências enganam".A maioria das pessoas dão muito valor para a embalagem,esquecendo o que vem dentro.
    Quando mesmo vc vai lançar o seu livro?Me avise, pois quero estar no "lançamento"..rsrs
    Como vai o Nuno?Beijos
    Emília

    ResponderEliminar
  16. Boa noite Graça,
    realmente quem vê caras, não vê corações, assim como as aparências iludem e, nem tudo o que parece é.
    Vocês eram muito jovens e, como tal tinham a imaturidade própria da idade.
    Gostei muito da história, uma bela mensagem que incentiva à reflexão.

    Beijinhos,
    Ana Martins
    Ave Sem Asas

    ResponderEliminar
  17. Es maravilloso como lo has escrito. tan especial se siente..

    Todo un placer leerte siempre..

    Un abrazo
    Con mis
    Saludos fraternos...

    ResponderEliminar
  18. Eis aí uma bela lição. As pessoas só acreditam no óbvio. Só valorizam o frasco, quando sentem o aroma da essência.

    Bela história amiga.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderEliminar
  19. Meu Blog Tem Conteúdo

    Seleção dos Melhores Blogs Culturais do Brasil!
    http://meublogtemconteudo.blogspot.com/

    Parabéns pelo seu Blog!!!

    Você está fazendo parte da maior e melhor
    Seleção dos Melhores Blogs Culturais do Brasil!!!!
    -Só Blogs Premiados -
    Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
    os melhores e mais prestigiados Blogs Culturais do Brasil!

    O seu link encontra-se Aqui:

    http://meublogtemconteudo.blogspot.com/


    Pegue nosso selo em:
    http://meublogtemconteudo.blogspot.com/


    Um forte abraço,
    Da Equipe do Meu Blog Tem Conteúdo

    http://meublogtemconteudo.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  20. Que linda história de exemplos profundo. Nos levando a refletir..
    Ligados vivemos sob o disfarce da aparência, que nos engana, as vezes humilde, outras vezes no visto da luxúria, atraindo afinidades, pessoas que lhes sejam atrativas.
    Verdade seria nos dar ao tempo, um momento de conhecer o interior de tudo, para encontrar a razão mais plena, aquela nos desse ao convite.
    Graça minha querida, eu já t disse isto e não me canso de repetir. Adoro teus contos, histórias tão lindas, cheia de ensinamentos, como admiro tuas escritas, tua forma de expor os pensamrntos até mesmo em teus comentários que gosto tanto de ler.

    Belo texto sempre!

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  21. Graça,
    Que comovente a tua história. Me fez lembrar de muitas que também vivi em criança. Também tínhamos o hábito catar amoras, jamelão e laranjas. Cresci numa cidade que foi a "terra das laranjas", hoje, só nos mercados.
    Qualquer dia eu conto a história de uma vizinha que tive e que também me surpreendeu em criança.
    Foi bom relembrar.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  22. Oi Graça !!!!!!! Linda História.......
    Obrigada pelo comentário no Blog JARDIM DAS BORBOLETAS !!!!!!!!
    Eu vim convidar para assistir meu novo vídeo, no Blog SENTIMENTOS. Depois de muito tempo sem postar nada, agora com um poema da amiga Estela, sobre a obra de Mário Quintana.

    Beijoooooooo

    Jacque

    ResponderEliminar
  23. Amiga Graça
    Que estória significativa.
    Só depois de termos perdido algo ou algém damos conta da importância que tem e tinha para nós.

    Por outro lado, muitas vezes apenas vemos as aparências e elas iludem.

    É sempre bom darmo-nos ao trabalho de em vez de julgarmos, procurarmos conhecer mais e melhor.
    Obrigada pela linda reflexão
    Gosto muito do seu cantinho.
    Beijinhos
    Utilia

    ResponderEliminar
  24. Olá Amiga Graça!
    Esta história transportou-me aos tempos de menino, e recordar algumas palavras que eu nunca mais tinha ouvido, como "impanzinando-se, gostas de amoras vou dizer ao teu pai que já namoras, e esganiçada". Só que no meu caso pagava dez tostões para comer amoras, e depois apanhava da minha mãe, por ir todo cheio de nódoas de amoras para casa.

    No princípio da minha rua
    morava lá um velhinha
    tinha um gato vadio
    fugia para a casa da vizinha

    Era a mulher do General
    tinha a voz enganiçada
    era aquela mulher afinal
    que escrevia para a criançada

    As aparências enganam
    sempre tenho ouvido dizer
    aconteceu com Maria Fernanda
    aquela pobre solitária mulher

    Um beijinho grande,
    José.

    ResponderEliminar
  25. Infelizmente o ser humano nem olha para seu lado, paz.
    Beijo Lisette

    ResponderEliminar
  26. quando coisa a gente não perde na vida, por olhar, sem saber ver.

    bjs minha querida.

    ResponderEliminar
  27. Meus olhos se mostram rasos d'água,
    quando me faltam palavras...

    Obrigado.

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  28. E assim, por puro preconceito contra a velhice - muito proprio dos jovens - perdem-se oportunidades de convivências que seriam muito proveitosas, não é mesmo? É que, quando jovens, acreditamos que a velhice seja apenas uma fantasia que nunca nos atingirá, que nunca seremos aquela figura marcada pelo tempo, desgastada, triste, que venos nas pessoas mais idosas. Porque, quando jovens, nunca imaginamos o quanto de beleza e sabedoria, o quanto de bondade e amor, pode ocultar-se sob a aparência por vezes até desagradável daquele ser que vai terminando de cumprir seus caminhos...
    Adorei o texto, Graça.
    Beijos

    ResponderEliminar
  29. Graça
    Vemos o que queremos!!! Que pena que não se permitiram conhecê-la... Teu texto, como sempre, maravilhoso!

    Beijos
    Anne

    ResponderEliminar
  30. Ufaaa,,, deslumbrei com sua história, não só pelo conteúdo e mensagem implícita, que me levaram a ler até ao fim, facto pouco comum nos blogues que visito, mas também pelas suas palavras, como que desenhos perfeitos de aguarelas que farão decerto viajar no tempo e relembrar nostalgias de infância e todos que venham a ler suas palavras!
    Brilhante seu modo de escrever cara amiga, parabéns!!! Abraço, Zé Maria
    P.S.- E muito obrigado pelas dicas que me dá no que refere ao meu projecto, seguirei decerto muitas delas!!!

    ResponderEliminar
  31. Querida amiga, saudades do tempo que vizinhos eram pessoas amigas, que conversavam, trocavam receitas. Hoje não conhecemos o vizinho do lado, isso é muito triste...Linda história...Beijocas

    ResponderEliminar
  32. Olá Graça
    Tenho andado num pico de stress por isso não te respondi há dias, aliás voltarei aqui em breve para ler este texto, pois os teus postes dão-me sempre um bom momento de leitura. Fico extremamente contente por teres contigo a minha "dama da noite" é tal e qual como está na foto e fzr-me companhia todas as noites, ofereço-ta com todo o prazer.
    Beijinhos
    Volto breve

    ResponderEliminar
  33. Querida Graça!

    Tenho um sorriso no rosto... de orelha a orelha...
    Simplesmente porque é tão bom ler-te, tão bom mesmo!

    Amiga, quantas vezes julgamos mal as pessoas e não danos oportunidade a que elas se nos revelem.
    Lamentavelmente, esse facto não fica só pela irreverência dos jovens, não ela acompanha-nos pela vida fora, quer queiramos ou não, ela instala-se e enganamo-nos tantas vezes durante a vida toda.

    O teu conto, lembrou-me logo a senhora do gato preto, por quem eu a as minhas amigas passávamos a caminho da escola e a quem chamávamos de "bruxa".
    Coitada da senhora...

    Moral da história: As aparências iludem :)
    Não julguemos ninguém sem que primeiro tenhamos dado oportunidade à pessoa de se revelar.
    Assim tento eu fazer, sempre, e não me arrependo, mesmo quando permito que alguém entre na minha vida para me magoar depois.

    Beijinhos muitos e doces,



    PS
    Isto já está longo demais, mas diz-me quando estás a pensar passar por cá, tenho que organizar a agenda :)))))))

    ResponderEliminar
  34. Que bella historia del princio al fin !!!

    Impresionate, perfecta...
    Adoro tu blog siempre me das amor y con el felicidad !
    un beso amiga del alma
    sonia abuela de una niña celiaca

    ResponderEliminar
  35. Este blog é de facto especial :)
    Faz bem aqui entrar por ele deixar os nossos olhos repousar o pensamento viajar...
    Histórias que nos enchem de mais vida, gostei, gosto de as ler e sentir.

    Há um selo, um mimo merecedor deste espaço num dos meus espaços, no www.atomovida.blogspot.com
    Peço desculpa por apenas agora o dizer, mas ando a fazê-lo aos poucos, conforme me é possível e a alma o permite...

    Beijo com amizade da Luz

    ResponderEliminar
  36. Trazendo beijos carinhosos de lindo final de semana pra ti querida.

    ResponderEliminar
  37. ""(...) Deveria chamar-te claridade
    Pelo modo espontâneo
    Franco e aberto
    Com que encheste de cor o mundo escuro..."

    ...(Vinicius de Moraes)"


    Beijos perfumados prá voce!! M@ria

    ResponderEliminar
  38. Gracinha: tens um dom para contar histórias, escrevendo-as! a vida, quando somos pequenos, muda ,de repente... somos tão brutais, na nossa inocência!
    As lágrimas vertidas depois...são a reparação que a consci~encia exigia...Adorei!
    BEIJOS DE
    Mª ELISA

    ResponderEliminar
  39. Graça,aqui estou novamente,mas desta vez é para desejar-lhe um fim de semana de paz e muitas alegrias.Amo os comentários que vc deixa no "Simplesmente Emília".Vc é especial...
    Um abraço no filhote,tá!!
    Emilinha

    ResponderEliminar
  40. Graça, amiga, há tantas "Maria Fernanda" por esse mundo fora, às vezes ali bem ai pé da porta!... Coisa terrível, o preconceito!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  41. Graça,

    Publiquei no meu blog Veredas (http://pedrolusodcarvalho.blogspot.com), um dos contos do Cesar Cruz, para ajudá-lo na divulgação do seu livro O homem comprimido.
     
    Gostaria que desses uma lida nesse conto:  AS VOLTAS QUE A VIDA DÁ – Cesar Cruz
     
    Abraços,
    Pedro.

    ResponderEliminar
  42. Graça, que narrativa perfeita. É uma viagem no tempo. Todos nós em algum momento vivemos situações parecidas. O preconceito é uma forma cega de ver a vida.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  43. Querida amiga, que vontade tenho dos tempos que eu morava em casa terrea com vizinhança umas boas outras levavam o nome de fofoqueiras da rua
    Que saudades...
    hoje não conheço nem mesmo a vizinha do andar do predio...adorei ler sua escrita
    Ah! fico feliz com sua visitaem meu blog, seu comentário é sempre carinhoso
    Abraços ótimo final de semana, regado de muito amor..
    Preciosa Maria

    ResponderEliminar
  44. Graça,vc tem o código do selo comemorativo das 102.000 visitas?
    Colquei todos os outros dentro de uma barra de rolamento(veja lá no blog) e só não consegui colocar o seu, pois me falta o código.
    Se for possível, gostaria muito de colocá-lo tbém
    em minha pequena galeria de selos.Ibrigada...
    Emilinha

    ResponderEliminar
  45. Graça

    Na realidade a juventude é irreverente e cruel.

    Eu também o fui com pessoas de quem não gostava, não falava e mais tarde descobri gente de valor.

    Sofia de Mello Breyner, a conheci muito bem, todas as semanas a encontrava num determinado lugar, onde eu também ia e ficava muitas vezes ao lado dela - durante muitos anos!

    Nunca lhe dirigi a palavra e nunca gostei dela!

    Hoje tenho orgulho e alguma vaidade, em dizer isto que acabei de contar.

    Mas nunca dirigi a palavra, a uma poetisa de sonho que esteve vezes sem conta sentada ao meu lado. Até parece mentira, mas é a Maior Verdade.

    Que arrependida estou, Deus meu e eu...já escrevia poesia. Que estranho, todas as semanas a encontrava, no mesmo lugar em Lisboa, que eu
    também frequentava.

    Verdade Graça, eu estive anos seguidos a encontra-la todas as semamas, a sentar-me ao lado dela e a evitar olhar para ela.

    Não mais a posso esquecer! E que sofia no lugar
    em que se encontra, sorria e me perdoe.
    isto a propósito da tal velhota, cheia de valor,
    a quem ninguém falou...

    Beijos,

    Mª. Luísa

    ResponderEliminar
  46. OLÁ GRAÇA

    começo por agradecer a tua visita ao meu cantinho.
    TU és um pessoa especial e o teu blog é também um reflexo de ti, ou seja muito especial.

    Mais uma lição de vida que nos trazes tão bem narrada, pois cada vez mais as pessoas não olham para o lado e sim para o seu próprio umbigo...

    Gosto particularmente das tuas descrições com todos os pormenores:
    de um lado morava um médico veterinário muito conceituado na época e do outro, uma velhota, a “viúva do senhor General”...onde se instalou a nova Casa Bulha.

    Sabes que, mais precisamente na cidade da Beira, onde nasci também havia a famosa Casa Bulha...???

    Olha, vou ver se consigo fazer um post a agradecer o selo que me deste, não me esqueci.

    Bom fim de semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  47. Graça, essa história me fez lembrar daquele ditado que diz: 'Quem vê cara não vê coração'. Às vezes a vida nos faz refletir através de peças assim, não é mesmo?
    Um grande abraço, amiga!
    Luísa

    ResponderEliminar
  48. Linda história, sem dúvida.

    Quanto ao teu brilhante comentário no meu blog, poderei adiantar-te que efectivamente o filme está a ser rodado.

    Faltará nestes casos fundos para financiar o mesmo (o trivial)

    Quanto à Dalila, óbviamente ela estava presente, era a realizadora e fez a foto p'ra posteridade.

    Para finalizar direi, és uma querida, adoooorei as tuas palavras e parece que o Sansão pegou de estaca pelos comentários que surgiram a seguir ao teu.

    Beijokasss enormes

    ResponderEliminar
  49. Maravilhoso texto, como sempre! Toda vez que tenho tempo de vir aqui abasteço a minha alma. Abraços.

    ResponderEliminar
  50. Graça, gosto muito de ler as suas histórias, sempre tão interessantes e tão bem contadas.

    bjs e bom final de semana.

    ResponderEliminar
  51. Belíssimo texto, como já estou habituada a ler a tua perfeita escrita. Deverias pensar em escrever um livro... porque és uma escritora nata.
    Esta história de outros tempos leva-me a pensar nos vizinhos da actualidade em que não conhecemos sequer, nem de vista, e os vizinhos do mesmo andar!!

    Parabéns, amiga.

    Um bom fim de semana para ti.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  52. Se move, nos move e muda
    Em nosso intimo mais profundo;
    È cheia, como a paixão que nos deu
    Ora torna-se desnuda,
    Dando voltas pelo mundo,
    Aparecendo aqui e ali, a luz concedeu.
    .
    Betânia Uchôa


    Feliz Sábado e beijos meus!M@ria

    ResponderEliminar
  53. .

    . e de tantas memórias se re.faz um presente que não se apaga da/na memória do tempo .

    .

    . e prosseguem por ora os dias em tons de amoras .

    .

    . que teimamos silvestres .

    .

    . um bel.íssimo texto a dizer tanto sobre o EU interior .

    .

    . um bom.fim.de.semana .

    .

    . um beijo meu .

    .

    ResponderEliminar
  54. Oi amada,
    Vim te agradecer o carinho e as lindas palavras. Belíssíma narrativa, pena mesmo as vezes não olharmos para o lado.. há tesouros.
    Bju e bom final de semana.

    ResponderEliminar
  55. Histórias que estão sempre na nossa memória e esta merece estar aqui. Tenho idênticas que memorizei em Angola.
    Quando precisar de alguma foto, basta só solicitar.
    Parabéns pelo eu precioso tempo e dedicação.
    Abraço

    ResponderEliminar
  56. Gosto do seu modo de contar as suas histórias de vida. Comtodos os detalhes,primorosamente.
    Beijo
    Ligia

    ResponderEliminar
  57. A história está bem contada!

    Bom resto de fim de semana!

    Bjs

    ResponderEliminar
  58. Olá
    Como eu gostaria de escrever assim!
    Adorei voltar e ler

    Beijinhos estrelados***

    ResponderEliminar
  59. Já não sou do tempo destas casas, mas ouvi falar nelas!
    Como sempre uma história bem contada! Gostei!
    Beijo
    Teresa (Quelimane)

    ResponderEliminar
  60. Querida Graça,
    Passei para desejar a continuação de um bom Domingo.
    Beijinhos e tudo de bom.
    Joana

    ResponderEliminar
  61. Muito obrigada minha querida amiga,que bom teres voltado,muito bom ler o que escreves...esta a prova que fazes falta 61comentario..o que tive de andar para chegar ao fim
    Muitos beijinhos e uma semana muito cheia de alegria e felicidade
    Graça

    ResponderEliminar
  62. querida graça,
    Vim aqui retribuir teu carinho e me deparo com mais uma beleza de postagem.....linda história viagei no tempo com ela...
    Obrigado por tuas visitas e uma excelente
    semana, rita loira.
    Beijos

    ResponderEliminar
  63. Olá Graça bom dia:
    Eis-me aqui no meu regresso de férias que, chegando cá deparo com mais um post maravilhoso de um relato historial onde os pormenores fazem dele uma beleza.

    Velho é o ditado correcto amiga:

    Quem vê caras não vê corações, e esta história tem isso mesmo, aquilo que se não vê por vezes é o mais valioso.

    Como este teu Blogue cresceu tão rápido é caso para dizer:

    Uma maravilha, cresceu em tudo 514 seguidores e mais de 100.000 visitas tendo ainda a valiosa apresentação é obra.

    Que ele cresça mais e sempre mais é o que te desejo boa amiga, pois aqui está um exemplo daquilo que é a de dedicação e o bom gosto a uma causa que é tua e que é dada a todos nós que aqui vimos.

    Bjos, bom início de semana felicidades.

    ResponderEliminar
  64. Querida Graça!

    Quem é que disse que a minha amiga não era uma poetiza de se lhe tirar o chapéu, pois eu tiro o meu chapéu, o teu poema é um grito junto ao meu grito, obrigada pelo poema, e por pensares como eu neste caso.
    Eu contive-me e muito, mas não foi por mim, porque eu já quase não tenho medo de nada.

    Um beijinho Grande,
    José.

    ResponderEliminar
  65. Olá linda :)
    Ainda bem que já recebes-te...
    Obrigada por avisares :)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  66. Olá querida.
    Tudo bem?
    Sempre com histórias encantadoras!
    Passei para desejar uma boa semana e deixar um beijinho!
    M. Céu

    ResponderEliminar
  67. Amiga Graça
    É smpre prazerso parar aqui para me entregar a leitura de suas histórias. Essa história ntão nos mostrou a travessia das crianças, a rebeldia natural dos jovens que apesar disso se encantavam em ler, mas por mais que absorvessem o que essa leitura lhes ensinava, não enxergavam as delicadezas da vida que só o tempo nos mostra. Lindíssima lição de vida com suas tristezas, mas sempre com um toque de carinho.


    Beijos carinhosos e uma boa semana

    ResponderEliminar
  68. Que história tão bonita e cheia de verdades! Quantas vezes não tiramos conclusões precipitadas? Quantas vezes olhamos para a cara da pessoas sem nos preocuparmos em lhe conhecer o coração? Concordo com a sua mãe, Graça...quantas conversas agradáveis e proveitosas não se poderiam ter tido com uma pessoa capaz de escrever contos tão bonitos? Mas nunca é tarde para aprender e é com histórias como estas que vamos interiorizando que não devemos julgar as pessoas sem as conhecermos. Obrigada, amiga, pela linda lição. Um beijinho e até breve
    Emília

    ResponderEliminar
  69. Ficção ou realidade, a tua história, para além de muito bem contada, é uma lição para a vida.
    Parabéns pela narrativa: EXCELENTE.
    Querida amiga, boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  70. Vim deixar um abraço, bjos e um pensar.


    Orgulho e vergonha

    Quase não dar saber que são irmão
    parecem tão diferentes
    O orgulho estufa o peito,
    A vergonha abaixa a cabeça
    O orgulho se exibe
    A vergonha se esconde
    O orgulho busca ser visto
    A vergonha busca passar despercebida
    Mas não se deixe enganar,
    as duas emoções fluem da mesma fonte
    E as duas emoções te o mesmo efeito
    Elas mantém você longe
    do Pai celestial.
    O orgulho diz: você é bom demais para Ele
    A vergonha diz: você é ruim demais para Ele
    O orgulho leva você para longe
    A vergonha mantém você longe
    Se o orgulho é aquilo que vem antes da queda,
    a vergonha é aquilo que impede
    você de se levantar após a queda.

    ELE ESCOLHEU VOCÊ !

    Max Lucado

    ResponderEliminar
  71. Graça,adorei estas uvas no fundo do layout!Me lembrei de uma ou duas parreiras que meu pai teimava em cultivar em nosso pomar.
    É sempre chegar a um blog e encontrar um layout novo, pois foge a mesmice que me cansa um pouco.
    Um beijo
    Emilinha

    ResponderEliminar
  72. Um texto surpreendente e de grande qualidade. Parabéns!

    ResponderEliminar
  73. Olá minha amiga! Peço-lhe perdão de andar distante. Adorei o seu texto descrito e escrito com mestria e adorei o novo visual do blog está lindissimo como o Outono que se aproxima de mansinho. Um grande beijo com carinho.

    ResponderEliminar
  74. Uma linda historia...mas penso que nunca é tarde para voltar a amar...
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  75. Como sempre gosto das suas histórias, tão bem contadas.
    Quando publica o seu livro?
    Monhé

    ResponderEliminar
  76. Graça, uma narrativa gostosa, nos leva junto a refletir, ler mansamente sem pressa, minha avó tinha um panelão horroroso, meu avô tirava a tampa e cheirava hummmmm.......o dia inteiro no fogão a lenha, toda preta horrorosa, mas quando a gente ia comer era hummmmm.....hoje penso, eu queria aquela panela pra mim....rsssss......borbulhava alí a alquimia do amor, e eu só pensava na panela horrosoa.....é assim mesmo.....bjks....boa semana. grata por suas visitas......Gil

    ResponderEliminar
  77. Olá Graça, bela história...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  78. Uma linda noite de paz, abraço.

    Conversando com Deus.

    Pedi força e vigor Deus me mandou dificuldades para me fazer forte
    Pedi sabedoria Deus me mandou problemas para resolver
    Pedi prosperidade Deus me deu energia e cérebro para trabalhar
    Pedi coragem Deus me mandou situações para superar
    Pedi amor Deus me mandou pessoas com problemas para eu ajudar
    Pedi favores Deus me deu oportunidades
    Não recebi nada do que queria,
    Mas, recebi tudo o que precisava!

    ResponderEliminar
  79. GRACINHA: passei e deixo-te um beijo...
    Mª ELISA

    ResponderEliminar
  80. Um luxo, ter uma vizinha assim.
    Gostei da narração e do ar de pensativa dessa vizinha.
    Uma prova evidente de que as aparência iludem.
    ...aquelas panelas de três patas, pretas por fora e riquíssimas em paladares por dentro.

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  81. Umas melhores histórias que você engendrou, ou sonhou, tampouco importa.
    Como somos múltiplos ao ponto de nos colocarmos no papel de escritora, encantadora dos jovens; ou de mulher de senhor general, temidas pelos empregados. Causando um sutil ou expresso asco pelas mesmas jovens que a amavam em forma de folha de papel coladas, com tinta negra em linhas horizontais e numeradas.
    Emocionante, instrutiva e emotiva. Ao mesmo tempo você abarcou os nossos mundos, sonhamos juntos. Meus parabéns. Beijos e haja bem.

    ResponderEliminar
  82. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  83. Querida Graça...

    Todos nos nos esquecemos que atrás de uma velhinha cheia de manias, existe a jovem sonhadora que ela foi.

    O corpo envelhece, mas o coração permanece sonhando como se tudo fosse possível.Ela não vive mais o que sonha, mas nada lhe impede de escrever .

    E voce, com uma sensibilidade impar, encantou-nos com essa tocante história.

    beijos

    ResponderEliminar
  84. "Os mais verdadeiros e os mais vivos amores são sempre os mais inesperados." (André Maurois)

    Feliz fim de semana pra ti
    Bjs
    Livinha

    ResponderEliminar