quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Almas


- Viram o José? - Perguntava a freira furiosa.
- Não, não. – Respondiam todos meio comprometidos.
- Não me digam que vai faltar a mais um exercício? Já tem não sei quantas faltas… Não sabem mesmo dele? - Insistia a freira.
- Deve estar a filosofar em frente ao rio ou então no cemitério… atreveu-se um a denunciar.
- No cemitério? A fazer o quê? - Questionava a freira espantada.
- Ele diz que é ali que encontra respostas para os seus problemas.
O toque de entrada fez-se ouvir e a conversa ou interrogatório ficou por ali.
O José era finalista do colégio e pouco mais velho que eu. Um toco de gente mas com os olhos enormes onde parecia adormecer o mundo. Sorriam sempre, multiplicando sorrisos na sua boca. Falava pouco mas também não eram precisas palavras. Todo ele era um poema que trazia escrito nos olhos. Isolava-se um pouco e muitos julgavam-no esquisito, fora do normal.
Era inteligente e até bom aluno…quando ia às aulas, claro!
Encontrei-o vezes sem conta no cemitério, quando ia pôr flores ao meu Pai. Passava por mim e não me via. Deambulava por entre as campas, murmurando algo baixinho e, enrolando a alma, aninhava-se junto a uma delas. Admito que não era muito normal. Mas despertava-me a curiosidade. Segui-o algumas vezes, procurando nomes familiares ao seu, nas sepulturas que ele visitava, na tentativa de encontrar alguma ligação.
Um dia, esbarrei-me com ele. Recompus-me de imediato.
-Tens cá algum familiar? - Perguntei para disfarçar o meu embaraço.
- Felizmente não! - Respondeu-me prontamente.
-Então… - Comecei eu.
- Então venho aqui porque todas as resoluções da vida deviam ser pensadas neste local. Saio mais feliz porque concluo que os meus problemas não são nada comparados à finitude da vida… Tudo acaba aqui!
E com esta tirada filosófica virava-me as costas e embrenhava-se mais nas sombras de árvores seculares.

Foggy Winter Graveyard Scene Halloween Images



O José era filho de pais separados, de um divórcio magoado, doloroso. Adorava os pais e era-lhe difícil vê-los numa cidade pequena, como a nossa, um de cada lado da rua e da vida. Esta, a vida, tem outros rumos diferentes dos nossos sonhos e José não entendia como é que um amor pode acabar tão depressa. Precisaria de uma vida inteira para o entender.
O cemitério fechava o seu grande portão de ferro forjado pintado de verde pelas cinco horas da tarde. Em África, como é sabido, escurece cedo. O Capitão, era o nome do guarda do cemitério, tocava várias vezes numa sineta que ficava na parede da pequena capelinha situada quase no meio do mesmo e repetia este gesto várias vezes. Quando ainda se via alguma coisa, ia ele mesmo até ao fundo do muro procurando alguém esquecido. Nesse dia, o José, tinha-se aventurado até às últimas campas, na verdade curiosas com ferro forjado a toda a volta e com um portãozinho, como se tratasse da entrada de um jardim de uma casa. Eram sepulturas holandesas datadas de 1880 a 1890. Deveria a estar a vasculhar tudo como era seu costume e não deu pelo toque da sineta. Já noite dirigiu-se para o velho portão que encontrou fechado. Junto deste, o muro alto era substituído por umas colunas trabalhadas e juntas permitindo apenas a visibilidade de quem passava à frente e pouco mais.
Apenas dois postes de iluminação, um em cada esquina da fachada do cemitério, davam luz, aliás, demasiado fraca para uma extensão ainda grande. O cemitério da SAUDADE (assim se chamava) ficava nos subúrbios da cidade no meio de um majestoso palmar, onde os seus muros muito brancos pareciam raios de luar no meio de tanto verde.
O José não se atrapalhou com a situação. Meteu a cabeça entre as colunas pronto a pedir socorro. Mas, quando quis sair, já não conseguiu. Passava por ali uma mulher indígena com um grande cesto à cabeça, cheio da castanha de caju.
- Eh, metiana (mulher) tira-me daqui!
A mulher largou tudo e começou a correr esbaforida, gritando: “As almas saíram das covas e estão a pedir para as tirarmos de lá!” E, arrancando a capulana (pano) que trazia vestida, desnudava-se com a aflição e continuava berrando como uma louca: “As almas saíram das covas e estão a pedir para as tirarmos de lá!”


62 comentários:

  1. Esta história fez-me sorrir! Se tivesse acontecido na terra onde nasci (na África virada ao Atlântico) dir-se-ia que as Kuxinguilas (feiticeiras) andavam pelas terras da Saudade, queimando pós de fumo, e soltando as ânimas.
    Este texto está escrito de modo que só o talento é capaz. Parabéns!
    Só gostava de saber se as Kuxinguilas abriram a porta ao José.
    Sinto-me feliz por seguir o seu blog. Continue a escrever estas histórias de encantar. Um dia
    destes vou pedir-lhe que aceite um selo.
    Perdoe a extensão do comentário.
    BJS e um abraço

    ResponderEliminar
  2. alo Graça

    coincidências mesmo. Estarmos no mesmo dia a falar do mesmo assunto mas sob enfoques diferentes. Gostei da tua história e imagino a mulher ainda a correr.......rsrsrsrsrsrsrsr

    Aproveito para te recomendar ler um livro de Erico Verissimo chamado INCIDENTE EM ANTARES que é a história de sete cadaves que ficam insepultos por causa de uma greve de coveiros e que ficando fora do cemitério resolvem voltar para protestar e colocar os "podres" da cidade para fora.E ótima LITERATURA, ASSIM MESMO COM AS LETRAS MAISCULAS.

    abraços deste lado do mar

    RICARDO garopaba BLAUTH

    ResponderEliminar
  3. Obrigada pela visita que fez ao meu espaço.

    Gostei muito da sua história, visitála-ei mais vezes.

    Um abraço
    Carmo

    ResponderEliminar
  4. Olá Graça,
    Quero agradecer os teus comentários, as tuas visitas,e as bonitas palavras que tens deixado no meu blog.
    É sempre com satisfação que leio estes textos maravilhosos que escreves tão bem,
    E este José um pouco mestirioso,ia para um lugar onde ninguém quer ir, cada José tem a sua mania oxalá o josé tenha conseguido sair do cemitério.

    A minha Mãe ficou fechada duas horas dentro do cemitério.

    O resto de bom dia Um beijinho,José

    ResponderEliminar
  5. Carlos:
    O José saiu de lá, já de madrugada com a ajuda do Capitão a quem foram buscar a casa para abrir o portão e houve necessidade de partir um pouco da coluna para tirar o pescoço do José. Nunca mais o vi no cemitério... Abraço Graça

    ResponderEliminar
  6. Ricardo
    Obrigada pela sugestão do livro de Eurico Verissimo que deve ser muito interessante. Vou tentar adquiri-lo. Depois conto! Um bj Graça

    ResponderEliminar
  7. Venho mais logo ler aqui com atenção ler o teu post que parece bem criativo.

    Para já venho pedir desculpa porque me enganei a colar a resposta do homem da loja de brinquedos. Colei a mesma do primeiro mail, mas já lá está direito.
    http://maildeumlouco.blogspot.com/
    Não tinha percebido o teu comentário da k7 repetida, agora está tudo explicado.;)

    ResponderEliminar
  8. José:
    Como aconteceu esse episódio com a tua mãe? A mim, dava-me um colapso e poupava o trabalho a alguém.Beijocas Graça

    ResponderEliminar
  9. Ai que medo kkkk, adorei esta historia me fez dar risadas imaginando a mulher correr... "ceus e terras", muito bom post...

    Amiga li o seu comentario sobre as bodas que não pôde fazer, pena fiquei triste... Mais olha posta as fotos sim quero vê-las.... devem ser lindas...

    bjs

    ResponderEliminar
  10. Sempre me delicio com o que escreve!
    Estas histórias trazem-me crenças, costumes e tradições nos tons mais doces e quentes de Africa,

    Um beijo

    Obrigada!

    ResponderEliminar
  11. Oi Graça!!!
    Adorei a maneira que você descreveu esta assustadora experiência, coitada da pobre mulher.
    Quase que morre de susto. Ri muito imaginando a cena.
    Beijinhos, amiga.
    Ângela

    ResponderEliminar
  12. pisando almas penadas...

    :) gostei
    beijinho
    teresa

    ResponderEliminar
  13. Passei para agradecer mais uma vêz o carinho e amizade deixados nos meus blogs

    Não corra atrás das borboletas !

    Plante uma flor em seu jardim e

    todas as borboletas virão até ela !

    tenha amanhã um ótimo dia
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Como sempre, adoráveis relatos...
    Não ganhou para o susto a Senhora que passava...lol
    beijinhos!

    ResponderEliminar
  15. Oi, Graça, tens uma maneira especial de contar as coisas, rsr. É gostoso te ler.
    Sempre meu 'obrigada' pela visita.
    bjs
    tais luso

    ResponderEliminar
  16. Amiga.
    Adorei esta narrativa, que de tão caricata é hilariante.
    Pode-se utilizar o ditado popular, "tanta vez vai o cântaro à fonte, que um dia lá deixa a asa"
    Foi um pouco o que aconteceu, com o José.
    Nunca mais voltou ao cemitério.
    E a coitada da mulher não ganhou para o susto.
    Jinhos grandes

    ResponderEliminar
  17. Esta história fez-me saudades e recordei 2 histórias parecidas passadas com gente da minha família...
    Um beijo.


    já começo a escrever mas...com calma...Preciso da mão .
    completamente restabelecida pois regresso à escola dia 6 de outubro e tenho que estar como eu gosto... a 100%.

    Estes dias pintei muito...
    Foi para "esquecer"...estive a colocar no meu blog de Arte...

    um beijo grande

    ResponderEliminar
  18. Obrigado pelos seus votos

    em relação ao meu novo livro.

    Bem haja!

    ResponderEliminar
  19. Anikiva história Graça mas ao mesmo tempo de dizer:

    Uuuiiii, que mêdo!..

    Quando no fim é mencionado a palavra (metiana) e (capulana), no meu cérebro logo se gerou muitas recordações daquela terra saudosa que nunca poderei esquecer.

    Por acaso juntamente com essa metiana a quem o josé pediu para o tirar dali não levava junto com ela o seu (menené)?

    Era normal por lá andarem com elas em pequenos.

    História de rir mas, ao mesmo tempo naquela situação do José quantos não fariam o mesmo.

    Bjos, felicidades e que por aqui não parem estas histórias daqueles lugares tão belos.

    ResponderEliminar
  20. Adoro histórias, me envolvo nelas, e esta tu escrevestes muito bem!
    beijo

    ResponderEliminar
  21. Graça,
    Nunca gostei de cemitérios, nem tanto pelas almas penadas, mas pela presença real daqueles que amamos e que de alguma forma ali se fundem a terra e se tornam pó. Mas admire esse menino, que na sua santa inocente realidade, disse sábias palavras e vagava talvez em busca de respostas que lhe mostrassem um caminho da sobrevivência.
    Tantas coisas a partilhar, de cá , de lá e acolá.
    Beijos
    Sandra

    ResponderEliminar
  22. Goste muito, voce escreve muito bem e está me fez lembrar uma que eu estava junto rsssssssssss.
    Abraços

    ResponderEliminar
  23. como já tenho dito escreve as suas histórias com capacidade de nos agarrar do primeiro parágrafo ao último e é isso que me diz que é uma grande escritora,história de um realismo e de uma veia trágico cómica!
    Bjs Zé Al

    ResponderEliminar
  24. Olá minha lindinha, venho me desculpar pela ausencia, mas não estou bem de saude.
    Estamos muito traumatizados e tristes com tudo o que aconteceu, (viste la no meu blogue)
    Vim agradecer teu carinho,
    e dizer que é sempre uma delicia "viajar" aqui no teu cantinho, caminhar por tuas palavras...


    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  25. Oh, Escritora Fabulosa de Maravilhar:
    "...O José era finalista do colégio e pouco mais velho que eu. Um toco de gente mas com os olhos enormes onde parecia adormecer o mundo. Sorriam sempre, multiplicando sorrisos na sua boca. Falava pouco mas também não eram precisas palavras. Todo ele era um poema que trazia escrito nos olhos. Isolava-se um pouco e muitos julgavam-no esquisito, fora do normal..."

    "Isto" é de uma beleza e ternura literária extraordinária. Notável. Linda.
    Olhe, fiquei "arrazado" pelos seus sentimentos fabulosos, preciosos e mágicos, numa escrita sublime, divinal.
    Tem aqui um leitor muito atento a tudo o que faz deliciosamente e genialmente.
    Parabéns sinceros.
    OBRIGADO pela sua simpatia e amabilidade doce.
    É linda, sabia...? Imenso.
    Levo o selo agradecendo e perturbado pelo seu maravilhoso e doce génio.
    Com respeito e estima gigantescas.
    Beijinhos agradecidos pela sua amizade preciosa.
    Deslumbrado e fascinado

    pena

    Linda...Pura...terna...fantástica.
    OBRIGADO sentido.
    É uma enorme honra lê-la.
    OBRIGADO!
    Bem-Haja, amiga de sonho.
    O que escreve é pura poesia linda.

    ResponderEliminar
  26. Oi Graça. Acabei esquecendo de colocar o item "estudar", mas nosso trato está de pé sim. Ah, minha prenda pode ser um livro ? Amo livros. hehe
    Abraço.

    ResponderEliminar
  27. É uma delícia ler as tuas histórias, e parece não terem fim, garra de escritora por aqui sem dúvida!
    Bjs

    ResponderEliminar
  28. Graça, é um prazer enorme ler tudo aquilo que escreves! São histórias da vida, que nos contas com toda a sensibilidade e simplicidade de quem sente as palavras. Sempre te leio dum jorro e fico sempre sedento na espera da próxima narrativa.

    Um beijo.

    Carlos

    ResponderEliminar
  29. Graça,

    Você como sempre...com grandes novidades em seu blog.


    abraços


    amigo,


    Hugo

    ResponderEliminar
  30. Obrigado pela visita

    " Há momentos na vida em que se deveria calar... e deixar que o silêncio falasse ao coração; pois há sentimentos que a linguagem não expressa... e há emoções que as palavras não sabem traduzir..."

    bom fim de semana e continuação das melhoras
    beijinhos

    ResponderEliminar
  31. Foi gostoso ler esta história e os comentários a ela. Gostei do seu espaço e, com certeza vou voltar aqui várias vezes. Obrigada por passar no meu cantinho. Lá é onde ponho as emoções para fora; onde acrescento textos sobre renovação íntima, à procura de um pouco de felicidade, pois desde que perdi minha única filha, há 3 anos atrás, tento tirar do mundo alguma felicidade para a minha vida. Agora, por exemplo, foi um destes momentos. Sorri com o seu texto. Fez-me bem. Beijos.

    ResponderEliminar
  32. História engraçada e muito bem contada, com um contexto descritivo, realismo de factos e muito humor, a par de uma escrita irrepreensível.
    A história fez-me lembrar uma outra que a minha saudosa mãe me contou quando eu era pequeno. Tem os traços de humor desta, retirados do medo à noite e aos cemitérios. Em poucas palavras era assim: Dois ladrões de mercearia tinham ido de noite para o cemitério repartir entre eles os caramelos que tinham roubado. Ao saltarem o muro do cemitério tinham deixado cair um caramelo do saco. Lá dentro, repartiam entre si: -um para mim, outro para ti,um para mim outro para ti. Entretanto, ao ouvir barulho, um policia tinha-se abeirado do muro do cemitério e ficou a escutar. Os ladrões estavam a terminar a repartição: -um para mim e para ti fica o outro que está lá fora. O polícia, ao ouvir a referência ao que estava lá fora, pensou que eram as penadas que o vinham buscar e fugiu a sete pés, cheio de medo.
    Abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  33. Apenas para acrescentar "almas" antes de penadas no texto anterior. A frase popular era "almas penadas".

    ResponderEliminar
  34. Olá amiga.
    Obrigada pelo selinho é lindo.
    Vai ficar no meu blog, mimos e desafios.
    Jinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  35. Depois dessa experiência nada agradável eu acho q ele nunca mais vai buscar respostas aos seus questionamentos, ou melhor tentar filosofar a vida.

    Aqui a primavera chega oficialmente na segunda, esse ano o inverno foi muito rigoroso e ainda deixa vestígios, mas os raiozinhos coloridos das flores já está despontando, com aquela leveza e encanto total.

    Te deixo um enorme beijo carinhoso e desejos de um ótimo fds!

    ResponderEliminar
  36. Graça, parabéns pelas 25000 visitinhas, vc merece esse carinho e muitos mais.

    Estou levando o selinho e agradeço por ter lembrado de mim.

    bjos prá vc!

    ResponderEliminar
  37. GRaça
    Obrigada pelo Fiat... Vou buscar e guardar com carinho...


    Vim a´pé e vou de FIAT...
    um beijinho

    ResponderEliminar
  38. Olá Graça
    Com a minha Mãe ela foi visitar a campa da minha sobrinha às onze e meia de Domingo,o Coveiro fechou a porta ao meio dia nem foi ver se estatava alguém, a minha mãe duas horas depois viu passar alguém chamou e como era de dia a pessoa não teve medo

    Com a ajuda do meu filho lá levei o carrinho
    obrigada pela lembrança

    Memórias que marcam uma vida
    e aqui resistadas e bem escritas
    parabéns Graça minha amiga
    pelas vinte cinco mil visitas

    bom fim de semana
    um beijinho,José

    ResponderEliminar
  39. A propósito, lembrei-me de uma pessoa, particularmente querida para nós, que tinha por hábito perguntar a todos os empregados indígenas que entravam em serviço:
    - Já viste o olhar de um morto, triste e absorto?
    A regra geral era a mudez e o espanto como resposta mas, certa vez, o novato respondeu de pronto:
    - Já vi sim senhor, patrão.
    - Já viste? Onde?
    - No cemitério, patrão! - e dessa vez ficou-se o silêncio do outro lado.
    P.S. A continuares neste ritmo de seguidores, podes concorrer para as próximas legislativas!
    Beijocas.

    ResponderEliminar
  40. Graça querida, tem um selinho esperando por vc lá no meu blogue.
    Passa lá e pega tá? ;D

    ResponderEliminar
  41. Obrigado pelas amáveis palavras

    em relação à minha poética.

    Tenha um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  42. Munhamade Agora fizeste-me rir, ao lembrar este episódio... Parece-me que o "perguntador" mudou de disco...não foi? Bons tempos beijo Migá

    ResponderEliminar
  43. Tua escrita sempre me encanta. É formidavel a forma simples e cativante de escrever. Parece um filme, dá para sentir até os aromas, as texturas.
    abraços

    ResponderEliminar
  44. Minha amiga, obrigado pelo selo que me quis oferecer. Beijos e bom fim-de-semana.
    Francisco

    ResponderEliminar
  45. Parabéns pelos textos!
    Repaginei meu blog...passe lá e deixe a sua opnião.
    Lindo Fim de Semana.
    Emília

    ResponderEliminar
  46. Emília:
    A nova veste do teu blogue está lindissima...lembra a Primavera a chegar aí..mas, quero comentar e não consigo!! Que se passa? Há novo sistema? Explica-me. Um beijão Graça

    ResponderEliminar
  47. Menina,tinha alguma coisa travando os comentários.Acho que arrumei.
    Passe lá.Emília

    ResponderEliminar
  48. Olá!
    Este é um comentário-lembrete:
    Amanhã, dia 20 de setembro, é o dia da Blogagem Coletiva em comemoração ao 1º aniversário do meu blog: Uma carta para mim.
    Como seu blog é um dos inscritos estou passando para lembrar.
    Espero por você!
    Elaine

    ResponderEliminar
  49. Graça,

    mui grato por tua presença em meu blog. Espero que consigamos dar continuidade numa amizade feita em versos e palavras, por muito tempo.

    Meu abraço.
    Continuemos...

    ResponderEliminar
  50. Passando para desejar um excelente fim de semana.
    Bjs

    ResponderEliminar
  51. O teu modo de contar histórias é sempre uma delícia. Ao mesmo tempo que contas, ensinas-nos alguma coisa sobre lugares, costumes, pessoas...e delicias-nos com a narrativa, que nos deixa a sorrir.
    Já reparei que tens ido regularmente ao Lusibero.
    Obrigada pelo selo, parabéns pelas 25000 visitas (uauuu!). Tu mereces...

    ResponderEliminar
  52. Corajoso,
    curioso jovem!
    Para ele não era difícil entender de almas, quanto aos portões...foi preciso ajuda externa.

    Conte as suas histórias, Graça,
    porque as palavras enredadas,
    multiplicadas,
    maravilhadas,
    são das coisas boas desta vida
    que partilhamos
    com aqueles que amamos

    Um beijo

    Manuela Baptista

    ResponderEliminar
  53. Graça

    Existem pérolas literárias neste texto, como diz o amigo Pena. Mas permita-me hoje nao me debruçar sobre ele e dar-lhe os Parabéns pelas 2500 visitas (mais neste momento). Não há melhor altura do que ofertar-lhe o meu selo "Sair das Palavras" que se encontra na barra lateral direita do meu canto. Merece-lo.

    Um beijinho e obrigado pela sensibilidade demonstrada.

    beijiinhos amigos

    ResponderEliminar
  54. Como é gostoso viajar através dos teus textos, querida amiga Graça!
    Mais uma vez a sua envolvente narrativa conseguiu preencher com muito bom humor um assunto temido - e, geralmente, evitado - por muitos.
    Isso só vem comprovar a extrema habilidade com que você brinca com as palavras para construir suas [ótimas] ideias. Parabéns!
    Um grande beijo brasileiro!

    ResponderEliminar
  55. Bom dia Graça. O seu blog está em destaque lá no tasco hoje, dia 20. Na barra lateral direita. Um beijo

    ResponderEliminar
  56. Graça se fosse na minha terra que acontecesse esta história eram almas de outro mundo a pedir que as tirassem daquele sítio. Linda história que tem a sua graça. Bjo.

    ResponderEliminar
  57. Estimada e Simpática Amiga:
    Olhe, com atenção o céu estrelado. Está lá uma que cintila com um brilho que ofusca de beleza e pureza...viu...?
    Beijinhos amigos de imenso respeito e estima pelo que é e pelo notável e extraordinário talento.

    pena

    ResponderEliminar
  58. BOM DIA AMIGA OBRIGADA POR TER PASSADO NO MEU BLOG....E TAMBEM PELAS PALAVRAS QUE LÁ DEIXOU....EU SEI QUE É DIFICIL SUPERAR AS SAUDADES E MAIS DIFICIL SE TORNA QUANDO AS SAUDADES SÃO DE ALGUEM QUE CRESCEU DENTRO DE NÓS....UM BEIJINHO

    ResponderEliminar
  59. Bom dia Graça. Mais logo preciso de lhe "roubar" o fantasminha. Posso? :-) Beijos

    ResponderEliminar
  60. Graça, minha querida!
    que texto interessante - sabes quando bem jovem - Há muito tempo atrás rsrsrs - o avô se foi para a outra vida - e tinha muita afinidade com ele - durante anos quando precisava pensar ia visitá-lo - parece que eu, também, era esquisita, como o José.
    texto interessante e bem humorado.
    tenha uma semana cheia de encantos.
    bjkinhas no coração....

    ResponderEliminar
  61. Voltei!
    amei o fantasminha - ficou lindo e deu muito charme ao texto!
    bjkinhas....

    ResponderEliminar