sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Sonhos


A minha rua era uma rua com muito movimento! Chamava-se José Bonifácio da Silva e eu morava no número 40, primeiro andar! Se atendermos a que, nessa rua, ficavam dois grandes clubes, o Sporting e o Benfica, dois cinemas, a Câmara Municipal (sala da visitas da cidade), o Palácio das Repartições, a Escola Primária Vasco da Gama e várias lojas comerciais de renome, teremos a ideia do corrupio de trânsito de automóveis e de pessoas que zumbia todo o dia, para cima e para baixo, até altas horas da noite, a entrar pela madrugada, com a saída dos cinemas e das esplanadas onde se ia buscar o fresco necessário para o calor da cama.

O Palácio das Repartições.

Gostava da minha rua onde a amizade era céu azul e os sorrisos pequenos pardalitos a oferecerem-se generosamente. Os perfumes cruzavam-se como canções: era a mangueira do lado carregadinha de frutos maduros, as buganvílias de todas as cores e as acácias floridas de sangue juncando os passeios, numa sinfonia misteriosa em que cada nota era uma promessa.

O Cinema Águia.

Os vizinhos do lado e do rés-do-chão eram amigos com quem se partilhava o pão e a palavra.

Os do lado eram praticamente como família, com quem se dividia, nos dois sentidos, a lágrima e a alegria. A senhora tinha sido minha professora de piano durante anos e deliciava-me ver as suas mãos pequeninas como borboletas poisadas nas teclas fazendo vibrar uma Marcha Turca ou o “Voo do Moscardo”.

Todos os resultados de receitas de culinária, experimentadas ou repetidas, cruzavam-se invariavelmente entre as duas casas.

- Vizinha, ó Vizinha! - E a voz um pouco estridente feria os tímpanos de quem passava.

O meu pai, sempre com a sua calma e alguma picardia, dizia para a minha mãe:

- Vai lá depressa à varanda antes que as mangas, abaladas, acabem por cair todas…

A minha mãe, do redondo da nossa varanda, respondia-lhe:

- Estou aqui vizinha, estou aqui!

- Olhe, o Ossane (empregado) foi agora aí levar uma taça de sonhos de abóbora que a Gracinha gosta muito.

- Oh, não é só a Gracinha... gostamos todos e a vizinha fá-los com mão de mestre. Quando puder, há-de me dar a receita.

- Que não seja por isso. Se tiver aí um papel e uma caneta à mão, digo-lhe mesmo daqui.

Já o meu pai ia chegando com um pequeno bloco e uma caneta…

- Ah, estavas a ouvir…

- Mas quem é que não vos ouve? Se não fosse eu alguém da rua viria cá trazer o que precisas, de certeza! - Brincava o meu pai.

- Ora então aponte lá: põe-se a cozer a abóbora na véspera e no dia seguinte tem que a…

- Ó vizinha, não ouvi, passaram agora muitos carros… repita por favor.

Do redondo da varanda a minha mãe falava para a vizinha...

E aquilo que podia ser escrito em cinco minutos na casa de uma ou da outra demorava mais de uma hora, com paragens constantes de acordo com o movimento da rua. Mas não havia volta a dar-lhes. Era um ritual que elas cumpriam com fios de paciência a compreensão. Cada palavra dita de varanda para varanda tinha um sabor que se bebia devagar.

Passados dias, o nosso empregado veio dizer à minha mãe que estava uma senhora na sala para falar com ela. Como tinha um atellier de costura, a minha mãe pensou tratar-se de uma cliente. Quando chegou à sala viu uma cara desconhecida que, de pé com um bloco na mão a aguardava. Deve ser alguém recomendado por uma amiga - Pensou a minha mãe.

- Sente-se por favor e diga-me em que a posso ajudar.

A outra, meio abespinhada respondeu:

- Sabe, é que fiquei com os sonhos estragados porque não consegui apanhar a receita toda. Havia muito movimento na rua e eu não percebia completamente o que a sua vizinha dizia… e antes que fique novamente com a abóbora em pedaços…

Sem comentários!!!


78 comentários:

  1. Quando ia de férias era um dos mimos que recebia. Mas imbatíveis eram os bolos que a Florinda Gonçalves nos enviava! Sem esquecer aquele petisco que por engano o Guerra de Namacata me levou! Conto isso nos meus "Contos Vividos".
    Daquela varanda, no recôndito do redondo florido, também se ouviam conversas curiosas de quem parava e se sentava no muro, na convicção de que só a noite os escutava!...
    Beijocas.

    ResponderEliminar
  2. Que texto lindo, deu até saudade de algo que nunca conheci. bjs

    ResponderEliminar
  3. a minha rua
    habita comigo
    no espaço
    e no tempo

    escondida num mangal em flor
    onde esvoaça
    a águia e a garça
    entre o sussurro
    de um pássaro
    o vibrato e o cantato
    de um piano dedilhado
    com amor

    das vozes tecidas
    entre varandas
    visitada por estrelas
    e doces sonhos
    de abóbora
    e de cor

    Da minha rua aqui no Estoril, das outras ruas onde fomos felizes

    Um beijo para a Graça

    Manuela Baptista

    ResponderEliminar
  4. Graça,

    Gosto muito de passar por aqui, viver por aqui...

    abraços


    Hugo
    Nosso-Cotidiano

    ResponderEliminar
  5. Graça,
    Este teu texto é um traço poético sobre memórias, um encanto para quem o lê. Fez-me andar para trás e lembrar-me da lavadeira que me fazia doces de coco e jinguba, como só ela!
    Quando cheguei ao fim dos SONHOS fiquei com pena da senhora a que se lhe estragaram os sonhos e ficou com a abóbora em pedaços!:)
    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Graça
    Porque sonhar é fácil
    deixo uma "cestinha "especial...
    um beijo


    +++++++++++++++++++++++
    CESTINHA


    Cestinha da fruta…
    De metal e asas largas…
    Cestinha linda….
    Que tão bem cheiras.
    E o teu aroma…
    Espalha-se pela casa toda…

    Porque aqui nesta cestinha…
    Eu encontrei…
    O meu lindo abacate…
    Verde e elegante…
    A dona manga bem madurinha
    Fica toda vaidosa…
    Depois, dois lindos maracujás…
    Muito roxos…fazem companhia…
    E tu Ginguenga
    Vermelha e oval…
    És apenas o contraste…

    E a fruteira
    Tem também…
    Duas lindas goiabas…
    Doces…
    E com um cheirinho.
    Que se junta aos outros…
    E se estende pela sala…

    E tu… Fruteira…
    Continuas a deliciar…



    Lili Laranjo

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde, Graça.

    Note que te visito ao menos 3 vezes por dia. Mas nossas lembranças são nosso maior tesouro, bom quando podemos guardar em um livro, sempre que sinto cheiro de bolo lembro de minha mãe, agradeço a Deus por ainda ter essa memória olfativa. Cada dia que venho aqui te conheço um pouco mais e confesso cada dia gosto mais e mais de ti. Que nossos espaços resistam ao tempo e que possamos sempre tomar um café, um porto ou um chá, reunirmos a manuela e Jaime e dar boas risadas.

    Beijo

    Renata

    ResponderEliminar
  8. Então Graça e o chá vai ser onde?

    Fernando Noronha, perto da Alegria?
    no meio do Oceano Atlântico, ou no Índico?

    Talvez no País das Maravilhas com a Alice e o Coelho apressado...

    Quem sabe?!

    um beijo

    Manuela Baptista

    ResponderEliminar
  9. Munhamade
    Realmente, Quelimane, era uma terra de partilha onde a Amizade era ponto de honra. Lembraste bem a Florinda, a Cândida Melo, a Lusitana, a Maria Papoila, são as que de momento me vêm à memória. Recordações doces...como esquecê-las? Um beijo Migá

    ResponderEliminar
  10. Manela
    Emocionaste-me com o teu poema da "tua rua para a minha"Mais uma descoberta: a menina, é também poetisa! Que coisa linda tu fizeste com o mote. De todo o coração: Obrigada! O chá com a Renata, fazemos assim: nós, é ás 17 horas em ponto e ela, em sintonia connosco e atendendo á diferança horária, toma-o para digerir o almoço e está tudo reunido virtualmente.
    Se mesair o euromilhões (hoje nem joguei..) o encontro será no INDICO, sem dúvida!!
    Por falar em chá, estás melhor? Põe-te fina, que eu quero ler as histórias maravilhosas que debitas no blog! Um beijo amigo e muito grato Graça

    ResponderEliminar
  11. Renata
    Tu és uma querida! Apaparicas-me com os teus mimos. Esta Amizade, é para continuar porque ela vence diferença de fusos, ultrapassa um oceano, chega numa estação do ano ao contrário, tudo...para estarmos juntas. Não é bonito?
    Quanto ao chá com a Manuela e o Jaime, lê a resposta que dei á nossa Amiga que é também para ti.
    Hoje, ainda vou dar um saltinho ao teu canto para ler as coisas bonitas que tens por lá. Então, até mais logo! Um beijo Graça

    ResponderEliminar
  12. Lili
    Que linda cesta de frutas tropicais trouxeste para a minha sobremesa. Tudo tão bem ordenado a condizer com a rima, com a amizade e com a ...saudade!
    Um beijo muito amigo Graça

    ResponderEliminar
  13. Olá
    Li e voltei a ler o teu texto, senti saudades da minha infãncia...e a tua deve ter sido maravilhosa, quase me apeteceu ir até ao redondo da tua varanda!muito lindo!
    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Graça
    É muito bom para mim ler o que escreves, eu sou um pouco preguisoso a ler, mas ler os teus textos não me custa nada, é como se eu tivesse vivido tudo isso.
    Um computador tem menos memória que essa cabecinha.

    bom fim de semana
    um beijinho, José

    ResponderEliminar
  15. "Há coisas encerradas dentro dos muros que, se saíssem de repente para a rua e gritassem, encheriam o mundo "

    Beijo querida amiga.

    ResponderEliminar
  16. :) Caso para dizer... deliciosa esta sua história! E já agora, não há a receita aí para partilhar também? :)
    beijinhos

    ResponderEliminar
  17. OLA AMIGA DULCE....OBRIGADA PELAS PALAVRAS AMIGAS QUE DEIXOU NO MEU BLOG....UM GRANDE BEIJINHO

    ResponderEliminar
  18. Bem...agora fiquei curiosa acerca da receita!
    Lindo texto,lindo,lindo!
    beijinhos!

    ResponderEliminar
  19. Amigos:
    Eu prometo que publico a receita (celebre) dos "Sonhos de abóbora". E vão ver que é uma delícia. beijos Graça

    ResponderEliminar
  20. Graça.
    muito interssante esse texto
    viaguei por essas ruas contigo, linda a foto do cinema, traz saudades, com disse a Cris sem nem mesmo conhecer.
    beijo

    ResponderEliminar
  21. Obrigada

    Por mais uma vez, colorir as memórias da minha infância.

    ResponderEliminar
  22. Saudades...pois. Como a compreendo,Graça
    Muito bom este texto, que nos incentiva a viajar consigo.
    Beijos e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  23. Bom dia Graça hoje é Sábado e de muito calor.

    Este teu post tão belo e com o nome que muitas vezes vem à minha ideia quase que me faz viajar no tempo destes lugares.

    Sonho com tanta coisa que, se a vida andasse para trás o meu sonho era estar viver recordando momentos inesquecíveis apesar de muitas contrariedades terem passado por mim mas, tudo era diferente, quase como um paraíso em tempos de acalmia pura.

    Escrevo pelo que vi
    Falo pelo que passei
    Relembro tempos tão belos
    Será que os de novo verei?

    Outrora naquele sol da manhã
    Onde o raiar era puro
    A natureza era farta
    Naquele chão de tão duro

    Manga, Papaia Ananáz
    Frutos saborosos ao come-los
    Abundância era o forte
    Jamáis difícil esquece-los

    Óh que alma que não esquece
    Água correndo de um alambique
    Uma água curandeira
    A tão pura de Moçambique

    Bjos, bom Domingo com um cheiro além mar e muitas felicidades.

    ResponderEliminar
  24. Mais uma vez chega o final de semana, e não poderia deixar de vir mais uma vez, ler tuas histórias de encantar e te desejar um lindo final de semana.
    beijos

    ResponderEliminar
  25. Suas narrativas são as próprias promessas daquelas felicidades apenas anunciadas. Coloridas, vigorosas como as vozes, emocionadas como as receitas, ou sérias como as visitantes. Narrativas poéticas e dadas para cantar, posso dizer. Permita-me dizer.
    Como já disse, com muito sabor alguém lá em cima, dão saudades daquilo que não conhecíamos.
    Hoje ao acordar, vi o seu comentário e a sua lembrança; depois em sequida, a primeira foto que me aparece, também comemora o amarelo. E resolvi agradecê-la aqui pelos textos, e lá pela lembrança. Muito obrigado, sempre. Beijos. Felicidades sempre.

    ResponderEliminar
  26. Olá amiga !!!

    Gracita, deliciosamente bonito !!!
    Com que então a menina aprendeu a tocar piano ?.. muito bem, muito bem ...LOL
    É encantadora a forma como escreves as tuas histórias... Linda moradia, sem dúvida. Gostei do humor do teu pai e sobretudo do final da história...LOL

    Bom fim de semana...Beijinho

    Norberto

    ResponderEliminar
  27. Entrei por puro acaso. E fiquei completamente encantada com estas recordações, verdadeiro poema na prosa cristalina e fluente. Adorei.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  28. Graça
    o mundo é grande mas é bem pequenino cabe na palma da mão... e vamos-nos cruzando todos
    estas coisa nunca são por acaso... vim ontem trazer-te a cestinha de fruta para matar...saudades.
    um beijo

    ResponderEliminar
  29. Graça
    Que delícia de contação de história de tua vida. Adorei e me lembrou minha avó.

    Também fiquei curiosa sobre a receita :-)

    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  30. Adorei seu recado deixado no Louvor a Deus!!! Obrigada pela visita e por tornar-se nossa seguidora.Parabéns pelo seu seu blog, muito interessante!!!
    Volte sempre.
    Paz e graça com o Senhor.
    Beijos de luz.
    Eliane

    ResponderEliminar
  31. graça, minha querida!
    amei seu texto, como todos, fez-me lembrar de uma época muito boa na casa da mãe, há longo tempo, vc escreve sobre o cotidiano com tanta "graça" - e, o final, então lindo.
    tenha um final de semana mágico.
    bjkinhas no coração....

    ResponderEliminar
  32. Este texto fez-me profunda tristeza.
    Quelimane, a Quelimane aqui descrita já não existe.
    Na realidade esta Quelimane também só parcialmente existiu.
    Noutro blog verifiquei que o cinema Águia foi totalmente destruído (restando apenas as paredes), sem qualquer motivo, sem qualquer objectivo apenas pelo prazer de dar vazão à barbárie.
    Foi um momento de dor no coração.
    Lá cresci, lá namorei, lá vi o meu primeiro filme para dezoito anos (que aliás não tinha) na companhia de três grandes amigos, eram o Ciano, o Zeca Santos e o João Galvão.
    Era um filme do Elvis, vejam bem!
    Só ruínas, que desolação.
    Conheci muito bem a Maria da Graça Pinto Pereira.
    Era e é, embora não a veja há quase quarenta anos, uma pessoa encantadora muito simples, muito romântica, muito amiga e linda e alegre.
    Tinha todas as qualidades e mais esta, a de escrever muito bem, que eu não conhecia.
    Coloca muito romantismo nas suas escritas e vê tudo com um olhar cor-de-rosa.
    Quelimane não era bem isto, era uma cidade pequenina, calma e com muita amizade, mas onde os grupos sociais estavam muito bem estratificados.
    Tenho a certeza que um dia que perca a veia Júlio Dinis nos vai dar textos memoráveis mais ao estilo de Torga.
    Desculpa ir tão grande, se quiseres deita fora.
    Um grande beijo, linda garota.

    ResponderEliminar
  33. Anónimo
    Tenho pena que não assines o teu nome! Este Quelimane que eu recordo, claro que já não existe porque se existisse eu, não estava aqui, podes crer! Se reparares bem o que eu conto ( e que é verdadeiro) passa-se na esfera familiar e de amigos muito chegados com quem convivi muito e que me marcaram com histórias como estas e muitas outras que estão na minha lembrança.
    Claro que ha via classes sociais, como em todo o lado, mas não tão estratificadas, como dizes. Eu, falava com toda a gente da cidade, agora conviver "dentro de portas" também não me interessava muito. Se houve algo que me preocupou toda a vida, foi a escolha dos Amigos.
    Lamento, meu caro que não tenhas trazido recordações tão cor de rosa como as minhas. Mas, ao estilo de Torga, podes começar a desenrolar as tuas com um tremendo "Requiescat in Pace" Um beijo Graça

    ResponderEliminar
  34. Passei para fazer a minha visita de sempre...
    Aproveito para agradecer também a sua visita e o carinho que me dispensa sempre

    O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis...

    Tenha um bom domingo cheio de coisas boa
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  35. Minha querida amiga Graça.

    Todas as pessoas transparentes encontram em seu caminho por vezes uma sombra (anônimo) pela frente, não te importa, como já passei por isto te digo, quem de mim gosta tem nome.
    E aviso não irritem anônimos minha amiga, pois cá do outro do mar existe um nome que vai te afugentar.

    Beijos, um forte abraço minha querida e delete este chato(a).

    Renata

    ResponderEliminar
  36. Sabes uma coisa?? Entre tantas coisas que poderia dizer, nomeadamente o facto de gostar sempre de te ler, marco o "Gracinha" como sendo o nome que, provavelmente, te chamaria,se estivesse à tua frente! Bate certo com o que penso de ti.
    Beijo amigo
    Susana

    ResponderEliminar
  37. Para encerrar a 'polemicazinha' transcrevo de ALBERTO CAEIRO:
    O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
    Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
    Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
    ..............................................
    E por isso, porque pertence a menos gente,
    É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
    ...............................................

    ResponderEliminar
  38. Ai que saudade eu senti da minha rua,dos meus amigos e de tudo da minha cidade...Na tua lembrança,eu viajei...

    Lindo texto,feliz memória...


    Beeijinhos

    ResponderEliminar
  39. Munhamade
    E o Rio da nossa terra é o mais bonito e o maior porque a sua lembrança e saudade, pertence, afinal,a meia dúzia de memórias como a nossa! Beijo Migá

    ResponderEliminar
  40. Graça, que linda descrição do que permanece na tua memória. Ficou em mim a sensação do bucólico, da ternura, da convivênca, da amizade, da simplicidade e solidariedade que tratava no meu blog. É muito bom recordar. E, a propósito, gosto muito dos sonhos de abóbora, muito fofinhos e com molho. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  41. Graça Pereira.
    Delicio-me na beleza das palavras, entro nas memórias a adivinhar emoções, receitas, conversas de rua dum tempo que marcou vidas. África é uma raíz para ficar na nossa infinitude, a majestade da grandiosidade firmada na cor, nos cheiros e nos sons, felicitações por ser uma memória activa dos sabores de África.
    Graça, perdoe a minha insistência, mas até que diga não, volto a convidá-la a ser uma parte da comunidade que criei de língua Portuguesa, ou aconselhe-nos a alguém que sinta a amizade e a poesia dos diversos lugares que foram Portugal um dia.
    Já visitou o site http://maresiaspoetasportugueses.ning.com/?xgi=gl8CcDV ?
    Dê-me nos essa honra
    Beijinhos de amizade

    ResponderEliminar
  42. Rua de cataventos vários, como a minha, como a do poeta Quintana.

    Meu carinho.
    Sigamos...

    ResponderEliminar
  43. Quelimane era exactamente assim. A Sra do piano seria a D.ª Angela ? Parabéns por estas recordações memoráveis

    ResponderEliminar
  44. Graça,
    Tens a "graça" de em descreveres cenas de tua infância nos levar ao nosso passado de inocência e paz. Aquelas recordações que nos nutrem e preenchem o que de bom percebemos e só muito mais adiante valorizamos. Mito do que se perdeu pelo caminho, casas, terras, parentes, mas estarão sempre vivos dentro da nossa história, cada vez que alguém como tu, possas nos soprar palavras.
    Um beijo de ca do Brasil .
    Sandra

    ResponderEliminar
  45. Oi, amiga Graça Pereira, uma vez mais obrigado pelo amparo.
    Abraços!

    ResponderEliminar
  46. Graça, quando li o título deste teu belo texto, pensei ir ler algo sobre os sonhos da existência, aqueles que nos acompanham até à hora em que deixamos de acompanhar a vida.
    Na realidade, o tema versava comida, o que não deixa de ser um complemento dos sonhos que imaginava. Uma coisa te digo, meu bem, em momentos na vida alimentamo-nos dos sonhos, paixões, noutros dos sonhos, comida.

    Um beijo para ti e um dia feliz.

    Carlos

    ResponderEliminar
  47. Zéluis
    Ainda bem que pertences ao grupo (parece-me que poucos...)daqueles que recordam Quelimane como ele era!!! E os que conhecem como tu, sabem que a vizinha era a dona Ângela! Que omiti de propósito, como noutras histórias substitui o nome verdadeiro por um falso. Até agora, só deixei ficar o da Malalo e do Zacarias. Claro que, quem nasceu lá e viveu o período de tempo que eu, se esmiuçar a memória chegará á personagem verdadeira.
    Um abração para ti e Kanimambo! Graça

    ResponderEliminar
  48. É verdade, minha amiga!
    Há ruas, casas, lugares, enfim, que nunca nos saem da memória...mas o que gosto mesmo é quando fazes essas narrativas que nos enchem de saudade e o coração começa a doer...
    Uma semana de Paz, Graça, pois só com a sua graça de ser podemos a mesma obter!!!Bjssss

    ResponderEliminar
  49. Encantadora Amiga:
    Escreve deliciosa e soberbamente. Um prodígio da literatura da Blogosfera. Fascina. Arrebata. Maravilha.
    "...Gostava da minha rua onde a amizade era céu azul e os sorrisos pequenos pardalitos a oferecerem-se generosamente. Os perfumes cruzavam-se como canções: era a mangueira do lado carregadinha de frutos maduros, as buganvílias de todas as cores e as acácias floridas de sangue juncando os passeios, numa sinfonia misteriosa em que cada nota era uma promessa...."

    "Isto" é fabuloso. Entendeu "Fabuloso"...?
    Beijinhos amigos de um respeito imenso.
    Sempre a admirá-la e a estimá-la de fora gigantesca.

    pena

    Bem-Haja, notável amiga enorme.
    Adorei. Sem mais palavras...

    ResponderEliminar
  50. OLÁ GRAÇA
    Só hoje li a sua resposta...
    Com que então, uns amigos seus de Matosinhos estiveram lá e gostaram muito. Que feiz me sinto!

    Já só faltam 4 dias e meio, por isso, eu também conto que consiga lá ir até dia 2 de Outubro apreciar a Exposição e deixar umas palavras no meu livro de visitas.

    Quero-lhe dizer que estou completamente rendida à sua escrita e aqui me deliciei com as suas histórias de vida passadas em Quelimane.
    Parabéns pelo seu talento.

    Beijinhos com carinho.

    ResponderEliminar
  51. Esse ponto de encontro, essa alegria partilhada e a amizade familiar unia cada vez mais os vizinhos, o q hj não acontece, pois raramente se cumprimentam...adoro ler o q vc escreve.

    mil beijinhos!

    ResponderEliminar
  52. antigamente as pessoas eram mais terra a terra mais coração, hoje em dia estamos a perder essa familiaridade que havia, sabe bem reviver o passado.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  53. Olá!

    Lembro-me muito bem da tua rua e ainda mais do cinema Águia, onde também vi entre outros filmes os do Elvis. Mas, ao ler o teu texto senti o aroma dessa árvore de fruto que dá as mangas.

    Um beijo.

    Regina

    ResponderEliminar
  54. Simplesmente genial! Graça, você teceu com muita graça uma crônica envolvente, preenchida por cenas que remetem a uma nostalgia vivida por muitos de nós aqui no Brasil também.
    Tenho a sorte de residir numa cidade pequena, onde os vizinhos ainda vêm às nossas casas pedir emprestada uma xícara de açúcar...
    Parabéns por sua linda literatura!
    Desejo-lhe uma ótima semana. Um grande beijo.

    ResponderEliminar
  55. ah memórias, velhas memórias...

    Ao ler este texto senti as saudades de algumas memórias, momentos vividos já num passado longínquo, mas.. ao mesmo tempo tão presente, como se tivessem sido apenas ontem!..

    Algumas, ficarão nas nossas memórias para eternidade, outras.. mais vale enterrá-las de vez.

    Obrigado por este regresso ao passado, que por vezes é necessário realizá-lo para que possamos no presente melhor entender (ou enfrentar) o futuro.

    Envio-te no presente um sopro de beijos com um pedacinho de sabor a passado,
    CR/de

    ResponderEliminar
  56. Graça minha querida, bom dia.

    Segunda-feira, acho tão louco isto de uma semana começar na prática no segundo dia, mas, fazer o que?
    Ontem me aborreci pois minha conexão estava falha, reclamei com a operadora e tentaram me dar um nariz de palhaço, recusei, aqui no Brasil esta uma bagunça, operadoras de celular e residêncial infernizam nossas vidas, o atendimento é dos piores. Contudo hoje é segunda e o que passou simplesmente já embora a vida é mais do que aborrecimentos.

    Beijos e um grande abraço.

    Renata

    ResponderEliminar
  57. Verifiquei erros de ortografia e digitação desculpa é a correria.
    Residencial - já foi embora.
    Se encontrar mais algum me perdoa.
    Mais Beijos

    Renata

    ResponderEliminar
  58. Minha rua em Lisboa era assim quando eu era pequeno.Todos os vizinhos se conheciam e qualquer um de nós entrava na casa do vizinho porque estava sempre aberta!Mas tudo muda e agora não se conhece o vizinho do lado e o conselho é logo não lhes dê conversa porque não sabemos quem são , são os tempos modernos!!!!!!!!!!
    beijos Zé Al

    ResponderEliminar
  59. Renata, Alegria
    Cheguei agora a casa e que bom encontrar dois "comentários" teus, por um lado, por outro, vi os aborrecimentos que tiveste ontem com a Net... mas não é só aí... ás vezes, é preciso nervos de aço para "aguentar a barra". Quanto à ortografia, está óptima. Eu, quando estou assim, tambem não sei o que escrevo...mas, entre Amigas, não importa nada. Interessa é saber: como estás? A Primavera entrou bem na tua vida?
    Sim, desejo que a sintas e a vivas.
    Mil beijocas. Logo á noite,passo pelo teu canto .Graça

    ResponderEliminar
  60. Nada tem a ver com os SONHOS.
    Tens algo para ti no meu blog.Passa por lá, por favor.
    Um beijo e um abraço

    ResponderEliminar
  61. Graça
    é mesmo a hora ... aliás é sempre hora...
    è mesmo...Hora de...

    Mandar um beijinho para ti...

    ResponderEliminar
  62. _OBRIGADO PELA SUA VISTA TÃO CARINHOSA _________0______________
    ____________00______AS AMIZADES
    ____________0000_______VERDADEIRAS__
    ___________000000____SÃO COMO__
    __________00000000_______AS ESTRELAS__
    ________000000000000__________NÃO____
    00000000000000000000000000000__AS_____
    __0000000000000000000000000__VEMOS__
    ____000000000000000000000___TODA_____
    ______00000000000000000___HORA____
    _______000000000000000___MAS SABEMOS_
    _______000000000000000_____QUE ELAS ___
    ______00000000000000000_______*EXISTEM*_
    _____000000000_000000000___________TENHA
    ____0000000_______0000000___________UMA
    ___000000___________000000___ÓTIMA
    __000___________________000_ SEMANA...

    BEIJINHOS

    ResponderEliminar
  63. Graça.
    Gostei muito de passar por aqui,porque se vive e por isso sem dúvida tem vida.
    Um beijinho.
    Angelino.

    ResponderEliminar
  64. Amei a história, devem ter sido momentos deliciosos.

    ResponderEliminar
  65. "Hoje
    sei apenas gostar
    de uma nesga de terra
    debruada de mar" Miguel Torga

    Por favor as más recordações, quem as tem que as ponha num baú, e atire para o fundo do mar.

    As suas memórias são aquelas que permitem construir um futuro sem rancor. Continue não mude para o mais fácil.

    Beijinhos

    Auzie

    ResponderEliminar
  66. Emocionalmente belo....com gostinho de querer mais e mais....


    Ademerson Novais de Andrade

    ResponderEliminar
  67. Ola D Graça! MuITO OBRIGADA PELA VISITA! Ainda n tive tempo para ler e ver bem o seu blog mas prometo fazê-lo assim que possa! Contudo, já deu para perceber que escreve lindamente bem! um beijinho e volte sempre que assim entender!

    Paula - Heiligen BLUMMEN

    ResponderEliminar
  68. A riqueza do seu relato, coloca-nos no local dos acontecimentos que relata, com tanta graça!

    Sinto saudade desse sítio... que não conheci...
    :)
    Beijo,
    António

    ResponderEliminar
  69. Oi Graça, vc é tão presente no meu blog agradeço imensamente. Quando leio os seus textos, tenho a impressão de estar presente na sua linda historia... tão gostoso... otima semana minha linda GRAÇA, vc é especial...

    bjs
    Mônica

    ResponderEliminar
  70. Graça, os últimos serão os primeiros.....por isso estou aqui.Vim para mais uma vez agradecer a sua narrativa.Parabéns!!
    Gosto da maneira simples como vc escreve.As coisas mais simples por vezes sao as melhores, coisas que nao nos afoguem em detalhes desnecessários e enfadonhos ou que estejam demasiado complexas ao ponto de ficarem confusas e desinteressantes.
    Um bom Dia....Apareça!

    ResponderEliminar
  71. Olá Graça!!! Saudade de você.Cheguei.rs
    Amei sua crônica. Perfeita!!Senti saudade da minha rua , das "artes" [rs] que fazia e dos vizinhos. Bem diferente de hoje, que com a corrida do dia-a- dia e morando em cidades grandes, muitos não sabem "nada" dos vizinhos, não é?

    Um beijinho

    E.T. Obrigada pelo seu carinho, mesmo durante a minha ausência. Conheci duas meninas de Lisboa e lembrei de você. Umas delas também tem um blog.Vou te enviar o endereço.

    ResponderEliminar
  72. Bom dia, adorei seu blog, obrigada pela sua visita, bjs.

    ResponderEliminar
  73. Graça Passei...por Aqui...

    Ai-u-é...
    Que sôdade...
    Eu tenho de ti!...
    ......................
    Ai-ú-é...
    Que sôdade...
    Eu sinto do "antigamente"...
    ....................
    Ai-u-é...
    Que sôdade...
    Do funge e do pirão...
    ...................
    Ai-u-é...
    Que sôdade ...
    Eu tenho de ti...
    Terra do lado de lá...
    ...................
    Ai-u-é...
    Que sôdade...
    Da vida livre...
    ..............
    Ai-u-é...
    Que sôdade...
    Dormir com a porta aberta...
    E saber que o dia seguinte...
    Vinha tranquilo...
    ..................
    Ai-u-é...
    O "antigamente"...
    Era mesmo o "paraíso"...
    ....................
    Ai-u-é...
    Era também...
    Vida livre.___



    lili laranjo_____________

    ResponderEliminar
  74. Belas recordações, Graça. É como uma viajem a um mundo encantado; tenho aqui, bem pertinho, a minha rua José Bonifácio, a escola Vasco da Gama...rsrs, e moro num Porto: a cidade de Porto Alegre. Fiquei a recordar um monte, também!

    Bom final de semana, também.
    Beijinhos, amiga.
    Tais Luso

    ResponderEliminar
  75. Olá Graça!
    Só hoje descobri o teu blog e a estas horas da manhã pois estou sem sono...
    Sou a Lena Rodrigues filha do Zé Rodrigues8já falecido infelizmente!!) que trabalhou no Benfica e, na Robiallac...e morei na Rua Herois da Zambézia bem junto ao Benfica...
    Estudei na N.Senhora do Livramento e, a seguir no Colégio Paulo VI, tenho 2 irmãos, a Rute com 57 anos e, o caçula mais conhecido pelo Tó-zé com 46 anos...A minha mãe é a Angelina que trabalhava em casa, costura, malha etc!!!
    Será que és a Gracinha que eu estou a pensar?? Fazias patinagem?? Sabes é que os 50 já estou ligeiramente esquecida heheheh...principalmente das caras e nomes...
    Também tenho blogs mas com os meus trabalhos contudo adorava que me visitasses para trocarmos algumas informações e saber se és quem eu penso...
    Recordei a minha infância ao ler o teu post e deu uma saudade daquelas bem grandes e jamais poderemos esquecer o que lá vivemos!E a tua escrita transporta-nos aos lugares, visualizando-os com uma perfeição explendida, bem hajas!
    Obrigado Quelimanense e presumo que tal como eu com muito orgulho!
    Beijinhos grandes
    Helena

    ResponderEliminar
  76. Graça, vim me encantar com seus escritos e me deliciei com este texto. Adorei!!!
    Bjs

    Aproveito para convidá-la a conhecer o meu blog de textos infantis:
    mundodashistoriasmagicas.blogspot.com
    Ficaria muito honrada com sua visita.

    ResponderEliminar