domingo, 6 de setembro de 2009

Simbologias ou Sacramentos?


Quando olho o meu quarto de rosa e observo os objectos que me rodeiam (alguns já vêm da minha infância e juventude), sinto que mantenho uma relação com eles. É como se fosse um rio interior que alimenta a minha alma, humanizando este sentimento/relação.

O homem não utiliza apenas o mundo, o que dele vê. É capaz de receber todas as mensagens que estão escritas nas coisas. Interpreta-as para depois as viver. No efémero pode ler o Permanente e, no temporal, o Eterno. No mundo, se assim se dispuser, encontra Deus.

Então, todas as coisas, o próprio mundo, se transfiguram num enorme sacramento. Porquê? Afinal o que é um sacramento? É um sinal revelador de alguma coisa. Quando os objectos “falam”, me dizem alguma coisa, tornam-se sinais e símbolos de encontros, de amizade, do amor e da fraternidade. Os meus objectos estão “domesticados” e… falam! Transformaram-se em sacramentos, passaram a ser símbolos e quantas vezes com eles, não faço um ritual?!

Quando alguém me visita nas frias tardes de domingo, ofereço-lhe um chá quente e perfumado. À volta daquelas chávenas que pertenceram à minha mãe, conversamos e desfiamos recordações. Ofereço o chá não para matar a sede mas sim para celebrar o encontro e saborear a amizade. O centro das minhas atenções está na pessoa que me visita. O chá desempenha, então, uma função sacramental.

No nosso dia-a-dia estamos rodeados de sacramentos vivos: é a velha cadeira de palhinha da minha mãe, a “Solange” último presente do Eugénio no dia do meu aniversário, o antigo cachimbo do meu pai guardado com tanto cuidado, a coroa de Advento, a primeira que fizemos quando chegámos a Portugal, etc. etc. Deixaram de ser coisas. Falam. Oiço a sua voz e as suas mensagens. No seu interior, há um coração. São sinais que me comunicam uma realidade diferente deles, mas presente neles. Num pequeno livro de orações guardei, há muitos anos, um pequeno amor-perfeito. Seco, já muito amarelecido pelo tempo. Quando lhe toco, tem uma história única para mim: fala-me ao coração. Tem um valor evocativo de infinita saudade.

O que faz então dos meus objectos um sacramento? É a sua simbologia, o seu criar e recriar tanta coisa… É o tempo que perco com eles, é o “cativá-los” (no dizer de Saint-Exupery) que os faz inserir na minha experiência humana. Tudo é sacramento ou pode tornar-se. Depende de nós, do nosso olhar. Quando abro a gaveta da minha mesa de trabalho, os olhos da mente vêm vivas as figuras através dos objectos que ali guardo: os meus pais, o homem que amei, os meus amigos… Estão presencializados nos objectos que ficaram.

O último cigarro apagou-se com a vida mortal, mas… algo continua aceso através de todos estes símbolos que o tempo não apagará.

Ainda bem!

35 comentários:

  1. Sabes que as coisas, por terem uma história, acordam sentimentos e despertam memórias. Fazem parte da história da nossa vida, do nosso crescimento e são, muitas vezes, símbolos de etapas que vivenciámos. Por vezes, pertenceram a alguém cuja memória queremos preservar. Outras vezes, ficam esquecidos e, quando os reencontramos, acorda uma parte esquecida de nós. E é assim que construímos, também, a nossa identidade. Um beijo para uma boa semana.
    Susana

    ResponderEliminar
  2. Susaninha, tu é que és um encanto!! É isso mesmo que dizes... e depois, hoje, estive em arrumações...entendes? Mas não estou tristes, talvez saudosa! Há "diálogos" que até me fazem sorrir.. Beijos Graça

    ResponderEliminar
  3. Obrigado pela visita e por todo o carinho nos meus blogs.

    Se todos os seus esforços
    forem vistos com indiferença,
    Não desanime.
    Porque também o SOL,
    ao nascer,
    dá um espetáculo todo especial
    e, no entanto,
    a maioria da platéia...
    continua dormindo.
    Um bom inicio de semana lhe desejo
    um beijo

    Visite os meus outros blogs
    e deixe lá um carinho

    ResponderEliminar
  4. Tão boas que são essas recordações, objectos que nos dizem tanto...cada um tem um pouquinho de história, tão nossa...
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Olá, tudo bem ?
    Obrigada pela visita, é sempre um prazer receber pessoas por lá.

    Tbm sou assim como vc, gosto de guardar coisas, me servem como referência.

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Oi Graça!!!
    Os objetos continuam acesos e o tempo não apagará o encanto que é relembrar.
    Beijinhos
    Ângela

    ResponderEliminar
  7. É verdade que os objectos ficam agarrados à nossa memória. Basta olhá-los e o filme faz-se na nossa mente... e é tão bom recordar aquilo que nos deu alegrias :)

    Beijinho Graça

    ResponderEliminar
  8. Olá de novo!
    Obrigada pelas palavras carinhosas.
    Olha, a árvore que referes é normalmente denominado de ficus, quando a temos em casa, ou borracheira....só que esta é não sei quantas vezes centenária, e nem sequer dá para ter ideia da sua largura e do quanto se arrastam as suas raízes. Se vieres um dia a Coimbra...avisa-me, que hei-de arranjar maneira de te dar o meu contacto! Beijinhos!

    ResponderEliminar
  9. Leí su comentario, y aunque no sé más idioma que mi castellano distorsiaonado comprendí en algo sus palabras.El Himno a la alegría es maravilloso. No puedo leer sus artículos porque no sé más lengua que la mía, pero ví que ha leído El Principito de Saint Exupery, es un librito simplemente fantástico. Tiene razón apenas tengo 18 años, pero tengo sueños, he de ser escritor, y cuando mi sueño se cumpla los que me rodean comprenderán la riqueza de nuestra imaginación y la pobreza de la realidad...

    ResponderEliminar
  10. Graça
    Que lindo blog! Contação de histórias está no âmago da vida e do entender-se... Os objetos, cada um, tem uma história a contar! Meu pai também fumava cachimbo :-)

    Beijo
    Anne

    ResponderEliminar
  11. Graça,
    que encanto o teu Blog.
    E esse texto então nos cativa.
    eu que já não tenho mais pai e nem mãe, quantas vezes me pego pensando e recriando causos e coisas através de objetos ou fotos que me trazem doces recordações. E com que carinho o guardamos.
    bjs

    ResponderEliminar
  12. cOMO FAZ BEM TOMAR UM CHÁ BEM QUENTINHOS NESTES DIAS TÃO FRIOZINHOS.
    GOSTO DE CHA. OLHA ESTAVA BEM GOSOTOSO COM ESTAS BOLACHINHAS.
    VIM BUSCAR O ENDEREÇO PARA LISTAR NO DIA 09.09,ONDE MAIS AMIGOS PODERAM PARTICIPAR.
    AMEI A SUA MENSAGEM. JÁ POSTEI O MEU COMENTÁRIO.
    VALEU AMIGA.
    COM MUITO CARINHO EU LHE AGRADEÇO.
    SANDRA

    ResponderEliminar
  13. Não sei se consegui enviar o comentário, anterior, de qualquer forma estou fazendo de novo. Agradeço o cha. estava maravilhoso com as bolachinhas.
    É sempre bom tomar chá em dias frios. Além de tudo acalma.
    Vim buscar o endereço para colocar na lista e fazer o link para o dia 10.09.
    Só assim, as pessoas poderam participar dos comentários em seu blog também.
    com muito carinho.

    ResponderEliminar
  14. Gostaria de dizer palavras bonitas para comentar este texto,mas apenas vou dizer que fico maravilhado com tudo o que escreves.

    Se algum dia escreveres algum livro, eu quero um para mim.

    beijinho, José

    ResponderEliminar
  15. Diante dos obectos mais simples a emoção submerge-nos. É sabido o poder dos objectos: a vida petrifica-se neles, torna-se mais presente que em nenhum dos seus instantes.
    É inútil pretender integrar a morte na vida e conduzirmo-nos de maneira racional em face duma coisa que o não é: que cada um se desembarace à sua maneira na confusão dos seus sentimentos.

    É lindo o teu texto ...

    POTT

    ResponderEliminar
  16. olá, Graça minha querida!
    depois de uma semana muito atribulada - volto a visitar os blogues e tens sempre um texto lindo - cheio de carinho e emoções que nos remetem aos nossos próprios sentimentos - nossas próprias experiências.
    também tenho os meus objetos herdados - cheios de vibrações dos queridos que já partiram - é muito bom tê-los - são muito boas as lembranças dos momentos vividos com essas pessoas...
    o que seria de nossas vidas sem lembranças??? - acho que não haveria história!!!
    tenha uma linda semana!
    bjkinhas com muito carinho

    ResponderEliminar
  17. Graça, querida amiga...

    Os objetos têm vida, sim em nosso coração, em nossa mente e o q seria de nós se não estivessem ali guardadinhos para nos trazer momentos únicos de nossa vida. Hostórias nos contam, fatos nos relembram de uma época q se foi, mas q com sua presença nunca irão se apagar.

    bjos amiga e ótima semana prá vc, aqui é feriado e amanhã tb, a semana vai ficar bem curtinha...rs

    ResponderEliminar
  18. Graça.
    Será que é possível a alguém avaliar, ter a noção real, do tesouro que são estes objetos, estes pedaços de vida que em torno de nós se juntam e que com o passar dos dias começam a conosco conversar? Pessoas idas. Amores eternos, que nunca se vão. E que conosco conversam ou, ao menos, pousam em nós seus olhares para dizerem que a eternidade existe e que a construímos durante nossas vidas. Ler-te, Graça, é algo sublime, muito especial mesmo. Tenho me ausentado, por vezes, mas garanto-te. Não há como não estar aqui, ao teu lado, para aprender o que é viver.
    Beijo
    Rangel

    ResponderEliminar
  19. Simplesmente lindo.
    São por vezes pequenas mas grandes coisas aos nossos olhos que nos fazem reviver o passado ainda bem recente.
    Um beijinho.
    Angelino.
    www.kaluandayame.blogspot.com

    ResponderEliminar
  20. Gostei da sua deambulação pela vida dos objectos!

    E pensar que muitos sobrevivem a quem os possuiu e perguntamo-nos, afinal quem possui o quê?

    Para a Graça
    que veio do outro lado do mundo

    um abraço

    Manuela Baptista

    ResponderEliminar
  21. As coisas qe nos trazem lembranças, que nos acendem a memória, deixam de ser coisas,sim! Afeiçoámo-nos a elas porque estão cheias de vida.

    "Recordar é viver"

    Um beijo

    ResponderEliminar
  22. Como se domesticam objectos e os tons rosa da nossa infância? Memórias cativas que as palavras revelam com subtileza...
    Um beijinho e uma excelente semana
    Chris

    ResponderEliminar
  23. Olá Graça saúde e bom dia:

    Que te dizer sobre mais um maravilhoso post como este?

    Começo assim:

    Recordar é viver, e como tal, neste post relatas aquilo que te ficou e que tocas com grande paixão de um sentimento profundo que te foi deixado, é decerto para ti uma grande felicidade.

    O Recordar, também eu sempre que venho aqui, recordo com muita alegria o chão que pisei além mar assim como tu no mesmo lugar onde eu nunca poderei esquecer porque ficou bem vincado dentro de mim todo esse tempo bem como todos esses lugares.

    Fotos que acompanham teus posts são pequenas relíquias que aqui pões, onde jamais deixarão de contemplar tudo o que por ti passou.

    Vou ficar com esta imagem tão linda de um saboroso chá que quem sabe um dia eu poderei beber em tua companhia!..

    Parabéns por mais este teu belo post que é um bálsamo muito bom, para curar minhas feridas de paixão por aquela terra que pisei e ficou para sempre em meu coração.

    Bjos, felicidades e tudo de bom te desejo amiga.

    ResponderEliminar
  24. São as peças que ficam e falam connosco das memórias que somos.
    Sente-se-lhes o cheiro e os sentidos o riso as lágrimas o colo o abraço que nos ficou do tempo a que pertenceram...

    Um beijo
    Dia Feliz

    ResponderEliminar
  25. Tão verdade, Graça!Obrigada por mais esta "fatia" de poesia, tão cheia de sentimentos. É um sacramento, sim! É uma comunhão! É um momento de reflexão, de agradecimento e de prece! Um beijinho. Tá-tá

    ResponderEliminar
  26. Relembrar é viver os momentos tristes ou alegres que tivemos com aqueles que amá-mos e que havemos de amar para sempre!Como sempre escreveu de uma maneira que muito me cativou!
    Bjs Zé Al

    ResponderEliminar
  27. fui operada à mão direita.
    correu bem.

    quando puder escrever volto beijinhos saudades

    ResponderEliminar
  28. ... "Deixaram de ser coisas. Falam. Oiço a sua voz e as suas mensagens. No seu interior, há um coração". Perfeito, amiga Graça. Lindo! É o "sacramento", a confirmação do seu amor por elas e delas por você, acredite.
    Exatamente o que Saint Exupery diz: "Tu te tornas eternamente responsável pelo que cativas".
    Um beijo cheio de orgulho de ter te encontrado nesse mundo virtual".

    ResponderEliminar
  29. Ai essas recordações... que nostalgia, né?

    Bjos

    ResponderEliminar
  30. Venho hoje muito tarde e muito rapido fazer uma visita e agradecer sua visita sempre com muito carinho

    A prova mais clara de sabedoria

    é uma alegria constante. ...Δ๑۩۞۩๑♥♡*´¯`*.¸¸.☆

    @@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

    O prazer dos grandes homens

    consiste em fazer outros felizes...Δ๑۩۞۩๑♥♡*´¯`*.¸¸.☆

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  31. Graçinha, miminhos para ti no meu blog!!! Bem merecidos!! Beijinho

    ResponderEliminar
  32. Bom dia Graça !!!

    Graça, minha amiga, que posso eu dizer perante comentários tão "ricos" ???
    Sinto-me pequenino perante um texto com esta grandeza.
    Gestos tão simples como uma chávena de chá para celebrar a amizade,sentimento tão maravilhoso.
    Como é bom recordar e viver rodeado de lembranças que nos fazem felizes.

    Beijinho

    Norberto

    ResponderEliminar
  33. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  34. Olá, Graça.

    Assim que comecei a ler teu texto me encantei, á partir de hoje começo a seguir Zambeziana. Vejo que tens como seguidora Manuela Baptista que adoro, espero sua visita ao meu espaço, ficarei muito honrada se aparecer por lá.
    http://renatagomesdefarias.blogspot.com coloquei este endereço pois tenho dois blogues.

    Tenha um bom dia.

    Renata Vasconcellos.

    ResponderEliminar