sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Flores de Outono




Agora vou reclinando o corpo
entre a terra e as estrelas.

O espaço é breve
para a brisa do mar
que ainda soa.

E no entanto adormeço
no meu sonho,
sereno de harmonias

incendiando o fino pó
da terra
com estas flores violentas,
exíguas, do outono.


- Vieira Calado


31 comentários:

  1. Olá Graça, e que tudo permaneça bem contigo!

    Sendo nós parte desta natureza que nos cerca e trata, por vezes até vejo com quase naturalidade estas nossas estações humanas, somos assim, feitos tudo que tem vida!
    Bom por demais passar por cá e me encantar com tua sensibilidade expressa em tuas postagens, onde você compartilha com os amigos teus sentimentos pensados, parabéns pela escolha do belo poema, como sempre!

    E agradecido sempre por cá venho pelas tuas visitas e comentários sempre deveras gentis por lá, assim desejo a você que tenha sempre a intensa felicidade em teu viver, um enorme abraço e, até mais!

    ResponderEliminar
  2. VOU TE ESPERAR AMANHÃ NESTE CANTINHO BEM ESPECIAL http://sandrarandrade7.blogspot.com.br/
    TEM SURPRESA BEM ESPECIAL PARA OS AMIGOS ESPECEIAIS. VENHA VOU TE ESPERAR, NA CURIOSA TANBÉM TEM O LINK PARA A GRANDE SURPRESA, NÃO DEIXE DE VIR. VOCÊ É O MEU(MINHA) CONVIDADO(A) ESPECIAL.
    CARINHOSAMENTE.
    SANDRA
    AMIGOS COMPARTILHAM. PRINCIPALMENTE NESTA DATA BEM ESPECIAL DA MINHA VIDA.
    CELEBRE A VIDA.

    ResponderEliminar
  3. Bela poesia para o Outono que se avizinha.

    Bom FDS !!!

    ResponderEliminar
  4. Olá Graça,
    aqui a primavera traz flores e muito calor. A poesia moderna é pura essência! Bela postagem!
    Um grande abraço do Brasil

    ResponderEliminar
  5. Poema e imagem, tudo em harmonia na luz suave de um outono que já se vai sentindo.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga graça!

    Belo poema, De Vieira Calado

    Árvore

    Nasci no chão moreno de um país
    na hora em que a manhã era alvorada
    aos poucos fui crescendo e fui raiz
    e tronco na planura da chapada

    A árvore que fui e em quem me fiz
    fui rebento fui rama e fui ramada
    fui semente que afundou sua matriz
    na vida onde fui tudo onde fui nada

    Fui verde como a esperança deste mundo
    fui sombra neste chão onde me afundo
    fui lenha que acendeu tanta fogueira

    E agora ao arrebolo da tarde finda
    neste circulo terminal falta-me ainda
    ser folha que apodrece na poeira

    João Batista Coelho

    Um bom fim de semana,
    Beijinhos,
    José.

    ResponderEliminar
  7. Graça,
    Lindo o poema de Vieira Calado, anunciando o outono presente em suas flores.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  8. entre a terra e as estrelas

    feliz outono Graça!

    e parabéns ao autor do poema


    um beijo

    ResponderEliminar
  9. Graça, es un bello poema que nos evoca el melancólico e intimista otoño.
    El outono es mi estación preferida por esa armonía que genera y por el paisaje y sus colores que dan gran serenidad.
    Abraços

    ResponderEliminar
  10. Minha querida Gracinha

    Um belo poema de vieira Calado que eu adoro ler.

    Um beijinho com carinho e um Domingo abençoado
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  11. Ótima escolha, Graça! Gosto muito dos textos do Vieira e também acompanho seu blog...

    Beijos e ótimo domingo!

    ResponderEliminar
  12. O outono tem a beleza dos sentimentos opacos...beijos amiga e uma bela semana pra ti.

    ResponderEliminar
  13. OLÁ GRAÇA

    ADOREI a forma como conta a aventura em Moçambique
    Invejo (no bom sentido) 2 coisas:
    a capacidade de descrição e a sua memória
    EU não tenho nem uma nem outra, infelizmente.
    OBRIGADO pela partilha...

    Vamos a outro assunto:
    1 - cá estou regressada de férias e que boas que elas foram...
    2 - estou a estranhar a falta de visita aos meus blogues;
    3 - convido-a a visitar o meu blog
    http://pensamentosimagens.blogspot.pt/

    Em época de transição do Verão para o Outono,
    achei um soneto de William Shakespeare adequado
    e fiz o post juntamente com uma imagem de minha autoria,
    como já é habitual.
    Partilho um pouco do soneto:

    Se te comparo a um dia de verão
    És por certo mais belo e mais ameno
    O vento espalha as folhas pelo chão
    E o tempo do verão é bem pequeno

    Nos MOMENTOS PERFEITOS mostro a minha participação no Raid Fotográfico da Moita.

    Cá espero por si.
    Beijos de Outono.

    ResponderEliminar
  14. Oi Graça,
    Sabe,do lado de cá(Brasil)estamos iniciando a Primavera.Tudo está florido.É lindo! Adorei o poema e a imagem do Outono.

    ResponderEliminar
  15. Graça, que lindo poema de outono! Aqui no Brasil está tudo colorido pelas flores da primavera.
    Um ótimo outono!
    bjs
    Amara

    ResponderEliminar
  16. Um excelente poema de outono a estação que eu mais gosto.
    Desejo que o seu venha a ser bom.
    Beijinho
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  17. Fez uma belíssima escolha com este poema de Vieira Calado. O Outono.
    Aproxima-se o tempo e o silêncio da folhas adormecidas.
    Repouso e descanso para uma vida nova que se adivinha no brilho das estrelas.

    ResponderEliminar
  18. Na minha terra, não se tem Outono, ainda bem que eu posso apreciar a sua beleza, por outras bandas...como aqui, hoje, cantado por um exímio poeta.
    Parabéns ao Vieira Calado e à Graça.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  19. Olá Graça,
    Tinhas razão. O Adeus não se deve dizer. E depois de muito me aconselhar, resolvi tentar sonhar de novo.

    Belo este teu poema. Sobre o Outono. Que trará aconchego?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Adeus a esta e àquela terra
    a este Outono
    que nos cerca
    e chama por nós...

    Ainda é cedo...
    é sempre cedo
    para o que se aproxima.

    Fiquemos na ilusão
    do tema do poeta.
    Ele fala,
    ele sente
    ele diz.

    Parabéns Graça,
    Parabéns Vieira Calado.

    Maria luísa

    ResponderEliminar
  21. Amiga Graça.Como diz o poeta o outono chega e chama por nós,mas cada dia vamos esperando uma nova primavera para despertar em nós.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  22. Não conhecia o poema,nem o poeta e achei bonito. O fundo está maravilhoso.
    Beijo
    Teresa (Quelimane)

    ResponderEliminar
  23. Oh, caríssima!
    fiquei feliz por ter postado esse meu poema!
    Os meus agradecimentos
    embrulhados em beijinhos!

    ResponderEliminar
  24. Poema belíssimo, Graça! Aqui estamos em início de Primavera, e hj, contrariando o "combinado", está um friozinho muito bom!
    Bjs,

    ResponderEliminar
  25. Belíssimo poema do querido Vieira Calado!
    Beijinhos à ti e à ele...
    Valéria

    ResponderEliminar
  26. Oi Graça, quanta sensibilidade neste poema,parabéns ao seu amigo Vieira Calado, e obrigada por compartilhar com a gente.
    Grande Abraço.

    ResponderEliminar
  27. Oi querida Graça, paz para todos, querida um bem nunca se perde são sementes lançadas, que custam a brotar, vc ja pensou em vez de ter feito um bem, tivesse feito um mal, com a sua sensibilidade de poeta ias sofrer muito, estais sempre nos enviando sabedoria que é um aprendizado para todas nós que te admiramos e amamos! amiga Deus te presenteou com este dom maravilhoso de valorizar tudo que está ao teu redor é verdade que as pessoas como você, com tanta sensibilidade sofrem mais,Mais que felicidade maior do que o amor ,isto foi doado a perda é de quem não soube valorizar, mais um dia quem sabe o mundo dá muitas voltas, desejo tudo de bom para vc , um abraço carinhoso. Celina.

    ResponderEliminar
  28. Muito lindo este poema, uma perfeita escolha!
    Beijos,
    Mariangela

    ResponderEliminar