quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Gavetões do Tempo



Outubro abre as portas a um novo “gavetão” do tempo. Nunca como em Portugal tive e tenho tantas vezes a percepção da despedida.
Quando guardo a roupa de verão para a trocar pela de inverno, há sempre em mim uma inquietante pergunta – voltarei a vesti-la? Foi uma das coisas mais difíceis a adaptar-me quando aqui cheguei – a estes compartimentos estanques em gavetas como lhes chamo, esquartejando o tempo, tornando-o mais diminuto sem o espaço suficiente para apreciarmos as horas.


Em Quelimane o ano tinha de facto 365 dias, abafados por uns casaquitos leves de Maio a Julho, mantinhamos o guarda roupa, a alegria e a boa disposição do primeiro ao último dia do ano. Aqui, como li algures numa revista, “ o verão é o tempo de um dia... e o Inverno o da travessia de uma longa estação”.
Podem dizer-me que é estonteante observarmos os ramos desnudados das árvores cheias de nózinhos anunciando em força a primavera - Concordo! Podem dizer-me que é deslumbrante quando o outono salpica de poalha doirada e vermelha a natureza e os caminhos – concordo! Podem finalmente dizer-me que o Natal tem mais magia e encanto à volta de uma lareira – concordo!
Mas que a mim me parece que vivo menos tempo com este trocar de roupa pelos quatro gavetões, é um facto. Falta-me a continuidade. É como se fosse ver um filme e estabelecessem quatro intervalos; não abarcaria de certeza, em profundidade, ao pormenor, o enredo de toda a história... – também eu sinto que, nestas trocas e baldrocas de camisolas por t-shirts e vice-versa, o tempo dilui-se, e nós, espectadores deste filme que é a vida, perdemos muitas vezes o fio à meada.

82 comentários:

  1. OLá Graça

    Sempre muito bom fazer tuas leituras,
    nunca a sair insatisfeita,
    ou isto ou aquilo,na sua poetica de Cecília
    Meireles, ou encara ou engaveta, mas o tempo é quem determina, quando puderes retornar a roupa fina.
    Sabes concordar sem ser taxativa, fiel ao teu lado vida ao que melhor satisfaz...

    Feliz outonal e que o inverno
    seja ligeiro...

    Beijos

    Livinha


    ResponderEliminar
  2. Revejo-me neste texto. Sente-se alguma nostalgia nas esquinas quebradas do tempo, mas a continuidade em linha recta seria monótona. Antes a ciclicidade.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. Olá Graça, revejo-me neste texto, pois quando guardo roupa, penso... será que para o ano o tempo, me dá um pouco do seu tempo. Eu não estranho tanto, porque sempre aqui vivi, mas a amiga nota-se as saudades nesse texto, como que a pedir o tempo que passou. Adorei. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  4. Tudo o que escreves fica belo, até a nostalgia, a saudade, o mudar estranho das estações...sempre um prazer ler suas palavras, Graça.
    Beijinhos...
    Valéria

    ResponderEliminar
  5. Um ponto de vista interessante.

    Vindo também de uma terra que é quente o ano todo, consigo perceber o que dizes, embora a mim a troca das estações chegue mais no sentido inverso daquilo que escreves. Não sei bem se por nunca ter gostado muito do calor (embora a luz do sol me faça imensa falta) ou se porque a continuidade infinita de uma só estação me deixava "sonolento", como se nada nunca mudasse...

    bjos

    ResponderEliminar
  6. Eu sou uma pessoa solar, por isso aborrece-me o outono. Mas isto das estações também já não é o que era!
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Olá Graça,
    E pergunto eu de inicio - porque não haverias de voltar a vestir?

    Eu gosto do Outono. Aliás gosto de todas as estações do ano, sejam elas como forem. E sim, os gavetões do tempo vão-nos moldando e tornam-se gavetões da vida. E não vais perder o fio à meada, não. O único problema é vermos o tempo passar.....

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Olá JP
    No arrumar da roupa, sinto sempre como uma despedida e, nestas, nunca sabemos se há retorno. Aquela continuidade do tempo em Moçambique, dava-me uma tranquilidade contínua e depois porque também gosto muito do calor.
    A estação que mais gosto é a primavera...pela esperança que traz consigo. Também gosto do Outono...das suas cores que a vida já gastou.Eu amo a vida, sem dúvida...apesar de fustigada por tantos ventos contrários. Tive um chefe que me dizia muita vez: esta moça festeja o ano desde 1 de Janeiro a 31 de Dezembro...não mude Graça, não mude! Mas muita água rolou depois disso...continuarei a ser a mesma? Não sei.
    Um beijo Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu concordo com o teu chefe (Já fui chefe durante muito tempo) - devemos festejar os anos todos os dias, como se eles fossem os últimos!

      A água pode rolar, mas o rio corre sempre Graça, e corre sempre na mesma direção! Também acho que não deves mudar, porque é assim que serás sempre a mesma.

      Beijinhos

      Eliminar
  9. Como o ciclo das estações em que algo morre no inverno e renasce na primavera, na vida, haverá sempre um tempo para tudo...

    Beijo meu.

    ResponderEliminar
  10. Senti , este texto,meu!

    A cada Inverno que chega sinto o meu a bater-me à porta...estou ao "ferrolho"!

    Ahhhhhh...tenho saudades do Natal com calor!!!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  11. Talvez por morar em um país onde as estações são mescladas umas às outras até mesmo em um só dia, ou talvez por achar o outono uma estação de afago e aconchego, é que paro para pensar sobre esse seu texto de modo mais detalhado. Ou talvez por ver minha filha (quando por lá estou) trocando as roupas dos ármarios...
    Mas o tempo passa tão depressa, Graça, que quando se der conta estará de novo trocando a roupa nos armários, sim, e voltarão os tecidos leves e coloridos, o riso descontraído, o bom do sol aquecendo a primavera.
    Beijos

    ResponderEliminar
  12. A beleza do texto retira-me o comentário que ia preparando à medida que o ia lendo...
    Sim, é difícil lidar com os "gavetões do tempo".

    ResponderEliminar
  13. Outubro é sim, junto à primavera, extremamente tentador.

    Mas setembros ainda virão!

    ResponderEliminar
  14. Oi Graça,
    Aqui neste meu Rio de Janeiro só tem dias bem quentes ou menos quentes.
    A gente nunca sabe o vai ser, pois o tempo muda de uma forma bem volúvel(rsss) e nunca dá pra deixar a gaveta arrumada.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  15. Boa tarde, há algum email para o qual eu a possa contactar ?
    Aguardo resposta, muito obrigada.

    ResponderEliminar
  16. Graça,
    Tens um mimo lá no Pena. Vai lá, trá-lo e....


    Beijinho

    ResponderEliminar
  17. Muito obrigada, já enviei email com o assunto.

    ResponderEliminar
  18. GRAÇA QUERIDA, É MUITO BOM LER AS TUAS CRÔNICAS EU SINTO ESTA SENSAÇÃO TODOS OS ANOS QUANDO VOU GUARDA A DECORAÇÃO DO NATAL, PENSO SERÁ QUE PARA O ANO ESTAREI ABRINDO DE NOVO ESTAS CAIXAS, NÃO SEI PORQUE VEM ESTES MESMOS PENSAMENTOS TODOS OS ANOS, AI PENSO QUE É PARA MOSTRAR A NOSSA VULNERABILIDADE PERANTE A VIDA. UM ABRAÇO FRATERNO CELINA.

    ResponderEliminar
  19. ¡Hola Grace!

    Es verdad lo que comentas en tu hermoso texto, aún parece que fue ayer la navidad y enseguida llega otra y con ella el invierno, comienza a enfriar y hay que cambiar de ropas. Que bonito es el verano, hasta se mueve uno mejor con menos ropas.

    Pero así es la vida y demos tener paciencia y serenidad y llevarlo con filosofía.
    Gracias por tus letras. Te dejo mi abrazo cálido y mi estima siempre.
    Se muy feliz.

    ResponderEliminar
  20. Lindo texto amiga Graça. Carregado de uma certa nostalgia, que nos anuvia os olhos. Realmente, está sendo difícil assimilar essas intempéries...Um beijo querida.

    ResponderEliminar
  21. Graça es una bella reflexión sobre el otoño pero sobre todo sobre el paso del tiempo. Esa ceremonia de guardar aquellas huellas ligeras del verano para dejar espacio a la nueva estación. El pasado ordenadamente archivado con promesas de volver porque el ciclo de la vida aparenta repetición aunque siempre sea nuevo lo que llega.
    Un abrazo y feliz otoño en Portugal

    ResponderEliminar
  22. Que saudades...de um tempo que não voltará! Ficam as recordações de uma vivência alegre, feliz e em...mangas de camisa!!!
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  23. Olá Graça saudades e um beijo da Suíça e bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  24. se fossemos pequeninos

    escondíamo-nos nas gavetas das camisolas de lã e ficávamos lá até chegar novamente a primavera...

    assim, mais vale guardar alfazema junto ao peito

    um beijo, Graça

    ResponderEliminar
  25. Minha querida Gracita

    Um texto nostálgico, mas belo, eu também quando guardo a roupa faço essa mesma pergunta, será que o tempo nos dará tempo para a voltar a vestir.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  26. Oi Graça, quantas mudanças acontecem entre as estações. Também tenho esta sensação no Natal quando guardo a árvore e seus enfeites. Aqui na Capital do Brasil, as estações estão cada vez menos caracterizadas.
    Um grande abraço, belíssima cronica.

    ResponderEliminar
  27. É assim Graça que eu sinto e nunca vivi na magia de uma Africa linda
    onde a luz tem outro encanto. Estes departamentos estão hoje um pouco mais diluídos com as alterações climáticas.Mas este vai e vem de de trapos e sapatos, deixam para segundo plano uma existência de paz, o saborear calmo do tempo.

    Abraço querida amiga

    ResponderEliminar
  28. Como a entendo, Graça, sinto precisamente o mesmo.
    Adorei o seu texto, lindamente escrito e com a mesma sensibilidade de sempre!

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  29. Olá Graça e que tudo permaneça bem contigo!

    Desde que nosso viver é feito e montado com estes momentos, estes nos são deveras penosos.
    É o momento em que ficamos mais analistas, e começamos a encarar a vida em todos os momentos como se fosse o último, e, que cada dia findado nos deixa um gostinho de que poderia se alongar por mais algumas horas. Assim é nosso viver, não temos como mudar, sendo assim somente nos resta aproveitar, e fazer valer cada momento que respiramos e cada dia que acordamos para ver mais um nascer do sol, um sorriso no rosto de uma criança, ou mesmo ver a esperança no olhar dos que estão ao nosso lado!
    Belo escrito como sempre por cá encontro em minhas visitas, Gostei também da imagem que ilustra o texto, parabéns e obrigado por compartilhar teus sentimentos!

    E agradecido deixo meu desejo que você tenha em teu viver incontáveis momentos de intensa felicidade, abraços e até mais!

    ResponderEliminar
  30. .

    .

    . esta é uma página des.lumbrante . sem quaisquer idolatrações . sentida . de fio a pavio . e,,, que em cada intervalo . a saudade seja o impulso para o futuro de um tempo sem tempo . onde a Graça é . a tempo inteiro . a continuidade inequívoca do [Seu] tempo .

    .

    . o Seu blogue é um oásis . salvífico . que espero . de coração . que nunca morra .

    .

    . um beijo meu .

    .

    .

    ResponderEliminar
  31. Partilho da mesma opinião. Texto muito bonito. Beijos

    ResponderEliminar
  32. Lijndas tuas reflexões sobre esses gavetões do tempo... E por aqui, já dias em que precisamos mexer nas 4 gavetas...

    Adorei tua interação linda e está lá! Obrigadão!beijos,chica

    ResponderEliminar
  33. Lindíssimo o teu texto Graça. Para nós que sempre vivemos neste clima por vezes nem nos apercebemos ou lembramos que há outros tempos, outras paisagens imensas, a perder de vista e outros ritmos de vida.
    Foi bom lembrá-lo aqui, pois já o vivi muitas vezes pelos olhos e pela boca de outros amigos.

    Fico sensibilizada pela tua constância.

    Beijos para ti e um enorme abraço, de quem nunca te esquece.

    Branca

    ResponderEliminar
  34. Fico feliz em perceber que certas pessoas,
    como nós, têm a capacidade de reconstruir para recomeçar.
    Isso é sinal de garra e de luta, é saber viver, é tirar o
    melhor de todos os passageiros.
    Agradeço a Deus por você fazer parte da minha viagem,
    e por mais que nossos assentos não estejam lado a lado,
    com certeza,o vagão é o mesmo.
    Com saudades desejo um feliz Domingo,
    beijos na sua alma carinhosamente,Evanir.
    A Viagem..

    ResponderEliminar
  35. Olá Graça
    bom dia,
    um belo texto,
    desejo-lhe um maravilhoso outono!
    um bonito domingo
    e uma ótima semana
    beijos

    ResponderEliminar
  36. Olá minha amiga, você que teve as duas experiências pode avaliar e
    ter escrito este texto. Realmente a sua primeira realidade de vida
    era mais simples.Eu penso o mesmo, quando tenho que guardar a roupa
    de verão(será que a voltarei a vestir...) a minha irmã diz que eu
    guardo demais, que fica a ocupar espaço peça que possivelmente não
    voltarei a vestir,mas eu tenho sempre receio que venha a fazer falta,
    presentemente cada vez tenho mais receios.
    Um bom post, como aliás nos habituou.
    Beijinhos e um bom domingo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  37. Querida amiga

    Tens um desafio/miminho no Farol que gostaría que aceitasses.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  38. Muitas coisas são guardadas nessas gavetas do tempo....beijos amiga e uma bela semana pra ti.

    ResponderEliminar
  39. Graça Amiga,
    O Azimute está de volta e saúda-te!
    É isso mesmo! O Outono convida a uma melhor introspecção e recolhomento. Vamos matando o tempo como forma de vida.
    Bj
    J

    ResponderEliminar
  40. Graça querida, se gostas de doce passa lá na minha cozinha e pega um pirulito....

    beeeeijos!!!!!!

    ResponderEliminar
  41. Não poderia estar mais de acordo contigo, não é? Continuo a preferir Natal com calor.
    Beijo
    Teresa (Quelimane)

    ResponderEliminar
  42. Olá, Graça!

    Obrigado pela vista,e pelas palavras simpáticas.

    Tal como no mar, também em terra se pode apanhar "mau tempo" pelo proa ... mas um destes dia chegarei a bom porto - e aqui estarei de volta.

    Vida e Natureza divididas por estações - verdade bem mais presente aqui pelo hemisfério Norte...E concordo contigo: lá por terras de África é bem melhor o cheirinho a Verão,a fazer esquecer que também há Inverno...
    Bonito texto, a propósito dos arrumos nos gavetões...

    Beijinhos; fica bem.

    Vitor

    ResponderEliminar
  43. As gavetas onde arrumamos as roupas e onde deixamos as perguntas lógicas:
    - Voltarei a usá-las...??
    Quantas gavetas cheias de preocupações que nada resolvem.
    Em vez de guardarmos as nossas preocupações nas gavetas juntamente com as roupas do verão, soltemo-las para que arrefeçam no Inverno e nos deixem espaço para arruamarmos de vez as coisas que necessitamos diariamente

    ResponderEliminar
  44. Querida GRAÇA
    .... e escrevemos para retomar esse fio, que apenas ficou de lado porque haviam outros que nos exigiam manter em foco.
    Te admiro amiga, vamos em frente.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  45. A gravura é muito significativa!
    Bela imagem da passagem de Setembro Outubro, tal como a descreve.

    Bjsss

    ResponderEliminar
  46. Graça,adoro os seus textos poéticos e este me fez refletir sobre as estações do ano que antes eram tão certinhas e hoje, já não se sabe mais se no meio da primavera precisaremos de algum agasalho!...rss...coisas do homem e da natureza!bjs e meu carinho!

    ResponderEliminar
  47. Olá Graça querida!
    Estava com saudades de vir aqui, mas como sou um tanto lenta, não consigo ir a todos os cantinhos de uma vez só, mas aqui cheguei e amei seu texto.
    Sempre me faço estas perguntas quando estou a trocar as roupas de lugar no armário, 'será'?
    Teremos muitas e muitas estações e muita mudanças de roupas para serem vividas.
    Lindo Outubro para você minha doce amiga...beijinhos no coração e tudo de bo sempre.

    ResponderEliminar
  48. Gostei do texto e também eu tenho saudades do nosso calor do Chuabo.
    Monhé

    ResponderEliminar
  49. Palavras bem ditas e assimiladas por mim...
    Prefiro mil vezes as duas estações da minha terra natal...
    Obrigada pela tua visita..
    abs,

    ResponderEliminar
  50. Olá Graça! Passando para agradecer a tua honrosa visita e o teu amável comentário, bem como apreciar este teu belo texto.

    Beijos e muita paz pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  51. Que imagem maravilhosa Gracinha! :) Ainda torna as palavras mais significativas! Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  52. Não pensava muito sobre a questão da morte, até que a minha mãe morreu e tive que retirar suas coisas do armário para doar. Doeu dar aos outros coisas que ela estimava, mas que para mim não me serviria. Tal fato me pegou de um jeito que quando voltei para minha casa, comecei a me desfazer de todo o superfluo, de coisas que em um futuro próximo eu não usaria. Mais para poupar os meus da tarefa árdua de desfazerem das minhas coisas. A partir desse evento, dessa nova consciência, me despeço todos os dias dos dias a cada entardecer. Amanhã posso não estar aqui. Beijus,

    ResponderEliminar
  53. Oi
    Sempre é bom ter roupas basicas pra voltar a
    usar .
    Guardamos a moda colorida do verão
    pra colocar o cinza e o preto e branco
    do inverno.
    Beijos...
    Lúcia

    ResponderEliminar
  54. A menina talvez não saiba que a palavra Quelimane deriva das palavras inglesas Killing Man (mata homens). Ah poizé, as coisas que aprende comigo :)))

    ResponderEliminar
  55. Bom dia, querida Graça!
    Estranhos gavetões são também os daqui. Há poucos dias atrás, o frio entranhava-se em nossos ossos. Ontem, o calor secou a folhagem dos arbustos. Agora, pela manhã, veio uma brisa fria. Dizem ser primavera, flores ameaçam desabrochar. O nosso planetinha é uma caixinha de segredos. Gosto dele mesmo assim. No Rio de Janeiro, usa-se de tudo, pois vejo senhoras de shortinhos e mocinhas de saias longas, rs. Vá-se entender a moda!
    Amiga, um beijinho primaveril do Brasil! [rimou sem querer]

    ResponderEliminar
  56. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  57. Olá Graça,

    Um texto nostálgico e bem filosófico, que nos leva a refletir. Gostei muito.
    Por aqui as estações se misturam haja vista o atual quadro de desequilíbrio da natureza, naturalmente provocado pelo próprio homem.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  58. Ó Graça, estive a documentar-me e obviamente não sou dono da razão, mas acerca da toponímia da terra que te viu nascer, existem duas versões muito válidas segundo os compêndios que estudam essas matérias.

    A 1ª versão aponta no sentido que a origem do nome 'Quelimane' deriva das palavras inglesas 'Killing Man' (mata homens), que teria mais tarde evoluido para 'Queli-Man'.

    A outra versão diz que o nome desta cidade vem dos tempos da sua "descoberta" por Vasco da Gama que, vendo algumas pessoas a cultivar a terra, lhes perguntou (em língua portuguesa) como se chamava a terra. Não entendendo a pergunta, algum dos locais terá dito Kuliamani, que significa(va): "Estamos a cultivar".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ECO! É isso mesmo...Valeu a tua pesquisa!
      Duas beijocas só por isso!
      Graça

      Eliminar
  59. Excelente imagem e texto que retrata a passagem do Verão ao Outono.....

    ResponderEliminar
  60. Oi, prazer estar aqui querida! Hoje se ouve os ecos dos invernos que passaram... Onde estão os outonos vividos? Ah... Quem nos dera achá-los guardados em nossas gavetas. E, mormente agasalharmos dos anos já idos... Quiçá o dia de hoje fique zangado por tais pensamentos. Doce beijo!

    ResponderEliminar
  61. Graça querida! Obrigada pelo carinho e pelos comentários sempre tão gentis! Lindo teu post! E a imagem encantadora!
    Desculpe pela demora em aparecer!....
    Tem post novo!
    Um abençoado e feliz final de semana!
    Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  62. Ô Graça, fiquei tão alegre em te ver no Misturação.
    As vezes a gente demora mas chega, não é mesmo.
    Vou apreciando esse espaço aqui com todo carinho.
    Xeros

    ResponderEliminar
  63. Sinto o mesmo e partilho dessas gavetas que se abrem e fecham de estação para estação. Num Mês o por do sol é as 22h para logo a seguir se por as 17h. Este tempo é confuso para quem não nasceu nele. Proporciona-me umas boas imagens na mudança de estações.

    ResponderEliminar
  64. Olha eu aqui, na tua beleza de palhota, Graça! Lógico, que virtual, mas tudo bem, já é um começo. A ti também ofereço minha pequena casinha azul, vem pra cá pra gente buscar o que há de comum entre Brasil, África, e o mundo em geral.
    Dia do Irmão Chico e dos nossos irmãozinhos ,bichinhos? Há tantos animais desprezados e maltratados por esse mundo, que tristeza! Que infâmia que cometem contra os nossos desprotegidos animais!
    Mas o Irmão Chico tá de olho vivo, tenho certeza disso.
    Miga querida, uma ótima quinta, sexta também, final de semana, idem, idem.
    Beijos, fica com Deus!!!! [essa árvore lá de cima tá lindaaaaaa!!!!!]

    ResponderEliminar
  65. Hermosa forma de representar el otoño. Felicitaciones. Me ha encantado.

    ResponderEliminar
  66. Duas vivências, comparadas, concerteza nunca iguais, uma melhor do que a outra,mas completam-se.
    Quanto às passagens das estações, faz o calendário da vida corre mais depressa do que era preciso, concordo consigo, mas repare temos dois tempos,um mais frio e outro assim assim ,pelo meio vêm uns picos mais altos, que para aqui quase que nada valem.....
    É certo que a preguiça toma conta de nós...e custa realmente fazer e desfazer.
    Agora com esta história ,lembro-me da minha mãe, (já não está fisicamente entre nós) quando em dias de festas eu e a minha irmã a presenteavamos com uma boa toilette, resposta imediata : Obrigada, mas para quê tanta coisa ,se só tenho um corpo?
    Quantas vezes penso nisso...
    Gostei
    Até breve
    Herminia

    ResponderEliminar
  67. OI GRAÇA!
    LENDO TEU TEXTO ME PUS A PENSAR, SOBRE AS GAVETAS,A TROCA DE ROUPAS,DE INVERNO PELAS DE VERÃO, AQUI VIVEMOS ISSO TAMBÉM, SÓ QUE NESTE ANO ESTÁ PIOR AINDA PORQUE A TEMPERATURA ESTÁ UM CAOS, JÁ ENTRAMOS NA PRIMAVERA,MAS, A TEMPERATURA ESTÁ DE INVERNO, ENTÃO NAÕ DÁ PARA GUARDAR AS ROUPAS, ESTÁ TUDO MISTURADO, NÃO TEM COMO.
    SEI QUE TEU TEXTO TEM UMA CONOTAÇÃO MUITO MAIS PROFUNDA QUE A SIMPLES TROCA DE TEMPERATURA,MAS, ACHO QUE AQUI ESTAMOS PARA PASSAR POR TODAS AS INTEMPÉRIES,FAZENDO COM ISSO UM GRANDE EXERCÍCIO, PARA QUANDO NÃO PRECISARMOS MAIS DESSAS COISAS TERRENAS COMO ROUPAS ETC.
    A GRAVURA DO INÍCIO ESTÁ MUITO LINDA.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderEliminar
  68. Presumo que há muito mais nas entrelinhas de seu texto. Nem a vida segue mais o calendário das estações, totalmente descontrolado. Já não se pode trocar as roupas das gavetas porque o novo dia será sempre um ponto de interrogação. Bjs.

    ResponderEliminar
  69. Tudo o que escreves é deslumbrante, até a nostalgia! é sempre um prazer vir aqui ler as tuas palavras.
    Bjs

    ResponderEliminar
  70. EM POST ESSE,"GAVETÕES DO TEMPO" EXALAS O QUE NOS REVESTE,COBRE E AGASALHA,O TEMPO E O VENTO CONCOMITNTEMENTE,TU ÉS ESCRIBA,FRATERNA E INESQUECÍVEL, AMIGA NUESTRA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    SMACKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderEliminar
  71. O meu maior desejo é que sigas bem.
    Referente ao comentario que fizeste agrego este apontamento.
    E que me dizes de Ramon y Cajal que está no inicio do post? E do Sr. Roselló? Pessoas que dedicaram todo uma vida à investigação. 
Estou bem, o temporal atiçou lindo e feio e deixou o meu terraço cheio de pedaços de plantas e muitas folhas, e terra. Rebentou com o toldo, mas isso encarrega-se o seguro. O resto bem. Foram duas horas intensas...
Agradeço os teus cuidados, querida amiga.
    Um abraço bem grande

    ResponderEliminar
  72. Beautiful!
    Thanks for sharing.
    Wish you wonderful days.
    Mette

    ResponderEliminar
  73. Impossível ler-te e não elogiar-te. Você é maravilhosa!!!!!!!!
    Um beijo grande

    ResponderEliminar
  74. Querida Graça... esses gavetões , como vc os classifica,existem em mim de maneira abstrata. Eu os carrego com uma ideia de transitoriedade que me incomoda.Sinto-me um marinheiro que andou tanto pelos mares da vida que e, por isso, perdeu-se de sua pátria e não consegue voltar.
    É surpreendente , de repente, ver com tanta clareza o que sentimos exposto por alguém que conhecemos apenas virtualmente.
    A alma não tem fronteiras.

    beijo.

    ResponderEliminar
  75. Querida Amiga Graça,
    Esta ausência que tive ficou a dever-se às minhas férias em local desprovido de Net. Regressado encontrei este seu post que dele discordo um pouco... Desde que regressaram para Portugal por motivo dessa miserável descolonização se tem dito que trouxeram consigo alterações ao clima pois neste momento deixamos de ter 4 estações para termos só duas! Assim sendo só temos dois "gavetões" para a roupa e não quatro como sugeriu.
    Pessoalmente a diferença da estação quente para a fria é na utilização de um ligeiro abafo que uso nesta última, pois o resto é sempre igual.
    Já quando andei por lá fazia o mesmo e por isso não alterei os meus hábitos.
    Beijinhos muito amigos.

    ResponderEliminar