sábado, 9 de abril de 2011

África


(História contada pelo meu pai)


Passou-se no interior da Zambézia, num local quente e húmido mas lindo como África é sempre, onde quer que estejamos.
Era a estação das chuvas, a mais quente, os algodoeiros floridos ofereciam-se como beleza ímpar aos olhos dos homens: parecia que tinha nevado sobre as grandes plantações de algodão.
Os homens poderosos, que beneficiavam com a recolha desta riqueza, chamavam-lhe “ouro branco”. Um amigo do meu pai trabalhou numa dessas plantações como capataz e responsável por centenas de trabalhadores, e, possivelmente, terá sido ele o contador desta história.
O ar estava pesado e o calor era sufocante. Avizinhava-se uma daquelas tempestades africanas, fortes e rápidas, para depois deixar brilhar um céu azul e a terra florir ainda mais generosa. Era preciso, pois, apressar o trabalho de centenas de homens e mulheres indígenas. Era barata a mão-de-obra e isso significava um aumento considerável de lucros dos tais grandes senhores.
Os cipaios, uma espécie de autoridade africana, que os administradores destacavam para as plantações, espicaçavam os indígenas a dar maior rendimento. Era urgente colher o algodão todo antes que a chuva viesse e causasse elevados prejuízos ao dono. Tinham começado a tarefa muito cedo, ainda o sol não tinha nascido por detrás dos grandes morros.
Trabalhavam há horas sem parar e o astro-rei estava no pino, causticando as peles negras e secas. Mesmo para quem lá nasceu e estava habituado à dureza do calor, era difícil trabalhar naquele sufoco.


De repente, ouviu-se um grito e a chibata cruzou o céu, quase tão escuro como a cor das peles que se debruçavam para o algodão branco de neve.
- Vamos, trabalha – gritava o cipaio enfurecido. E a pobre mulher, velha pelos anos, pelo trabalho e pelo sofrimento, dizia baixinho:
-Não posso mais, não posso mais.
Fez-se silêncio e todos pararam de trabalhar. O ar ficou mais carregado, ouvia-se perfeitamente o arfar dos corpos suados e cansados, em contraste com o alegre chilrear dos pássaros. De novo a chibata se ergueu no ar e foi então que um homem grande e negro como carvão se aproximou e pediu:
- Se quiseres castigar, fá-lo em mim. Aqui tens as minhas costas para bater. O cipaio ficou surpreendido e irritado levantou a chibata dizendo:
- Não quero aqui mandriões, é preciso colher o algodão todo, antes que caia a chuva.
E o preto grande, ajoelhando-se, quase beijando a terra que cheirava já a chuva que havia de cair, implorou mais uma vez:
-Não lhe batas. Farei o meu trabalho e o dela. Bate em mim, aqui tens o meu corpo, mas a ela não, que é minha mãe.
Instantaneamente o chicote ficou suspenso, e, no olhar da autoridade, percebeu-se uma sombra de carinho e compreensão, porque os monstros também têm uma mãe.
Deixou que o filho levantasse a pobre mulher, lhe enxugasse o rosto e lhe desse um pouco de água.
Foi das histórias que meu pai me contou, a que mais me emocionou e, nesse instante, veio-me á memória o poema de António Gedeão “Lágrima de Preta” e concluí que os sentimentos mais nobres que um homem tem dentro de si são sempre iguais independentemente da cor amarela, preta ou branca porque o coração, esse, é universal e tal como a experiência do poeta, é formado por dois aurículos e dois ventrículos.

93 comentários:

  1. Boa Noite Graça.
    Ao ler este pequenino texto,também tive de enxugar o rosto. O sofrimento e a dor também me doem.
    Os monstros também tem mãe.
    Mas há monstros que são acéfalos, alem de serem uns enjeitados, sem coração nem amor.........
    Revejo os donos da guerra, esses monstros que mentem e roubam, que queimam a paz e o pão dos famintos........
    Parabéns pelo texto.

    ResponderEliminar
  2. "Instantaneamente o chicote ficou suspenso, e, no olhar da autoridade, percebeu-se uma sombra de carinho e compreensão, porque os monstros também têm uma mãe."

    Este monstro teve Graça mais a maioria nunca deixaria de açoitar o homem por um pedido deste.
    Estudo a história da escravidão negra no Brasil e no mundo e já li fatos que fazem qualquer pessoa desacreditar da humanidade da raça humana.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  3. Ocorreu-me ao ler o texto que ele poderia ter dito que era a mãe,sem ser de facto...para proteger a senhora, pela idade, mas afinal, era mesmo :) É verdade, mesmo os monstros têm mãe e muitas vezes, filhos... os corações infelizmente, até podem parecer, mas não são todos iguais, mas não é a cor que os distingue...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Olá Graça

    Um monstro com coração...felizmente!

    Emocionei-me.
    ´
    Bjs.

    ResponderEliminar
  5. Importante contares esta história que também me emocionou.

    Um beijo e obrigado, GRAÇA.

    ResponderEliminar
  6. Estou aqui emocionado. Pra chegar neste blog tem que estar com o coração em dia.
    mais uma vez me emociono com seus textos.
    Um beijo grande.

    ResponderEliminar
  7. Graça,
    é certamente uma história que nos emociona a todos, por ser verdadeira, chega até a dar arrepios.

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  8. Querida amiga, história real de sofrimento que nos emociona. Tenha um lindo final de semana. Beijocas

    ResponderEliminar
  9. Olá Graça, que tudo esteja e permaneça bem contigo, sempre!
    É minha cara, um fato é que este monstro lembrou-se que também tem uma mãe e um coração, para a salvação da cansada senhora escrava, outro fato é que grande parte destes monstros, além de ter apagado a própria mãe da memória, ele se esquece que do mesmo modo dos que eles açoitam e humilham pulsa em seu peito um coração, que pelo estado bárbaro da mente não o deixa sentir seu próprio pulsar!
    Vejo que apesar da demora em aparecer, reaparecendo encontro seu cantinho belo como sempre esteve, com belos textos que relatam histórias de vidas, deveras humanas!
    Parabéns pela postagem do texto e imagem. E desejo a você e todos ao redor sempre felicidades e muita saúde, agradecido pela amizade e visitas, abraço e até mais!

    ResponderEliminar
  10. Bela história,

    Todo monstro tem mãe, mas nem por isso o faz melhor. O ser humano é eivado de crueldade independente de cor ou credo. :-(

    Tu contas uma história como ninguém amiga!

    beijos
    Anne

    ResponderEliminar
  11. Desculpem-me a ausencia.
    Estou de volta e com saudades de todos.

    Gosto dos afagos sinceros na alma.
    Nada extravagante eu gosto...
    Tenho fascinação pela simplicidade
    e por gestos pequenos de ternura...
    Gosto de acaricia-los com o coração!

    (Cida Luz)

    Amor & Paz no seu Domingo! M@ria

    ResponderEliminar
  12. Graça,
    A maneira como contas a história, cheguei até a sentir a chibata...
    Bjs.

    ResponderEliminar
  13. Mais uma história contada com jeito, e que tanto me enriquecem e encantam.
    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Olá Graça.
    Felizmente na Zona onde eu vivia em Angola não havia essas grandes culturas.Era mais no Norte.
    Felizmente tb nunca vi essas torturas, convivia-mos bem. Na escola e no liceu as turmas eram mistas. Mas infelizmente ouvia-mos conversas dos mais velhos... triste!Os adultos sabiam o que se passava!

    Bem, embora muito atrasada e esperando que me desculpes,Parabéns, MUITAS FELICIDADES. O meu filho mais velho fez ontem e como já viste a nossa amiga Elisa faz hoje...
    PARABÉNS MINHA QUERIDA GRAÇA!
    Bjnhossss
    alice

    ResponderEliminar
  15. a vida tem a cor do sangue!

    e a escravatura ainda tão perto de nós, ainda entre nós

    mas livre, era o negro grande e justo, o menino da sua mãe

    África é profunda, não é Graça?

    quanto ao cipaio, vítima de um sistema e de uma tradição a que a sobrevivência obrigava...nem com mãe lhe tenho simpatia, lamento...



    um beijo e obrigada!

    manuela

    ResponderEliminar
  16. Uma história dentro de outra História. Se a primeira me fere, a segunda é por demais bárbara para que se possa compreender. A exploração do homem pelo homem, o domínio,a crueldade, a supremacia de uma raça sobre outra...
    E o mais espantoso é que a História continua...
    Onde está a racionalidade que distingue (supostamente) o Homem da besta?


    Um beijo

    L.B.

    ResponderEliminar
  17. Que bom que no meio de tanta violência ainda havia capatazes com capacidade de se condoer.

    Adorei ler mais um conto da vida real.

    Beijos amiga

    ResponderEliminar
  18. Oi Graça ! Obrigada pelo coment.


    Bom Domingo !

    Beijo

    ResponderEliminar
  19. Graça,
    em primeiro o texto é impecável,
    quero te dar um abraço apertadíssimo,pelo teu aniversário!
    Boas energias,uma semana iluminada!
    bjs
    Mari

    ResponderEliminar
  20. Qualquer tipo de discriminação/escravidão é deplorável... Foram tempos difíceis os que se viveram... Adoro o poema 'Lágrima de Preta'... Aqui adapta-se na perfeição... Um beijo grande querida e obrigada pela partilha:)

    ResponderEliminar
  21. Olá Graça
    Uma bela e comovente estória. Mesmo os mais cruél dos homens, se comove diante de uma mãe.
    Bjux

    ResponderEliminar
  22. VocÊ me emociona com todas as suas belas palavras!!!!

    Beijos

    ResponderEliminar
  23. Amiga Graça

    Uffa que história !!! Que tempo rudes!

    Já estive em seu post de aniversário e lá deixei um comentário.

    Linda semana
    Beijos

    ResponderEliminar
  24. Tente. Sei lá, tem sempre um pôr-do-sol esperando para ser visto, uma árvore, um pássaro, um rio, uma nuvem. Pelo menos sorria, procure sentir amor. Imagine. Invente. Sonhe. Voe.

    Caio Fernando Abreu

    Amor & Paz na nova semana! Beijos meus...M@ria

    ResponderEliminar
  25. Lindo este teu conto. Infelizmente ainda há gente que acha que sentimentos, lágrimas, gargalhadas, olhares diferem consoante a cor da pele; somos todos seres humanos que merecem o mesmo tratamento e o mesmo respeito. Ainda bem que histórias como estas ficaram no passado, embora ainda vejamos coisas parecidas, mas não tão violentas. O preconceito ainda é visto com bastante frequência, o que é uma lástima. Obrigada, Graça pela história tão bela. Um beijinho e uma boa semana
    Emília

    ResponderEliminar
  26. OI AMIGA,E MUITO EMOCIONANTE A TUA HISTÓRIA O MUNDO ESTÁ INFELIZMENTE CHEIO DESSES MONSTROS, O IMPORTANTE FOI ELE SER TOCADO PELO GESTO DO FILHO, MOSTRANDO QUE O AMOR VENCE TODAS AS BARREIRAS, PRINCIPALMENTE O AMOR MATERNO, UM ABRAÇO DE MUITO CARINHO CELINA.

    ResponderEliminar
  27. Graça, querida, belíssimo conto e providencial, uma vez que monstros proliferam hoje em dia "pelos mundos". Muitos deles em pele de amáveis cordeiros . Mas , assim como suas leitoras amigas, acredito que o amor e a força que trazemos dentro de nós possam nos livrar da ação desses monstros.
    Um beijo e boa semana!

    ResponderEliminar
  28. A história é linda e cheia de dureza e de ternura.

    Gostei!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  29. Obrigado Amiga pela visita ao http://maustratosaoidosodenuncie.blogspot.com
    Fico feliz que tenha gostado da minha proposta de denunciar os abusos contra nossos idosos.
    Conto com sua ajuda para divulgar o blog.
    Já sou seguidor em seus dois blogs, parabéns por estes blogs lindos.
    Abraço fraterno e Muita Luz em seu caminho.

    ResponderEliminar
  30. Graça amiga
    Nem a inesperada "compaixão" dessa "autoridade" me comoveu! A comoção que me arrasou foi a provocada pelo gesto desse filho dedicado e sofrido ante o castigo escravo de sua mãe e, sobretudo, a lembrança de tantas e tantas outras nunca contadas que ficaram a marcar negativamente uma colonização, apesar disso, com muitos indiscutíveis méritos! Porém, cenas como esta, aqui tão bem contada, mancharão vida fora os esforços de tantas pessoas boas que fizeram de África uma terra melhor!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  31. Querida Graça,

    Choro copiosamente...
    Tenho vergonha de ser portuguesa em alturas como estas.
    Sei muito bem que não posso generalizar, mas a verdade é que somos descendentes de colonizadores e de gente que foi capaz de tratar assim os seus irmãos, a sua mãe.
    O compaixão deste "cipaio" não é suficiente para desculpar a atitude brutal com uma pobre mulher que bem podia ser a sua própria mãe.
    Por isso depois pagaram os justos pelos pecadores.
    Maldita escravatura.

    Desculpa se me excedi.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  32. Querida Ná
    É natural que nos emocionemos com esta história verdadeira! Mas eu assisti a coisas bem piores e era garota e chorava perguntando: porquê, porquê?? Os meus pais pessoas bem formadas, explicavam-nos tudo e na nossa casa, entravam os colegas brancos, pretos e mistos, eram todos bem acolhidos!
    O teres vergonha de ser portuguesa "nessa altura" não tenhas...porquer os senhores das terras e das pessoas ,eram felizmente uma minoria mas foram esses , os corruptos, que roubaram e puseram a salvo todo o seu dinheiro em Portugal, na Suiça e em vários bancos pelo mundo. Conheço-os! Hoje os " grandes senhores corruptos " continuam a escravizar as pessoas, de outra forma,mas, é tambem escravatura. É altura de termos vergonha agora de sermos portugueses??
    Somos um capacho da Europa e a chacota do mundo inteiro. Os colonizadores honestos (a sua maioria) vieram sem nada e da estaca ZERO começaram nova vida. Trouxe comigo 5oo$ ( o autorizado) e um filho na barriga e fiquei horas e horas ao sol numa fila para entregar os meus documentos. Ninguem teve respeito pela minha gravidez, nem me ofereceram uma cadeira para me sentar. Ao meio dia, ofereceram-me uma sande e um sumo. Senti aquele gesto como uma bofetada por ser dado como uma esmola por obrigação.
    Querida Ná, não se pode falar assim quando se desconhece totalmente as duas faces da moeda.
    Tenho orgulho nos retornados (embora não me sinta como tal- mas sim refugiada) como os meus pais que tanto trabalharam para ficarem sem nada.
    Espero que leias tb este desabafo.
    Qualquer dia escreverei sobre "O outro lado da descolonização"
    Beijocas
    Graça

    ResponderEliminar
  33. Gostaria sim que um dia escrevesse sobre o outro
    lado da "descolonização". Na qualidade de autarca, no meu conhecelho(que recebeu imensos
    refugiados) trabalhei em comissão criada para
    o efeito para os receber e lhes encontrar casa
    e os primeiros apoios.Vivi momentos muito delicados, mas vi muita nobreza nessas pessoas,
    brancos,pretos,mestiços que chegavam com dignidade e que souberam (muitos deles) se
    reerguer e até dar lições de vida a muitos que
    de cá nunca tinham saído.Obrigada, mais uma vez,
    Graça por este post.
    Bj.
    Irene

    ResponderEliminar
  34. Amiga querida, Graça!

    Li e reli a tua resposta ao meu comentário.
    Obrigada pelo teu cuidado e explicação.
    Eu sei perfeitamente que tu e a tua família nunca seriam capazes duma barbaridade destas e sei também que nem todos os colonizadores eram iguais.
    Não estou tão certa quanto ao facto de serem uma minoria, mas acredito em ti.
    Sei-te uma pessoa muito humana e sofrida, com uma história de vida que dava para muitos livros e com a qualidade de uma das melhores escritoras que conheço.
    Não te estou a dar nenhuma novidade. Tu sabes o que penso e há muito tempo.

    Infelizmente Graça, eu tenho vergonha sim, e muita de ser portuguesa, quando se fala em temas como este, mesmo que tenham (só) sido umas dúzias de sacanas que o fizeram.
    O mais provável é que os actuais exploradores sejam os descendentes de toda essa canalha maldita.

    Não me leves a mal, respeito e sempre respeitei os ditos "retornados" e peço-te perdão como cidadã deste país pelo que te fizeram passar.

    Sabes? ainda choro...
    O teu conto mexeu demasiado comigo.
    Tu viveste lá esses e outros momentos, talvez consigas ver as coisas com outro olhar e sentir, afinal tu vivenciaste o outro lado.
    Sendo humana e doce como és, não te imagino sequer a ser minimamente "racista" ou algo parecido. Bem pelo contrário.

    Desculpa e espero que estejas certa agora de que não é nada pessoal.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  35. Graça
    Não é dificil de ficar chorona ao ler esta estória, nossa quantas não existem por contar,quanta gente não sofreu tal com as pessoas aqui referidas mães, filhos, são dificeis de imaginar. Amiga Parabéns por partilhar esta triste estória com um amor tão bonito de se sentir. Mas não estou de acordo com a minha grande amiga Ná nós não podemos ter vergonha de ser quem somos, muito menos quando não temos culpa destes terriveis acontecimentos, desculpe Ná gosto imenso de si e como tal também eu não me orgulho de ser portuguesa em alturas como estas, mas não vou envorgonhar-me.
    Beijinho para a Graça e para a Ná

    ResponderEliminar
  36. Conhecendo bem aqueles povos, sei bem que sentem como nós e têm bom coração. Gostei da narrativa, simples e sem floreados mas directa.
    Cumps

    ResponderEliminar
  37. Estas narrações, plenas de veracidade, emocionam. Fiel ao teu estilo vais-nos desvelando aquilo que não chegamos a ver: felicito-te.

    Um grande abraço, querida amiga

    ResponderEliminar
  38. Querida amiga Graça!

    Nesses grande campos de algodão
    que para o patrão tinham valor
    foi sempre regado esse chão
    com lágrimas sangue e suor

    O preto ajoelhou-se tempo demais
    mostrando a sua subserviência
    perante esses cipaios e lacaios
    que fizeram negra a sua existência

    Se havia uma chibata no ar
    na mão desses exploradores
    para fazerem os escravos a trabalhar
    para esses poderosos senhores

    Esses monstros também têm mãe
    mas eu acho que é uma mãe diferente
    não lhes ensinaram o que era o amor
    para eles poderem vir a ser gente

    Nesta história verdadeira
    tão bem escrita por ti
    ficará para a vida inteira
    e outras que eu vi e ouvi

    Eles estão ainda por aqui
    e espalhados por todo mundo
    são os donos e senhores do FMI
    e fizeram Portugal ir ao fundo

    Eu tenho aqui um vizinho, que tinha uma frota de barcos de pesca em Angola, e dizia ele à boca cheia, quando aqui chegou,quando algum preto não se portava bem a bordo do barco, ele jogava o ao mar e por lá ficava.
    Hoje ao pé de mim já não diz isso,eu uma vez disse-lhe se eu tivesse lá num desses barcos e visse isso, você não estava aqui para contar.

    Beijinho grande,
    José.

    ResponderEliminar
  39. Minha querida Graça

    Hoje deixo-te apenas um beijinho...as lágrimas não me deixam escrever mais.

    Rosa

    ResponderEliminar
  40. Oi Graça

    O amor é igual para todos quando existe Graça.
    Esta é uma das histórias que seres humanos, apenas pela culpa da cor, raça ou credo passaram e ainda passam em todo o mundo.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderEliminar
  41. Minha Querida:
    Estive a ver os teus últimos posts.
    Quanta emoção, quantas recordações o teu património humano alberga! Quantas vivências tu trazes em ti!Quantas vidas tu já viveste, com todo o pulsar do teu coração!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  42. Não sabia desta história mas sei de outras bem piores "organizadas" pelos ditadores e gatunos que devem ter ensinado à lição aos de cá que só sabem irem aos nossos bolsos!!! Como sempre adorei a tua escrita! Não foram em vão os anos como jornalista!
    Li alguns comentários e não gostei mas, não ligues. Se bem te conheço, sei que é isso que irás fazer!
    Beijo
    Teresa (Quelimane)

    ResponderEliminar
  43. A lembrança da mãe a resgatar por um momento a alma de um cipaio. Tocante, a história contada pelo seu pai. E adorei o modo como você a reproduziu. Pude ver nítidamente paisagens e cenas.

    Querida, também ando um pouco ausente, por conta dos problemas de saúde de mamãe. No tempo possível, vou tentando visitar os amigos.

    Um beijo, amiga. Uma boa semana. Inté!

    ResponderEliminar
  44. Amiga

    Tanto algodão...LINDOOOOOOOOO
    Parecia a fazenda do meu sogro...

    Um beijo


    C omeço por dar os parabéns
    E é lindo chegar a estes números
    M uitos anónimos passaram na África em Poesia

    M uitos amigos vieram dar um beijo
    I limitada a minha felicidade
    L inda esta ligação bem forte...

    V im a medo para a blogosfera
    I maginava que não ia ficar
    S em grandes ambições vim e adorei
    I mediatamente chegaram amigos
    T antos e tão bons que agradeço...
    A braço-vos neste momento
    N ão deixaremos de brindar com champanhe
    T eremos o saboroso bolo de chocolate
    E é graças a Vós que guardo no coração 100.000
    S erei sempre vossa amiga-Gosto muito de cada
    um de vós!...ao vitor um beijo especial


    LILI LARANjo

    ResponderEliminar
  45. Minha querida que lindas palavras em poesia me enviou, que bom ter amigos tão poderosos e amáveis como eu tenho com todos vocês juntos não à doença que persista por muito tempo, qualquer morto se levantará da tumba.
    Que Deus proteja os meus amigos mesmo aqueles que não vem comentar mas nunca me esquecem, eles se comunicam por outras vias, beijinhos de luz e muita paz

    ResponderEliminar
  46. Uma história que mexe profundamente com nosso emocional... Um belo texto.
    Beijinhos, amiga.
    Ceiça

    ResponderEliminar
  47. Olá querida! Que história linda!!!
    Conheci seu blog através do blog de um irmão, e fiquei feliz em saber que anda no Caminho, que é o Senhor Jesus.
    Postei mensagens feitas com amor para edificação de nossas vidas.
    Aguardo sua visita e comentário...
    Se gostar pode tornar-se seguidora, será um prazer!

    http://frutodoespirito9.blogspot.com/

    ***Shalom***

    ResponderEliminar
  48. Una historia tan conmovedora querida Graca. Bien por la liberación de la esclavitud!!!
    cariños

    ResponderEliminar
  49. Olá Graça!!!
    Conheci o seu lindo blog através da indicação e do post da amiga Malu! Vim aqui te deixar o meu carinho e parabenizá-la pelo conteúdo.
    Sem dúvida alguma a blogosfera é rica e você é mais uma prova disso!
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderEliminar
  50. Olá Amiga bom dia:

    Pois é Graça, este post mostra uma grande realidade que, em parte, eu sou testemunha de alguns casos que por lá se passaram e que, ainda mais fulgurantes que este nunca mais os esqueci onde ainda hoje sonho com eles.

    A realidade de tudo isto, foi o que nos levou ao tempo em que agora este país se encontra.

    Escravidão tortura e falta de amor por aquilo que tanto lutamos e fizemos nada disso contou porque, o interesse dos tubarões que fizeram disto uma bandeira levou este país ao estado actual.

    Aquilo que aqui dizes à Ná é uma grande realidade.

    O chamar de Retornados foi uma sigla imposta pelos grandes parasitas que engordaram as suas contas nos bancos estrangeiros tal como dizes na Suiça e até na África do Sul nessa altura porque a isso eu assisti.

    Vampiros que sugaram o sangue de quem lá trabalhava arduamente na conquista de uma vida melhor.

    Daquilo que vi e assisti naquele tempo por lá,
    só me restam as saudades daquelas gentes boas que por lá conquistaram o meu coração assim como bons momentos vividos em conjunto com essas gentes, pena foi, o ver outras gentes que em nada contribuíram para uma melhor união entre todos que por lá existiam onde apenas olhavam para o umbigo delas.

    Também te posso dizer que, ao regressar de lá apenas trouxe comigo 100$00 para uma longa viagem de quase um mês e chegar cá ter que recomeçar uma nova vida com sacrifício suor e por vezes lágrimas, se algum dinheiro cá tinha ao chegar cá, foi derivado a que durante os anos que lá estive todos meses metade do que lá ganhava vinha para cá e ser guardado para o meu regresso.

    Não digo que tenho vergonha de ser português porque o país não tem culpa de tudo o que se passou mas sim, os homens que no meio disto tudo, deram asas a que dentro de todas estas passagens foram defacto uns autênticos monstros.

    Portugal é o meu país, amo este país por aquilo que sempre desde a minha juventude ele me fez ver para crer e, de tudo o que de bom por cá existia e ainda existe, eu não o posso esquecer mas os Monstros Devoradores desta terra tão linda à beira mar plantada, são os verdadeiros Cipaios e Carrascos que tão bem nós conhecemos e destruíram tudo aquilo que de bom nós tinha-mos.

    O outro lado da colonização e também da descolonização é bom que aqui o descrevas porque, de tantos seguidores e visitantes que tens aqui neste teu tão belo cantinho possa vir a saber algo que nunca imaginaram existir e que foi a realidade desses tempos jamais esquecidos.

    Contar muito daquilo que era barbárie lá daria um grande livro mas, episodicamente as verdades se vão revelando a quem nem sequer tem uma pequena noção daquilo que era aquelas terras tão ricas mas que os Vampiros as destruíram.

    Bom post este que aqui nos dás e que muito enriquece este teu cantinho.

    Bjos, felicidades e tudo bom te desejo amiga.

    ResponderEliminar
  51. cresci ouvindo, também, muitas histórias desse tipo. Meus Pais eram filhos de Portugueses que, ricos, vieram para o Brasil e aqui adquiriram muitas terras e tinham além de plantação, gado de corte e gado leiteiro. Muitas histórias de covardia com os Colonos eu escutei, mas escutei, também, muita história de amizade, respeito e agradecimento aos Colonos. Lindo seu texto, me fez viajar para minha infância, quando na fazenda dos meus Tios eu, meus irmãos e primos brincávamos com os filhos dos colonos.

    ResponderEliminar
  52. Querida Maria Emilia
    Os donos de muitas terras ou outras riquezas nem todos eram exploradores e faziam dos colonos seus escravos! Não! Havia muito boa gente que a par do que tinham, possuíam uma alma nobre! Estou-me a lembrar de uma família numerosa de Quelimane onde pais , filhos e noras, todos trabalhavam para o mesmo monte, juntando com o seu trabalho a sua riqueza. No entanto, quando se batia á sua porta, eram os primeiros a ajudar! E tantos outros!
    Tudo isto foi despolotado porque classificaram todos "farinha do mesmo saco" e nós sabemos que não era assim! A nossa infância, minha e tua, foi passada no meio de um arco-íris: negros,mestiços, indianos e brancos. A prova é que num convívio realizado no dia 9 pp em Cascais, lá estava o dito arco-íris convivendo e dançando a marrabenta!
    Mil beijos para ti!
    Graça

    ResponderEliminar
  53. Amiga Graça,
    Só agora saio de uma forte gripe que me deixou os resquícios de uma tosse alérgica.
    Comovente história. A escravidão é uma nódoa que não se apaga, ao contrário, sobressai e envergonha a humanidade.
    Beijos no seu coração!!!

    ResponderEliminar
  54. Muito emocionante!
    Pena que certos homens são tão cruéis que nem parecem ter pai, nem mãe, nem irmãos!

    ***
    Beijinhos e feliz dia****

    ResponderEliminar
  55. Lindíssima a forma como você narra os fatos. Meu coração sentiu e agradeceu...Bom estar aqui, Graça. Bjs.

    ResponderEliminar
  56. Olá, Graça

    Foi bom ter vindo aqui hoje.Gostei da maneira como descreveu a história. Gostei da recuperação de palavras que fizeram parte do léxico daquela altura e que, só por si, nos fazem viajar até ao passado de modo a podermos construir o presente com outros valores.Digo-lhe Graça que, a meu ver, isto é já fazer a História que nos falta.

    Voltarei.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  57. ...en
    el blanco
    todo
    el iris
    blanco oro
    oro ara
    ara del campo...



    un abraz mi querida GRACA :



    j.r.s.

    ResponderEliminar
  58. Querida amiga Graça!

    Voltei para ler os comentários e reparo que fica implícito em alguns deles que há duas leituras a fazer a este texto.
    Não penso assim.
    O teu belíssimo texto, relembra um grupo (mínimo ((segundo dizes)) de pessoas que foram capazes de cometer atrocidades sobre os seus irmãos. Isso sim e só isso, neste contexto, me envergonha enquanto portuguesa.
    Espero ter sido agora bem clara.

    Beijinho
    Olá Lis!

    Esse Centro Cultural é lindo demais. Deu-me alguma "inveja" vê-lo assim tão belo por dentro e por fora.
    Tão vivo e activo.

    Parabéns também pelas fotos.

    ResponderEliminar
  59. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  60. Desculpa amiga.
    Tenho tido dificuldade em comentar.
    Elimina o comentário anterior, por favor.

    Mais 1 beijo

    ResponderEliminar
  61. Oi Graça, que historia emocionante e triste, eu adoro historias de época má essas historias sempre emociona. É por isso que eu gosto muito do poeta Castro Alves ele tinha uma paixão muito grande pelos escravos e as poesias dele eram sempre tão profundas! Belo posto Graça beijos.

    ResponderEliminar
  62. É sempre bom ouvir as belas histórias que o passado marca. Vale à pena ler-te. Aprendemos muito com as tuas ricas palavras.
    Beijo
    Carlos,

    ResponderEliminar
  63. Uma história comovente e muito profunda de sentimentos, acredito que sim, quem tem nobreza de caracter e bom coração, a cor da pele não faz a diferença. Compreendi perfeitamente a história vinda das terras de Mãe Africa, Moçambique, porque nasci lá á beira do rio Cuanza, bem no centro de Angola. Meu pai era comerciante e pude compreender anos mais tarde que nem todos os comerciantes eram justos. Fica bem :))

    Beijinho ^_^

    ResponderEliminar
  64. Graça,que história de arrepiar!Essa é mesmo de chorar!Linda demais e vemos mesmo que até o mais vil dos homens tem amor por sua mãe!Parabéns,amiga!Vc sempre nos encanta!Bjs,

    ResponderEliminar
  65. Espero que todo homem deste tipo tenha um pouco de amor, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  66. Oi Graça! Belo conto amiga. bastante emocionante. Já tive oportunidade de ler histórias iguais, ou mesmo piores que esta. Quem sabe, o coração desse cipaio tenha sido tocado por algo, que o fez lembrar que também tinha ou teve mãe.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderEliminar
  67. Amiga Graça!
    No local onde eu vivia em Angola, havia um grande campo desse algodão. Era beleza rara, parecia que havia nevado sobre as plantas.
    Quero te ver lá na minha história de vida "Transpondo Barreiras".

    Um grande beijo

    ResponderEliminar
  68. História verdadeira e bem narrada como a Graça o faz,
    Monhé

    ResponderEliminar
  69. Graça
    A sua narração é sempre um lindo presente!
    Esta, em especial, encantou-me...
    Que contadora de história é você!
    Bravo!
    Um abraço, cheio de encantamento.

    ResponderEliminar
  70. Graça

    Não há Adeus

    Não há Futuro

    e não é urgente haver...

    Há quem escreva entrelinhas

    Cheias de simbolismos a nascer

    Há quem conte lindas histórias e saiba contar
    sem contradizer.

    Passadas, Presentes...e se forem Futuras... são
    apenas ficção.

    Verdade o que contou? Mas é Passado, contado no
    presente...

    Não deixa de ser linda! Mª. Luísa

    ResponderEliminar
  71. Oi, Graça
    Adorei vc ter aparecido lá no Amadeirado.
    Mas vamos ao post: que história mais linda e emocionante. Valeu compartilhar conosco.
    Em tempo: em 2008 conheci Vila Nova de Gaya, cidade linda. Sou filha de português e adoro seu país. Beijos com muito carinho!

    ResponderEliminar
  72. .

    .

    .

    . de olhos rasos . hoje não sei dizer mais nada . por.que a comoção é também este silêncio e até um grito em surdina .

    .

    . de olhos rasos . deixo um beijo muito especial .

    .

    . pelo tanto que nos dá .

    .

    . pelo tanto que nos é .

    .

    .

    ResponderEliminar
  73. O que dizer?
    Caso sabemos que raro, uma diferença na simplescidade, o que na verdade sabemos que todos no mundo tem ou já tiveram mãe e isto faz sentido, mas naquela estação, sofriam, sofriam todos na injustiça da violência com que se rompiam as dignidades em formas frias, sofridas.

    Não tem como lê o texto e não senti-las através de tua narração...

    Noite de paz pra ti

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  74. Uma história triste, mas que narra lindamente o que é o amor de mãe e filho.
    E lá no fundo até os brutos podem ter compaixão.
    beijos

    ResponderEliminar
  75. Graça !
    Eu vim convidar pra ver meu último vídeos, no Blog SENTIMENTOS.
    http://sentimentos-jacque.blogspot.com/

    Beijo

    ResponderEliminar
  76. De vez em quando passo por aqui e encanto-me!
    Anónima de Lisboa

    ResponderEliminar
  77. Querida Graça,

    Ao ver esta imagem, quanta saudade senti destes imensos mares de algodão que se perdiam no horizonte! Foi quando estive em Alto Moloqué, talvez conheças. Foi das coisas mais fantásticas que ficaram nas minhas recordações! Como o tempo passa!!!


    Beijos,
    AL

    ResponderEliminar
  78. Querido Al
    Não te esqueças que eu conheço a Zambézia toda!!
    Tens razão ,plantações de algodão e as do chá, eram autênticos paraísos! Tivemos a felicidade de os vivermos.
    beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  79. Graça, minha querida
    Que história emocionante! Duplamente. Pela realidade e veracidade envolvente e pela mestria com que foi escrita. Fiquei com um nó na garganta. Nada se compara ao amor de mãe e filho.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  80. Olá, Graça boa tarde!
    Esta violência caminha até hoje, agora neste momento deve ter alguma mulher sendo espancada, ou mesmo morta pelos gordalhões da força.
    Obrigada pela visita, amei sua presença.
    Desejo um feliz final de semana.

    ResponderEliminar
  81. Nossa, Graça, que linda e emocionante essa história! Comoveu-me profundamente.

    Histórias que envolvem mães e filhos sempre mexem muito comigo. Sempre exaltam o mais puro sentimento humano: o amor incondicional e desinteressado.

    Obrigada pela sua visita, amiga! Minha filha melhorou da crise, ainda na espera, mas com certa tranqüilidade agora.

    Fique com Deus, amiga, beijo grande.

    ResponderEliminar
  82. "A música é a revelação superior
    a toda sabedoria e filosofia."

    (Beethoven)

    Beijo e meu carinho sempre...M@ria

    ResponderEliminar
  83. Graça,
    A história que tão bem nos conta é um grito de humanidade. E depois, sabe, gosto dessa sua formação humanista.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  84. Boa noite, Graça
    O teu texto comoveu-me. Uma lagrimita rebelde quis assomar aos meus olhos (e eu não sou de lágrima fácil...).
    Os sete anos que tenho de África (passados em 3 (actuais) países) foram vividos de forma muito diferente da tua, Casos desses não aconteciam "entre nós", o que não sifnifica que não tivesse deles conhecimento.
    É uma página negra da nossa colonização, que, embora diminuta, foi marcante pela desumanidade.
    E assim se geraram ódios que vitimaram tantos inocentes!
    Uma "conversa" que dava pano para mangas.
    Fico aguardando "o outro lado da descolonização".
    Tenho uma irmã que foi professora em Moçambique que também foi "retornada"...

    Bom domingo. Beijinhos

    ResponderEliminar
  85. Essas histórias são maravilhosas,merecem ser contadas e recontadas pois é um aprendizado muito valioso tanto para quem conta quanto para quem ouve ou lê rs.
    Parabéns,tudo muito lindo!!!
    Beijos mil amada.

    ResponderEliminar
  86. Ciao Graca,buona pasqua a te e ai tuoi familiari!!
    Un abbraccio e un bacio!

    Ciao!
    Franz

    ResponderEliminar
  87. Minha querida amiga Graça Pereira,
    Muito obrigada pela amabilidade e paciência que tem em lêr os meus 'escritos'.
    Tudo farei para continuar a ocupar o espaço onde os meus queridos seguidores se possam deliciar com os meus contos sempre baseados em factos reais.

    Desejo-lhe uma Páscoa muito feliz, com muita alegria e paz em companhia dos seus familiares mais queridos.

    Um beijo
    António Sanches

    ResponderEliminar
  88. Olá Graça!
    Que linda história de seu pai e como a contou. Emociona sim. Todos temos nossas falhas ainda e penso que aprendemos com o passado,mesmo apesar dos que insistem em perpetuar as atitudes desumanas. Sempre haverá estas minorias que se aproveitam de outros,mas devemos lutar,protestar contra isto do modo como pudermos.Escrever, contar "causos" é uma das maneiras, pois faz refletir.
    Beijos e até qualquer dia, quando virei novamente do Brasil, num instante, para visitá-la em Portugal ou na África... rs.....
    Vera Alvarenga

    ResponderEliminar
  89. O chicote foi substituindo por actuações diferentes, mas sente-se e faz chorar também, é mais diplomático! Come-se algodão doce para esquecer essas lágrimas salgadas.
    Grato pelo excelente comentário a Mãe.
    Dois beijos

    ResponderEliminar