segunda-feira, 25 de abril de 2011

Zambeziana


Olho para ti e revejo
nesses teus olhos tão lindos
que brilham de nostalgia
aquela acácia florida
que quando criança traquina
trepava com alegria
para poder avistar
meu reino de fantasia


Nessa pele de tez morena,
que a ti te fica tão bem,
descubra um nariz engraçado
e... sorrio, ao recordar
um coelho espavorido
que avança e trava indeciso...
ao avistar na planície
o clarão de uma queimada


E os teus cabelos revoltos
de indiferença sobranceira
são folhas de uma palmeira
que contemplo num sorriso
após momentânea tristeza
de uma saudade incontida
ao recordar a beleza
de uma terra não esquecida



Teu ventre mexe ondulado
dançando a marrabenta
e deixa-me enfeitiçado;
Lembra o mar que não se aguenta
quando se estende na areia
em hora de maré cheia.
Brilham-me os olhos, sem fala
e... sonho c’o aquele lugar
a que chamaram Zalala.


Como convites fatais
à procura de milando
tuas coxas sensuais
ocultas vão-se espraiando
debaixo da capulana.
És mais bela que as demais.
És Namuli, minha serra,
beleza da minha terra
meu rio dos Bons Sinais.


E esse sorriso tão puro
que cativa e apaixona
nesse rosto de mulher,
ia jurar de certeza,
que era água cristalina
a correr solta e brilhante
do Licungo, deslumbrante
numa terra inda menina
Que diziam... Portuguesa!


- Joaquim Filipe Patrício


66 comentários:

  1. Quando as saudades do passado
    são mais fortes que as saudades do futuro...
    Sobretudo porque o passado aconteceu.

    ResponderEliminar
  2. Graça minha amiga
    Lindo demais!!!! Só se consegue sentir saudades daquilo que de uma forma ou outra amamos.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Olho pra ti e vejo sentimentos espalhados...

    Que poema delicioso, minha cara!!!!

    Beijos no seu coração e linda semana...

    ResponderEliminar
  4. Um belo e suave poema.
    Cheio de sensações distantes... as mesmas sensações que nos fazem sonhar com tudo o que era bom e se foi.
    Um grande abraço e beijinhos, minha amiga!!!

    ResponderEliminar
  5. Pensei até ao fim que o poema fosse teu, Graça, é todo ele o que tu sentes!
    Belíssimo e muitíssimo bem ilustrado.
    Até o background está a preceito.

    Beijinho amiga.

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. ...bem dizem que nós somos
    o que postamos.

    bj, alma linda!

    ResponderEliminar
  8. Pensei o mesmo que o Francisco. Pareciam tão tuas as memórias :) De certo, não há coincidências na escolha :) Muito bonito o poema. Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Graça
    Que belo poema nos trouxeste! Obrigada.

    bjos
    Anne

    ResponderEliminar
  10. Graça,
    Que linda descrição para uma Zambeziana! pelas saudades de uma terra inda menina... de alma tão portuguesa.
    Beijocas.

    ResponderEliminar
  11. Sinto tudo isso encrustrado em tua alma.
    E a saudade, ali, junto a trazer as lembranças.
    Beijinhos querida Graça

    ResponderEliminar
  12. Linda declaração de amor que é tua também, pois escolheste o poema para partilhar aqui conosco.
    Adorei.
    beijos

    ResponderEliminar
  13. GRACINHA:os poemas,as fotos e os teus textos são a memória viva da tua infância e juventude...Neles, vejo a África que nos está no sangue...que nos marcou, decididamente...
    Beijinhos, querida!
    Mª ELISA

    ResponderEliminar
  14. Pensei como a Ná...que fosse seu, tamanha intensidade das saudades vividas!
    Beijuuss n.a.

    ResponderEliminar
  15. Sensações que nos levam a sonhar, sonhos lindos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. A terra... Como mãe que chama e acarinha.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  17. Graça, minha querida
    Com que especial carinho escolheste, tenho certeza, este lindíssimo poema!
    E tento imaginar a saudade que sentes...
    Post simplesmente encantador!
    Grata pelo divino momento!
    Abraço apertado, amiga...

    ResponderEliminar
  18. O autor é família dos Patrício Mendes de Quelimane?
    Também ele "morre" de saudades da nossa Zambézia...Lindo e sentido!
    beijo
    Teresa (Quelimane)

    ResponderEliminar
  19. Sim, é filho do João Patrício Mendes e este poema foi publicado no jornal "Folha de Côco"!
    Beijos para ti.
    Graça

    ResponderEliminar
  20. Olá Graça
    Belo poema, cheio de nostalgia. Amei.
    Bjux

    ResponderEliminar
  21. Desculpe a minha ausência,estou voltando aos poucos!

    beijo.

    ResponderEliminar
  22. Sublime e Talentosa Amiga:
    "...E os teus cabelos revoltos
    de indiferença sobranceira
    são folhas de uma palmeira
    que contemplo num sorriso
    após momentânea tristeza
    de uma saudade incontida
    ao recordar a beleza
    de uma terra não esquecida..."

    Fez uma deliciosa escolha poética de encantar e fascinar.
    Linda!
    Versos de enternecer e de magia pura na procura de alguém precioso(a).
    Perfeito e fascinante sentir, o seu!
    Bem-Haja, pelo carinho que é recíproco na sua visita de deslumbre.
    Abraço amigo de respeito imenso pelo que concebe de beleza.
    Sempre a admirá-la

    pena

    Notável.
    Bem-Haja, sensível e preciosa amiga.
    Adorei os fabulosos versos de sonho.
    Maravilhosos.

    ResponderEliminar
  23. Linda poesia,a África fica sangue de quem a conhece, é amor pelas origens.


    bjos

    ResponderEliminar
  24. Olá minha amiga,voltei,e encontrei bela poesia,cheia de encantamento. Versos de saudade,de admiração e beleza .Beijos.

    ResponderEliminar
  25. Oi Graça! Belo poema. Excelente escolha.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderEliminar
  26. Minha querida Graça

    Um poema lindo e cheio de saudades...recordo as queimadas eram de uma beleza que não se esquece, eu tenho-as eternizadas num quadro que tenho em casa.

    Deixo um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  27. Querida Graça,

    Adorei esse poema, como sempre você reúne, beleza, saudade e sensibilidade quando escolhe um poema, ou até mesmo uma narrativa.
    Estou com saudade.
    Tenha uma semana iluminada.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  28. Graça, querida
    Que lindos versos! Saudades, de quem amamos muito. As palavras são melódicas, rítmicas, amei!
    Minha amiga, obrigada pelas palavras tão carinhosas deixadas nos meus blogs esses dias. Amanhã estarei mudando de casa. Daqui a pouco, bye-bye net, computador e blog. Espero não morrer de saudades, mas se Deus quiser até quinta-feira deve estar tudo regularizado. Não se esqueça de mim...rsrs...
    Bjkas com muito carinho!!!

    ResponderEliminar
  29. Minha Querida Amiga Graça,
    Lindo poema e ainda mais lindo para quem percorreu esssas lindas, quentes e rubras terras!
    É sempre com imensa tristeza que recordo os bons momentos aí vividos. A sua vastidão dava-nos uma vida que aqui na Europa é difícil de entender. E tão maltratada que tem sido após o nosso abandono, sim que a dita "descolonização" não foi mais do que um miserável abandono! E que lindo poderia ter sido se tivesse tido outra matriz!
    Um beijinho muito triste, saudoso e amigo.

    ResponderEliminar
  30. Olá minha querida.
    Tudo bem?
    A Páscoa foi boa?
    Adorei este lindo poema. :)
    Aproveito para desejar uma boa semana e deixar um beijinho.
    M. Céu

    ResponderEliminar
  31. Querida Graça,

    Vamos aproveitar o dia e este sol que nos beija a pele com meiguice.
    Há por aqui aromas e cânticos de pássaros que nos fazem sonhar.

    Já passei a manhã toda em aulas que adoro partilhar...
    Agora vou-me deitar ao sol; ler, dormitar, mergulhar quando o caloe apertar, aproveitar o que me faz viver.

    É altura de pensares seriamente em passar por cá.
    Se gostas de sável, diz-me. Eu sou louca e faço o famoso arroz de debulhos com sável frito (fininhas as postas- para não se entires as espinhas)... delicioso!
    Manda-me um e-mail e marcamos, embora de momento ainda hajam muitas lampreias. Outra hipótese se gostares tu e quem te acompanhar.


    Beijos

    ResponderEliminar
  32. Por um pedaço chegou-me o cheiro de outras terras onde comecei a minha existência e onde também ficou um pouco de mim.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  33. Ah! Tão lindo Graça!... Por breves momentos recuei no tempo...


    Beijos!
    AL

    ResponderEliminar
  34. poema à sombra das acácias

    e sejam os rios
    dos bons sinais!

    um beijo

    manuela

    ResponderEliminar
  35. QUERIDA AMIGA, PRIMEIRO QUERO AGRADECER A VISITA E O GENTIL COMENTÁRIO,QUERIDA QUE POEMA LINDO, FIQUEI EMOCIONADA COM TANTA BELEZA CONTIDO NESTA OBRA PRIMA´PARABENS AMIGA, SEGUE UM ABRÇO CARINHOSO, CELINA.

    ResponderEliminar
  36. Saudades...palavra que magoa...mas antes de a sentir...foram momentos felizes...
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  37. Amiga Graça
    Que belo poema nos desvenda aqui! Que linda forma e tão encantadora, de eternizar as belezas da terra que amamos, seja aquém seja além mar, sem dúvida um hino diferente à liberdade!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  38. Lindo poema, Graça ! Seu Blog está lindo...

    Sobre Florbela... Eu sempre imagino ela num jardim tb... Obrigada

    Beijo

    ResponderEliminar
  39. Belíssima homenagem à terra pátria, Graça. Que versos lindos!! Dá para imaginar a beleza do lugar e os bons momentos vividos. Talentoso, o autor.Linda postagem!!

    Um beijo, querida Graça.

    ResponderEliminar
  40. As recordações, os desejos, as saudades, as
    imagens fixadas no pensamento.
    Beijinho
    Irene

    ResponderEliminar
  41. Graça, o poema é tão lindo que fez vir as lágrimas aos olhos!
    Obrigada por toda a beleza que deitas no teu cantinho para nossa delícia;o)

    ***
    Beijinhos e feliz dia, amiga****

    ResponderEliminar
  42. Boa tarde, Graça
    Não foi mas podia ter sido escrito por ti, este belíssimo poema.
    Lê-lo é reviver aqueles tempos de que tantas saudades tenho!
    Obrigada pela partilha.

    Boa semana. Beijinhos

    ResponderEliminar
  43. Olá, Graça

    Quem é este poeta?Joaquim Filipe Patrício, nunca li nada dele e como parece ter vivido tudo o que o poema contém!Palavras que nos trazem de volta o ambiente tropical e nos fazem sonhar.

    Beijos
    Olinda

    ResponderEliminar
  44. Nostalgia e beleza nesses versos que vão dando a conhecer os encantos da terra, - amor e lirismo marcando a alma de quem nela viveu.

    Lindíssimo, Graça! Uma escolha que, com certeza, reflete muito do que está aí, dentro de você.

    Bjs, querida amiga. E inté!

    ResponderEliminar
  45. Graça querida...

    Esse blog tem perfume e o som de sua voz...sempre que aqui chego tenho a sensação de ouvir histórias perfumadas pelo tempo e pela saudade.

    É uma delícia!

    Obrigada pelo carinho. Beijos.

    ResponderEliminar
  46. Que bonito!!! :) Um beijo grande Gracinha

    ResponderEliminar
  47. Passando para deixar-te um beijinho Gracita e ler novamente o poema que é belo!!!
    Um excelente dia!!

    ResponderEliminar
  48. Querida Graça,,,, já tem resposta ao seu "Desafio Africano" lá no meu blogue, será um prazer se quiser dar uma espreitadinha!!!
    Beijinhos, Zé Maria

    ResponderEliminar
  49. Que lindo poema de Joaquim F. Patrício, a gente lê num ritmo só.

    BeijooO*

    ResponderEliminar
  50. Oi Graça,

    A raiz da terra linda que nunca se finda e
    enternece corações.O poema chegou aqui no eco da terra distante.Lindo!
    Toda a composição do teu blog esta linda,Zambeziana.
    Beijos,carinhos,

    Cris

    ResponderEliminar
  51. Lindo este poema como a nossa terra.
    Monhé

    ResponderEliminar
  52. Graça

    Terra tão enfeitiçante que tanta saudade deixou,

    mas nunca foi nossa e na hora certa, a deviam entregar a quem ela pertencia.

    Sem guerras, sem mortes...
    Em democracia "como eles dizem"...

    E ficava quem queria ficar
    e ia embora quem a queria deixar,
    em democracia "como eles dizem"...

    Mas não o fizeram!
    Mas que deixou saudades...
    Deixou!

    Maria luísa

    ResponderEliminar
  53. Graça, que poesia emocionante que transborda os sentimentos por sua terra, suas raízes.
    Lugar lindo que nos faz esquecer de tudo e só pensar em coisas boas.

    Beijos e um lindo fds.

    ResponderEliminar
  54. Um lindo hino à Terra/Mulher, mãe de tantos sonhos paridos por engano.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  55. Graça
    Para ti um Feliz Dia da Mãe.
    beijinhos
    Licas

    ResponderEliminar
  56. Querida amiga..
    Carinhosamente venho desejar um lindo e abençoado final de semana.
    E sempre um motivo de alegria pegar meu barquinho
    e vir a Portugal visitar você.
    beijos no coração,Evanir.

    www.aviagem1.blogspot.com

    ResponderEliminar
  57. Quão belas são as ferramentas do poeta a exibir a lembrança, ele pinta em doce suavizar de palavras com as belezas que encantam. Um lindo quadro tece, e lendo com sentimento, deixamos que a paisagem se desnude no campo de nossos pensamentos...

    maravilhada com o poema.
    Encantador, essa saudade doce e plena que o poeta em ternura desenhou....

    Feliz fim de semana Graça
    Me apaixono sempre com tuas postagens

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  58. Lindo minha amiga,saudades de um passado gostoso vivido, querido. Feliz dias das Mães. Uma linda semana para ti e beijinhos carinhosos.

    ResponderEliminar
  59. Lindo Poema e com que graça Joaquim Patrício discorre sobre a sua Terra, comparando-a com a mulher amada numa simbiose perfeita e rica em imagens muito belas.
    como sempre uma escolha mais que feliz... Maravilhosa.

    ResponderEliminar
  60. Precioso y delicado poema, me ha encantado. Saludos

    ResponderEliminar
  61. ...O que a África nos deixa!
    Saudades, fantasias, realidades, mas, acima de tudo o doce perfume quente que se nos entranhava na Alma.
    Terra nossa, imenso mistério da posse que não o é, nas nossas Vidas tornadas acácias de braços (todos) voltados para o Céu, como que numa Oração.
    Quem sabe?
    Lindo Poema.

    SOL da Esteva
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar