terça-feira, 7 de junho de 2011

Quando os Amigos Falam de Nós...

Querida Eva, às vezes a ficção tem mais de verdade do que a própria realidade. Obrigada por esta história que talvez me ajude a encontrar as cores perdidas num outro tempo e num outro espaço.

Esta história, meus queridos leitores, tem de ser lida em voz alta. Sim, em voz alta. Imprescindivelmente. Como aquelas histórias que se contavam em outros tempos, em noites de Inverno à lareira e em noites de Verão, sob as estrelas. Como os contos de sapiência tribal que se transmitiram de geração em geração.









Out of Africa (banda sonora)-John Barry-"Have you got a story for me?"

No fundo da caixa de costura, Maria teimava em remexer os diversos carrinhos de linhas à procura das cores pretendidas... tinha várias cores espalhadas em cima da mesa, mas faltavam como sempre, as mesmas cores, as suas cores.... As cores, que tinha perdido... Fazia anos que Maria acalentava em segredo, o sonho de fazer uma manta de retalhos bordada com as cores que sabia ter no peito. Mas como bordá-la se as cores permaneciam no peito e não na caixa de costura? Todas as vezes que viajava por terras distantes, procurava em todas as retrosarias, mas nunca mais encontrou as suas cores perdidas. Por vezes, parecia-lhe ver as suas cores, em certas folhas de outono, numa tarde de verão, num pôr do sol tardio, mas não... eram parecidas, mas não as cores que perdera no tempo. E quando falava que tinha perdido cores, apresentavam-lhe um arco-íris de carrinhos de linhas, mas as suas cores, não se encontravam lá e apenas aqueles que também as tinham perdido, sabiam de que cores falava. Em toda a sua vida de costureira, havia enfiado e cortado diversas linhas, mas nunca cortara aquelas que a vida suturara vincadamente no seu peito.
Decidida a não deixar morrer o seu sonho, não havia outra alternativa senão rasgar o próprio peito. Do seu coração, saíam pontas de nós das linhas com que cosera ela própria, as feridas da saudade. E foi então que teve a ideia de puxar por essas pontas. E atrás de cada fio, viria a meada de cada cor perdida, pensou, e assim fez. Mas as linhas com que se cosem as emoções ao coração, estão presas por nós que nem os marinheiros desvendaram ainda. E com um bisturi guardado, lancetou o peito, descosendo ponto por ponto o que havia suturado. E do peito, jorravam não só as lágrimas contidas, mas as cores africanas, os cheiros, as paisagens, as pessoas... e Maria começou a sua manta de enredos, cenários, personagens... Ali, naquela caixa de costura orgânica, encontrou facilmente o que procurava e tecendo os retalhos com os fios da memória, devagar, devagarinho, eles foram aparecendo coloridos com tais cores que lembravam capulanas, não havendo necessidade de os bordar. E Maria surpreendia-se com a beleza dos seus retalhos. E as cores! Todos lhes gabavam as cores e perguntavam onde podiam adquiri-las mas Maria não sabia responder... sabia apenas que se as quisessem encontrar teriam que viajar até Africa. E aos poucos, as retalhos da sua manta Zambeziana, foram tomando forma e as linhas quentes e fortes que desenrolava do peito, uniam os retalhos entre si. E sempre que se partia uma agulha, sim, porque na vida, as agulhas partem-se com facilidade, havia sempre quem lhe oferecesse uma agulha de prata e mesmo um dedal a condizer, para a tarefa ser facilitada. E vinham de loge para ver e admirar a costureira e sua manta de retalhos e quem nela, revisse também as suas próprias cores perdidas.
Quando finalmente, acabou a sua obra de arte, ofereceu-a ao seu menino de ouro, que aos olhos de Maria, tinha as mesmas cores da sua manta de retalhos, como um legado de esperança e perseverança na busca de sonhos e cores perdidas... Colocaram-na na cama, deitaram-se e adormeceram os dois, ao som das suas histórias.

> Texto de Eva Gonçalves (blog Including the Kitchen Sink)

67 comentários:

  1. YOU write texts to my heart.
    Many greetings

    ResponderEliminar
  2. A arte nas palavras, no texto, no conto.
    Gosto dessa partilha que você faz.
    Boa Tarde Graça.
    Xeros

    ResponderEliminar
  3. Querida Amiga,
    Obrigado por este maravilhoso texto que nos leva de volta á magia das "quentes e fortes" cores africanas simbolizadas nas capulanas e na manta retalhada zambeziana, cores essas que temos guardadas no íntimo do nosso coração.
    Bj
    Jorge
    Nota:Pela conta Google não consigo enviar o meu comentário.

    ResponderEliminar
  4. Ficou bem :) Obrigada querida amiga por ter gostado tanto do meu texto :)Qual ficção qual carapuça, rrss... eu é que sou muito perspicaz :) Mas o mérito é todo teu... Se ainda por cima, contribuí para ajudar a encontrares as tuas cores perdidas num outro tempo e num outro espaço, fico duplamente feliz!!Quem sabe, não te incentiva a começar o tal livro/manta :))) Um grande beijinho Graça e bem-hajas!

    ResponderEliminar
  5. Querida Graça!

    Lembro-me desta pérola escrita pela Eva. Realmente um texto fabuloso e que te assenta na perfeição.

    Na altura deixei este comentário na Eva

    "Ah! Amiga Eva! Esta é sim a nossa amiga Graça!!!
    Exactamente ela, com as suas cores de África e as suas muitas dores.

    Há muito que não lia nada tão bem escrito e belo.
    A Graça merece. É alguém muito especial por quem tenho uma enorme ternura.

    Beijo


    23 May 2011 23:26

    Muito merecido mesmo!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Fiquei enfeitiçado neste lindo arco íris.

    Beijo meu.

    ResponderEliminar
  7. Quando li na Eva fiquei assim...encantada e aconchegada nessa manta. Mereces, Graça, tão linda homenagem!
    Beijuuss n.a.

    ResponderEliminar
  8. Lindo!! Todas as cores num único texto.
    Adorei!!!
    Um beijo grande

    ResponderEliminar
  9. E minha queria Eva e Graça reunidas aqui, num só blog:) Que maravilha!!

    ResponderEliminar
  10. Preciosa Amiga de Excelência e Notabilidade:
    Recorre à magia de si, não é? Só pode para maravilhar tudo e todos.
    Simplesmente, sublime e fabuloso.
    Como adorava aqueles tempos. Também os vivi em mim.
    Fiquei mudo de pasmo perante tanta beleza e fascínio literários e de conteúdo sublime e perfeito. Os seus!
    Nem sei que dizer, apenas que fascina em tudo o que faz.
    Bem-Haja, de gratidão pela sua excelência de carácter e atitude.
    Beijinhos mil de pureza e encanto pelo que concebe de deslumbre.
    Sempre a lê-la com dedicação e ternura.

    pena.

    É fantástica.
    Fiquei atónito. Perplexo.
    Excelente.
    Com respeito, honra-me imenso a sua amizade que me faz sonhar no que escreve com genialidade.
    É perfeita.

    ResponderEliminar
  11. Linda à primeira leitura,

    ganha cores e laços de ternura à medida que circula por aqui!

    um beijo à Graça e outro à Eva

    manuela

    ResponderEliminar
  12. Olá, Graça!

    Retalhos de vida sob a forma de manta colorida, cosida com linhas que afinal só poderiam estar guardadas dentro do peito.O real e o imaginário tecidos como delicioso conto, próprio para crianças de todas as idades...

    Gostei muito.
    Beijinhos.
    vitor

    ResponderEliminar
  13. Boa noite, Graça
    Achei este texto tão bom que fiquei cheia de curiosidade de conhecer o blog da Eva, que não conheço.
    As cores que se vão perdendo ao longo da vida só se conservam no coração, e só rasgando o peito se podem recuperar...

    Muito bom! Gostei muito.

    Semana feliz. Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Realmente um texto fabuloso! parabéns ás duas e continuem a proporcionár-nos tão bons momentos de leitura.
    Bjs

    ResponderEliminar
  15. Querida amiga Graça, há muito que tenho andado afastada da blogosfera, recomeçei a trabalhar e chego todos os dias tarde, depois os pequenitos e os afazeres domésticos. Aínda não consegui conciliar os meus muito reduzidos tempos livres e claro tenho primado pela ausência! Hoje que te visito, me deparo com um belíssimo texto, que adorei, julgo que te identificas com ele, e também as pessoas que por África passaram. Conheço já muita gente, que a África regressou em busca das cores perdidas. É indiscritível, a sensação de lá voltar... segundo me têm contado!

    Desejo-te uma bela e linda noite.

    Beijinhos com amizade e carinho.

    Sãozita

    ResponderEliminar
  16. ...sedal
    que
    desde
    tu niebla
    tu texto
    enhebra
    al lector
    honda
    emoción...


    una rosavoz de mí jardín solo para tí GRACA,que te hable al oido y de : ! buenas noches mi amiga !...



    j.r.s.

    ResponderEliminar
  17. Graça,
    Tudo tão lindo, forte, puro e perfeito.
    Linhas e entrelinhas entrelaçadas nas coloridas emoções de uma Zambeziana.
    Parabéns a Eva pelo texto tão cheio de sentimento!
    Parabéns a você Graça pelo merecimento!
    ... e eu vou lá conhecer a Eva.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  18. Encaantadoramente belo texto.

    Como extrair as cores do peito, as que são unicas em nascentes de sonhos, os carretéis que vão se desenrolando dentro das almas...

    Perfeito.
    Sempre nos agraciando com tão belos textos.
    Parabéns a autora e a você Graça por nos disponibilizar mais este encanto de letras...

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  19. Essa é uma história de uma imensa delicadeza, das linhas e agulhas que o amor colore. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  20. Oi Graça,
    Esqueci de dizer que eu vou adorar participar do concurso literário (mesmo sem muito jeito -rsss). Como sempre, você tem boas idéias.
    Ficarei aguardando o mote.
    Beijocas.

    ResponderEliminar
  21. Querida Graça, a sua linda história encheu de cores os meus olhos.

    bjs

    ResponderEliminar
  22. Maravilhosa esta história.
    Dentro das palavras exactas. Nem a mais nem a menos. Nas cores perfeitas.

    Sem se dar conta somos nós que estamos sentados a ouvir o barulho das agulhas partidas ou a procurar entender quais são as cores em falta.

    O paralelo entre as cores do filho, a cama de sonhos onde ambos adormeceram esta perfeita.

    Agradeço esta troca e partilha de amizade.
    Todos fazemos esses bordados com as cores que criamos e vamos dando a cada linha.

    ResponderEliminar
  23. Quando os amigos falam de nós....mostram cores que nem sabíamos que existia, mas eles enxergam.
    Parabéns para ti e para a Eva.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Gostei muito, Graça! Et já fui visitar os cantinhos de Eva e deixei um comentário no seu cantinho inglês;o)
    Obrigada pela partilha;o)

    ***
    Beijinhos****

    ResponderEliminar
  25. Amiga Graça:
    ontem, na hora de enviar o meu comentário a NET... foi-se embora!Assim...
    Dizer-lhe que é um prazer recebê-la no alone e pelo comentário que sempre deixa.
    Dizer-lhe também que esta "manta de retalhos" está uma BELEZA: simplicidade, vivência e muita "pureza" de quem a "juntou" assim!...
    Obrigado à Autora e a você que a postou.
    Um abração sincero do
    Antonio Rui as alone

    ResponderEliminar
  26. Minha amiga muito querida,
    Esse texto é um bordado de cores que transcendem, são as cores de todas as Marias que sonham em realizar seus sonhos impossíveis...
    Obrigada por mais essa raridade e um afeto enorme, Graça!!!
    Milhões de beijos

    ResponderEliminar
  27. ME PERDI NAS CORES AO SOM DA MELODIA QUE É A UNIÃO MAIS BELA QUE ASSISTI HOJE...PALAVRAS E SOM.....PERFEITAS. NÃO HÁ COLCHA MAIS BELA DO QUE A CONCHA DE RETALHOS. PARABÉNS!!!!!!

    PASSANDO TB PARA DIVULGAR UM TRABALHO EDUCACIONAL


    Olá
    Você sabia que LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), que é o idioma em que os surdos se comunicam, é a segunda língua oficial do Brasil?

    Com objetivo de expandir a língua de sinais um grupo de professores e alunos da escola Lauro Müller em Florianópolis criou o BLOG VEJO VOZES e por conta disso estamos aqui lhe convidando para fazer parte da nossa história.

    Se você entende que nosso país precisa de educação com qualidade e que a inclusão é um direito de todos, venha nos conhecer. O endereço é:

    http://eeblmlibras.blogspot.com/

    Abraços fraternos

    ResponderEliminar
  28. Oi Graça, boa tarde, e valeu pela passada no meu blog!
    Falando em blog, belíssimo o seu.
    Um lindo texto postado aqui, parabéns!

    Realmente desistimula a quem começa certo e vê todo o trabalho ir por águas abaixo... falo do meu post, mas um dia há de ser revisto isto, só espero que não seja tão tarde.

    ResponderEliminar
  29. Texto bordado com as linhas da admiração. E o resultado é lindíssimo... Poesia ponto por ponto; manta, agasalho, abrigo da alma...

    Parabéns a você, minha querida, por inspirar tão bela obra. E à Eva, pelo talento, por essa beleza, pela eternidade desse momento.

    Ai, que maravilha, Graça! Lindo demais! Bjs, amiga, abraço apertado. E inté!

    ResponderEliminar
  30. Vim deixar um comentário.

    Cumpro o que o interior
    me manda
    e nem sempre
    o que o exterior "exige"
    porque quero lá saber do mundo,
    assim como o mundo
    quer lá saber de mim...

    O dito "evento"
    só foi uma "festa" para mim,
    que...esqueci-me do "Mundo cão"
    e libertei-me de maus pensamentos
    e aproveitei à minha maneira.
    Não tive qualquer sucesso,
    foi um verdadeiro fiasco,
    mas...para a frente é o caminho.

    Um resto de boa semana.

    Muito obrigado pela visita
    e pelas palavras sempre benvindas.

    ResponderEliminar
  31. Amiga
    Um beijinho e adorei
    estas cores
    esta magia
    Esta África

    um beijo

    ResponderEliminar
  32. Duas mulheres encantadoras e dotadas de uma beleza inigualável!!! :) Beijinho para as duas minhas queridas

    ResponderEliminar
  33. Graça querida
    Li e reli e em voz alta!!! Lindo demais esta hítória encheu meu coração de beleza de cores e som, acho que têm muito a haver com os sonhos de nós Marias que por vezes não são realizados. Amei.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  34. Obrigada por dividir conosco esta maravilha, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  35. Olá Graça
    Não encontro palavras para comentar tamanha beleza. Só me resta aplaudir.
    Bjux

    ResponderEliminar
  36. Oi Graça!
    Linda mamta de retalhos, tu e outras como tu, a tua amiga Eva e tantas outras Evas, sabem como tão bem aquece essa manta que vos faz sonhar com as cores .com as vossas cor de África, com os cheiros, com tudo aquilo que vos tornou tão felizes e que vos deixa tanta saudade.
    Gostei e li com muito prazer, toda essa luz que deram ao texto
    Até breve
    Herminia

    ResponderEliminar
  37. Graça querida, texto lindo, bordado com todas as cores da vida. Como sempre, delicado e sensível.

    Meu carinho pra você
    Tais Luso

    ResponderEliminar
  38. Bom dia Graça.

    Excelente texto este que aqui publicaste onde este símbolo das cores Africanas são a essência daquilo que quem conhece e conheceu sabe bem recordar a maravilha que elas são onde o encanto nos fascina a todo o momento.

    O Arco Iris que nos é apresentado com 7 cores é uma magia que é como que uma predominância nas cores da natureza mas, África tem muito mais cores, tudo é colorido aos nossos olhos, não só a própria natureza como também os usos e costumes daquelas terras onde tudo é cor e alegria.

    É defacto uma manta de cores sem fim que, no despertar de cada manhã, dá-nos um espírito novo dentro do próprio espírito Africano.

    Belo texto amiga.

    Bjos, tudo bom te desejo.

    ResponderEliminar
  39. "O amor é a poesia dos sentidos.
    Ou é sublime, ou não existe.
    Quando existe,
    existe para todo o sempre
    e aumenta cada vez mais."

    (Balzac)

    Bom dia......Beijos no coração. M@ria

    ResponderEliminar
  40. Um texto lindíssimo, prosa poética do melhor!
    Parabéns à autora e à homenageada, duas pessoas com o grande dom da escrita.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  41. Simplesmente emocionante!...
    Olá amiguinha, obrigada pelas visitas e pela procupação.
    Ando a fazer exames médicos e a vontade e disposição andam em baixa!
    O blog também anda com problemas e não sei porquê.
    Mas há-de passar tudo, penso que é só uma fase!
    Obrigada pelo carinho e pela tua amizade que me é muito querida.
    Jinhos grandes.

    ResponderEliminar
  42. Hoje passei só para te desejar um excelente fim-de-semana.

    Beijosss !

    ResponderEliminar
  43. " A serenidade absoluta
    não é a lei do oceano,
    o mesmo acontece
    com o oceano da vida".

    (Gandhi)

    Beeijos e carinhos meus...M@ria

    ResponderEliminar
  44. A como fui feliz de voltar - estava com uma tendinite muito forte e dolorida demais - logo hoje e poder apreciar esta maravilha que mais uma vez me faz, por aqui, recordar minha vida. Ah amiga, esta postagem me recorda o tempo em que ficávamos a luz dos lampiões já na cama, na fazenda, ouvindo as histórias contadas pelas minhas tias, até adormecermos. Aplaudo sua sensibilidade em dividir conosco esta beleza que recebeste, obrigada.

    ResponderEliminar
  45. Graça
    Senti a tua falta e tenhp andado a pensar em ti.
    Captaste meu pensamento e te encontrei. Estive fora e entretanto o pc deixou-me isolada com as
    mudanças insensatas que se fazem. Ninguém está seguro e há blogs desaparecidos...

    Agora falando dessa saudade que se encontra em teu coração por esse tempo passado em África, que
    parece ter um feitiço batido pelos tambores que
    lançam no espaço tantos sentimentos e essas cores
    profundas que se entranham nos corações e para as encontrar "é urgente ir fundo", muito ao fundo de vós próprios.
    E em face da enorme beleza nostálgica do texto,
    eu nada tenho e nada posso dizer, pois minhas palavras se foram - também na procura de cores -
    outras cores...

    Parabéns a quem escreveu e Parabéns à narradora.

    Um beijo e obrigada pela tua presença na minha
    ILHA.

    Maria luísa

    ResponderEliminar
  46. Um excelente final de semana pra ti amiga...beijos.

    ResponderEliminar
  47. Uma capulana lindissima com as cores da nossa Zambézia!
    Parabens para a autora e a ti por a mostrares!
    Mil beijos.
    Teresa(Quelimane)

    ResponderEliminar
  48. Não sei que dizer perante este seu post,apenas
    agradecer a si e à Eva pela beleza do mesmo.
    É uma narrativa que prende, que transmite
    muita emoção, muito sentir e muito África
    e da sua magia.
    Foi bom tê-lo lido. E hoje fez-me bem.
    Beijinhos
    Irene

    ResponderEliminar
  49. Que beleza de conto, amiga Graça! Lindo, mágico, envolvente, com o calor das estampas africanas! beijos,

    ResponderEliminar
  50. Graça

    Que conto mais lindo. Li em voz alta e me aconchegou. Obrigada minha amiga.

    bjos
    Anne

    ResponderEliminar
  51. Trouxe-lhe uma capulana de Quelimane.Vou enviar-lha pelo correio.Espero que goste.
    Monhé

    ResponderEliminar
  52. Olá Graça! Belíssimo texto! Linda homenagem! Adorei, muito profundo e dotado de muita sensibilidade.

    Beijos e muita paz pra ti.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  53. Minha Querida Amiga Graça,
    Parabéns para Si e para a Eva pois a história aqui contada tem algo das noites quentes africanas e lembra as cores que só lá existem. Acredite que fiquei nostálgico ao percorrer esta história... Sempre desejei lá ficar nos meus últimos dias mas infelizmente tal não irá acontecer! Por isso as saudades são corrosivas e tudo que mas faz lembrar me emociona!
    Beijinhos amigos e solidários.

    ResponderEliminar
  54. Anónima de Lisboa
    Trouxe uma capulana da minha ultima viagem a Moçambique, parecida com essa. Linda história e parabens áS DUAS!

    ResponderEliminar
  55. Hola amiga Grace, muy buenos dias, preciosos texto,
    una historia encantadora,
    los colores, los deseos, los sueños,...la vida, me ha encatado amiga, gracias por compartir tan hermosa historia,
    te dejo besos y abrazos tu amiga Lola,
    feliz domingo.

    ResponderEliminar
  56. Passando pra deixar um grande beijo!
    Grato pela visita. Força aos portugueses!

    ResponderEliminar
  57. Um mundo bem colorido emoldurado com linhas de arco íris. Escreves que encantas! Deus te conserve assim com esta simpática cor africana.
    Beijo

    ResponderEliminar
  58. Querida Graça:
    Trouxeste-nos uma história maravilhosa da Eva Gonçalves, que magistralmente aborda as cores de África que trazemos no coração, e do feitiço da nossa velha África. Da minha África, da tua África, da África dela, da nossa África. Há emoções que trazemos no peito desde os tempos de África. Já reparaste como é belo o som da palavra "África" e a emoção com que a pronunciamos?

    Não sei o que queres dizer com isso de eu não estar inscrita, mas estou registada como tua seguidora.

    Participarei no concurso. Farei o melhor que puder e souber.

    Um abraço do tamanho da tua Zambézia.

    ResponderEliminar
  59. Querida Graça:
    Trouxeste-nos uma história maravilhosa da Eva Gonçalves, que magistralmente aborda as cores de África que trazemos no coração, e do feitiço da nossa velha África. Da minha África, da tua África, da África dela, da nossa África. Há emoções que trazemos no peito desde os tempos de África. Já reparaste como é belo o som da palavra "África" e a emoção com que a pronunciamos?

    Não sei o que queres dizer com isso de eu não estar inscrita, mas estou registada como tua seguidora.

    Participarei no concurso. Farei o melhor que puder e souber.

    Um abraço do tamanho da tua Zambézia.

    ResponderEliminar
  60. Obrigada pelo contato.Me deu a oportunidade de conhecer seu blog,seus textos lindos.emocionantes.Passarei sempre por aqui,para ler suas linhas e me enternecer nas entrelinhas,bjos

    ResponderEliminar
  61. Aos leitores da Graça, quero agradecer todas as palavras simpáticas que me foram dirigidas. Agradeço de coração. Ainda bem que tantos outros que ficaram sem as suas cores africanas, se reviram no meu texto. Bem-hajam todos!

    ResponderEliminar
  62. Saudades, Graça!
    Demorei, mas cheguei, amiga!
    Mais uma história gostosa de se ler por aqui.
    Criei um selo especial para presentear a você:
    http://selosemimosdosblogsdasoniasilvino.blogspot.com/2011/06/um-presente-especial.html
    Motivo? Eu adoro este blog!
    Beijos meus!

    ResponderEliminar
  63. Cheio de emoções e de recordações, Graça, como sempre, a tua memória me faz reviver momentos teus que parecem meus...e não é possível, mas parecem.

    Não poude chegar ao concurso, creio que o tempo terminou, mas também não costumo entrar em concursos, perdi sempre e perdida pelos caminhos da vida, já eu estou...Mas achei linda a ideia.

    Desculps só hoje escrecer.

    Mª. Luísa

    ResponderEliminar