terça-feira, 8 de julho de 2014

Ana


(Continuação de Sempre o Amor)


Ana olhava a foto do pai com ternura e interrogação. Parecia-lhe que aqueles olhos verdes, que herdara, lhe faziam perguntas. Suspirou.
Seria que o pai, que sempre a tinha compreendido, gostaria do Ricardo? Ainda nada dissera à família. Encerrara-se no seu casulo inquieta com medo das apreciações mas também respeitando a memória do pai, sempre venerado em casa apesar de já terem decorrido seis anos sobre a sua morte. Sofrera muito com a partida do seu papi. Afinal, era a sua menina bonita, a preferida para fúria de Alex que, como caçula, entendia que tudo lhe era devido.
Claro que o pai adorava o filho mas este era mais novo cinco anos que a irmã e havia temas que ainda não podia conversar com ele.
Quando Ana devorava livros atrás de livros, o pai dizia-lhe:
- São uma droga, não é? Não conseguimos livrar-nos deles. - E ria feliz porque o seu gosto literário coincidia com o da filha.
Às vezes andavam à disputa sobre uma obra que ambos queriam ler ao mesmo tempo. Outras vezes cada um escolhia o seu livro, depois trocavam e, finalmente, havia o debate num serão de família em que Marta também entrava; fazia igualmente parte do grupo “dos ratos de biblioteca” como afirmava o Alex que assistia a estes serões um pouco enfastiado sem compreender como é que uma pessoa pode gostar tanto de ler… “Que seca!” Por vezes intervinha como árbitro e as suas opiniões não eram assim tão descabidas… Estaria para nascer outro “rato”?




Ana sorriu pousando a foto sobre a secretária. Sentou-se na cadeira de executiva, como dizia o irmão, e chamou a si todas as recordações.
Lembrava-se de Alex, já meio adormecido naquela peleja intelectual, levantar-se e dizer solenemente: 
- Vamos ao concreto meninos!
Todos riam porque já sabiam o que era o concreto de Alex. Meia hora depois de se ter retirado de cena aparecia na sala de avental posto com um grande tabuleiro onde havia de tudo… Era o fim do teatro ou o princípio… Com gestos teatrais virava-se para a mãe e perguntava:
- Madame o que deseja? Está tudo a seu gosto?”
E passava-lhe pequenas tapas barradas com uma mistela que ele reinventava constantemente mas todos concordavam ser muito boa. De seguida surgia um prato de scones aquecidos no micro ondas. “João Ratão” era perito em encontrar restos comestíveis.
- E a senhorinha, que vai tomar? Devo recordar-lhe o cuidado com a sua linha… Mais um pouco de bolo e adeus cinturinha de vespa…
Ana fingia que se zangava com ele.
- Senhor arquiteto, – Virava-se agora para o pai. – sei das suas preferências e aqui está um uísque bem geladinho e um café quentinho acabado de sair… Nunca entenderei estas oposições…
E inclinando-se fazia uma graciosa vénia. O pai achava-lhe imensa graça e rematava sempre:
- Ainda hás-de ir para o teatro.
A mãe puxava a si aquele filho querido e enchia-o de beijos. Como eram felizes… Havia amor verdadeiro e muita ternura.


Seria assim com Ricardo quando constituíssem família? De novo aquela pontada de angústia a apertar-lhe o coração. Ricardo vinha de uma outra relação, de um casamento falhado… Às vezes era irónico e demasiado amargo para o seu gosto, ela que tinha uma alma alegre e transparente.
Como iria a sua família, tradicional, católica praticante, de rigorosos princípios, aceitar um namoro assim? Iria rebentar uma guerra? E o pior é que não tinha a certeza, bem no fundo da sua alma, se estava no caminho certo. Evidentemente que gostava do Ricardo. Era um homem persuasivo, mais velho do que ela quase dez anos, e que fora seu professor na Faculdade.
Chegou de mansinho à sua vida, no momento em que estava toda partida pela dor e com a vida feita num nó. Aceitara a sua companhia porque sentia falta de uma presença masculina que substituísse a do pai, como se isso fosse possível.
- A Ana tem de reagir a esse desgosto. É uma mulher inteligente e sabe que o seu pai depositava grandes esperanças em si. Não gostaria, por certo, de a ver derrotada. - Dizia-lhe Ricardo quase todos os dias. - Quando não puder ir às aulas faculto-lhe apontamentos para a ajudar.
Sem saber como, dois anos depois, estava de namoro com Ricardo.
As colegas comentavam e chegaram a dizer-lhe que ele não era homem para ela.
- Não sei porquê! É um homem educado, com posição, charmoso… Não sei porque não me agradaria.
- Só isso não basta. – Retorquiam as amigas. - É preciso carácter e isto não aconteceria se o teu pai fosse vivo. – Fora a frase que mais lhe ficara no ouvido dita por Daniel.




Mas havia que lhe dar um desconto, Daniel gostava dela desde o secundário. Era habitual lá em casa, filho de amigos dos pais, que se visitavam amiudadas vezes.
O pai chegou a dizer-lhe:
- Ana, ainda te hei-de ver casada com o Daniel e olha que o rapaz tem toda a minha bênção.
- Ó pai, somos só bons amigos e colegas. Já te esqueceste que fomos criados quase juntos? Vejo no Daniel apenas um irmão.
- Os bons e duradouros casamentos assentam muitas vezes nas boas amizades.
De certeza que Daniel intervira um pouco por despeito. Contudo, Ana continuava a ter apreço por ele e sentia-se bem na sua companhia.
O telefone tocou tirando-a de toda abstração e conjeturas…
- Está, Ana? Sou eu o Daniel!
- Sim, eu sei, ainda conheço a tua voz. Estava a pensar em ti…
- Sim? Bem ou mal? - Perguntou ansioso.
- Sabes que nunca penso mal de ti. Tu és para mim muito querido, como um irmão.
Do outro lado houve um silêncio e um suspiro prolongado…
- É pena, mas isso agora também não interessa. Telefono-te para me despedir, parto hoje para Itália.
- E ias-te embora e não me dizias nada? Que é feito do amigo que sabia tudo sobre mim e eu sobre ele? - Perguntou Ana com alguma tristeza.
- Sabes, crescemos, temos de tomar opções na vida, muitas vezes diferentes daquelas que gostaríamos e os caminhos começam a ser paralelos, senão opostos. Mas é evidente que a nossa amizade será sempre a nossa Amizade, com letra maiúscula.
- Sim e ias-te embora sem quase me dizer nada. Fui apanhada de surpresa… Mas porquê essa decisão?
- Compreende, o convite que tive não o recebi há muito tempo. Tive ainda de amadurecer a ideia, estudar os prós e os contras e ecco, lá vou até Itália. Vou trabalhar num conceituado gabinete de arquitetos, o vencimento e regalias são ótimos…
- E as mulheres bonitas… – Atalhou Ana um pouco enciumada.
- Por enquanto esse capítulo está encerrado. Não sou homem para enganar uma mulher gostando eu de outra.
Ana acusou a direta e mudou de conversa.
- Então não vais lá a casa despedir-te da família?
- Já o fiz pelo telefone. Falei com a tua mãe que ficou espantada com esta decisão e com muita pena de não me ver mais por lá a pedir à Maria que fizesse scones para o lanche… O Alex… bem, esse insultou-me e perguntou-me com quem iria agora jogar ténis. – Riu-se, um pouco nervoso. - Sei que todos vocês gostam de mim, isso não duvido.
- Era o que faltava Daniel. Diz-me a que horas parte o teu avião. Vou ao aeroporto dar-te um abraço.
- Não, não. É melhor assim, acredita. Até para os dois. Só te peço uma coisa: pensa muito a sério no que vais fazer em relação ao Ricardo. Se precisares de mim, seja para o que for, é só ligares para o meu telemóvel e eu ponho-me em Portugal no primeiro avião.
Ana sentiu lágrimas nos olhos e no coração. Com voz sumida, respondeu-lhe:
- Eu sei Daniel, eu sei. Faz boa viagem e que Deus te ajude em tudo porque tu mereces. Um beijo.
E desligou apressadamente para não aumentar aquela onda de angústia que começava a inundá-la.



Não, não conseguiria trabalhar mais nesse dia. Deixou pedidos e informações sobre a sua mesa de trabalho e disse à secretária que se ia embora porque não se estava a sentir bem.
O vento na rua refrescou-a um pouco. Iria de novo ter outra perda na vida? Começava a ser demais…
Chegou a casa agitada.
- A minha mãe? – Perguntou à Maria que a olhou espantada com tanta brusquidão.
- A senhora está no jardim. – Respondeu-lhe o mais calmamente que pode.
Correu como quando era criança até ao refúgio da mãe, à procura de paz e de carinho.
- Oh, mãe, o Daniel vai-se embora! – E chorou no seu ombro.
- Eu sei minha querida… e dói? - Perguntou a mãe observando-lhe o rosto cheio de lágrimas.
Ana abanou a cabeça afirmativamente.
Marta, afagando os cabelos da filha, disse-lhe ao ouvido:
- Então pensa porque dói tanto….


(Continua)

87 comentários:

  1. Boa tarde! Conhecer teu blog foi um presente inesperado...amei demais.
    Deixo aqui um abraço e agradeço por compartilhar tanta sensibilidade.
    veraportella

    ResponderEliminar
  2. Parabéns, Graça! Estou a gostar bastante! :-)
    Beijo do meu Mar

    ResponderEliminar
  3. Estou presa ao teu magnífico texto.

    Será que Ana entendeu as palavras da mãe?

    Espero , ansiosa, pelo próximo capítulo.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Quem alguma vez na vida amou e não foi correspondido compreenderá este sofrimento.
    Por vezes escondemos dentro do peito valores e amres inconfessados...

    ResponderEliminar
  5. Olá querida Graça, já tinha saudades de te ler e estou a adorar. Espero que estejas bem. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  6. Querida Graça,

    Acredito que a Ana vai entender porque está a sofrer com a partida do Daniel.
    A história continua fascinante e agora é esperar que não demores a publicar o próximo capítulo.
    Um grande beijinho da
    canduxa

    ResponderEliminar
  7. Oi Graça,
    Continua instigante o conto e estarei aguardando o desenrolar da história.
    Acho que Ana se importa mais com Daniel do que com Ricardo,
    senão não teria chorado a partida dele.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  8. Que lindo e tão bem contado! Nos prendes até o fim, fazendo a imaginação trabalhar e voar! Vamos aguardando! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  9. Olá Graça

    belíssimo conto
    como já é habitual por aqui

    este espaço
    tem, de momento
    Veneza como imagem de fundo

    AMEI
    sabe, faz hoje 1 mês precisamente
    e eu estava em VENEZA

    Ah...foi bom vir aqui
    ficar a apreciar e sonhar

    Venho agradecer a sua visita
    já foi há algum tempo
    eu é que não tenho vindo devolver
    o carinho das amigas
    perdoe-me!

    Na madrugada do sentir...
    aqui estou
    e deixo um beijo

    ResponderEliminar
  10. Olá Graça
    Continuo encantada a ler esta história de Amor, bem merecia ser publicada em livro..:-))) já pensou nisso???
    Ás vezes, só quando "perdemos" alguém, é que percebemos o quanto gostamos dela...
    Se a ausência do Daniel doeu tanto à Ana... tem ele um significado muito mais importante do que uma simples amizade de criança!
    O Coração da Ana lhe ditará qual o lugar que ele irá ter na sua vida.
    Continuarei à espera do próximo capítulo..:-)))
    Beijinho grande
    Teresa

    ResponderEliminar
  11. Hola querida amiga, Graça.
    Aunque estoy alejada de mi blog por causa de revisión medica, no olvido a los amigos/as, los hecho mucho de menos, tengo ganas de volver a publicar en "Una estrella una inspiración" y visitar y leer todo los blogs amigos. Muchas gracias amiga, te dejo un fuerte abrazo.
    Lola Barea.

    ResponderEliminar
  12. Começo a pensar que esta história devia estar em livro, é muito bela.
    Monhé

    ResponderEliminar
  13. Nem sempre é fácil contar uma história que nos prenda a atenção em cada palavra. Mas foi o que me aconteceu... Vou gostar de saber o que acontece a seguir.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  14. Minha querida Gracita

    Como sempre as tuas estórias prendem desde o princípio ao fim...quase que estamos dentro dela. adorei como sempre.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  15. Olá Graça!
    A história continua fascinante e a prender o leitor. E o facto de Ana ter sentido tanto a partida do Daniel faz pensar na forma como farás desenvolver o enredo a partir daqui...
    Fico à espera dos próximos capítulos.
    xx
    Voltarei em breve às lides blogosféricas, embora como me aconselhaste, a postar não tão assiduamente.

    ResponderEliminar
  16. Amar e não ser amada não deve ser fácil, um sofrimento que não imagino, seria bom que a Ana percebesses as palavras da mãe.

    Excelente, adorei Graça.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  17. Obrigado pela visita....são flores do meu pequeno quintal.

    Esta história está em livro.....ou vai mais tarde...??
    Abraço

    ResponderEliminar
  18. Talvez apareça em livro...já que, por aqui, está a ter uma excelente recepção.. Veremos.
    Um abraço e continua a cuidar das tuas belas flores.
    Graça

    ResponderEliminar
  19. Também tive uma época em que fazíamos isso. Sempre existem pontos da obra literaria que nos marcam mais, mas que nem sempre é coincidente com os demais, por isso o interessante que resulta manter eses comentarios.
    O amor que nasce na adolescência tem esses riscos, a personalidade não está formada e podem surgir aspectos que derrumbes os alicerces fundamentais dum bom entendimento.
    Gosto, e aguardo que me sigas intrigando com a tua narrativa.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  20. Bom dia, minha amiga.
    Vim retribuir sua amável visita ao `Prosa e desejar-lhe, também, um ótimo fim de semana, mas quedei-me aqui a viajar por suas histórias. Fico esperando pela continuação.
    Beijos e obrigada.

    ResponderEliminar

  21. Olá, Graça Pereira, bom dia.

    Meus desejos de um maravilhoso, bom fim de semana. Mas, quero falar de futebol, já que estamos, no período de reta final, da Copa do Mundo. Vamos falar sim. Mas, lá no meu blogue. " Tô te esperando "
    Abraços

    ResponderEliminar
  22. Futebol? Não percebo muito mas...tudo bem!
    Abraço

    ResponderEliminar
  23. a Ana vai sentir muitas saudades do Daniel e a mãe sabe porquê

    nós também saberemos


    beijinhos, Graça

    ResponderEliminar
  24. !Hola,Graça!

    Las ausencias duelen mucho cuando son de amor.Que bien cuentas la historia,Hasta el próximo capitulo.Muchos besitos.

    ResponderEliminar
  25. Passo para desejar um bom domingo.
    Este tempo lindo de sol e com temperaturas moderadas são um bem que Deus nos oferece gratuitamente como o amor que que nos enche encanta os corações.

    ResponderEliminar
  26. "Então pensa porque dói tanto"...
    E ela pensou e sabe que dói profundamente!...

    E eu fujo da partida,
    mas tenho sempre de partir
    e deixar o tempo passar e ter acima de tudo,

    Esperança!

    Beijos e saudades,

    Maria Luísa

    ResponderEliminar
  27. Oiii, amiga! Gosto de ler esses entrelaces e dificuldades dessas relações familiares que você nos descreve com maestria. Pai e filha, irmãos, mãe preocupada e detalhes mil. E lógico, as imagens preciosas que você e só você, sabe selecionar para o nosso deleite literário. Gracinha, obrigada pela ternura da sua presença amiga entre nós. Beijos, grande amiga!!!

    ResponderEliminar
  28. Graça, vim agradecer o carinho e linda poesia. Tão linda que não pode estar nos comentários escondida. Assim, dia 17, ela estará num outro blog: sementinhas! Desde já agradeço!! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  29. E ela vai descobrir o motivo de tanta dor. Bem...ver partir um grande amigo também dói muito, mas, não sei porquê, gostaria que ela ficasse com o Daniel. Gosto de ler sobre relações familiares, Graça. Sou " muito família " e este tema interessa-me sempre muito, pois gosto de constatar que em todas as famílias há aquelas divergências, aqueles amuos, aquelas zangas, aquelas gargalhadas, enfim, todas as emoções que tem de existir na convivência de pessoas que se amam muito, mas, por serem individuos pensam e agem de maneira diferente, o que causa naturalmente conflitos. Considero-os no entanto normais e acho que numa família saudável mão pode haver uniformidade de opiniões e comportamentos. Há que saber entender isso e respeitar cada um como ser único que é. Beijinhos, querida Graça e cá estarei para continuar a acompanhar esta bela narrativa. Se demorar, não repares, pois vou ter os meus netos comigo na próxima semana e, claro o tempo será todo para esses fofinhos Fica bem!
    Emília.

    ResponderEliminar
  30. Que maravilha, Graça! tens de por tudo isto num livro.
    Beijo
    Margarida

    ResponderEliminar
  31. Talvez o faça Margarida...não sei ainda! Tenho um numa Editora para ser lançado e nunca mais...Estou a ficar desanimada.
    Obrigada pelo teu carinho.
    Graça

    ResponderEliminar
  32. É minha amiga, o amor é lindo! Melhor ainda quando se tem ciência dele. Lindo Graça!

    Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  33. Graça boa tarde, é um conto maravilhoso sempre que tem amor junto tem emoção, Graça beijos.
    Blog /Fan Page / Twitter /

    ResponderEliminar
  34. Olá, Graça Amiga!
    Uma história de amor, um encontro de vidas. Só damos conta de ter um grande amor por alguém quando sentimos a ausência desse amor.
    Um beijo,
    Jorge

    ResponderEliminar
  35. Muito boa, esta continuação.
    Marta, para além de ser mãe e entender o coração da filha, tem o saber que lhe conferem os anos vividos...
    Aguardemos o desenrolar dos acontecimentos.
    Olha, amiga, tenho um recado para ti.
    O meu querido e GRANDE amigo Miguel, que contacta comigo diariamente por telefone, pediu-me para lhe "resumir" a continuação do teu conto (este) que ele vinha acompanhando.
    Vou fazer melhor. Copio e mando por email, e quando ele tiver tempo lê.
    Mandou-te um beijo. Anda em viagem e raramente vai ao blog.
    Pronto, está o recado dado.
    Beijos e continuação de boa semana.

    ResponderEliminar
  36. Obrigada Mariazita pelo teu cuidado .És um doce. Um beijo ao Miguel e outro para ti
    Graça

    ResponderEliminar
  37. Esta história está cada vez mais interessante............me avise quando postar a outra parte...


    Bjos

    ResponderEliminar
  38. Olá Graça, e lá seguimos aguardando o desenlace.
    Adorei teu comentário tão sentido e honesto no poema "As flores mais belas são para ti". É isso, aquecemos nosso próprio coração a cada ramo depositado.
    Um bjo amigo

    ResponderEliminar
  39. Graça, como está interessante esse romance! Tomara que ela reflita bem sobre os seus sentimentos. Torço pelo Daniel! bjs,

    ResponderEliminar
  40. Pensei muito e Compreendi não importa quantos anos eu tenho.
    Eu renasço todas as manhãs então no decorrer da vida podemos
    recomeçar sempre. Sem perceber o quanto a vida nos
    ensina só fiquei triste por perceber Como somos maus alunos
    pois deixamos passar por nós o conhecimento
    sem que o internalizemos.
    Sem dar o devido valor no amor que Deus tem por cada um de nós.
    Com essa mensagem de carinho..
    Desejo um abençoado final de semana.
    Que sua vida brilhe tal com uma constelação
    de estrelas .
    Um abraço e um carinhoso beijo.
    Devotamente sua amiga:Evanir.

    ResponderEliminar
  41. Olá Graça,

    Passo para agradecer o carinho de suas palavras de apoio e solidariedade. Obrigada também pelos versos que deixou em meu recanto.
    Voltarei em outra oportunidade para ler o capítulo atual do seu belo conto de amor, com a atenção que seus escritos merecem.
    Muito grata.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  42. Olá Graça,
    Passo para agradecer o carinho de seu apoio e solidariedade. Obrigada, também, pelos versos que deixou em meu recanto.
    Em outra oportunidade, voltarei para ler a continuação de seu belo conto.
    Muito grata.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  43. Graça,
    interessante a relação entre os personagens. O amor... e sua ausência.
    Consegui, como mãe, me enxergar bastante no personagem de Marta.
    Aguardo pela continuação. A ver como seguirás a trama.
    Grande abraço e ótimos dias!

    ResponderEliminar
  44. Querida Graça, voltei para ler a continuação. Espero que esteja tudo bem contigo. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  45. Boa tarde Graça
    Muito interessante o romance! Por um instante revivi a minha história, pois eu tive que decidir dentro da pressão ficar com minha família ou seguir para outro país com meu Amor, e aqui estou eu vivendo a vida que escolhi, o amor que Deus me doou!
    Voltarei !
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  46. Releio com mais calma teu maravilhoso conto e aprendo contigo essa arte tão difícil de saber contar histórias, querida Graça. Vou ficar aguardando a próxima parte pra ver como se resolveu essa família. Obrigada pelo seu incentivo e um repousante fim de semana, amiga querida! Beijos!

    ResponderEliminar
  47. Muito bom Graça. Aguardamos a continuação de ótimas palavras que enriquecem mais a cada momento este romance!
    Bfs

    ResponderEliminar
  48. Que dom maravilhoso, seria bom escrever um livro! Abraços com carinho

    ResponderEliminar
  49. Oi, Graça
    Adoro romances, por isso curti muito a história.
    A primeira imagem é a cara da minha filha que ama livros.
    Bjs

    ResponderEliminar
  50. Olá, Graça!

    Recuperado o atrasado em falta, vejo que te lançaste num grande empreendimento:numa história que já vai longa, contada com à vontade e mestria, e sem nunca perder o fio à meada - coisa que não será de todo fácil...
    Imagino que seja um conto ficcionado inspirado em algo bem mais real,mas seja ele o que for tem todos os ingredientes para prender quem o lê.

    E cá fico à espera do resto!

    Beijinhos e bom restinho de Domingo.
    Vitor

    ResponderEliminar
  51. Olá Vitor

    Esta é um história verdadeira com várias outras histórias cruzadas e que sa passaram ao meu redor...a ligação entre elas...é a minha imaginação!!
    beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  52. Amigos (as)guardo no fundo do coração.
    Num cantinho bem especial.Nesse dia do amigo.
    Sinta - se abraçado (da)por mim.
    Eu ainda não consegui decifrar..
    Porque pessoas que amamos vão embora
    sem ser possível dete-las.
    E também não conseguimos
    do nosso coração.
    Meu abraço nesse dia e por todos os outros dias
    da minha vida.
    Fique com Deus.
    A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar
    duram uma eternidade.
    Amigos Para Sempre.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  53. Graça minha querida
    Amigo é joia rara de grande valor
    Amigo é estrela que traz luminosidade e brilho
    Amigo é sol que aquece e fortalece o sentimento
    Amigo é dádiva enviada por Deus
    Para compor a orquestra da nossa vida

    Jamais conseguirei traduzir em palavras o quanto a sua amizade é importante para mim. Você chegou de mansinho e se apossou do meu coração e lá fez morada

    Hoje venho trazer meu abraço e desejar-lhe um "Feliz Dia do AMIGO"

    ResponderEliminar
  54. A verdade com imaginação. Recordo-me do José Hermano Saraiva, contava as verdades com pedaços de imaginação.
    Com emoções!
    Bj

    ResponderEliminar
  55. Belo conto, Graça! Deixou-me ansioso pela continuação! Boa semana.

    ResponderEliminar
  56. OI GRAÇA!
    LI ESTA PARTE DE TEU CONTO E TENTEI VER O QUANTO JÁ PERDI DESDE O INÍCIO DO MESMO, MAS ME PERDI, ENTÃO, SIGO DAQUI.
    GRATA POR TUA IDA AO "SÓ PRA DIZER" GOSTEI MUITO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  57. Nos Contos (como na Poesia) os caminhos da realidade são cruzados por "carreiros" de ligação que se entrelaçam em rede.
    A minha "visão", Amiga, a isso me conduz; é uma forma de manter viva a recordação ou recordações.
    Gosto.



    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  58. O que escreves (este romance) com diálogos bem urdidos, numa história que me está a encantar, eu proponho a publicação deste livro.
    Podes contar comigo. Pensa nisso.
    Beijo
    Ângela

    ResponderEliminar
  59. Querida Graça, nas entrelinhas do teu conto sempre achamos algo em comum, algo parecido, que ora passamos, ora vivemos. É a realidade misturada com ficção para dar o molho... Tens o dom de contar histórias, já li muita coisa ótima por aqui. Algumas me comoveram muito.

    Beijo, meu carinho!

    ResponderEliminar
  60. Minha doce amiga Graça!
    Quero agradecer imensamente tuas visitas carinhosas aos meus blogs enquanto estive afastada. Grata por toda a atenção, querida!
    Amiga, devo confessar que estou um pouco perdida por aqui devido a minha ausência. Perdi tanta coisa maravilhosa, tantas histórias interessantes. Que tristeza!
    Mas deixo meu carinho e um grande beijo para ti!

    ResponderEliminar
  61. Querida Sónia
    Como vais? És uma amiga, quase das primeiras e não te esqueço! Tens recebido os meus vídeos? Estás sempre na minha lista de amigos. Agora tenho um lote grande para enviar aos amigos, alguns bem interessantes. Volta sempre porque as tuas visitas me enchem de alegria, Um beijo carinhoso.
    Graça

    ResponderEliminar
  62. Olá Graça, que belo conto, fui atrás do início.
    Quanta beleza ao escrever e pode-se dizer que é pura realidade. És uma excelente escritora.
    Parabéns! Grande abraço!

    ResponderEliminar
  63. Boa noite,
    o que escreve também com criatividade entra na realidade, gostei.
    Dia feliz
    AG

    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  64. Olá Graça,

    Parece que Ana está apaixonada pelo Daniel e ainda não descobriu a força do seu sentimento.
    Li todos os capítulos e gostei muito. Sem dúvida, você está escrevendo um belo romance que, a final, vai merecer ser editado e publicado. Parabéns!

    Agradeço a você pelas carinhosas e fortalecedoras palavras, que me emocionaram. Muito obrigada!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  65. Com muito carinho nesse final de semana.
    Venho desejar muitas coisas abençoadas
    para você.
    Feliz dia do escritor .
    Para mim
    escritor é todo aquele ,
    que escreve um livro ou simplesmente
    uma poesia até mesmo quando escolhe um poema só
    O fato de escolher um poema ou um texto
    para postagem não deixa de participar da vida do escritor.
    O escritor esta no coração de cada um de nós.
    Eu não me considero importante mais do
    que ninguém por ter escrevido
    um livro.
    Um feliz e abençoado final de semana beijos.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  66. Oi Graça, obrigado pela visita, e você escreve muito bem, gostei, boa noite e ótimo final de semana, abraços, Mauro

    ResponderEliminar
  67. Á quanto tempo minha querida amiga,Saudades de passar por aqui.Beijo.

    ResponderEliminar
  68. E eu também senti saudades tuas porque fazes parte daquele grupo, no início pequeno, que começou a comentar-me... E foram vocês que me deram força para continuar. Bem hajas.Está tudo bem contigo? Beijo.

    ResponderEliminar
  69. Boa semana, Graça; aguardo o próximo post.

    ResponderEliminar
  70. Belíssimo texto!

    Quanto à tua pergunta deixada no blog Mude:

    Sim, Graça, no português do Brasil é muito diferente. Safar-se é livrar-se de algo ruim. Porém, ser "safado" (ter safadeza) é ser malandro, quase desonesto... rs!

    Flores...

    ResponderEliminar
  71. Escreves muito bem querida!

    Beijinhos *-*

    ResponderEliminar
  72. Oi Graça ....confesso que não pude ler, fiz uma cirurgia dos olhos e leio muito pouco, tenho que me resguardar até a próxima cirurgia , confesso que me incomoda muito, há 8 meses que não leio livro nenhum, e já tenho alguns me esperando...kkk
    tentei te ler mas não deu, no computer é pior.
    Poderia fazer qualquer comentário , mas prefiro ser honesta ....sei que deve ser uma linda história, voltarei!
    obrigada pelo carinho!
    bjsss

    ResponderEliminar
  73. Tenho olhos verdes e uma filha que se chama Ana, não sei quem é o Ricardo mas... eu ainda estou vivo.
    :)
    Bela escrita a sua.

    ResponderEliminar
  74. E aqui estou de novo, mas sempre com atraso e nunca esquecimento!

    E teus textos onde contas a vida de alguém, são sempre de amar e o filosofo, o poeta, gosta
    dessa forma de estar neste mundo que já não sei se é assim de tanta aparência e talvez agora o veja de uma forma diferente! O que não conheço do texto não implica que não o observe e deixe de reconhecer teu valor no contar, de vidas que são misturas, talvez, de várias vidas. Beijo,

    Maria Luísa

    ResponderEliminar
  75. Escrita fluida e cativante, ´própria de quem nasceu com o dom de romancear vivências e sentir no sangue a necessidade de transmitir sonhos.
    Gostei muito deste capítulo, que penso estar encadeado nos anteriores.
    Não sei se já editou algum livro, mas se o não fez, deve pensar seriamente em fazê-lo, Graça.

    Um beijinho e saio daqui super encantada.

    Janita

    ResponderEliminar
  76. Agradezco tu visita Graca, Escribes bello, lástima que la traducción no revela en su intensidad tu expresión, pero algo alcancé a comprender.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  77. Como sempre fico encantada a leitura das suas histórias. Eu também vou sofrer
    pela partida de 3 crianças - dentro de dias - que estiveram comigo 7 semanas,
    e já dói... Também será um avião que as leva.
    Desejo muito que esteja bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  78. Grande narrativa.
    Me deu até saudade do meu pai,
    da minha mãe, da família toda.
    abraço e obrigada por proporcionar tantas recordações.

    ResponderEliminar
  79. Muito bom...Aguardamos pela continuação.....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  80. Um grande abraço e mais e mais alegrias por aqui...
    Com carinho...

    ResponderEliminar
  81. Olá Graça, e que tudo esteja bem contigo, sempre!

    Passando para ler um pouco destes teus belos escritos, e também para agradecer por tuas sempre tão deveras gentis visitas e comentários deixados por lá, obrigado mesmo!

    Sei que tenho estado um tanto ausente, mas espero logo poder estar por cá mais vezes, assim agradecido me vou e deixo meu desejo para que seja sempre tão intenso e deveras feliz o teu viver, um grande abraço e, até mais!

    ResponderEliminar
  82. Embora não tenha seguido mais de perto o fio da história, não obsta a que não fique entusiasmada com a movimentação das personagens e a riqueza descritiva que nos coloca a par das emoções que se vão desenrolando em cada vivência.
    Uma belíssima narração que nos prende.
    Para continuar e publicar!
    beijinhos Graça

    ResponderEliminar
  83. Oi querida, muito obrigada por seguir o meu blog, já estou seguindo de volta, beijos e fique com Deus!

    ResponderEliminar
  84. Que riqueza de narração e de ação.

    Muito bom, mesmo.

    Beijinhos, querida Graça-

    ResponderEliminar
  85. Graça
    se é o sonho ainda por concretizar: conhecer Mikonos, toca a fazer um pé-de-meia para o realizar
    será assim que puseres na tua cabeça que o vais realizar, acredita!
    É bom saber que gostaste das fotos e das explicações.

    Esse sim era um sonho meu, ser guia turística, não consegui ser, faço agora através dos meus blogues...

    Passo aqui para agradecer a visita e as palavras deixadas
    aproveito para ler um pouco destes teus belos escritos.

    Sei que tenho estado um tanto ausente
    devagar vou vindo aos poucos...

    O primeiro passo para modificar a qualidade da relação com o mundo é dar tempo a si mesmo.

    Tornar mais lento os ritmos, estancar a sucessão trepidante de acontecimentos.

    É na tranquilidade que fruímos a densidade do presente e podemos elaborar as emoções profundas, aquelas que penetram fundo na alma e a convidam a crescer.

    É assim que vou vivendo os meus dias!!!

    ResponderEliminar
  86. Sempre um encanto poder passar por aqui e deleitar os olhos pela leitura e fazer chegar ao nosso sentir!
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar