sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Guarda-chuva


Detesto os dias contínuos de chuva… aborrecidos e desconfortáveis. Ainda por cima tenho que “tomar conta” daquele objecto irritante, ridículo, indispensável… que fica sempre esquecido no café, no cabeleireiro ou numa loja qualquer… O guarda-chuva, que parece atrair o bom tempo, quando o levamos para a rua porque o tempo prometia água… O das cenas cómicas em dia de ventania, virado ao contrário, feito num molho de ferros e trapo…
O guarda-chuva é um venerável traste arqueológico, uma instituição que vem da lonjura dos tempos para nos infernizar a vida!
Nas velhas civilizações orientais – na China, na Assíria, no Egipto dos Faraós – já lá andava a grande umbela que tapava mais do sol do que da chuva e era um sinal de respeito sagrado, a proteger os reis em cortejos solenes… Do guarda-sol dos países quentes nasceu, por semelhança, o guarda-chuva do Ocidente… Diz-se que fomos nós, Portugueses, que trouxemos da Índia e da África o guarda-sol que depressa se transformou em guarda-chuva.
Por volta de 1600 a Inglaterra fez dele uma espécie de emblema nacional. Em meados do século XVII era um objecto quase de artilharia pesada… Tinha um cabo de um metro, dez varetas rígidas, de barba de baleia, medindo cada uma 80 centímetros… Pesava cerca de três quilos…Claro que havia os lacaios!!
Como era caríssimo, passava de pais para filhos, numa herança preciosa…
Nesse tempo tinha pelo menos uma vantagem: as pessoas não se esqueciam dele por toda a parte. O guarda-chuva transpôs também os séculos triunfalmente. Em França, no século XVIII, aparecia a elegante sombrinha, forma feminina e melindrosa do guarda-chuva pesadão, e com êxito estrondoso.
Com o andar do tempo e a evolução das sociedades o guarda-chuva conquistou um público cada vez maior. Esse traste burguês é definitivamente consagrado no século XIX, adaptando-se às circunstâncias, tornou-se mais cómodo e portátil. As barbas de baleia foram substituídas por hastes finas de aço flexível, criou-se a forma côncava, de goteira… A Inglaterra, senhora de um vastíssimo império colonial, importa do mesmo, a preços “da chuva”, material variado para criar uma indústria prometedora das umbelas: bambus, canas da Índia, marfins, sedas naturais, alpacas. É então uma grande potência produtora dos chapéus-de-chuva e cria na sua população o gosto arreigado pelo guarda-chuva. Não podemos conceber a figura típica do inglês da política, das finanças ou dos negócios - grave, discreto e fleumático – sem o guarda-chuva inseparável que é um sinal exterior da sua dignidade, do seu carácter.
No princípio do século XX é o delírio do mundo feminino, a paixão das sombrinhas, de todos os tamanhos e feitios, com rendas, laços, folhos, lantejoulas, plumas, etc. Tornou-se objecto de vaidade e conquistas amorosas.
Com o tempo, a sombrinha de luxo deixou de fazer sentido. O guarda-chuva passa a ser um objecto indispensável e adaptável às necessidades do tempo moderno: prático, envolto em nylon ou então, melhor ainda, articulado, com mola para abrir e fechar, pequeno que cabe na carteira de uma senhora, atravessa corajosamente o século XX e cá está ele nos novos tempos, traste venerável, humilde na sua forma actual, sem poesia mas, o companheiro indispensável das correrias que nos atrapalha a vida mas nos protege de uma valente constipação e que eu vou deixando espalhado por tudo quanto é sítio…
Alguém disse que o guarda-chuva é o barómetro da memória… pois a minha deve andar gasta a avaliar pela quantidade de umbelas (gosto desta palavra) que tenho ali em fila no bengaleiro prontas a desaparecerem, nestes dias contínuos de chuva, em qualquer café por aí…

71 comentários:

  1. Olá Graça, tem toda a razão, pois esses trastes são uns chatos. Mas como é um mal necessário... paciência. Gostei muito do texto e escrito por si é sempre um prazer. Obrigada pela visita e faço votos para que tenha um bom fim de semana. Beijos

    ResponderEliminar
  2. Graça

    Cheguei ...
    A escola terminou por hoje e já estou a sentir o fim de semana...

    Com mais tempo mas com muito frio (Os guarda-chuvas partem-se todos...)deixo para ti...um beijo e o que gosto de fazer...


    Poesia...


    SEGREDOS

    Segredos meus…
    Segredos teus…
    Segredos nossos…
    Mas sempre segredos…

    Segredos calados…
    Segredos sofridos…
    Segredos escondidos…
    Porque são só nossos…

    E nestes segredos…
    Que doem, por serem segredos…
    Não vamos contar…
    E vamos calar!...


    Lili Laranjo

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Maravilhosa e Linda Amiga:
    Um texto sem palavras...Divinal. Feito com a sua caneta de ouro puro.
    VOCÊ, não é de cá, pois, não...?
    Veio numa nave especial que pousa no quintal das pessoas.
    Perfeita. Admirável.
    Escreve com talento e plena de brilhantismo.
    Adorei.
    Beijinhos amigos.
    MUITO OBRIGADO pela sua ternura deixada no meu blogue que me encantou.
    É perfeita, sabia?
    Com imenso respeito pelo seu valor de pérola preciosa extraordinária.
    Sempre a admirá-la mais, cada dia que passa.

    pena


    Linda...!
    É extraordinário, como as palavras lhe saiem do seu esbelto coração GIGANTE!
    Parabéns.

    ResponderEliminar
  5. Graça amada
    vim agradecer sua visita e por seguir meu blog

    brasa do tempo
    acende quando passas
    no pensamento
    Boas energias,
    Mari

    ResponderEliminar
  6. Amiga Graça. Realmente é uma chatiçe andar de guarda-chuva,eu esqueço dele em todos os lados,então da chuva uma desgraça,não se pode fazer nada!Este acessório muito mudou durante anos,penso que para pior qualidade,no século XlX era o delírio das damas da corte.
    Beijinho bfs Lisa

    ResponderEliminar
  7. Eu, Graça, simplesmente não tenho!
    Pois prefiro andar na chuva por baixo das marquises, correr e até mesmo me molhar do que andar com aquele trambolho, dando guarda- chuvadas nos outros...sou louca? Um pouco...mas não tenho paciência para guarda chuvas...que aliás, não guarda nada, muito menos a chuva...
    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Graça e sua inquietude com o inevitável, um guarda-chuva, aqui também chamamos sombrinhas, hahahaha, carregar é um saco, e sempre molhamos os pés, pior quando ele vira com o vento?
    Ai, ai rir faz muito bem. Eu você compraria um rosa pink só para contrariar o cinza do céu.

    Beijos

    Renata sem guarda-chuvas ou sombrinhas.

    ResponderEliminar
  9. Muito util e interessante este seu texto. Muitos de nos nao saberiamos seguramente a origem do Traste. Sendo assim, de agora em diante, quando lhe der a nortada e me deixar so com a cacheira na mao e a careca enxarcada, na vez de o mandar para baixo de Braga, mando-o de regresso as Indias :-)

    Beijos Gracinha e bom fim de semana, para si e para quem nos ler.

    ResponderEliminar
  10. guarda chuva é bom , porque faz também de bengala :)

    eu perco todos

    gostei do texto
    bj
    teresa

    ResponderEliminar
  11. Graça, também tenho o hábito de me esquecer deles por aí....no café, na mercearia, em casa quando começa a chover, ou no carro quando o deixei estacionado longe de casa, rrssss. Um mal necessário, como dizes, mas detesto andar com ele! E quando está molhado e não sabemos bem o que fazer com ele? Uma verdadeira seca! :) Um beijo

    ResponderEliminar
  12. Oi Graça,tudo bem? Estás melhor??
    Nem fale... perco todas as minhas "sombrinhas", como dizia a minha querida e saudosa avó. Para ser sincera, prefiro pegar uma chuvinha (adoro chuva) do que portá-las comigo.[rs] Pra que? Vou esquecê-las em algum lugar...
    Adorei sua crônica!!!Parabéns!!!
    Um beijo...e agora sem virose.[rs]

    ResponderEliminar
  13. Olá amiga.
    Passei para te desejar um óptimo fim de semana.
    Belo texto e como é normal, muito bem escrito.
    Eu detesto chapeu de chuva, é mesmo um mal necessário.
    Jinhos grandes

    ResponderEliminar
  14. eu sempre esqueço o guarda-chuva em algum lugar!
    mas sei que para aqueles dias chuvosos é uma peça fundamental!
    Gosto muito do seu blog!

    obrigada pela partilha,

    beijinhos

    Gisele

    ResponderEliminar
  15. Bom dia Graça
    Que lindas recordações que nos trouxe. Não à dúvida que um guarda-chuva tem também as suas fraquezas. Quando lhe passa um vento forte vira-o do avesso.
    Quando chove é um grande amigo, mas depois esquece-se em qualquer canto, basta vir uma nesga de Sol.

    ResponderEliminar
  16. Uma menina ousada casou-se com um astro do "rock". E viveu com ele poucos e longos dias. Hoje, separados, disse que seu ex-marido jamais denunciou a idade, exceto quando pegava do seu guarda-chuva e aboletado com ele no antebraço, passeava por Saint James Park. Fosse qual fosse o tempo, sol ou chuva.
    Jamais sentiu o prazer de ver o seu corpo abundante de água se encontrar com aqueloutra, partilhada, cheia de área, que caia das nuvens.
    Obrigado pelo dividir, recebe meus votos de um feliz novo ano, sempre e sempre. Beijo.

    ResponderEliminar
  17. Cara Graça: Tenho um recorte no dias que penso que lhe interessará.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  18. A utilidade de tais objetos é bem questionável.
    Eu pessoalmente nunca usei, mas soube que tem até quem os colecione.

    P A Z !
    Tácito

    ResponderEliminar
  19. olá,bom dia!
    concordo plenamente quanto a essa peça que faz parte do traje de inverno,embora eu adore chuva e, a minha auto-estima fica mais elevada do que nos dias de calor, o guarda chuva esta semana foi o acessório que eu vi mais espalhado pelas ruas...beijos

    ResponderEliminar
  20. Bem escrito, com humor e no tempo adequado.
    Também gosto do termo umbela que, além do mais, é um tipo de inflorescência.
    Tal como muita gente dou um dependente do guarda-chuva que no inverno uso quase como uma prótese!
    Beijinhos e parabéns pelo sentido da oportunidade.
    Beijocas . Munhamade.

    ResponderEliminar
  21. Olá
    Como sempre uma prosa maravilhosa que poucos se lembrariam!
    Mas pergunto a mim mesmo porque não gostando nada de chuva o objecto guarda-chuva é do meu agrado!
    Beijos Zé Al

    ResponderEliminar
  22. Olá Graça, temos aqui um texto engraçado. Tambem gosto da palavra umbela, apesar de quase nunca a utilizar, pois acho que ficariam a olhar para mim, aliás as minhas filhas ficariam a pensar que a mãe estava a falar português arcaico. Também tenho saudades o ósculo, o beijo está tão vulgarizado, as pessoas deixaram de se sentir osculadas para serem beijadas, enfim são os tempos modernos. Quanto as umbelas evito andar com elas pois ficam sempre esquecidas no primeiro poiso.
    Beijinhos

    Carmo

    ResponderEliminar
  23. .

    . belíssimo post, Graça . parabéns .

    . li.o entre.sorrisos .

    . e ... ainda de umbrella fico por aqui à janela . à espera do Sol .

    . um beijo meu,,, .

    . um bom fim de semana .

    . sempre,,, .



    . paulo .

    .

    ResponderEliminar
  24. Olá Graça,
    Eu também sou um desastrado prefiro levar com umas pingas de água na cabeça que levar uma sombrinha,pois fica sempre lá por fora.
    Graça só quero dizer mais isto,mesmo que eu não tivesse mais comentário nenhum,só para receber os teus comentários já valia a pena estar na blogosfera, obrigada por tudo o que dizes por lá

    Desculpa estar a comentar como anónimo, mas tenho o meu computador avariado.
    um beijinho, e o resto de um bom fim de semana

    José, Reflexões e outras divagações.

    ResponderEliminar
  25. Graça,

    Não é fácil livramo-nos da umbela, acessório bem aborrecido que se perde num esfregar de olhos, pelo menos nestes tempos mais próximos.
    Também não gosto dela e olho ali o bengaleiro, onde já faltam dois...um, porque o vento o quebrou e o outro já o perdi.
    Um texto muito interessante neste tempo chuvoso.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  26. Gracita!!

    Pois eu adoro chapéus!

    de chuva
    de sol
    de seda
    de caçador
    de caçado

    Quando chove deixo-os todos em casa e ponho um daqueles que se enterram na cabeça, muito British, impermeável por fora, escocês por dentro.

    E como é fim de semana e amanhã podes dormir mais um pouco

    ofereço-te esta história de um chapéu de chuva misterioso:

    http://a-musica-das-palavras.blogspot.com/2009/06/sem-paginas-de-uma-arte_27.html

    Adorei esta tua cena bem enchapelada!!!

    Obrigada pelo humor!

    um beijo

    Manuela

    ResponderEliminar
  27. Simplesmente genial.Hoje por aqui ainda não parou de chover.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  28. Nas últimas semanas o guarda chuva fez parte dos meus acessórios não houve hipótese de o esquecer pois sem ele ficaria "como um pinto".
    Bjs

    ResponderEliminar
  29. Interessante este teu texto. O guarda-chuva, se por acaso tiver alguma coisa a ver com a memória, então estou desgraçada, pois o meu fica esquecido em qualquer lado; se saio de um loja ou café e já não chove, é certo que o bendito já não chega a casa comigo.. Não me admira nada que este objecto faça parte da indumentária do Inglês...o coitado não se atreveria a sair de casa sem o guada-chuva, pois lá é sempre muita.Eu, se ela não for pesada prefiro sair sem o guarda-chuva, a não ser que vá caminhar bastante; se for perto, prefiro molhar-me um pouquinho e deixá-lo em casa. Um beijinho e um bom Domingo, de preferência sem chuva.
    Emília

    ResponderEliminar
  30. Graça: Hoje tive uma aula de guarda-chuvas e sombrinhas!
    Aqui, no Brasil se chama assim. Porém já comprei todos os tipos possíveis, não para não perder, mas para poder me mexer ao entrar nas lojas e conduções. Nunca sei onde vou colocar essa tralha. Comprei um bem pequenino, no primeiro vento virou um cachepô. Depois comprei outro com uma tira para levá-lo nas costas, fui subir no táxi e o maldito trancou e arranhou a porta do carro. Tive vários, mas atualmente estou preferindo sair na chuva... Sem problemas.

    Ótimo teu texto, aprendi me divertindo.
    Meu carinho
    Tais luso

    ResponderEliminar
  31. Canduxa
    Fui ao teu cantinho para te conhecer um pouco. Como não há espaço para comentários deixo ficar aqui o meu na esperança que o leias...Pareceu-me entrar num espaço de paz, de harmonia com os poderes celestiais. Acredito nos anjos e nem poderia ser de outra forma... Deus Criador nunca nos deixaria sòzinhos. Rezo desde criança a oração ao meu anjo da Guarda. Eles fora sempre "utilizados" para grandes coisas,mensagens extraordinárias..
    Curiosamente e coincidência ou não, li num livro sobre anjos que o meu anjo era Haziel... Copiei esta oração porque estou precisando de uma ajuda muito grande do meu anjo!
    Que bom ter-te encontrado...penso que nada acontece por acaso..
    Beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  32. Olá Graça
    Excelente texto e "maldito" guarda chuva. Os meus no inverno andam nos carros. Trago sempre mais que um. Mas uma chuvada de água pura também sabe bem. Limpa a alma e torna-nos mais resistentes à vida. E nesta vida temos de a encarar com varetas de aço, para que não nos dobrem. Umbela?. Gostei da designação.
    Bjo grande e boa semana
    Diogo

    ResponderEliminar
  33. Olá Graça
    Desculpe-me pela ausência, estava viajando de férias para descansar um pouco.
    Obrigado pelo carinho
    Beijos

    ResponderEliminar
  34. Querida Graça, como é bom estar de novo contigo e com estes textos lindos que publicas - sabes como gosto do que escreves -, e este então é uma surpresa, fazeres palavras com poesia, desse 'traste' ancestral, para mim é sempre um pesadelo andar com um chapéu de chuva, que tu tão bem aqui retratas.
    Não te agradeço os comentários que inseriste no meu blog, se os fizeste foi porque te dá prazer estares comigo, o prazer, que sabes, é recíproco, conheces o quanto gosto de ti e daquilo que escreves.

    Um beijo meigo e muito doce, orvalhado na neblina da minha actual serra (tenho de estar sempre perto de uma serra!), a Serra da Arrábida.

    Um bom domingo para ti, querida Graça.

    Carlos

    ResponderEliminar
  35. Bom dia Graça!
    Gostei da história do guarda-chuva.
    Prefiro me molhar a ter que segurar o guarda chuva. rs
    "Ôcoisa chata de guardar!"
    Tenhas um ótimo domingo.
    Xeros!

    ResponderEliminar
  36. Graça
    Um excelente apanhado sobre esse companheiro incomodo mas necessário, principalmente em paises como os nossos onde em certas estações do ano parece que o céu vai despencar em água.
    E extamente por ser um objeto a se perder, há os que lucram muito com isso. Por aqui, nós faróis (sinaleiras) quando chove, há sempre um prestativo vendedor de guarda-chuvas "made in Chine" por precinhos bem camaradas... rs
    beijos e bom domingo

    ResponderEliminar
  37. Pois... os guarda chuvas deviam ser de utilização colectiva!!!
    Esqueço-me sempre quando o coloco no lugar próprio!!!

    Um beijo... e bom fim de semana Graça!
    AL

    ResponderEliminar
  38. Graça, tenho o seu anjo o nome que voce lhe quiser dar, que seja feito de força e esperança...

    Tenha uma semana justa e abrangente a todas as suas aspiracoes.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  39. O troar do trovão, esta incessante chuva
    As estrelas choram todas as mágoas na terra
    Onde param os Anjos, porque não nos acodem os Santos
    O mal e o bem porfiam esta eterna guerra

    As casas do sul ruiram todas
    Tal como a esperança desesperada
    Toquei no rosto de uma criança triste
    Senti uma paz surgir do nada


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  40. Graça
    è isso
    a poesia nasce muitas vezes das pequenas coisas que ninguén dá valor. Mas o poeta está atento


    um beijo


    PEDRA FRIA


    Sentada nesta pedra fria

    Os meus pensamentos voam
    Aqui vejo as árvores e o céu...
    As libelinhas e as formiguinhas...

    E tudo me faz companhia...
    Tudo me faz sentir bem...
    Pois com cuidado vêm ter comigo...

    E a libelinha de mansinho...
    Poisa nos meus ombros...
    E sinto que me afaga...
    Como a querer beijar-me...

    As formigas, correm e correm...
    Estão a pensar nelas...
    Vão trabalhando...
    E não olham para mais nada...

    Trabalho e liberdade...
    Estão de mãos dadas...
    E com carinho...
    Olham para mim...

    E eu sentada na pedra fria...
    Deixo-me embalar...
    E deixo-me adormecer


    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  41. Querida amiga Graça,

    Esplêndido texto, onde nos dás uma verdadeira lição histórica sobre as origens da "umbela", que por sinal lembra logo a "umbrella" que realmente fazia parte do traje do British gentleman.

    Eu também não sei quantos guarda-chuvas tenho e o mais grave, quantos já perdi, mas foram muitos, mesmo muitos.

    Obrigada por este bocadinho lindo que passei contigo, é sempre um prazer ler-te.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  42. olá Graça,
    Um historial interessante sobre esse empecilho do guarda-chuva, lá para baixo chamam-lhe chapéu de chuva. Tudo o que dizes já me tem acontecido a mim. Agora também já há quem opte pelo chapéu à inglês, mas quando chove a cântaros, não dá! Enfim minha amiga, no Inverno é só empecilhos, até fico com dores lombares da roupa e de tudo que tenho que carregar!
    Beijinhos,
    Manuela

    ResponderEliminar
  43. GRAÇA: como de um objecto banal apesar de essencial, se pode fazer um grande post! Parabens, amiga!
    BEIJITO DE
    LUSIBERO

    ResponderEliminar
  44. Hum...acredite eu fiquei com saudades dos dias de chuva....sabia.

    Belíssimo texto.


    abraços
    em tua alma.

    ResponderEliminar
  45. Olá Gracinha
    Para ti com carinho e admiração.

    Um soneto me pedes que faça,
    Um capricho que a pena não descreve
    Pequenino, gentil, doirado e breve,
    Onde pairem, cantando, o belo e a Graça.

    (Ivo de Monforte- Cancioneiro de Sesimbra)
    Bjinho
    Boa semana e muita inspiração OK?
    Diogo

    ResponderEliminar
  46. Diogo
    Com esta inspiração, vai correr tudo bem de certeza.
    Obrigada pelo carinho e amizade.
    Beijo e boa semana tb para ti.
    Graça

    ResponderEliminar
  47. Graça;

    Fizeste-me rir com o guarda-chuva.

    Detesto esse objeto que quando o uso (raramente) acaba sempre por me molhar mais que a própria chuva. Eu chamaria-lhe mais "Desprotector de Chuva" que outra coisa, mas tem o seu quê de snobismo e até uma certa graça como no filme "Singin'in the Rain" (Cantando na Chuva) com Genne Kelly e Debbie Reynolds...
    Áh,... o guarda chuva.
    bjs, Graça,
    Osvaldo

    ResponderEliminar
  48. O pior mesmo é o que o guarda-chuva tem por trás (ou melhor, por cima!...): taaanta chuva! O nosso Inverno já foi bem abençoado. Agora podia dar uma trégua!...O sol traz alegria!
    Babette, do blog "A Festa de Babette"

    ResponderEliminar
  49. Babette
    Sê benvinda ao Zambeziana! De facto tens razão : a inoperância do guarda chuva é mesmo ter taaaanta chuva por cima!!!
    Um beijo.
    Graça

    ResponderEliminar
  50. Obrigada Graça por juntar- se a nós em silêncio e em oração por tantas vidas ...

    abraços fraternos,

    Gisele

    ResponderEliminar
  51. Hola Graca, imagino que tantos dìas con lluvia no debe ser muy agradable... por otro lado, Brazil es uno de los paìses màs verdes del planeta.. gracias a la lluvia!!!!
    Muchos cariños,
    Maria Cecilia

    ResponderEliminar
  52. Querida amiga Graça,

    Hoje venho só deixar um beijinho e dizer-te que tens um selo no Rau que gostaria muito que aceitasses.

    Abraço,

    ResponderEliminar

  53. Agradeço o teu carinho em me presenteares com um selinho. Vou postá-lo amanhã com muita amizade e já me ri porque parece que ambas queremos o mesmo para os nossos filhos! Ai, mães!!
    Um beijo amigo
    Graça

    ResponderEliminar
  54. Olá minha querida.
    Espero que o fim de semana tenha sido bom.
    Hoje passei para te desejar uma óptima semana, com grandes inspirações.
    Jinhos grandes

    ResponderEliminar
  55. Graça querida,
    tento, na medida do possível, não sair de casa nos dias de chuva, só para não ter que carregá-los, pois são incomodos e corro grande risco de perder (já foram tantos que ficaram por aí ou, por aquí)
    e, se estiver na rua, e começar a chover na volta para casa, ahhh banho de chuva, que delícia, refaz as energias como um banho de mar....

    fica com DEUS!
    bjkinhas,

    ResponderEliminar
  56. Com a minha Graça é assim: até um simples e desconfortável guarda-chuvas (umbelas, como Graça gosta) ganha charme e motivação para um ótimo post. Quem sabe, sabe!
    Pessoalmente, sou também "inimiga" desses trastes coloridos, mas as chuvas por aqui são tão devastadoras que, ao menos, para alguma coisa eles servem.

    Gracinha, querida!
    Não apague já essa Sagrada Vela, embora a nossa menina já esteja fora de perigo. A hora agora é de agradecer e isso eu falei com meu irmão. Contei sobre você e ele ficou tomado de emoção já que não esperava mais nada...se crês em milagres (eu creio), o quadro clínico da Fátima se revertou num processo mais rápido do que todos esperávamos e, agora, ela que adormecia sob fortes sedativos, já tagarela com todos à sua volta.
    Ai, amiga! Eu é que fiquei caída, mas já começo a recobrar os sentidos, pois a coisa foi mais feia do que todos possamos imaginar. Desde o tal "sistema de saúde brasileiro" até detalhes da vida familiar.

    Mas não me queixo mais! Como já disse acima, a hora é de agradecer e com a ajuda dos Céus, e de Amigos como Você, tudo, tudo está desaguando para o melhor, para a cura.

    Deus a Abençoe e conte com o único Bem que possuo: A AMIZADE. Carinho sem fim!!!

    ResponderEliminar
  57. Correção:
    "Com a minha AMIGA Graça é assim:"
    Desculpe-me, a cabeça não anda boa...

    ResponderEliminar
  58. Olá Graça
    Hoje estou mais alegre o sol voltou e jáposso começar a pensar no que vou pintar.
    Uma coisa não é de certeza é um chapéu de chuva!
    Embora admita que dá um certo estilo quando andamos com ele ,mas fechado e como se fosse uma bengala, estilo de Lorde!
    Obrigado pelas visitas e muitos beijos,posso não comentar mas visito sempre os blogs amigos quando é possível!
    Beijos Zé Al

    ResponderEliminar
  59. Vanuza, minha Querida
    Respondi já, no teu cantinho! Na vida, tudo é mais do que aquilo que os nossos olhos vêem e que o coração
    sente.
    Um beijo carinhoso
    Graça

    ResponderEliminar
  60. "Como saída das canetas..."
    Que rara e deliciosa expressão! Há idioma mais legal que o nosso? Mesmo com oceanos nos separando e essa coisa de mistura de raças que ainda temos por aqui (adoro isso)...

    A canetinha é apertada Graça, mas eu saio!!!Rs.
    Ti adoruuuuuuuuuuu

    ResponderEliminar
  61. Graça

    Ainda há pouco respondi a um comentário lá no blogue, que pessoas como tu e outras gostavam de me ler em textos grandes (por contraposição a pequenos) mas para além da minha indisponibilidade de visitar condignamente os amigos bloggers, nao deixo de vir agradecer o selo que me ofertas, embora nao va posta-lo tao recentemente depois de ter oferecido o meu.

    Não sei se esclareci as dúvidas do meu selo (como responder etc) mas como nao vi postado aqui (nem aparece) nem respondido no meu, fiquei na dúvida se terás percebido, mas presumo que sim.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  62. O troar do trovão, esta incessante chuva
    As estrelas choram todas as mágoas na terra
    Onde param os Anjos, porque não nos acodem os Santos
    O mal e o bem porfiam esta eterna guerra

    As casas do sul ruiram todas
    Tal como a esperança desesperada
    Toquei no rosto de uma criança triste
    Senti uma paz surgir do nada


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  63. Oi Graça!!!
    Existe coisa mais antiga que o guarda-chuva? Desde que foi inventado, é igual.
    Pouca gente gosta de carregar, mas ele é de grande utilidade para qualquer pessoa.
    Mesmo com toda tecnologia, não conseguiram inventar outra coisa que nos protegesse tão bem.
    Beijinhos
    Ângela

    ResponderEliminar
  64. Quando falamos da chuva do inverno esquecemos-nos da água (escassa) no verão.
    Felizmente na minha terra a água abunda por todos os lados e de facto também detesto os dias de chuva continua. Mas, pior que isso, o que detesto é o vento e com ele então é que o guarda-chuva não tem utilidade nenhuma!
    Que venha bom tempo, isso sim.

    ResponderEliminar
  65. concordo com voce, e eu não suporto guarda chuva, acho chato demais carregar algo que mal protege, afinal o vento muda a direção da chuva a todo instante....

    bjsss e chega de chuva

    ResponderEliminar
  66. O que fazer sem eles, num dia de chuva??
    eles são preciosas nestas horas.
    Mas temos que te-los sempre junto de nós. Por isso tenho um bem pequeno que cabe dentro da bolsa. Meu eterno companheiro. Pois por aui chove quase sempre.
    Ultimmente quase todos os dias. Nossa. quase viramos sapos...
    Mas tudo é passageiro...

    Ficou muito bom o texto.

    Fico muito feliz com a sua companhia.
    E por isso lhe dou um lindo selinho.
    Curiosa fica feliz com a sua presença.
    Deixei um carinho para vc.
    Passe lá e confira.
    Sandra

    ResponderEliminar
  67. Concordo em absoluto! Mas estou tão cansada de chuva :/ Já chegava! eheh ♥ Visita o meu blog de acessórios e bijuteria. Espero que gostes e voltes mais vezes. Bjinho e obrigada :) ♥

    ResponderEliminar
  68. Muito útil esta viagem pelo mundo dos guarda-sóis/chuvas.
    Banalizou-se a sua utilização, mas convenhamos que se trata de um objecto quase tão irritante como a chuva quando se lembra de ficar "eternamente".

    Um beijo

    ResponderEliminar
  69. Querida Graça, parabéns pela interessante aula sobre esse objeto tão útil (que até pode portar uma certa elegância) e tão detestado especialmente pelos adolescentes brasileiros. Os 'espertos' preferem ficar ensopados na sala de aula... [rsrs]
    Pelo jeito, a exemplo do Brasil, a chuva aí não está dando um tempo, não é?" Dependendo do volume e do período de permanência, ela entedia mesmo. Mas, faz parte.
    Um beijão!

    ResponderEliminar
  70. Olha quem chegou lindinha ...
    Senti saudades...
    Essas semanas tiveram muito mar, muita caminhada.
    Muito sal e céu, não defino qual dos dois é mais intenso, mas quero continuamente estar entre eles.
    Com perdas e danos...
    Porem com lembranças doces e conhecimentos grandiosos.
    Fiquei sozinha, por opção, quis (re) pensar momentos da vida,
    Planejar outros...
    Voltei...
    Inaugurando-me singular, com forças de oferecer ao meu amanhã,
    Uma “edição repaginada” de mim mesma.
    Voltei...
    E hoje não para comentar, mas para agradecer.
    Obrigada pela presença constante e esperada em meu cantinho.
    E dizer que é agradável estar aqui, passeando por suas letras.
    Você é imprescindível, e sabe disso.
    Muito mais que parceria virtual, é item que me cabe.
    Então, com todo meu carinho, com toda veracidade, com toda vontade, desejo q esta semana que quase acaba tenha sido como voce planejou, e que a nova semana, que chega logo, seja só o começo
    do melhor que você ainda irá viver..

    Glória

    ResponderEliminar